Agronegócios: SP sobressai

Balança comercial paulista tem superávit de US$ 11,36 bilhões

Vista aérea do Porto de Santos, São Paulo: Exportações paulistas impulsionam agronegócios. Por Jakemonte80 (Trabalho próprio pelo carregador) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) undefined CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], undefined

Vista aérea do Porto de Santos, São Paulo: Exportações paulistas impulsionam agronegócios. Por Jakemonte80

De janeiro a setembro de 2013, as exportações do Estado de São Paulo somaram US$ 41,85 bilhões (23,6% do total nacional), e as importações, US$ 67,18 bilhões (37,5% do total nacional), registrando déficit de US$ 25,33 bilhões, informa o Instituto de Economia Agrícola (IEA-Apta) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo. Em relação ao mesmo período de 2012, o valor das exportações paulistas caiu 4,2% e o das importações subiu 14,4%, aumentando em 68,3% o déficit comercial.

Por outro lado, o agronegócio paulista apresentou exportações crescentes (+10,3%), atingindo US$ 15,90 bilhões. As importações também aumentaram (+5,8%), somando US$ 4,54 bilhões, e o saldo, de US$ 11,36 bilhões, foi 12,1% maior que o do período de janeiro a setembro do ano de 2012. José Roberto Vicente, autor do artigo (para ler o artigo na íntegra e conferir as tabelas clique aqui), destaca que as importações paulistas nos demais setores, excluindo o agronegócio, somaram US$ 62,64 bilhões para exportações de US$ 25,95 bilhões, gerando um déficit externo desse agregado de US$ 36,69 bilhões de janeiro a setembro de 2013. “Assim, conclui-se que o comércio exterior paulista seria bem mais deficitário não fosse o desempenho do agronegócio estadual”, ressalta o pequisador.

Os cinco principais grupos nas exportações do agronegócio paulista, no período, foram: complexo sucroalcooleiro (US$ 7,10 bilhões, com as exportações de álcool representando 18,5% desse total); carnes (US$ 1,90 bilhão, em que a carne bovina respondeu por 81,6%); sucos (US$ 1,58 bilhão, dos quais 99,0% referentes a sucos de laranja); produtos florestais (US$ 1,36 bilhão); e complexo soja (US$ 1,33 bilhão). Esses cinco agregados representaram 83,5% das vendas externas setoriais paulistas.

Balança Comercial Brasileira

Porto de Santos, exportações paulistas. Foto: IEA

Porto de Santos. Foto: IEA

A balança comercial brasileira registrou déficit de US$ 1,61 bilhão de janeiro a setembro de 2013, com exportações de US$ 177,65 bilhões e importações de US$ 179,26 bilhões. O saldo comercial negativo, ao contrário do período de janeiro a setembro do ano anterior, ocorreu em função de queda nas exportações (-1,6%) e aumento nas importações (+8,7%).

No mesmo período, as exportações do agronegócio brasileiro cresceram 9,5% em relação à igual ao ano anterior, atingindo US$ 78,00 bilhões (43,9% do total). Já as importações do setor aumentaram 5,3%, também na comparação com os nove primeiros meses de 2012, somando US$ 12,67 bilhões (7,1% do total). O superávit do agronegócio no período foi de US$ 65,33 bilhões, 10,3% superior ao do período janeiro-setembro do ano anterior. Da mesma forma que em São Paulo, o déficit do comércio exterior brasileiro foi menor devido ao desempenho do agronegócio.

Os cinco principais grupos do agronegócio brasileiro nas exportações de janeiro a setembro de 2013 foram: complexo soja (US$ 27,63 bilhões); carnes (US$ 12,40 bilhões); complexo sucroalcooleiro (US$ 10,34 bilhões); produtos florestais (US$ 7,13 bilhões); e cereais, farinhas e preparações (US$ 4,85 bilhões). Esses cinco agregados responderam por 79,9% das vendas externas do agronegócio nacional.

Em relação ao período janeiro-setembro do ano anterior, sobressaíram-se os aumentos nas participações de São Paulo nos grupos complexo sucroalcooleiro (+6,1 pontos percentuais); lácteos (+4,7 pontos percentuais); produtos apícolas (+4,1 pontos percentuais); cacau e seus produtos (+3,2%); e sucos (+3,1%). Já as maiores quedas ocorreram nas participações dos grupos: chá, mate e especiarias (-4,4 pontos percentuais); rações para animais (-3,8 pontos percentuais); demais produtos de origem vegetal (-3,2%); bebidas (-2,9 pontos percentuais); e produtos florestais (-2,1 pontos percentuais.

Fonte: IEA (Instituto de Economia Agrícola)
alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*