Entidades filantrópicas e beneficentes
set26
Leia mais
Nanotecnologia e a vida na Terra
set26

Nanotecnologia e a vida na Terra

Publicado em 26 de setembro de 2013   Esta ciência já está bastante difundida, faz muito tempo que nos acompanha, só não percebemos. Não é para menos! Afinal, estamos falando de medidas atômicas ou muito abaixo delas. Nesta introdução ao assunto em nosso site, vamos partir do início para melhor entendermos como surgiram as fantásticas possibilidades devido esse conhecimento científico.       O precursos do conceito de Nanotecnologia foi Richard P. Feynman, embora não tenha usado esse termo em sua palestra para a Sociedade Americana de Física, no dia 29 de Dezembro de 1959, quando apresentou suas ideias acerca do assunto. O termo, propriamente dito, só seria utilizado primeiramente pelo professor Norio Taniguchi em 1974, para descrever as tecnologias que permitam a construção de materiais numa escala de 1 nanômetro. A Nanotecnologia, também conhecida por Nanotech, consiste no estudo de manipulação da matéria em escala atômica e molecular, com medidas entre 1 a 100 nanômetros. O desenvolvimento de componentes e materiais se aplicam a diversas áreas que vão desde a medicina até a engenharia. Seu princípio básico é estruturá-los a partir dos átomos, considerados os tijolos básicos da natureza. Pensar em uma escala nano (atômica) é imaginar medidas infinitamente pequenas. Um bom exemplo é este: Imagine uma praia com 1 Km de extensão e um grão de areia de 1 mm, este grão compara-se à praia assim como o nanômetro para 1 metro. O desenvolvimento dessa tecnologia permite avanços revolucionários. Veja na prática alguns exemplos onde a nanotech já é aplicada: – Tecidos resistentes a manchas e que não amassam; – Filtros de proteção solar; – Tratamentos tópicos de Herpes e Fungos; – Nano-cola, capaz de unir qualquer material a outro; – Produtos cosméticos.     Mas não é só isso, é muito mais. Para exemplificar, vejamos como a nano pode ser aplicada ao esporte. A engenheira Mecânica Philipa Oldham, membro da IMechE (Institution of Mechanical Engineers – UK) Instituição de Engenheiros Mecânicos do Reino Unido, afirma que o futuro ainda reserva boas surpresas. “Ao longo dos próximos anos veremos uma onda de novas tecnologias de ponta na engenharia. No entanto, muitos órgãos esportivos ainda se recusam a se envolver com os engenheiros para descobrir qual o efeito que esses avanços possam ter. É vital para os esportes que eles possam se envolver para garantir que os avanços sejam introduzidos de forma justa e aberta para o mundo esportiva não ser pego de surpresa”. A BAE Systems adaptou um sistema de laser de tempo (laser-timing) para treinamento de ciclistas. Inicialmente criado para uso militar é capaz de medir o tempo em um milionésimo de segundo, simultaneamente para 30...

Leia mais
Glastonbury: Histórias e lendas
set26

Glastonbury: Histórias e lendas

Publicado em 26 de setembro de 2013 Alquimia, lendas, história e ciência se misturam aos mistérios da antiguidade, como por exemplo, em Glastonbury condado de Somerset – Inglaterra, onde supostamente teriam sido sepultados o rei Arthur e a rainha Guinevere. Para esse local sir Lancelot se retirara em penitência pela morte de Arthur. E assim se propagam as Lendas Arturianas. Muito antes desses episódios, diz a lenda que José de Arimatéia teria chegado a Glastonbury com o Santo Graal, taça usada na última ceia entre Jesus e os apóstolos, a aproximadamente 30 anos após a crucificação e que ali teria sido construída a primeira igreja britânica para guardá-lo. Porém, os historiadores atribuem a origem dessa lenda à Idade Média, época em que relíquias religiosas e peregrinações eram negócios lucrativos para as abadias, no caso a abadia Lady Chapel. Nela teriam sido encontrados em 1.191 os corpos do rei e sua rainha. Verdades ou lendas, a realidade da Arqueologia e as peregrinações às ruínas da Abadia Lady Chapel, Chalice Well ou ao Tor em Glastonbury, mostram que existe naquela localidade uma energia diferente. A maioria dos historiadores e pesquisadores como o brasileiro Giuliano José Forniarini, relatam que a abadia foi erguida por José de Arimatéia, membro do Sinédrio “homem rico, bom e justo (Jo 19:18)”, que foi contrário à sentença de morte para Jesus. Após conseguir sepultar o corpo de Cristo, Arimatéia não é mais mencionado na Bíblia. Ele teria viajado para a Bretanha (Britania) depois de livrar-se da prisão, devido a sua própria influência de negociante junto aos romanos. Conforme os historiadores, a possível data de fundação da igreja é o ano 37 d.C., a primeira do Ocidente. Ao local, peregrinos chegam em busca de energias renovadoras e os Celtas também acreditavam existir nesse lugar uma das portas de acesso ao outro mundo, assim como atribuíam-lhe a localização da mística e misteriosa Ilha de Avalon. “A herança espiritual de Glastonbury é incomparável e rica de uma mitologia insuperável, de grande misticismo, que pode nos transportar a planos superiores, pois segundo a lenda, foi o local em que o essênio José de Arimatéia depositou o Graal”, escreveu H. Gerenstadt, escritora que se dedica aos estudos enigmáticos das Lendas Arturianas. Além das ruínas da abadia, a Tor (ou colina, no antigo idioma gaélico, a linguagem dos povos célticos) também é outro ponto de peregrinação. Existem túneis e cavernas no interior da Tor, com estalactites formadas pelas correntes de água que fluem sem parar. Esse manacial é conhecido como White Spring. Mas existe outro manacial tão interessante quanto este no local, chamado Chalice Well, onde se afirma estar depositado o Graal. A...

Leia mais
Mestre Geral Song Un Kim
set26

Mestre Geral Song Un Kim

Publicado em 26 de setembro de 2013 Hapki-Do: Conjunto de energia e força da mente Mestre Geral Song Un Kim ou apenas mestre Song, como o chamam, é envolto num clima de sabedoria prestes a explodir, mas para absorver essa explosão precisaríamos de muitas semanas ou meses e assim mesmo não conseguiríamos apreender o suficiente para transmitir tantos conhecimentos acumulados ao longo de 39 anos dedicados ao Hapki-Do tradicional. Modesto, humilde e atencioso, nos recebeu em sua academia duas vezes para concluírmos esta reportagem, que transcrevemos agora. Existem registros sobre o Hapki-Do numa época tão distante quanto o ano 670 d.C. com o surgimento de guerreiros conhecidos por hwarangs no reino unificado da dinastia Sin-la (668–935 d.C.) – que ocupou o território da península aonde está localizada a Coréia. Os hwarangs eram comparavéis aos samurais japoneses ou aos cavaleiros medievais europeus. Essa tropa elitizada foi formada por aristocratas e militares com o propósito de proteger o reino recém formado, através da união dos reinos de Sin-La (o mais adiantado), Baekje e Goguryeo. O nome Coréia é proveniente da dinastia Koryo (918-1392). O treino dos hwarangs consistia em técnicas no uso de lanças, espadas, arco e flecha, montaria perfeita, além da disciplina mental e física (influências do Budismo e Taoísmo), complementadas com o uso dos pés e mãos para lutar. O código de honra Hwarang-do era composto por cinco itens: 1 – Obediência ao Rei; 2 – Respeito aos pais; 3 – Lealdade para com os amigos; 4 – Nunca recuar ante o inimigo; A partir dessa filosofia originou-se o Hapki-do que significa: hap = conjunto, ki = força da mente (energia), do = caminho, doutrina. Com a modernidade os itens foram sendo adaptados mas não perderam a essência, como podemos observar no atual código de honra: 1 – Amar a Pátria; 2 – Confraternização mútua; 3 – Não recuar um só passo na luta; 4 – Respeitar os pais; 5 – Ajudar os fracos. O Hapki-do foi adotado pela guarda pessoal do Presidente da República coreana, após a I Guerra Mundial e após a segunda grande guerra mundial passou a ser mais difundida. Possui 3.876 golpes, incluindo chutes, saltos, socos, torções, balões, defesa contra faca, manejos de bastões, espadas e outras técnicas. Sendo a luta mais popular da Coréia, hoje é praticado também em quase todo o globo. Começou a ser difundido no Brasil, a partir da chegada oficial do Grão Mestre Park Sung Jae, em 1971, que iniciou suas aulas junto ao Exército Brasileiro, incentivado pelo Coronel Paulo da Silva Freitas pelo qual foi condecorado Patrono do Hapki-Do no Brasil. Um de seus discípulos foi o mestre Carlos...

Leia mais