Funai divulga primeiro contato com índios isolados
jul31
Leia mais
Carros antigos: Bugatti – Type 43
jul31
Leia mais
Barbosa está oficialmente aposentado do STF
jul31

Barbosa está oficialmente aposentado do STF

Quinta-feira, 31 de julho de 2014 às 16h57 Aposentadoria de Joaquim Barbosa é publicada no Diário Oficial. A aposentadoria do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa foi publicada hoje (31) no Diário Oficial da União. Em sua última sessão como presidente do STF, no dia 1º de julho, Barbosa disse que deixava a Corte de forma tranquila e com a “alma leve”.     Em maio, ele anunciou que se aposentaria antecipadamente em julho, após 11 anos como ministro da Corte. Barbosa tem 59 anos e poderia continuar na Corte até a aposentadoria compulsória, em 2024, quando completa 70 anos. Ele foi o primeiro negro a presidir o STF e ocupou a presidência da Corte e do Conselho Nacional de Justiça desde novembro de 2012. O ministro foi indicado à Suprema Corte em 2003, no mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Amanhã (1º), ocorre a eleição do novo presidente do Tribunal. Pela tradição do órgão, os ministros devem escolher o presidente interino e atual vice-presidente, Ricardo Lewandowski, por ser o integrante mais antigo que ainda não presidiu o colegiado. por Ana Cristina Campos da Agência Brasil edição Denise...

Leia mais
Ministério Público do Trabalho processa M.Officer
jul31

Ministério Público do Trabalho processa M.Officer

Quinta-feira, 31 de julho de 2014 às 16h45 M.Officer pode ser banida do mercado por uso de trabalho análogo à escravidão. A marca M.Officer pode ser banida do mercado brasileiro a pedido do Ministério Público do Trabalho em São Paulo (MPT/SP) em razão do uso de trabalho análogo à escravidão na cadeia produtiva da empresa M5 Indústria e Comércio, detentora da grife.       Uma ação civil pública, ajuizada no último dia 15, exige o pagamento de indenização de R$ 10 milhões e a aplicação da Lei Paulista de Combate à Escravidão. A lei, aprovada no ano passado, prevê a cassação do registro do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e impede que proprietários exerçam atividades no mesmo ramo ou abram nova empresa no estado paulista por dez anos. Seis fiscalizações feitas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) em conjunto com o MPT, a Defensoria Pública da União (DPU) e a Receita Federal deram origem à ação. Durante as diligências, foram encontradas condições degradantes, como fiação exposta de máquinas, botijões de gás, banheiros coletivos com forte odor de urina, poeira excessiva, falta de iluminação, ausência de equipamento de proteção individual e de extintores de incêndio. Além disso, os trabalhadores, na maioria imigrantes, moravam no próprio local e recebiam de R$ 3 a R$ 6 reais por peça produzida e cumpriam jornadas médias de 14 horas. “Eles trabalhavam exaustivamente para conseguir o máximo de valor. As diligências mostraram a mesma realidade em todas as oficinas. Identificamos que a situação verificada em novembro não era episódica e se repetiu em maio. Ela fazia parte da cadeia produtiva da marca”, explicou a procuradora Tatiana Simonetti. Segundo o Ministério Público, a M5 utilizava empresas intermediárias para subcontratar o serviço de costura, feito em oficinas clandestinas, sem qualquer direito trabalhista. “A marca vem se aproveitando desse sistema, contratando empresas que não têm capacidade de produção e que repassam a confecção para essas oficinas”, apontou. A procuradora destacou que a M5, que tem filiais em todo o país sob a marca M.Officer, só tem no quadro de funcionários 20 costureiras. “Os pedidos que ela faz são de 2.080 peças. Ela fecha os olhos, de forma deliberada, para a capacidade produtiva da intermediária para garantir a produção da marca com baixo custo e coloca os trabalhadores em situação degradante”, declarou. Tatiana explicou que a ação pede a responsabilização integral da M5, tendo em vista que a terceirização em si já é irregular. “A confecção de vestuário é atividade fim. Ela é indústria e comércio. Na medida que faz, a empresa é responsável, sim, por todo trabalhador”, avaliou. Na ação, o MP também...

Leia mais
Campanha leva conhecimentos de genética ao metrô
jul30

Campanha leva conhecimentos de genética ao metrô

Quarta-feira, 30 de julho de 2014 às 19h18 Breno França, do USP Online Uma iniciativa do Instituto de Biociências (IB) da USP vai levar conhecimento científico sobre genética aos paulistanos que usam o metrô e também aos estudantes de Ensino Médio de todo o Estado de São Paulo. O Centro de Pesquisa sobre Genoma Humano e Células-Tronco, um dos Centros de Pesquisa Inovação e Difusão (Cepid) ligados à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), criou cartazes e um hot site para divulgar a campanha “Semelhantes, mas diferentes”, dentro do Projeto Semear Ciência. A intenção dos organizadores é despertar a curiosidade do público para os assuntos ligados à genética, dando conta de uma de suas missões, que é a difusão do conhecimento. “Os centros de pesquisa da Fapesp têm que cumprir três funções: ‘pesquisa’, ‘transferência de tecnologia’ e ‘educação e difusão’. Dentro desses pilares, surgiu a ideia de levar um pouco dos conhecimentos científicos de genética para a população em geral”, conta a professora Eliana Dessen, uma das criadoras do projeto. A campanha alerta as pessoas sobre a semelhança genética que outros seres vivos guardam com o ser humano, reafirmando a teoria da evolução das espécies concebida por Charles Darwin, ainda no século 19. A professora revela que no início a ideia era fazer uma exposição no metrô. Uma exposição com painéis maiores em uma única estação. “Depois, nós pensamos na possibilidade de fazer os painéis menores que podem ser distribuídos e expostos em diversos locais”, conta. Ao todo serão cerca de 200 cartazes espalhados no metrô de São Paulo, expostos de agosto a setembro deste ano. Além disso, as peças também serão colocadas em terminais de ônibus e possivelmente dentro dos coletivos, atingindo ainda mais pessoas. Apesar da intenção inicial ser alcançar os usuários do transporte público paulistano, “a ideia evoluiu” e se ampliou para atender às escolas públicas do estado. A equipe entrou em contato com a Secretaria de Educação e os cartazes também serão distribuídos para as 3775 escolas de Ensino Médio localizadas em São Paulo. Além dos cartazes informativos, o programa também prevê uma vídeo-conferência que vai orientar os professores sobre como abordar o assunto na sala de aula. Uma vídeo-conferência está marcada para o dia 8 de agosto com os 91 professores coordenadores de núcleos pedagógicos do estado. Eles vão receber orientações, conhecer os cartazes, o hot site e entre outras informações. “A partir disso, estarão capacitados para orientar os respectivos professores”, projeta Eliana. Divulgação Depois de seis meses de trabalho, desde a concepção da ideia até a elaboração dos cartazes, a iniciativa agora se encaminha para a fase final...

Leia mais
Obras de grande porte desviam tráfego na Mooca
jul30

Obras de grande porte desviam tráfego na Mooca

Quarta-feira, 30 de julho de 2014 às 19h18   A Subprefeitura Mooca informou hoje (30), que a Prefeitura está realizando obras de ampliação e reforma do antigo sistema de drenagem do bairro e pede atenção aos motoristas que transitam principalmente pelas Ruas Leocádia Cintra, Orville Derby, Canuto Saraiva, Visconde de Cairu, Borges Figueiredo, Largo São Rafael e arredores. Alternadamente, essas ruas estão tendo o tráfego local de veículos desviado em função da construção da nova galeria de águas pluviais e reforma da rede já existente. No momento o trânsito está bloqueado na Rua Orville Derby, altura do nº 190. Os veículos devem acessar a Rua da Mooca através das ruas laterais. Segundo a Subprefeitura, os bloqueios, desvios e acesso limitado são necessários para segurança de motoristas e pedestres. A obra está sendo realizada pela Secretaria de Infra-Estrutura...

Leia mais
USP oferece 4 mil vagas para a melhor idade
jul30

USP oferece 4 mil vagas para a melhor idade

Quarta-feira, 30 de julho de 2014 às 18h58 A Universidade de São Paulo oferece mais de 4 mil vagas em cursos para a terceira idade. Agência FAPESP – A Universidade de São Paulo (USP) está com as inscrições abertas para as disciplinas regulares do programa Universidade Aberta à Terceira Idade. Interessados podem cursar disciplinas como Estética e História da Arte, Fotografia Digital, Economia e Introdução à Astronomia ao lado de alunos dos cursos de graduação da USP. Além disso, são oferecidas atividades física e culturais nos campi da universidade em São Paulo, Bauru, Lorena, Piracicaba, Pirassununga, Ribeirão Preto e São Carlos. No total há 4.374 vagas para 349 atividades voltadas para a terceira idade. As inscrições seguem até 5 de agosto. Todas as atividades são gratuitas, mas as vagas são limitadas. Para participar, é preciso ter ao menos 60 anos e cumprir as exigências das disciplinas. O catálogo do programa para o segundo semestre de 2014 está disponível para download no site www.prceu.usp.br. Mais informações pelo telefone (11) 3091-9183 ou pelo e-mail...

Leia mais
Aprender para empreender
jul30

Aprender para empreender

Quarta-feira, 30 de julho de 2014 às 18h44 por Rafael Abud* O empreendedor é aquele que sabe identificar as oportunidades, agarrá-las e transformá-las em um negócio lucrativo. Seus maiores instrumentos são a inovação e a força de vontade, ambas utilizadas para filtrar as boas ideias e programá-las de forma a alcançar os seus objetivos. Isso não quer dizer que o empreendedorismo seja um talento natural; ao contrário, ele é um comportamento que pode ser construído e aprimorado com o tempo.     A partir disso, é importante que as escolas motivem e ensinem, desde cedo, a educação empreendedora para as crianças e adolescentes. Por meio dela, os alunos aprendem a tomar atitudes inovadoras, a assumir posições de liderança frente às próprias decisões e passam a acreditar mais no seu próprio potencial. Além disso, o conhecimento do empreendedorismo incentiva a formação de profissionais mais autônomos e proativos, além de abrir portas para o desenvolvimento de atividades independentes por parte dos estudantes. Para preparar os alunos para futuros caminhos empreendedores, os professores podem fazer uso de algumas atividades dentro e fora da sala de aula, como criação de miniempresas, promoção de palestras com empreendedores e professores de gestão e visitas técnicas a empresas, eventos e feiras, além de articulação de programas de simulação empresarial. Por meio da educação empreendedora, os alunos aprendem de forma dinâmica a enfrentar desafios e a desenvolver suas capacidades. O aluno empreendedor é educado desde cedo a lidar com os problemas da vida real, o que possibilita que ele tenha autonomia para fazer suas próprias escolhas. *Rafael Abud é administrador de empresas, professor e consultor do...

Leia mais
Projeto prevê vagões exclusivos para mulheres em trens e metrôs do País
jul30

Projeto prevê vagões exclusivos para mulheres em trens e metrôs do País

Quarta-feira, 30 de julho de 2014 às 18h02   Reportagem – Murilo Souza Edição – Daniella Cronemberger Agência Câmara Notícias – A Câmara dos Deputados analisa proposta que obriga as administradoras de trens e metrôs de todo o País a reservar vagões exclusivos para mulheres nos horários de maior movimento. Pelo texto, os vagões exclusivos ficarão disponíveis para o público feminino em três períodos do dia: das 6h às 9h, do meio-dia às 14h e das 17h às 20h. A exigência não vale para sábados, domingos e feriados. A medida, prevista no Projeto Lei 7343/14, do deputado Ricardo Izar (PSD-SP), também inclui contratação de profissionais da área de segurança para fiscalizar o embarque e desembarque nos vagões exclusivos. O autor afirma que, dado o grande volume de passageiros em horários de pico, é comum haver relatos de situações de pânico para mulheres, que são vítimas de assédio e abuso sexual. Izar destaca que a medida já é adotada, por meio de lei estadual e distrital, no metrô do Rio de Janeiro, desde 2006, e de Brasília, desde julho de 2013. “Torna-se necessária a adoção de uma lei federal, que estenda para todo o País os efeitos gerados nessas regiões”, justificou. Pelo texto, as empresas terão 30 dias para se adequar à nova lei. Tramitação A proposta tramita apensada ao PL 6758/06, da deputada Rose de Freitas (PMDB-ES), que trata do mesmo assunto. O projeto principal foi aprovado em agosto de 2009 pela Comissão de Seguridade Social e Família e aguarda análise conclusiva das comissões de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. O metrô de Brasília já conta com um vagão exclusivo para mulheres, conhecido como Vagão Rosa, e a maioria das usuárias disse se sentir mais segura contra abusos sexuaisFábio Rodrigues Pozzebom/Agência...

Leia mais
MP cria subsídio para promover aviação regional
jul30

MP cria subsídio para promover aviação regional

Quarta-feira, 30 de julho de 2014 às 17h51 Reportagem – Marcello Larcher Edição – Rachel Librelon Agência Câmara Notícias – O Congresso analisa a Medida Provisória 652/14, que cria o Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR), para subsidiar as operações de empresas aéreas em aeroportos com até 1 milhão de passageiros por ano.     O subsídio inclui tarifas aeroportuárias e parte dos custos das companhias, mas ainda depende de regulamentação por parte da Secretaria de Aviação Civil (SAC). A intenção, segundo o ministro-chefe da SAC, Moreira Franco, é favorecer ainda mais a região Norte, onde o transporte depende de aviões. “Na região amazônica a aviação é uma questão essencial, porque você mede distâncias em dias de balsa ou em horas de avião”, afirmou. Embora a regulamentação ainda não esteja pronta, durante o anúncio da MP, Moreira Franco adiantou alguns pontos do texto que deve ser publicado ainda este ano. Estarão disponíveis em 2015 para a subvenção cerca de R$ 1 bilhão, oriundos do Fundo Nacional da Aviação Civil (Fnac), formado pelo que é pago pela concessão dos maiores aeroportos nacionais, e que em 2013 arrecadou R$ 2,7 bilhões. A subvenção seria diretamente sobre as passagens aéreas em voos com origem ou destino em aeroportos regionais. O subsídio deve ser limitado a 60 assentos por voo ou 50% dos assentos ofertados. Com a redução no custo do voo e no valor da passagem, o governo espera um estímulo para a criação de mais rotas regulares e para o aumento da frequência dos voos que já operem nesses aeroportos. Mais caro Atualmente, segundo dados da SAC, voos regionais custam em média 31% mais caro por quilômetro do que um voo entre capitais. A intenção é equilibrar os custos e a escala em que esses voos acontecem para baratear as passagens e estimular um novo mercado, que no futuro poderá se sustentar sem o subsídio. Pela MP, a fiscalização deve ser feita pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), e as empresas que não cumprirem a meta de redução das tarifas e voos regulares podem ser desligadas do subsídio. Aeroportos Pelas contas da secretaria, 109 aeroportos que já operam voos regulares são elegíveis para a subvenção. O governo federal esperava lançar até o fim do ano os editais para a construção de outros 160 aeroportos regionais. Essa é a segunda etapa do plano de desenvolvimento da aviação regional, que começou com a reforma e construção de aeroportos fora das capitais e em regiões isoladas dos vôos comerciais. A meta do governo são 270 aeroportos regionais pelo Programa de Investimentos em Logística: Aeroportos. Segundo a Secretaria, há 220 estudos de viabilidade...

Leia mais
Desmatamento da Amazônia aumenta poluição em países da América do Sul
jul29
Leia mais
Biblioteca Cassiano Ricardo no Tatuapé
jul29

Biblioteca Cassiano Ricardo no Tatuapé

Terça-feira, 29 de julho de 2014 às 17h19 PROGRAMAÇÃO CULTURAL ESPAÇO ITAMAR ASSUMPÇÃO CIRCUITO DE MÚSICA Ricardo Vignini e Índio Cachoeira “Viola caipira duas gerações” Ricardo Vignini é um dos violeiros mais atuantes do Brasil, produtor e pesquisador de cultura popular do sudeste. José Pereira de Souza, o Índio Cachoeira, já gravou com inúmeras duplas e é considerado um virtuose da viola. Juntos, realizaram dezenas de apresentações pelo País e lançaram o CD “Viola Caipira Duas gerações”. Dia 8 de agosto às 18h MÚSICA PARA TODOS Realização dos Coletivos T.D.V, artistas e articuladores culturais contemplados com o Prêmio Funarte de Música Brasileira 2012. Arquitetura musical com Rui Barossi A oficina pretende apresentar aos espectadores um breve insight a respeito de algumas formas usadas na música popular ocidental. Pequenos conhecimentos de como a música popular é estruturada – suas divisões de partes, recorrências, chorus de improvisação, etc – podem tornar a fruição do espectador muito mais plena, complexa e portanto, interessante. Com linguagem simples acessível para leigos, o oficineiro vai destrinchar os conceitos básicos dos mecanismos de estruturação musical – de como a música pode ser arquitetada, – e de como nós, como espectadores, podemos participar dessa arquitetura simplesmente por reconhecer certos padrões dessa estrutura, a partir de seus arranjos e de outros músicos conhecidos. Dia 30 de agosto às 14h MEDIAÇÃO DE LEITURA Funcionários da Biblioteca propõem um contato lúdico entre leitores de todas as idades e os livros, com a intenção de despertar o interesse e o hábito da leitura. Tarde entre Livros com Camila Vieira Braido e Odenir Vinhato. Livre. Dia 30 de julho às 15h Dias 6, 13, 20 e 27 de agosto às 15h PROGRAMA VOCACIONAL MÚSICA Realizado pelo DEC – Departamento de Expansão Cultural da Secretaria de Cultura em diversos espaços públicos, o Programa Vocacional é aberto a maiores de 14 anos. Turma 1: às quartas-feiras das 14h às 17h Turma 2: aos sábados das 13h às 16h CURSOS Violão popular com Anita Deixler Esse horário será dedicado para pessoas que já sabem tocar o instrumento e que desejam se aperfeiçoar ou retomar a prática. A cada semana será trabalhada uma canção da música popular brasileira. Para maiores de 14 anos. 15 vagas, inscrições na Biblioteca ou através do email:bmcassianoricardo@yahoo.com.br   Dia 7 de agosto às 17h30 Canto para contadores de histórias com Anita Deixler Encontro semanal tendo em foco uma consciência vocal e a melhoria da técnica vocal através do canto. Os encontros serão em grupo, mas com acompanhamento individual. Adulto. 15 vagas, inscrições na Biblioteca ou através do email: bmcassianoricardo@yahoo.com.br Dia 7 de agosto às 19h30   Camila Vieira Braido Coordenadora Biblioteca Pública Cassiano...

Leia mais
Escritório Escola do Projeto Quixote será mostrado em livro
jul29
Leia mais
Subprefeitura Sé quer ouvir população
jul29
Leia mais
Governo inclui vacina contra hepatite A no SUS
jul29

Governo inclui vacina contra hepatite A no SUS

Terça-feira, 29 de julho de 2014 às 18h34 O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira (29) que o SUS (Sistema Único de Saúde) passa a oferecer vacina contra hepatite A para crianças. A meta do Ministério da Saúde é imunizar três milhões de crianças, na faixa etária de um e dois anos, no prazo de um ano. A medida integra as ações que marcam o Dia Mundial de Luta contra Hepatites Virais, celebrado em 28 de julho. O calendário básico de imunização da criança está sendo ampliado com a introdução da vacina contra a hepatite A, que passa a ser ofertada nos postos de saúde do país. A meta do Ministério da Saúde é imunizar 95% do público-alvo, cerca de três milhões de crianças – na faixa etária de um até dois anos incompletos – no período de 12 meses. Com isso, o Brasil passa a oferecer, gratuitamente, 14 vacinas de rotina, garantindo todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O objetivo é prevenir e controlar a hepatite A e, dessa forma, imunizar, gradativamente, toda a população. O esquema vacinal preconizado pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, prevê uma dose única da vacina. Será feito o monitoramento da situação epidemiológica da doença, no país, para definir a inclusão ou não de uma segunda dose no calendário da criança. A Hepatite A é uma doença infecciosa aguda que atinge o fígado. Para o início da vacinação, estados e municípios já receberam 1,2 milhão de doses. Outros lotes da vacina serão encaminhados, ainda este ano e no decorrer de 2015, para atender 100% do público-alvo. A data para início da vacinação será definida por cada estado. As doses para o início da vacinação já foram enviadas para todas as secretarias estaduais de saúde, assim como os materiais instrucionais para a correta aplicação na população. A vacina contra a hepatite A é segura e praticamente isenta de reações, mas pode provocar vermelhidão e inchaço no local da aplicação. Parceria A introdução desta vacina foi possível mediante política adotada pelo governo brasileiro de fortalecer o complexo industrial da saúde, ampliando a capacidade de produção de vacinas no país. A tecnologia envolvida é resultado de acordo de transferência feito por meio de Parceria de Desenvolvimento Produtivo (PDP) entre o Ministério da Saúde e o laboratório produtor Merck Sharp & Dohme Farmacêutica, que vai transferir gradualmente para o laboratório público Instituto Butantan a tecnologia e a fórmula do princípio ativo deste imunobiológico. A transferência completa da tecnologia, com produção 100% nacional, está prevista para 2018. Sobre a doença A hepatite A é habitualmente benigna e raramente apresenta uma...

Leia mais
Astrônomos observam pela primeira vez as entranhas de uma estrela
jul28
Leia mais
Você pode conseguir uma vaga grátis no Senac
jul28
Leia mais
Museu da Energia reabre em 22 de agosto
jul28

Museu da Energia reabre em 22 de agosto

Segunda-feira, 28 de julho de 2014 às 19h30 Após restauro, Museu da Energia de São Paulo reabrirá com nova exposição. Após passar por obras de manutenção e restauro, o Casarão do Museu da Energia de São Paulo, localizado no bairro dos Campos Elíseos, reabre à visitação pública, no dia 22 de agosto, sexta-feira, com a exposição inédita “Tempos de Energia: São Paulo em transformação”. Por meio de um rico acervo, tanto museológico quanto documental, a exposição apresenta importantes momentos da formação e expansão do setor elétrico paulista, exibindo a complexidade da implementação da energia e os seus reflexos em São Paulo, bem como os atuais desafios do setor. Restauro Para a instalação da mostra, o Museu da Energia passou por obras de manutenção e restauro, como pintura das fachadas e das paredes internas, reparo nas janelas, portas e pisos, além da recuperação das esquadrias do prédio. Tombado pelo Condephaat desde 2002 e pelo Conpresp desde 2003, as obras no Museu respeitaram a estética original do Casarão. A pintura foi realizada com base em uma das primeiras fases do edifício, quando ainda era residência da família do cafeicultor paulista Henrique Santos Dumont, mas sem apagar a maioria das contribuições arquitetônicas realizadas pelas ocupações posteriores. O imóvel, adquirido por Henrique em 1894, foi projetado pelo escritório do arquiteto Ramos de Azevedo, referência na Capital entre o final do século 19 e início do 20. A mostra “Tempos de Energia: São Paulo em transformação” poderá ser vista de terça a sábado, das 10 às 17 horas, no Museu da Energia de São Paulo (Al. Cleveland, 601 – Campos Elíseos –...

Leia mais
Reservas extrativistas enfrentam o desafio da sucessão
jul25
Leia mais
Recife em forma de coração
jul25
Leia mais
El Niño
jul25

El Niño

Leia mais
Condições oceânicas favorecem El Niño
jul25

Condições oceânicas favorecem El Niño

Sexta-feira, 25 de julho de 2014 às 19h46   NASA – Os dados dos satélites de observação do oceano e outros sensores oceânicos indicam que as condições para formação do El Niño parecem estar se desenvolvendo no Oceano Pacífico equatorial. As condições de maio 2014, tem semelhanças com as de maio de 1997, um ano que trouxe um dos mais potentes eventos de El Niño do século 20.     Durante um El Niño, os ventos alísios no Pacífico oscilam e permitem a formação de ondas gigantes, como ondas de Kelvin, no Pacífico ocidental indo na direção da América do Sul causando aquecimento das águas. A superfície das águas no Pacífico Central e Oriental tornam-se significativamente mais quentes do que o normal, alterando os padrões climáticos e afetando a pesca ao longo da costa oeste das Américas. El Niño também pode ter uma influência significativa no tempo e no clima muito longe dos...

Leia mais
Prefeitura vai transformar Chácara do Jockey em parque público
jul25
Leia mais
SP integra projeto internacional de megatelescópio
jul24
Leia mais
Trabalho escravo: Lei causa prejuízo aos infratores
jul24

Trabalho escravo: Lei causa prejuízo aos infratores

Quinta-feira, 24 de julho de 2014 às 18h29 Lei contra trabalho escravo inova por causar prejuízo àqueles que lucram com esse crime. No Brasil não há casos de condenação penal, embora a conduta seja tipificada. por Marisilda Silva e Fernando Caldas Assembleia Legislativa – O Estado de São Paulo possui legislação que pune com rigor a exploração de trabalho em condições análogas à escravidão. Sancionada em 28/1, a nova lei estabelece que empresas flagradas utilizando trabalho escravo perderão suas inscrições no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), serão fechadas e não poderão realizar qualquer transação formal. A autuação vale tanto para as envolvidas diretamente quanto as beneficiárias indiretas. Atinge ainda os sócios envolvidos, que ficam impedidos de entrar com nova inscrição por dez anos.       A Lei 14.946/2013, aprovada pela Assembleia no final de 2012, concluiu uma etapa crucial para a sua aplicação efetiva com a sanção do Poder Executivo no dia 13/5/2013, do decreto que a regulamentou e estabeleceu as condições formais para a rigorosa aplicação das penalidades. Havia uma portaria editada em fevereiro pela Secretaria estadual da Fazenda que dificultava a punição das empresas, uma vez que o processo de cassação do cadastro do ICMS só poderia ser iniciado após condenação penal, transitada em julgado, de pessoa vinculada à empresa que tivesse feito exploração de trabalho escravo. Segundo informações de auditores e procuradores do Trabalho, não há no Brasil condenação criminal pela prática desse crime (tipificado no artigo 149 do Código Penal). A lei aprovada em São Paulo atinge economicamente os que fizerem uso dessa prática. A lei contra trabalho escravo inovou ao prever restrições que acarretarão prejuízo àqueles que lucram com esse crime. O viés econômico trazido pela medida é uma de suas inovações. Deve, inclusive, influenciar na lógica do mercado paulista. “A criação dessa lei deverá inibir a concorrência desleal”, ressalta Luiz Carlos Fabre, procurador do trabalho. A nova legislação foi motivada por uma série de denúncias feitas pelo Ministério Público do Trabalho sobre casos de trabalhos forçados no Estado de São Paulo. A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo apurou, nos últimos dois anos, diversos casos de trabalho degradante ocorridos em oficinas de confecção e no segmento da construção civil, envolvendo empresas renomadas desses...

Leia mais
Carros antigos: Crane-Simplex – Model 5
jul24
Leia mais
Artigo aponta erros na reabertura da USP-Leste
jul23

Artigo aponta erros na reabertura da USP-Leste

Quarta-feira, 23 de julho de 2014 às 21h15 A decisão arriscada e eleitoreira de reabrir o campus contaminado da USP Leste por Edson Domingues* A reabertura da USP Leste entra para a categoria dos museus de grandes novidades. Agradou até membros do primeiro escalão do governo Fernando Haddad. Da CETESB não se poderia esperar nada diferente.     A reabertura se dá com restrições de acesso à área que recebeu aproximadamente 6 mil caminhões de terra contaminada e sem procedência. Como se tapumes controlassem o veneno. Além da terra clandestina depositada na área de proteção ambiental do Tietê, sob os pés dos alunos e professores da USP Leste encontra-se volumosa quantidade de metano, naftaleno, chumbo e toda sorte de compostos orgânicos voláteis, semi-voláteis, pesticidas como aldrin, além dos PCB’s – Bifenilos Policlorados. Estes, extremamente perigosos, carcinogênicos, afetam diretamente o sistema nervoso central, além de causar danos ao fígado, baço e rins. Popularmente os PCB’s são conhecidos como ascarel ou óleo elétrico. Mas nada disso importa, ainda que relatórios apontem para eventuais riscos à saúde humana. A CETESB atestou nesta última semana que os valores apresentados das amostras estão abaixo dos limites de intervenção, como se a exposição de indivíduos diferentes tivessem resultados iguais. Mas de tudo o que se publicou até a reabertura da USP Leste, que no passado foi a melhor universidade da América Latina, até agora nada se mencionou sobre as possíveis “contraprovas” dos pareceres técnicos da CETESB. Única instituição com fé pública, com tecnologia disponível para aferir níveis de contaminantes, não há outra capaz de questionar suas decisões. O Ministério Público Estadual recomendou 11 iniciativas para reabertura. A pressão do Palácio dos Bandeirantes fez retomar as aulas face ao inevitável desgaste nas eleições. Em 2001, João Yunes, médico sanitarista e representante brasileiro na Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) estava à frente da renomada Faculdade de Saúde Pública. Yunes era um homem à frente de seu tempo. Sua passagem pelo Conselho Consultivo da Organização Mundial de Saúde marcou época. Como sanitarista, compreendia a saúde como assunto além dos limites do indivíduo. Sua visão estava associada ao ambiente, em especial o das grandes cidades. O sonho de João Yunes era equipar a Faculdade de Saúde Pública com moderno laboratório capaz de oferecer maior rigor na investigação científica nas questões de saúde ambiental. O ideal de um novo laboratório para análise do ambiente urbano, em especial da cidade de São Paulo, era justamente questionar dúvidas que pairavam sobre aferições e laudos das instituições. O sonho de Yunes não se concretizou. Vale o parecer da CETESB. * Edson Domingues, 45 anos, é ambientalista e autor de projetos de sustentabilidade na periferia...

Leia mais
Prefeitura oferece curso para a melhor idade
jul23

Prefeitura oferece curso para a melhor idade

Quarta-feira, 23 de julho de 2014 às 20h55 Objetivo é formar pessoas idosas para liderança em movimentos sociais das comunidades A capital paulista está envelhecendo e o número de idosos – pessoas com mais de 60 anos – vem subindo rapidamente e já somam 11,89% de todos os habitantes da cidade. A longevidade em alta é um bom sinal, mas também traz grandes desafios aos administradores públicos nas questões de saúde e assistência social.     A informação é da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo que pensando nisso, em convênio com a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, organizou um curso destinado à formação de líderes comunitários comprometidos com os movimentos sociais voltados ao direito da pessoa idosa, com objetivo de colocar esta população como protagonista na escolha de políticas mais adequadas a sua realidade. O curso terá duração de dois meses e meio com aulas duas vezes por semana, entre os dias 18 de agosto e 17 de outubro. Para os moradores de cinco subprefeituras, incluindo a da Mooca, o curso será ministrado na sede da Subprefeitura da Vila Prudente, na Avenida do Oratório, 172. Inscrições e informações através do email camilakanashiro@prefeitura.sp.br ou pelos telefones: 3113-9908/3113-9704. Cada subprefeitura terá dez vagas para interessados. Fonte: Subprefeitura...

Leia mais
Brasil vacila em ratificar protocolo sobre biodiversidade
jul23

Brasil vacila em ratificar protocolo sobre biodiversidade

Quarta-feira, 23 de julho de 2014 às 20h38 A demora do Congresso Nacional em votar a ratificação do Protocolo de Nagoya, assinado pelo País em 2010, pode custar a cadeira brasileira na mesa de discussões da COP-12 O Brasil foi um dos primeiros países a assinar o Protocolo de Nagoya, proposto na 10ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Biodiversidade (COP-10), em 2010, como alternativa para regulamentação do uso de recursos da biodiversidade do planeta.     Depois de quatro anos, no entanto, o País acaba de perder a chance de participar ativamente da discussão sobre o assunto. As propostas contidas no protocolo não foram ratificadas pelo Congresso Nacional. Para entrar em vigor, 50 dos 92 signatários da Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB) precisavam confirmar sua validade, incorporando-o a legislação, até junho deste ano. O que aconteceu nesta segunda-feira 11, sem a participação do Brasil. “O Brasil perdeu uma grande chance deixando de votar este projeto, uma vez que o País foi protagonista da proposta, junto com o próprio Japão. Mas se em casa a gente não consegue aprovar o que sugerimos internacionalmente, isso mostra que fomos muito bons de papo e pouco eficientes na ação”, avalia Marcio Astrini, coordenador da Campanha da Amazônia do Greenpeace Brasil. “De certa maneira isso é um reflexo da visão ambiental do atual governo, que ao invés de ver no Meio Ambiente uma oportunidade, vê nele um empecilho”, completa Astrini. Parado desde 2012 no Congresso Nacional, o projeto foi designado para uma comissão especial, que nunca foi criada. O assunto sofre forte resistência por parte da bancada ruralista, que acredita que a ratificação da proposta poderia aumentar os custos do agronegócio no Brasil. Um dos pontos mais polêmicos refere-se ao pagamento de royalties a países pela repartição de benefícios aos detentores de conhecimentos tradicionais associado ao uso de recursos genéticos oriundos da biodiversidade, como povos indígenas e comunidades tradicionais. “O objetivo central do protocolo é aumentar a proteção sobre as reservas naturais do planeta e, para isso, deve criar uma série de regras para controlar a utilização dos recursos, estabelecendo, inclusive regras econômicas. Isso vai no caminho do que precisa ser feito no mundo todo e precisamos participar desta discussão”, observa Astrini. O Brasil concentra aproximadamente 20% de toda a biodiversidade do planeta. A regulação contribuiria para o combate a biopirataria, com ganhos no campo da ciência e também para as populações tradicionais, que teriam seus saberes reconhecidos e valorizados. Outro ponto importante do protocolo é o plano estratégico de preservação, que aumenta as áreas terrestres e marítimas a serem protegidas no planeta. As regiões terrestres protegidas passariam de...

Leia mais
TCU determina devolução de US$ 792,3 mi à Petrobras
jul23

TCU determina devolução de US$ 792,3 mi à Petrobras

Quarta-feira, 23 de julho de 2014 às 20h28 TCU responsabiliza diretores da Petrobras por compra da Refinaria de Pasadena Sabrina Craide – Repórter da Agência Brasil Edição: Carolina Pimentel O Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou há pouco o relatório do ministro José Jorge, relator do processo que investiga irregularidades na compra da Refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), pela Petrobras. O ministro determinou a devolução de US$ 792,3 milhões aos cofres da Petrobras pelos prejuízos causados ao patrimônio da empresa. O relatório isenta de responsabilidade os membros do Conselho de Administração da empresa, que na época era presidido pela então ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, hoje presidenta da República.       O maior montante, de US$ 580,4 milhões, deverá ser devolvido por membros da diretoria executiva da Petrobras, que aprovaram a ata de compra da refinaria, entre eles o ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli, além de Nestor Cerveró, Almir Barbassa, Paulo Roberto Costa, Guilherme Estrella, Renato Duque, Ildo Sauer e Luís Carlos Moreira da Silva. Eles terão prazo de 15 dias para apresentar defesa. Todos os citados terão os bens indisponíveis por um ano para garantir o ressarcimento dos prejuízos. O processo será convertido em tomada de contas especial, para permitir a apuração dos danos e a responsabilização dos agentes, além do direito ao contraditório e à ampla defesa. Depois dessa etapa, será feito um novo relatório, que pode mudar valores e até os citados no processo. Segundo José Jorge, há “robustos indícios da prática de atos que impuseram prejuízos à Petrobras”, que corresponde a US$ 580,4 milhões. Para ele, os membros da diretoria executiva da Petrobras podem ser responsabilizados pelo prejuízo, porque cabia a eles a gestão do processo de compra, desde a negociação inicial até a confecção dos contratos. “O conhecimento que detinham ou deveriam deter sobre as operações impunha a eles o dever de se contrapor à aquisição daquela refinaria, nas condições que se deu”. O ministro não determinou, no entanto, a necessidade de ouvir os membros do Conselho de Administração da empresa, que, para ele, estão em situação diferente, porque autorizaram o negócio com base em documento, que omitiu informações e cláusulas, além de conter dados incorretos. “Daí, resulta a conclusão preliminar de que a formatação do negócio que constaria dos respectivos contratos era, em relação aos aspectos essenciais, distinta daquela que foi apresentada ao Conselho de Administração”, disse José Jorge. “Achamos que devemos nos concentrar na punição dos membros da diretoria executiva, mas dependendo do que eles disserem pode ser que se verifique a necessidade de também ouvir membros do Conselho de Administração”, acrescentou o relator. Em 2006, a...

Leia mais
Justiça autoriza reabertura da USP Leste
jul23

Justiça autoriza reabertura da USP Leste

Quarta-feira, 23 de julho de 2014 às 17h35 – atualizado às 20h11   Fernanda Cruz – Repórter da Agência Brasil Edição: Valéria Aguiar A Justiça de São Paulo autorizou a reabertura do campus da Universidade de São Paulo na zona leste da capital paulista (USP Leste). O local estava interditado desde 9 de janeiro, após a constatação da presença de gás metano – altamente inflamável – proveniente dos dejetos depositados no terreno resultantes da dragagem feita no Rio Tietê.     A decisão da Justiça se baseou no parecer técnico elaborado pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), o qual concluiu que “os gases presentes no subsolo, notadamente o metano, não impõem um risco iminente à segurança dos usuários do campus”. O órgão alertou, porém, que há risco no local que demandará “a manutenção e o aperfeiçoamento das medidas de intervenção que estão em curso”. A Cetesb exige que a USP faça uma medição semanal de metano nos poços de monitoramento de gases instalados no interior das edificações, mantenha o monitoramento semanal dos níveis de inflamabilidade em todos os ralos, grelhas, fissuras e ambientes confinados, e implante medidas de redução de ruído no sistema de exaustão de gases instalados. A reitoria da universidade informou, por meio de nota, que trabalha ativamente para atender às exigências técnicas e legais dos órgãos competentes de forma a garantir o retorno, com segurança, da comunidade universitária ao campus da USP Leste. “Importante ressaltar que medidas continuarão em andamento para resolver o passivo ambiental, de modo a fazer da USP Leste um modelo de ocupação segura e sustentável, em uma área que estaria, de outro modo, inutilizada para ocupação humana”, diz a nota. Segundo a assessoria de imprensa da unidade, que tem cerca de 6 mil alunos e 270 professores, ainda não há previsão de data para o reinício das atividades e das aulas no campus.   Saiba mais O que diz a Cetesb Nota da USP-Leste sobre a liberação do Campus  ...

Leia mais
USP Leste divulga nota sobre liberação do Campus
jul23

USP Leste divulga nota sobre liberação do Campus

Quarta-feira, 23 de julho de 2014 às 20h06   Nota do reitor Marco Antonio Zago sobre a liberação da área da USP Leste Desde o início da nossa gestão, temos trabalhado ativamente para atender às exigências técnicas e legais dos órgãos competentes, de forma a garantir o retorno, com segurança, da comunidade universitária ao campus da USP Leste. Dessa forma, a liberação da área por parte da Justiça, deliberada no dia de hoje, representa importante vitória para a Universidade, muito esperada pelos cinco mil estudantes, 260 docentes e 200 servidores que compõem a EACH. Nosso empenho em relação à EACH, no entanto, não se encerra aqui. Nossa atenção principal, a partir de agora, é garantir o retorno à normalidade das aulas de graduação e de pós-graduação, das atividades de pesquisa, de cultura e de extensão universitária e dos serviços técnico-administrativos. Importante ressaltar que medidas continuarão em andamento para resolver o passivo ambiental, de modo a fazer do campus da USP Leste um modelo de ocupação segura e sustentável, em uma área que estaria, de outro modo, inutilizada para ocupação humana. O segundo aspecto é trabalhar em longo prazo, com todos os docentes, alunos e servidores da USP Leste, para fortalecê-la como uma Unidade de Ensino e Pesquisa de grande projeção dentro da Universidade, e que sirva ao mesmo tempo de instrumento de interação da Instituição com essa importante região da cidade. Marco Antonio Zago, reitor da...

Leia mais
Após inspeção, Cetesb conclui que campus da USP Leste pode ser reaberto
jul23

Após inspeção, Cetesb conclui que campus da USP Leste pode ser reaberto

Quarta-feira, 23 de julho de 2014 às 20h Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil Edição: Juliana Andrade Após inspeção feita este mês na área contaminada no campus da Universidade de São Paulo na zona leste da capital paulista (USP Leste), a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) encaminhou ofício hoje (22) à Promotoria de Justiça do Meio Ambiente para informar que a interdição do local já pode ser suspensa, ou seja, o campus pode ser reaberto.   Parecer técnico elaborado pela Cetesb, entregue também à direção da USP Leste, concluiu que “os gases presentes no subsolo, notadamente o metano, não impõem um risco iminente à segurança dos usuários do campus”. Apesar disso, alertou o órgão, ainda há risco no local, o que demandará “a manutenção e o aperfeiçoamento das medidas de intervenção que estão em curso”. A unidade, que tem cerca de 6 mil alunos e 270 professores, está interditada desde 9 de janeiro pela Justiça, que considerou que a continuidade das atividades traz riscos à integridade física dos estudantes e funcionários. O terreno onde funciona a Escola de Artes, Ciências e Humanidades foi usado como depósito de dejetos resultantes da dragagem do Rio Tietê. Além de parte da área estar contaminada por substâncias tóxicas, existe acúmulo de gás metano no subsolo. Uma das condições impostas para a liberação do campus é que seja finalizada a instalação de equipamentos necessários para o funcionamento do sistema de exaustão de gases, que já foi implantado e está em operação em praticamente todos os edifícios da unidade. Segundo a Cetesb, falta apenas a implantação desse sistema no edifício I-1 e no ginásio. Outra medida importante, informou a Cetesb, é o isolamento da área onde foi depositado, em 2011, material contaminado com bifenilas policloradas (PCB). “A direção da unidade já providenciou esse isolamento com tapumes e cobriu o terreno com grama. A Cetesb concedeu prazo de 90 dias para que seja providenciado estudo mais detalhado desse local, visando à delimitação desse solo contaminado e, a partir dos resultados encontrados, realizar avaliação de risco”, informou o órgão. O parecer técnico da Cetesb também exige que a USP faça uma medição semanal de metano nos poços de monitoramento de gases instalados no interior das edificações, mantenha o monitoramento semanal dos níveis de inflamabilidade em todos os ralos, grelhas, fissuras e ambientes confinados e implante medidas de redução de ruído no sistema de exaustão de gases instalados. Por meio de nota à imprensa, a USP informou que a decisão para a reabertura do campus cabe à Justiça, que interditou a área. “Nesse sentido, a universidade aguarda a decisão dessa...

Leia mais
Doença de Parkinson
jul23

Doença de Parkinson

Quarta-feira, 23 de julho de 2014 às 19h36   Grupo estuda papel do sistema endocanabinoide na doença de Parkinson Por Karina Toledo Agência FAPESP – Uma pesquisa em andamento no Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) tenta desvendar como o sistema endocanabinoide está envolvido no processo neurodegenerativo que acomete portadores da doença de Parkinson. O sistema endocanabinoide é formado por um conjunto de neurotransmissores quimicamente semelhantes a compostos químicos existentes na maconha (Cannabis sativa) e por seus receptores cerebrais. De acordo com Andrea da Silva Torrão, coordenadora da pesquisa apoiada pela FAPESP, esse conhecimento poderá ajudar no desenvolvimento de novas ferramentas terapêuticas. “Os primeiros resultados obtidos mostram que o sistema de neurotransmissão endocanabinoide está envolvido na doença de Parkinson, mas ainda não sabemos se para o bem ou para o mal. Conhecendo melhor como ele se comporta, poderemos ir atrás de drogas capazes de pelo menos melhorar a qualidade de vida dos pacientes”, disse Torrão. A doença de Parkinson é resultante da perda progressiva de neurônios que produzem o neurotransmissor dopamina e estão situados em um núcleo cerebral relacionado ao controle de movimentos conhecido como substância negra. “A substância negra faz parte de um grande complexo cerebral denominado núcleos da base. Uma das funções dos núcleos da base é a organização dos movimentos voluntários”, explicou a pesquisadora. Quando a perda dos neurônios dopaminérgicos ultrapassa 50%, começam a se manifestar sintomas como tremores de repouso, rigidez muscular, bradicinesia (lentidão de movimento) e acinesia (imobilidade). A doença também costuma causar depressão, problemas cognitivos e, em estágio avançado, demência. Para tentar descobrir o que dispara a degeneração dos neurônios dopaminérgicos e entender como o sistema endocanabinoide participa do processo, os pesquisadores do ICB induziram um quadro semelhante ao Parkinson em ratos. “Os endocanabinoides têm a função de neuromodulação. Fazem uma espécie de ajuste fino das sinapses e controlam a liberação de outros transmissores dos neurônios. Os receptores canabinoides CB1 ficam principalmente nos terminais axônicos de dois tipos de neurônios: os gabaérgicos – que usam como mediador o ácido gama-aminobutírico (GABA) – e os glutamatérgicos – que usam como mediador o glutamato. Ambos existem em grande quantidade nos núcleos da base”, disse Torrão.     Os experimentos com modelo animal foram realizados durante o doutorado de Gabriela Pena Chaves-Kirsten, com Bolsa da FAPESP. Parte dos resultados foi publicada na revista PLoS One. A morte dos neurônios dopaminérgicos foi provocada em apenas um dos hemisférios cerebrais com a injeção de uma neurotoxina conhecida como 6-hidroxidopamina. “Por meio de um procedimento cirúrgico, injetamos essa substância diretamente no estriado, um dos componentes dos núcleos da base. Após uma ou duas semanas...

Leia mais
Em quatro anos, Minhocão poderá virar parque
jul22

Em quatro anos, Minhocão poderá virar parque

Terça-feira, 22 de julho de 2014 às 18h42 Passagem para o sossego Vereadores e moradores se unem para tentar transformar o Elevado Costa e Silva em Parque Minhocão Sob o título “Passagem para o sossego” a revista Apartes, órgão da Câmara Municipal de São Paulo publicou uma reportagem, sobre o assunto. Leia um trecho da matéria. por Rodrigo Garcia / Revista Apartes / CMSP Considerada uma obra feia, mas útil (ou útil, mas feia), o Elevado Costa e Silva há 43 anos marca a cidade de São Paulo com engarrafamentos, poluição e barulho. Muitos urbanistas comparam a via de 2,8 km a uma cicatriz. Mas durante a semana, das 21h30 às 6h30, e aos domingos e feriados, tudo muda. Os carros dão lugar a bicicletas, patins, skates e carrinhos de bebê. Os estressados motoristas são substituídos por homens, mulheres e crianças em busca de diversão.       Nesses períodos, o Minhocão (como o elevado é mais conhecido) fica fechado para o trânsito. Na prática, a via se transforma em um parque linear, ainda que não oficialmente. Pensando nisso, a Câmara Municipal de São Paulo (CMSP) analisa o Projeto de Lei (PL) 10/2014, que, gradualmente, aumenta os períodos de proibição do tráfego no elevado e torna a via suspensa, de fato, no Parque Minhocão. O projeto, apresentado pelos vereadores José Police Neto (PSD), Nabil Bonduki (PT), Toninho Vespoli (PSOL), Ricardo Young (PPS), Goulart (PSD), Natalini (PV) e Floriano Pesaro (PSDB), proíbe o trânsito de veículos no elevado em várias etapas. Se a proposta se tornar lei, em até três meses após a sanção do prefeito o tráfego será proibido também aos sábados; nove meses depois, ficará fechado nas férias escolares; em dois anos, o horário em que fica fechado durante a semana será ampliado; em três anos, pela manhã só funcionará no sentido bairro-centro e à noite no sentido centro-bairro. Finalmente, após quatro anos, o trânsito de veículos ficará proibido e o Parque Minhocão irá se tornar...

Leia mais
Energia eólica aumenta 44,4% no Brasil
jul22

Energia eólica aumenta 44,4% no Brasil

Terça-feira, 22 de julho de 2014 às 18h02 Por Pedro Peduzzi do Carbono Brasil A produção de energia eólica aumentou 44,4% no último ano, segundo a edição do Boletim de Operações de Usinas da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). A comparação é entre os meses de maio de 2013 e 2014.     No mesmo período, a geração de energia termelétrica aumentou 20,7%. Apesar de apresentar uma redução de 5,1%, a energia produzida por hidrelétricas mantém-se predominante, sendo responsável por 66,5% da produção brasileira. De acordo com a CCEE, em maio, fontes eólicas produziram 747 megawatts (MW) médios e térmicas, 17.307 MW médios. O boletim informa que o salto na entrega das térmicas foi impulsionado pelas usinas nucleares: foram produzidos 1.763 MW médios – número 154,1% acima do registrado em maio de 2013. As usinas térmicas a carvão geraram 1.823 MW médios (aumento de 37,3%) e as de biomassa 3.038 MW médios, produção 21,6% superior à registrada em maio de 2013. A capacidade instalada somou 127.026 MW provenientes de 1.118 usinas que estão operando comercialmente no período. Ainda segundo o boletim divulgado hoje (15), a geração total de energia pelas usinas do Sistema Integrado Nacional foi 60.978 MW médios. Apesar de a geração ter sido 2,8% inferior à registrada em abril, é 1,8% maior do que o resultado obtido em maio de 2013. Fonte: Instituto Carbono Brasil, via...

Leia mais
Hoje vamos aprender o nó de gravata clássico
jul22
Leia mais
Seres das profundezas
jul22

Seres das profundezas

Terça-feira, 22 de julho de 2014 às 17h40 Por Carlos Fioravanti Revista Pesquisa FAPESP – Trabalha-se com entusiasmo no laboratório do biólogo Paulo Sumida no Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. Na tarde de 1º de abril, diante de um computador em uma mesa entre estantes com livros e organismos marinhos mantidos em potes plásticos com álcool, Olívia Soares Pereira, a mais nova integrante do grupo, ainda na graduação, empolgava-se como uma torcedora de futebol vendo um filme em alta definição sobre o fundo do mar em um dos computadores, com animais peculiares como um polvo com membranas entre os tentáculos, uma estrela-do-mar vermelha e corais alongados que crescem sobre morros cobertos de asfalto que vazou da terra. O filme, que lembrava os da National Geographic na TV, era um registro da viagem realizada em abril de 2013 em um submarino japonês a regiões nunca antes exploradas a mais de 4 mil metros de profundidade do litoral do Espírito Santo ao Rio Grande do Sul. A todo momento ela e os colegas que começaram a ver os filmes – foram feitas quase 100 horas de filmagem – se perguntavam como os organismos se organizavam e, enfim, por que eram daquele jeito. Um dos organismos já examinados, que exemplifica as peculiaridades da vida no fundo do mar, é um verme marinho – um poliqueta – comedor de ossos do gênero Osedax. “As fêmeas têm um harém de machos anões, às vezes mais de 100 machos, grudados em seu corpo”, descreve Sumida, acrescentando uma curiosidade: esses poliquetas são também chamados de vermes-zumbi, por colonizar carcaças e viver entre animais mortos. O corpo das fêmeas consiste em um tentáculo vermelho com quatro a cinco centímetros de comprimento. Em uma das extremidades, a que fica para fora do osso que estão digerindo, estão os palpos, rugosidades que funcionam como brânquias, filtrando oxigênio da água. A outra extremidade se ramifica e se fixa sobre o interior dos ossos como a raiz de uma planta. Os ovários, junto a essa base, são bem grandes, e os machos, de poucos milímetros de comprimento, vivem no tubo gelatinoso da fêmea, muito próximo ao oviduto, canal que serve para a passagem dos ovos. As fêmeas se impõem desde cedo sobre o destino dos machos. Ao sair do ovo, a larva poderá crescer e formar outra fêmea se aderir a um osso. Se encontrar à frente o corpo da fêmea, porém, não crescerá e será apenas um macho anão, como resultado provável da ação de substâncias químicas liberadas pelo contato com o corpo da fêmea. “É uma adaptação evolutiva bastante interessante”, comenta Sumida. Se machos e fêmeas fossem...

Leia mais
Educação e sustentabilidade no Senac Penha
jul22

Educação e sustentabilidade no Senac Penha

Terça-feira, 22 de julho de 2014 às 17h35   Sala de Educadores 2014 recebe Simone Oliveira para palestra no Senac Penha Gestora de projetos de sustentabilidade corporativa e organizacional, a psicopedagoga falará sobre integração física social e afetiva O futuro da educação, processos inovadores nas salas de aula e quais os caminhos a serem trilhados para alcançar a educação que queremos, são os temas da Sala de Educadores 2014. No dia 28 de julho, o Senac Penha recebe Simone Mello de Oliveira, ministrando a palestra: Do saber ao Ser Sustentável: para todos gostarem da escola. A psicopedagoga irá propor uma reflexão entre o físico, social e efetivo do ambiente escolar, colocando as instituições de ensino como um espaço de integração entre estas três frentes. O Senac realiza o evento com o objetivo de promover a reflexão sobre temas da área de educação a fim de contribuir com o processo de formação de educadores para que possam atuar como agentes na geração do conhecimento e no desenvolvimento de uma sociedade mais equitativa. Este ano, serão debatidos assuntos relacionados a mediação de conflitos, educação inclusiva, desafios da atualidade, uso de recursos tecnológicos na educação, cultura de paz, entre outros. Docentes dos setores público e privado, diretores e coordenadores de ensino, estudantes e demais interessados na área são o público-alvo do evento que visa incentivar que eles atuem como agentes na geração do conhecimento e no desenvolvimento de uma sociedade mais justa e igualitária. “A cada edição novos temas são sugeridos pelos participantes para o ano seguinte. Isso mantém o evento atualizado e alinhado às expectativas do público”, explica Carolina Tiemi Sato, coordenadora da área de educação do Senac São Paulo. Com metodologia dinâmica e participativa, na Sala de Educadores o público é convidado a apresentar questões e contribuições, o que favorece o debate, o compartilhamento de ideias e o livre pensar. O evento é gratuito e as inscrições podem ser feitas em www.sp.senac.br, pelo telefone (11) 2135-0300 ou pessoalmente no Senac Penha. Serviço Sala de Educadores 2014 Evento gratuito Local: Senac Penha Endereço: Rua Francisco Coimbra, 403 – Penha Data: 28 de julho, das 19h30 às 22h30 Inscrições: em www.sp.senac.br, pelo telefone (11) 2135-0300 ou pessoalmente nas unidades...

Leia mais
Agronegócios: Lavoura e Pecuária
jul22

Agronegócios: Lavoura e Pecuária

Terça-feira, 22 de julho de 2014 às 17h29 Instituto de Economia Agrícola de São Paulo analisa os sistemas de integração lavoura–pecuária na recria de bovinos de corte. IEA – Estudo divulgado no último número da revista Informações Econômicas analisa os custos de implantação de modelos de Integração Lavoura Pecuária (ILP), em fazendas de pecuária de corte, na região de São José do Rio Preto, São Paulo, informa o Instituto de Economia Agrícola (IEA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. “A pesquisa mostra que os resultados econômicos podem ser favoráveis a este tipo de sistema produtivo no médio/longo prazo”, afirmam os autores: Marli Mascarenhas, pesquisadora, diretora do IEA; Roberto Molinari, Célio Luiz Justo, José Luiz Viana, Edmar Mendes, pesquisadores da APTA na UPD São José do Rio Preto e Denyse Chabaribery, pesquisadora autônoma.     A produção de bovinos no Estado de São Paulo é realizada quase exclusivamente em regime de pastagens, as quais ocupavam no último levantamento censitário agropecuário realizado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, 39% do total das áreas agrícolas do Estado, ou seja, 8,1 milhões de hectares, e estavam presentes em 72% das suas Unidades de Produção Agropecuária. A atividade pecuária bovina gera o segundo maior Valor de Produção Agropecuária (VPA) do Estado, inferior apenas à cana-de-açúcar. “Analisando estas informações, pode-se afirmar que a produtividade das pastagens, aliada ao seu manejo adequado, é estratégica para o desenvolvimento do agronegócio paulista, por estar relacionada diretamente à eficiência da produção pecuária e conseqüentemente à geração de renda”, ressaltam os pesquisadores. O experimento avaliado foi implantado em uma área de 26 ha com pastagem de Brachiaria decumbens formada há mais de 15 anos, não degradada, dividida em 24 piquetes de acordo com um delineamento em blocos casualizados. Seis (6) tratamentos foram instalados em 2006: (T1) Pasto remanescente, com manutenção do manejo anterior; (T2) Pasto remanescente com exploração mais intensiva; (T3) lavoura de milho, seguida de dois anos de pastagem; (T4) lavoura de milho, seguida de um ano de pastagem; (T5) lavoura de milho em dois anos consecutivos, seguidas de um ano de pastagem; (T6) lavoura de milho em dois anos consecutivos seguidas de dois anos de pastagem. Com exceção das parcelas do tratamento T1, que possui uma área de 1,5 ha, o tamanho das demais é de 1,0 ha. Os tratamentos T3 a T6 são sistemas de manejo com integração lavoura-pecuária enquanto que os tratamentos T1 e T2 são exclusivamente a pasto. A diferença entre os dois tratamentos com pastagem permanente é que no T1 são aplicados 45 kg de N/ha/ano enquanto que no T2 são usados 90 kg...

Leia mais
IPT abre inscrições para Programa Novos Talentos
jul22

IPT abre inscrições para Programa Novos Talentos

Terça-feira, 22 de julho de 2014 às 21h48 Agência FAPESP – O Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) está com inscrições abertas, até 15 de agosto, para o Programa Novos Talentos, que apoia atividades de pesquisa e desenvolvimento realizadas por estudantes de mestrado e doutorado e pesquisadores de pós-doutorado.   O programa é aberto a candidatos de qualquer instituição de ensino e pesquisa, inclusive estrangeiras, além de alunos do mestrado profissional do próprio IPT, desde que atendam às qualificações previstas e atuem com temas científicos e tecnológicos de interesse do Instituto. Os candidatos selecionados contarão com orientação ou coorientação de pesquisadores do IPT, acesso à infraestrutura de laboratórios e equipamentos necessários para a execução do projeto e, para estudantes de mestrado e doutorado, possibilidade de reserva técnica ou bolsa com recursos da Fundação de Apoio ao IPT (FIPT), de acordo com as regras previstas para cada caso. Pesquisadores de pós-doutorado não receberão bolsa da FIPT, mas terão apoio do Instituto para pedidos de auxílio a agências de fomento. Os participantes deverão dedicar no mínimo 30 horas semanais às atividades de pesquisa no IPT ou em sua instituição de ensino e pesquisa. Quem tiver vínculo empregatício poderá dedicar 16 horas mensais às atividades. A duração máxima da permanência no programa é de 30 meses para os projetos de mestrado, 48 meses para os de doutorado e 36 meses para pesquisas de pós-doutorado, contando sempre a partir da data de matrícula do participante na instituição de ensino à qual é vinculado. Interessados devem fazer inscrição prévia on-line e, em seguida, inscrever-se pessoalmente ou por meio de procuração na sede do IPT, na Av. Prof. Almeida Prado, 532, em São Paulo (SP). Mais informações:...

Leia mais
Líder da Seicho-No-Ie virá ao Brasil
jul21

Líder da Seicho-No-Ie virá ao Brasil

Segunda-feira, 21 de julho de 2014 às 21h48   Líder mundial da Seicho-No-Ie vem ao Brasil para propor uma nova civilização ecológica Depois de transferir a Sede de Tóquio para dentro de uma floresta, no interior do Japão, criando o primeiro edifício de Energia Zero daquele país, Masanobu Taniguchi enfatiza que é um dever religioso proteger a Natureza na prática.   Desde que assumiu como Supremo Presidente da Seicho-No-Ie, o também Mestre em Relações Internacionais pela Universidade de Columbia (Nova Iorque), Professor Masanobu Taniguchi, ampliou a dimensão do Movimento aos campos científico e ecológico. Ele e sua esposa, Professora Junko Taniguchi, estarão no Brasil para palestrar em eventos entre os dias 22 de julho e 5 de agosto, sendo o maior deles no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, no dia 3 de agosto. Apesar do Movimento estar presente em mais de 30 países, é no Brasil que o líder aposta que se iniciará, de fato, uma “nova civilização” de energia limpa e um modo de vida em que haja desenvolvimento sem prejuízo à natureza. Na bagagem, ele traz feitos de vanguarda e repercussão. A Seicho-No-Ie foi a primeira instituição religiosa do mundo a receber certificação ISO 14.001, em 2001, e, mais recentemente, em 2013, o “Escritório na Floresta”, nova Sede Internacional da organização, foi reconhecido como a construção japonesa que mais reúne tecnologias sustentáveis, sendo totalmente autossuficiente energeticamente. Elogiado por consagrados acadêmicos da Universidade de Tóquio, como Yamamoto Ryoichi, e ao encontro da afirmação do importante pensador Jeremy Rifkin, que acredita que o Brasil vai liderar a 3ª Revolução Industrial e uma sociedade Pós-carbono sustentável, o prof. Masanobu Taniguchi vem ao nosso País para propor e dialogar sobre caminhos viáveis a partir da realidade brasileira”, comenta o Presidente da Seicho-No-Ie para a América Latina, Preletor Junji Miyaura. Atualmente, seus mais de 3 mil locais de reuniões e eventos anuais que mobilizam dezenas de milhares de pessoas, fazem da sede brasileira da Seicho-No-Ie a segunda maior do mundo, só menor do que o Movimento no Japão. Ética com as futuras gerações, redução do consumo de carne, empatia na base de uma efetiva cultura da paz, abandono da energia nuclear, revisão e alternativas à atual matriz energética fóssil, e a harmonia com a natureza como elemento indissociável do viver religioso são alguns dos pilares propostos pelo prof. Mananobu Taniguchi, em seus livros e conferências pelo mundo. Serviço: Grande Seminário da Seicho-No-Ie “Visando à Construção de uma Nova Civilização” Data e horário: Domingo, 3 de agosto de 2014, das 9h30 às 16h. Local: Ginásio Geraldo José de Almeida, o Ginásio do Ibirapuera. Rua Manoel da Nóbrega, 1.361, São Paulo –...

Leia mais
Aprenda a fazer nós em gravatas
jul21
Leia mais
Biocombustíveis
jul21

Biocombustíveis

Segunda-feira, 21 de julho de 2014 às 21h28 IEA analisa a produção de biocombustíveis e commodities agrícolas IEA – Na última década a produção de biocombustíveis ganhou maior importância frente ao desafio de reduzir a dependência em relação ao petróleo com o fomento às fontes de energia renováveis. Nesse sentido, a produção triplicou no período ao alcançar 153,5 milhões de litros em 2014, com o equivalente a 80% de etanol e o restante de biodiesel, informa o Instituto de Economia Agrícola (IEA) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.       No artigo intitulado Biocombustíveis e Commodities Agrícolas, Marisa Zeferino Barbosa, pesquisadora do IEA, analisa as perspectivas para produção de biocombustíveis e de suas matérias-primas no âmbito mundial e nos principais países produtores. Segundo a pesquisadora, para a produção mundial de etanol é esperado crescimento de 4,1% ao ano até 2022, enquanto a de cereais deve aumentar apenas 1,4% a.a. Nos Estados Unidos, que são os maiores produtores de milho e concentram metade da produção de etanol, a taxa de crescimento para o biocombustível é de 3,8% a.a. enquanto para a produção de cereais o país apresenta praticamente a mesma taxa verificada para o mundo. “Para a produção de etanol no Brasil, onde o biocombustível compõe a matriz energética desde os anos 1970, é previsto o aumento mais acentuado à taxa de 5,1% a.a. A expansão no cultivo da cana-de-açúcar deverá suprir as necessidades de matéria-prima, a exemplo do verificado na última década, quando a área colhida e a produção apresentaram acréscimos de 70% e de 79%, respectivamente. Na safra 2013/14 devem ser colhidos 9,9 milhões de hectares que deverão proporcionar 27,5 milhões de metros cúbicos de etanol”, salienta Marisa. A projeção para a produção de biodiesel no âmbito mundial indica crescimento de 4,5% a.a., ou seja, mais do que o dobro do previsto para a de óleos vegetais, de 2% a.a. Do lado da demanda é possível observar que o emprego de óleos vegetais para fins de produção de energia passou de 15% para 24% da demanda total entre 2004/05 e 2013/14, o que reforça a expectativa de aumento acelerado na produção do...

Leia mais
Madeira ilegal: na Amazônia, lavou, ficou legal
jul21

Madeira ilegal: na Amazônia, lavou, ficou legal

Segunda-feira, 21 de julho de 2014 às 21h10 Greenpeace expõe fragilidade do sistema de controle e protesta contra o descontrole generalizado do setor madeireiro da Amazônia Ativistas do Greenpeace ocuparam a madeireira Pampa Exportações Ltda, próximo a Belém (PA), para protestar contra a exploração ilegal e predatória de madeira na Amazônia e o descontrole que impera no setor. Faixas com as mensagens: “Lavando madeira para fora”; “Sua madeira lavada a sério”; “Apoio: governo brasileiro” e “Crime” foram espalhadas pelo local para expor a fragilidade do sistema de controle de comércio de produtos florestais. Veja aqui o site da campanha Chega de madeira ilegal Uma investigação de dois anos do Greenpeace no estado do Pará revelou que o atual sistema de controle não é apenas falho, mas alimenta a degradação florestal e o desmatamento. Frequentemente, em vez de conter o crime, ele é usado para ‘lavar’ madeira produzida de forma predatória e ilegal que, mais tarde, será vendida a consumidores no Brasil e no mundo como se fosse ‘legal’. Entre agosto de 2011 e julho de 2012, estima-se que 78% das áreas com atividades madeireiras no Pará, maior produtor e exportador de madeira da Amazônia, não tinham autorização de exploração. No Mato Grosso, segundo maior produtor, esse índice é de 54%.     Na maior parte das vezes, são as madeireiras e serrarias que desempenham o papel de lavanderia. As atividades da Pampa são um exemplo de como a madeira ilegal é ‘lavada’ na Amazônia. Entre os fornecedores da empresa estão planos de manejo que utilizam seus créditos para legalizar madeira retirada de outras áreas sem autorização. Com documentos oficiais, essa madeira sem origem chega ao mercado brasileiro e internacional – incluindo Estados Unidos e países europeus (sendo a França a principal importadora da Europa em volume). A empresa também foi multada em mais de R$2,5 milhões por receber e comercializar madeira sem as devidas licenças, além de responder a ação proposta pelo Ministério Público por receber madeira de empresas acusadas de fraude. Dois diretores da Pampa são membros da Aimex (Associação das Indústrias Exportadoras de Madeira do Estado do Pará), que segundo seu site trata-se de uma “associação das empresas de base florestal comprometidas com o desenvolvimento sustentável da Amazônia e do Pará”. Para Marcio Astrini, coordenador da campanha da Amazônia do Greenpeace Brasil, “como representantes de uma associação que alega estar preocupada com a exploração sustentável, deveriam dar o exemplo e realizar todos os esforços para garantir a origem limpa da madeira”. A investigação do Greenpeace Brasil levantou cinco casos de planos de manejo com indícios de fraude. Dentre as principais estão: inflação do número de árvores de...

Leia mais
CET no bairro chega a Guaianazes na zona Leste
jul19
Leia mais
67 minutos para tornar o mundo melhor
jul18
Leia mais
Falecimento aos 95 anos
jul18

Falecimento aos 95 anos

Leia mais
Nelson Mandela não era santo é um gigante
jul18
Leia mais
Caminhos, longos caminhos, para a Liberdade
jul18
Leia mais
Mandela Day, no Doodle do Google
jul18
Leia mais
Dia Internacional Nelson Mandela
jul18
Leia mais
Nelson Mandela (re)nasce, mais uma vez, neste dia
jul18
Leia mais
Torre Eiffel
jul17

Torre Eiffel

Leia mais
Não esmoreça com prevenção à dengue
jul17

Não esmoreça com prevenção à dengue

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 12h54   Cerca de 70% dos 14.551 casos confirmados se concentram entre o fim de março e início de maio. Em relação à semana passada, o número de confirmações subiu 6,37%. As informações são da Secretaria de Comunicação da Prefeitura de São Paulo. Os dados foram publicados no último dia 10 deste mês. O levantamento divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde mostra que o total de casos de dengue confirmados na cidade de São Paulo neste ano chegou a 14.551. Esse número é 6,37% maior que na semana passada. Mais de dois terços dos casos acumulados do ano (68,35%) se concentra no período de seis semanas entre março e maio*. Com isso, a taxa de incidência (acumulada) da cidade é de 129,3 (casos para cada 100 mil habitantes), considerada média de acordo com o Ministério da Saúde. Como o número de notificações (registros não confirmados) já começa a apresentar queda, desde a semana passada a Secretaria Municipal de Saúde não está fazendo mais a classificação de distritos por estágio de transmissão de dengue. Esta classificação estava sendo feita a partir da incidência acumulada no ano, e não reflete mais a situação atual de baixa transmissão da doença no município. Os números consideram as notificações recebidas nas primeiras 27 semanas epidemiológicas e variam na medida em que os casos registrados pelas unidades de saúde públicas e privadas são confirmados. Apesar do crescimento de casos confirmados nas últimas semanas, o número de notificações começou a desacelerar, e já é possível concluir que o pior período da dengue neste ano já está superado. Isso de acordo com as informações da Prefeitura, porém fica difícil não contestá-lo. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), dez óbitos por dengue foram registrados na cidade neste ano (um em fevereiro e nove em abril). Conforme tabela fornecida pela SMS, para o cálculo que engloba as primeiras 27 semanas, a incidência da doença em 2010 foi de 5.799 casos, em 2011 de 4.090, 2012 com 1.066, 2013 foram 2.499 e em 2014 os números chegam a 14.551, até agora, beirando seis vezes mais doentes do que no ano passado. Ações de combate Até ontem (16 de julho), novas ações de combate à dengue estavam programadas nas regiões leste, centro-oeste e sul da cidade. Segundo a programação da SMS, na zona leste, mais de 200 agentes nas subprefeituras de Cidade Tiradentes, Ermelino Matarazzo, Guaianases, Itaim Paulista, Itaquera, São Mateus e São Miguel Paulista visitarão imóveis para bloqueio de criadouros e nebulizações, além disso, eles também distribuirão toucas para caixas d’água. Na região centro-oeste, as ações serão nas subprefeituras da Lapa e Pinheiros,...

Leia mais
Presidente da China visita o Brasil
jul17

Presidente da China visita o Brasil

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 12h33 Em visita ao Congresso, presidente da China diz que mundo deve buscar multipolaridade. Marcos Magalhães / Agência Senado A promoção da multipolaridade e a democratização das relações internacionais devem estar, neste momento, no centro da agenda global, disse nesta quarta-feira (16) o presidente da República Popular da China, Xin Jinping, em sessão solene no Congresso Nacional. Xi Jinping definiu como prioridades mundiais o desenvolvimento sustentável e a “salvaguarda da diversidade cultural”.     O mundo, segundo o presidente da China, passa por “profundas e complexas mudanças”. O poder dos países emergentes, a seu ver, cresce a cada dia, e a correlação de forças internacionais “evolui para uma direção mais favorável à salvaguarda da paz mundial”. No entanto, advertiu, o mundo ainda está longe de ser tranquilo e sofre as repercussões profundas da crise financeira internacional, além do desequilíbrio de desenvolvimento global, do “crescimento de hegemonia” e do que classificou de “neointervencionismo”. Para enfrentar essa situação, recomendou Xin, China e Brasil – como maiores países em desenvolvimento do Oriente e do Ocidente – devem “cumprir ativamente suas responsabilidades internacionais” para promover o desenvolvimento da ordem internacional em uma direção “mais justa e razoável”. “Devemos reforçar a coordenação e a colaboração nos mecanismos internacionais como a ONU, a OMC, o G-20, o Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e o Basic (Brasil, África do Sul, Índia e China), reunir forças dos países em desenvolvimento e participar ativamente da governança global, a fim de procurar mais direitos institucionais e a voz para países em desenvolvimento”, defendeu Xin Jinping. Brics O presidente chinês esteve no Congresso Nacional depois de participar de dois dias de reuniões do Brics, em Fortaleza e Brasília. Durante o encontro, ficou acertada a criação do Banco de Desenvolvimento do Brics, uma instituição financeira comandada pelos principais países emergentes do mundo que servirá como espécie de contrapartida ao Banco Mundial, sempre comandado pelas principais potências ocidentais. O novo banco terá sede em Xangai, capital financeira da China. Em Brasília, o líder chinês tem encontros previstos com presidentes da América Latina e do Caribe e também faz uma visita de Estado para celebrar os 40 anos do estabelecimento de relações diplomáticas entre Brasília e Beijing. No Salão Verde da Câmara dos Deputados, a poucos metros de onde o presidente chinês fez seu pronunciamento, há uma exposição sobre as relações bilaterais nas últimas quatro décadas, com fotos de encontros como o do então presidente José Sarney com o líder chinês Deng Xiao Ping e do próprio Xin Jinping com a presidente Dilma Rousseff. Em seu pronunciamento, o presidente chinês afirmou que...

Leia mais
Supersimples para todos
jul17

Supersimples para todos

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 12h19 Aprovada ampliação do Supersimples a todo o setor de serviços O Plenário aprovou projeto que amplia o Supersimples a todo o setor de serviços, abrangendo atividades como advocacia, corretagem, medicina e odontologia. A proposta vai a sanção da presidente Dilma. A informação é da Agência Senado.  ...

Leia mais
Propostas sobre empregados domésticos
jul17

Propostas sobre empregados domésticos

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 12h20 Câmara reduz contribuição de patrão e empregado doméstico para o INSS Reportagem – Marcello Larcher Edição – Marcelo Oliveira A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou hoje (15), em caráter conclusivo, o Projeto de Lei 7082/10, do Senado, que reduz para 6% a alíquota da contribuição previdenciária paga por patrões e empregados domésticos. Atualmente, o índice é de 12% para os empregadores e varia de 8% a 11% para os domésticos, de acordo com o salário. A proposta agora poderá seguir para a sanção da presidente da República, Dilma Rousseff, a menos que haja recurso para que seja votada também em Plenário. É bem provável que seja apresentado recurso, porque o texto vinha sendo colocado em pauta pela CCJ há algumas semanas, mas sem conseguir ser apreciado porque o governo é contrário e tem uma proposta alternativa. Alternativa O líder do PSB, deputado Beto Albuquerque (RS), lembrou, durante a discussão da matéria, que está pronto para ser analisado pelo Plenário o PLP 302/13, que regulamenta os direitos dos domésticos após a aprovação da Emenda Constitucional 72, responsável por estender à categoria benefícios assegurados aos demais trabalhadores. “O Colégio de Líderes está negociando a votação do PLP, que é mais completo, e não deveríamos ter duas propostas sobre o mesmo tema”, disse Albuquerque. A proposta do PLP é reduzir para 8% a contribuição paga pelos empregadores, mas dentro do total de encargos de 20% sobre o salário do trabalhador, incluindo INSS, Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e seguro por acidente de trabalho. Como contrapartida, o patrão não será responsável pela multa do FGTS caso venha a demitir o doméstico. O Instituto Doméstica Legal, que reúne patrões e empregados em defesa do emprego doméstico, apoia a medida. O presidente da entidade, Mário Avelino, que estava presente na votação de hoje, lembra que o atraso na regulamentação dos direitos trabalhistas dos domésticos tem aumentado a insegurança dos empregadores e provocado demissões. Guia de Recolhimento Relatora na CCJ, a deputada Sandra Rosado (PSB-RN) votou pela constitucionalidade do PL 7082/10. Entre outros dispositivos, o projeto prevê também a instituição da Guia de Recolhimento de Previdência Social de Doméstico (GPSD), com a inclusão da identificação do empregador domestico. Isso vai permitir à Previdência localizar o patrão, que é quem desconta o INSS do empregado e é responsável pelo recolhimento, facilitando assim o processo. Dedução do IR O mesmo texto retira a possibilidade de o empregador deduzir a contribuição previdenciária no Imposto de Renda. O argumento é que essa dedução beneficia apenas os patrões de maior renda,...

Leia mais
MPF e MPEduc juntos em Juína
jul17

MPF e MPEduc juntos em Juína

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 10h39 MPF e MPE iniciam projeto pela melhoria na educação no município mato-grossense de Juína MPEduc – Duas escolas do município de Juína, distante 750 quilômetros de Cuiabá (MT), receberam a visita do projeto Ministério Público pela Educação (MPEduc). Os trabalhos foram conduzidos pela procuradora da República Talita de Oliveira e pelo promotor de Justiça Thiago Scarpellini Vieira. Ao longo do dia 23 de maio, os membros do Ministério Público conversaram com a direção e a coordenação da Escola Municipal Padre Anchieta e da Escola Estadual 9 de Maio para apresentar o projeto em prol da melhoria da educação pública.     “O MPEduc é um projeto que reúne dois ramos do Ministério Público, o Federal e o Estadual, para dialogar com toda a comunidade escolar, diretores, pais e alunos, identificar os problemas, as deficiências existentes e exigir melhorias para a educação pública. É nesse momento que o Ministério Público utilizará das ferramentas de atuação que dispõe para cobrar das secretarias municipais ou estaduais e do Governo Federal providências para que o direito à educação pública de qualidade seja, de fato, garantido aos estudantes”, explicou a procuradora da República Talita de Oliveira. O primeiro local visitado em Juína foi a Escola Municipal Padre José de Anchieta. Fundada há 21 anos, em 1998, a escola tem 300 alunos matriculados do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental, abrigados em uma estrutura de 12 salas de aula, além de refeitório, quadra poliesportiva, biblioteca, salas de professores e outras dependências de uso comum. Grande parte da escola é feita numa base de alvenaria de cerca de um metro de altura e o restante de madeira, que é bastante utilizada no município por ser uma região madeireira. As paredes e o telhado dão sinais de que precisam de manutenção. Na reunião com os membros do MP, a direção e professores da escola relataram a dificuldade para cumprir a carga horária obrigatória imposta a partir da mudança para o período integral. “A obrigatoriedade de inserir novas matérias e atividades na grade curricular não veio acompanhada de recursos, instrução e nem de capacitação adequada aos professores”, relatou a direção da escola. Um exemplo é a precariedade dos banheiros para atender os alunos que precisam tomar banho na escola. Para atender os 300 alunos, cada banheiro tem apenas cinco duchas plásticas. O piso irregular que empossa a água e um ralo pequeno não dão conta de escoar o volume de água. Por causa do banheiro alagado, alunos deixam de tomar banho. Outro problema é a falta de cobertura na área de recreação onde estão os balanços e outros brinquedos para...

Leia mais
MPEduc é vencedor do II Prêmio da República
jul17

MPEduc é vencedor do II Prêmio da República

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 10h55 O projeto Ministério Público Pela Educação (MPEduc) é vencedor da 2ª edição do Prêmio República de Valorização do Ministério Público Federal, promovido pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). O projeto concorreu com outras oito iniciativas na categoria direitos do cidadão.     A cerimônia de premiação ocorreu na Sala Juca Chaves do Centro de Eventos e Convenções Brasil 21, em Brasília (DF), em 3 de junho. Foram escolhidas sete ações que se destacaram em cada categoria na defesa da justiça, da cidadania, dos direitos humanos e do estado democrático de direito. Na ocasião, o presidente da ANPR, Alexandre Camanho, destacou a qualidade das iniciativas enviadas pelos colegas e revelou que isso dificultou, de certa forma, o trabalho dos jurados na decisão. O prêmio foi recebido pelo procurador da República em Volta Redonda (RJ) Eduardo El Hage, que inscreveu o projeto para concorrer ao prêmio. MPEduc O Ministério Público pela Educação é um projeto desenvolvido para ser executado em conjunto entre o Ministério Público Federal e o Ministério Público dos Estados, tendo como característica marcante a intenção de estabelecer o Direito à Educação Básica de qualidade como tema prioritário na atuação dos Procuradores da República e Promotores de Justiça. Por meio de um site desenvolvido exclusivamente para esse fim, dados das escolas públicas são colhidos e, de posse desse diagnóstico, providências extrajudiciais são tomadas com o intuito de, em parceria com o gestor publico, implementar melhorias nas políticas públicas na área da educação.     Escolha dos vencedores – Compuseram a Comissão Julgadora o presidente da ANPR, Alexandre Camanho; o diretor de Comunicação da Associação, Alan Mansur; o procurador-geral da República, Rodrigo Janot; a fundadora da organização Escola de Gente, Cláudia Werneck; o secretário de Reforma do Judiciário, Flávio Crocce Caetano; o ministro do Superior Tribunal de Justiça Herman Benjamin; e o senador Vital do Rêgo...

Leia mais
Manifestação é direito do cidadão
jul17
Leia mais
Menino supera dificuldades e é guia no Guarujá
jul17

Menino supera dificuldades e é guia no Guarujá

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 8h20 Jovem com deficiência visual é guia turístico na Mata Atlântica. “Eu sinto a trilha quando estou na bicicleta, o mar quando surfo, a bola vindo em minha direção no futebol. Não sei explicar como. É um dom”. É assim que Miguel Almeida Flávio, de 15 anos (de azul na foto acima), define a sensação de viver. Ele é o único monitor deficiente visual do Brasil, e seu trabalho é guiar turistas para uma viagem sensorial, em meio à Mata Atlântica, sejam eles deficientes ou não. Um programa de capacitação da Prefeitura de Guarujá, no Litoral paulista cuidou do treinamento de Miguel.     A resposta desse ineditismo está na inclusão, tanto de Miguel, como de turistas que apresentem deficiências sensoriais, mas também atinge outros turistas que queiram viver uma experiência diferente: sentir a natureza e captar sons e sensações táteis. Deficiência visual Miguel é praticamente cego desde os primeiros meses de vida. Hoje tem apenas 5% da visão esquerda e 10% da direita. Ele mora na comunidade da Prainha Branca, próxima à trilha. As marcações No acesso à trilha, Perto do Rio Bertioga, tem uma escada de 500 metros. A trilha em si tem 25 metros, onde há uma corda com nós, que serve de orientação. Cada nó é uma parada, onde Miguel descreve o local; é um ponto de observação, onde ele explica o que existe ali. Por exemplo, o solo tem uma camada orgânica, onde os turistas são convidados a tocar o solo, sentir o cheiro da terra… Neste local, ele explica a composição das folhas que se transformam em sementes e matérias orgânicas. A lição desse trecho é de que a natureza não morre, mas é transformada em novas sementes e árvores, onde a vida nasce de novo. No próximo nó, algumas pedras e folhas de tipos diferentes, onde fica uma toca de tatu… E mais uma vez, as pessoas podem tocar nas pedras, folhagens e até dentro da toca.     Recepção Os turistas são recebidos por Miguel e pela mãe dele. As turmas são de até cinco pessoas e o dinheiro arrecadado é do Miguel – a prefeitura não fica com nada. O projeto Foi em 2009 que a Prefeitura de Guarujá ofereceu o curso de monitor local a 25 moradores da Prainha Branca e Serra do Guararu. Miguel, que na época tinha 12 anos e 40% da visão (hoje tem apenas 5%), optou por fazer parte da turma durante 2 meses. O curso contou com a parceria das Forças Armadas, Governo do Estado, ONGs, Sebrae e agências de ecoturismo. A ideia foi garantir a qualificação...

Leia mais
A revolução silenciosa das energias renováveis
jul17

A revolução silenciosa das energias renováveis

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 7h10 Ricardo Abramovay Grandes saltos tecnológicos estão derrubando drasticamente custos da geração eólica e solar. Mas mega-corporações resistem às fontes limpas e decentralizadas. A renovação do Protocolo de Quioto não pode ser o objetivo dos países em desenvolvimento nas duas próximas conferências do clima, a que acontece em dezembro deste ano em Lima e a de 2015, em Paris, onde se espera um novo acordo global. A afirmação é chocante, uma vez que Quioto apoia-se em dois princípios aparentemente incontestáveis, sob o ângulo da justiça ambiental. O primeiro é que embora as responsabilidades pela redução nas emissões de gases de efeito estufa sejam comuns, elas devem ser diferenciadas: quem mais emite hoje e mais emitiu no passado deve obter as menores possibilidades de continuar lançando na atmosfera os gases que respondem pelo aquecimento global. Se há lugar remanescente para emissões este deve ser preenchido pelos países cuja ocupação do espaço carbono foi, até aqui, relativamente baixa. Disso decorre o segundo princípio que distingue países que historicamente mais emitiram (os do Anexo I, no jargão da diplomacia do clima) e os outros (não Anexo I). Os países do Anexo I deveriam, pelas regras de Quioto, ter responsabilidades legalmente obrigatórias de reduzir as emissões, enquanto que para os demais os compromissos seriam bem mais tênues.       Até recentemente, estes princípios e a diferenciação deles decorrente poderiam ser defendidos sobre a base da constatação de que as formas predatórias de acesso à energia eram as mais baratas: carvão, petróleo, gás e hidrelétricas construídas em situações que comprometem os serviços ecossistêmicos correspondiam à maneira mais acessível de garantir o direito à energia elétrica a populações pobres. E é sobre a base deste argumento que se intensifica a pressão sobre as áreas de reserva na Amazônia, bem como para novos empreendimentos em petróleo, gás e carvão, no mundo todo e em particular na América Latina. O que fica cada vez mais evidente, a partir do início da atual década é que este argumento vai deixando de ser verdadeiro. O avanço recente nas energias renováveis modernas (solar, eólica, biomassa e geotérmica) está superando as mais otimistas expectativas. E parte decisiva deste avanço ocorre acoplada à própria revolução digital, dando lugar a um processo inédito e altamente promissor de descentralização na maneira como, desde o início do século XX, a energia foi gerida. *Ricardo Abramovay é professor Titular do Departamento de Economia da FEA/USP Fonte: Rebia – original em Outras...

Leia mais
Problemas renais em crianças
jul17

Problemas renais em crianças

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 6h49 Identificadas mutações relacionadas com o tumor de Wilms Por Karina Toledo Agência FAPESP – Em uma pesquisa com resultados publicados na edição de junho da revista Nature Communications, pesquisadores do A.C. Camargo Cancer Center identificaram um conjunto de mutações relacionado ao desenvolvimento do tumor de Wilms – a neoplasia renal mais frequente em crianças. A descoberta abre caminho para o desenvolvimento de novas terapias e novos métodos para diagnosticar a doença mais precocemente. “Atualmente, o diagnóstico só é possível quando já há uma massa tumoral palpável. Mas, se conseguirmos meios para identificar a neoplasia em uma etapa mais inicial, a intensidade do tratamento e dos efeitos colaterais poderá ser significativamente reduzida”, disse Dirce Maria Carraro, líder do Laboratório de Genômica e Biologia Molecular do A.C. Camargo Cancer Center e coordenadora da pesquisa apoiada pela FAPESP. De acordo com Carraro, esse tipo de câncer acomete uma em cada 10 mil crianças no mundo – a maioria na faixa etária de 2 a 4 anos. O tumor pode aparecer em qualquer parte de um dos rins e, em 5% dos casos, é bilateral. O tratamento geralmente envolve uma cirurgia para a retirada do órgão afetado, além de quimioterapia e – em casos mais avançados – radioterapia. A intensidade do tratamento quimioterápico depende da extensão da lesão. “O prognóstico costuma ser bom, com taxas de cura em torno de 80%. Mas muitos pacientes sofrem com os efeitos tardios do tratamento. Os mais comuns são distúrbios cardíacos, perturbações musculoesqueléticas e desenvolvimento de um segundo tumor. Por esse motivo, muitas pesquisas buscam marcadores que permitam saber quando, de fato, é necessário intensificar o tratamento”, contou Carraro. Biogênese de microRNA Antes do estudo recém-publicado pela equipe do A.C. Camargo, mutações genéticas relevantes haviam sido identificadas em apenas 30% dos tumores de Wilms estudados, principalmente nos genes WT1, WTX e beta-catenina. “Isso significa que em 70% dos casos não havia sido encontrada nenhuma alteração genética que justificasse o aparecimento do tumor”, disse Carraro. Com o objetivo de encontrar novas mutações somáticas (presente apenas no tumor e não nas linhagens germinativas dos pacientes) relacionadas à doença, o grupo realizou o sequenciamento completo do exoma (parte do genoma onde estão os genes codificadores de proteínas) do tumor de um paciente atendido no hospital. Também foram sequenciados o exoma dos leucócitos do sangue da criança e dos pais. “O objetivo era identificar mutações presentes apenas no tumor, ou seja, aquelas mutações adquiridas durante o processo de formação do tumor”, disse Carraro. Chamou a atenção dos pesquisadores uma mutação observada em um domínio importante da proteína codificada pelo gene DROSHA, que tem...

Leia mais
Medalhas de Matemática
jul17

Medalhas de Matemática

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 6h08 Equipe brasileira conquista cinco medalhas na Olimpíada Internacional de Matemática Agência FAPESP – O Brasil ganhou medalhas pelo menos em uma competição internacional no último fim de semana. Foi na 55ª Olimpíada Internacional de Matemática (IMO), realizada na Cidade do Cabo, África do Sul, com a conquista de cinco medalhas.     Murilo Corato Zanarella (16 anos), Rodrigo Sanches Ângelo (18 anos), de São Paulo, e Daniel Lima Braga (16 anos), do Ceará, ficaram com medalhas de prata. Victor Oliveira Reis (17 anos), de Pernambuco, e Alexandre Perozim de Faveri (17 anos), de São Paulo, voltaram com bronze. Alessandro de Oliveira Pacanowski (18 anos), do Rio de Janeiro, recebeu uma menção honrosa. As provas foram realizadas na University of Cape Town. Os estudantes tiveram 4 horas e 30 minutos, em cada dia, para resolver três problemas de matemática com valor de sete pontos cada. Os problemas da prova, resolvidos individualmente, foram selecionados a partir de diferentes áreas da matemática do ensino médio, como álgebra, combinatória, geometria e teoria dos números. As provas da olimpíada são sempre definidas dessa forma para que todas essas áreas estejam representadas. A Olimpíada Internacional de Matemática é realizada desde 1959 no mês de julho, cada ano em um país, e envolve a participação de jovens estudantes com até 19 anos e que não tenham ingressado na universidade. Este ano o evento foi disputado pela primeira vez no continente africano registrando um recorde de participantes. Ao todo foram 560 estudantes de 101 países. Com as cinco medalhas, o Brasil ficou na 34ª posição. A olimpíada de 2015 será realizada em Chiang Mai, na Tailândia. Desde 1979, o Brasil conquistou um total de 110 medalhas, sendo 9 de ouro, 33 de prata e 68 de bronze, o que o torna o país latino-americano com o melhor retrospecto na história da competição. A escolha dos estudantes que representam o Brasil na IMO 2014 foi feita a partir dos vencedores da 35ª Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM), projeto conjunto do Instituto Nacional de Matemática Pura Aplicada (Impa) e da Sociedade Brasileira de Matemática (SBM). Mais informações:...

Leia mais
FAPESP e MIT lançam nova chamada de propostas
jul17

FAPESP e MIT lançam nova chamada de propostas

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 6h09 Agência FAPESP – A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, lançam nova chamada de propostas para intercâmbio de pesquisadores. É a quinta chamada no âmbito do acordo de cooperação entre as instituições.     Podem participar pesquisadores vinculados a instituições de ensino superior ou pesquisa, públicas ou privadas, no Estado de São Paulo, que sejam pesquisadores responsáveis ou pesquisadores principais de auxílios apoiados pela FAPESP e vigentes nas modalidades Auxílio à Pesquisa – Regular, Auxílio à Pesquisa – Projetos Temáticos, Apoio a Jovens Pesquisadores ou Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID). Pelo lado do MIT, podem participar pesquisadores vinculados ao instituto de acordo com os critérios de elegibilidade do MIT Brazil Seed Fund Program. A chamada está aberta a propostas em todas as áreas do conhecimento. As propostas serão recebidas pela FAPESP até o dia 22 de setembro de 2014. A execução de cada proposta deverá ocorrer no período de janeiro de 2015 a agosto de 2016. FAPESP e MIT apoiarão as propostas selecionadas com recursos combinados de até US$ 30 mil por projeto (US$ 20 mil para pesquisadores e pós-doutorandos e US$ 10 mil para graduados ou estudantes de graduação), durante a vigência estabelecida na concessão, destinados necessariamente e exclusivamente a despesas de mobilidade (passagens, diárias e seguro-saúde) e nos termos do acordo entre as instituições. As propostas devem ser apresentadas simultaneamente pelo pesquisador do Estado de São Paulo à FAPESP e pelo seu colaborador nos Estados Unidos ao MIT. Cada uma das partes efetuará a seleção das propostas segundo sua sistemática de análise. Somente as propostas aprovadas por ambas as partes serão financiadas. Mais informações sobre a chamada:...

Leia mais
EESC-USP terá laboratório sobre exploração do pré-sal
jul17

EESC-USP terá laboratório sobre exploração do pré-sal

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 5h57 Agência FAPESP – A Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP) vai inaugurar, no dia 4 de setembro, o Laboratório de Escoamentos Multifásicos Industriais (Lemi). Com financiamento da Petrobras, o laboratório desenvolverá tecnologias para soluções de exploração e produção com aplicações no pré-sal.     O laboratório pretende viabilizar a simulação de processos que envolvam escoamentos multifásicos em alta pressão – fase da produção em que há mistura de petróleo e bolhas de gás dióxido de carbono denso. A intenção é reproduzir os métodos da indústria petrolífera, utilizando técnicas que se aproximem das dimensões físicas da produção industrial Novos equipamentos com tecnologia de ponta também serão adquiridos para o laboratório, como um Particle Image Velocimetry, para medição de fluxo, uma câmera filmadora de alta velocidade e um anemômetro por laser Doppler (LDA, na sigla em inglês), que realiza medições locais instantâneas e precisas de velocidade do escoamento. Um densitômetro de raios gama dual source também está sendo importado para fazer medições de propriedades do escoamento por meio de técnicas nucleares. Dois novos projetos em processo de formalização, envolvendo a Petrobras e a British Gas, produtora de gás natural, devem inaugurar as atividades do Lemi. Apesar de a Petrobras ter financiado o projeto do laboratório, não há contrato de exclusividade com a empresa e demandas de outras empresas também poderão gerar pesquisas. Os convênios firmados serão de cooperação para desenvolvimento de pesquisa tecnológica e inovação e contarão com a participação de alunos de pós-graduação. O prédio do Lemi, de 2 mil metros quadrados, localizado no campus 2 da USP de São Carlos, está em fase de...

Leia mais
Anuncie no Alô Tatuapé
jul16

Anuncie no Alô Tatuapé

Leia mais
Agronegócios: Preços caíram em junho
jul16
Leia mais
Semáforos + inteligentes
jul15

Semáforos + inteligentes

Leia mais
Praça Antonio Giaquinto
jul14

Praça Antonio Giaquinto

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 21h47 Inaugurado há 14 anos, memorial está precisando de cuidados. Com a presença do maior contingente de entidades e associações já visto reunido num mesmo lugar no bairro e jamais repetido até hoje, no dia 28 de setembro de 2000, foi inaugurado um Memorial e denominada a praça existente no final da Rua Francisco Ziccardi, no Jardim Anália Franco, como Antonio Giaquinto, uma justa homenagem providenciada pelo vereador Toninho Paiva especialista em eternizar a lembrança de pessoas importantes na vida da cidade e dos bairros de São Paulo.   Giaquinto, como era chamado pelos amigos, tornou-se precursor de muitas iniciativas que ajudaram a personificar o bairro, formando uma base sólida para várias associações que existem até hoje e não seria arriscado dizer que foi ele um dos que mais trabalhou para o crescimento do Tatuapé desde os anos 60 aproximadamente até seu falecimento no início de 1999. O Memorial erguido a ele, existente na praça com o mesmo nome está precisando de alguns cuidados para que a homenagem feita em granito e aço não se deteriore ainda mais....

Leia mais
Ibirapuera caminha para se tornar sexagenário
jul14

Ibirapuera caminha para se tornar sexagenário

    Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 21h18   Parque do Ibirapuera completa 60 anos de existência em agosto. Inaugurado em 21 de agosto de 1954, o Parque do Ibirapuera está prestes a completar 60 anos de existência. Com uma média de cerca de 300 mil visitantes por fim de semana, a área verde é um dos maiores símbolos da cidade de São Paulo. O sexagenário Ibirapuera figura como oitavo maior parque do mundo. Assista o vídeo publicado no dia 11 de julho,  pela TV Câmara São Paulo, órgão de comunicação da Câmara Municipal de São...

Leia mais
Honda Civic Type R Concept
jul14

Honda Civic Type R Concept

Leia mais
Argila brasileira pode ser mais valorizada
jul14

Argila brasileira pode ser mais valorizada

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 17h58 Argila brasileira tem potencial para atender às indústrias de fármacos e cosméticos Por José Tadeu Arantes Agência FAPESP – O Brasil é um dos principais fornecedores mundiais de argila. Mas as argilas do país são, em geral, produtos de baixo valor agregado, usados em grandes quantidades. A bentonita (argila constituída essencialmente por argilominerais esmectíticos), por exemplo, produzida no país é utilizada majoritariamente na extração de petróleo, gás e água, na pelotização de minérios de ferro, em moldes para fundição de metais e como leito sanitário para animais domésticos.     Situação semelhante ocorre com os caulins (constituídos essencialmente por argilominerais cauliníticos), cujos principais destinos são as indústrias de papel e de cerâmica. Não há registros do emprego de bentonitas e caulins brasileiros em ramos nobres, como as indústrias de fármacos e cosméticos, ao menos em grande escala. “De modo geral, esses segmentos, principalmente de fármacos e nanocompósitos, utilizam argilas importadas, pois ou não existem similares nacionais com o mesmo grau de pureza ou os fornecedores daqui não conseguem manter o padrão de um lote para o outro”, disse à Agência FAPESP o engenheiro Francisco Rolando Valenzuela Diaz, professor da Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo (USP). Com o objetivo de avaliar o potencial do país para modificar esse cenário, Valenzuela Diaz coordenou, recentemente, a pesquisa “Purificação, reologia, caracterização mineralógica e modificação de argilas brasileiras para uso em cosméticos, fármacos e outros produtos de alto valor agregado”, com apoio da FAPESP. “Nosso projeto investigou 20 tipos de argila de diferentes lugares do Brasil, purificou-as e estudou seu potencial para usos mais nobres, tais como fármacos, cosméticos e nanocompósitos de argilas com polímeros, visando a sua capacidade de reprodução de resultados”, afirmou. “Das argilas que estudamos, as que apresentaram os melhores resultados foram as bentonitas da Paraíba; uma bentonita de Vitória da Conquista, na Bahia, e alguns caulins do Pará.” Os resultados obtidos foram considerados surpreendentes pelos pesquisadores. No caso da argila da Bahia, por exemplo, verificou-se que, em seu estado natural, ela não é adequada para a produção de fármacos e cosméticos, mas, após a purificação, origina três argilas com cores e propriedades físico-químicas diferentes, que apresentam excelentes perspectivas de uso nobre. Exemplos do emprego medicinal de argilas são seu uso por via oral, como adsorventes de toxinas ou fornecedores de suplementos minerais, ou seu uso tópico, no tratamento de doenças dermatológicas. Os pesquisadores utilizaram técnicas analíticas para acessar as propriedades físico-químicas das argilas analisadas, tais como a difratometria de raios X, a fluorescência de raios X, a microscopia eletrônica de varredura e a quantificação rigorosa dos argilominerais presentes nas amostras,...

Leia mais
Após 24 anos, Alemanha conquista o tetracampeonato
jul14

Após 24 anos, Alemanha conquista o tetracampeonato

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 10h42 – Atualizado às 15h22 Ivan Richard e Carolina Pimentel – Repórteres da Agência Brasil Editores: Carolina Pimentel e Valéria Aguiar Edição final: Alô São Paulo Final da Copa do Mundo, Rio de Janeiro – Vinte e quatro anos depois e novamente com vitória sobre a Argentina, a Alemanha vence a Copa do Mundo e torna-se tetracampeã, assim como a Itália e com um título a menos que a seleção brasileira. Organização, disciplina, técnica e carisma marcaram a campanha dos europeus, que nas semifinais golearam o Brasil por 7 a 1, no Estádio do Mineirão. Autor do gol que deu o título para a Alemanha, a oito minutos do fim da prorrogação, Mario Götze foi escolhido o melhor em campo.       Os alemães terminam o Mundial invictos e com o melhor ataque da competição. Liderada por Lionel Messi, eleito quatro vezes melhor jogador do mundo, a seleção argentina segurou o ataque alemão até os sete minutos do segundo tempo da prorrogação. Com o título, a Alemanha torna-se a terceira tetracampeã de futebol, e a primeira seleção europeia a vencer uma Copa do Mundo fora do continente europeu. O time de Joachim Löw recebeu a Taça da Copa das mãos da presidenta Dilma Rousseff. O time levará para Berlim uma réplica banhada a ouro do troféu. Com o título, os alemães repetem a história de Brasil e Itália na conquista do tetracampeonato. Depois de se tornar tricampeão em 1970, o Brasil só voltou a vencer em 1994, 24 anos depois. Já a seleção italiana, conquistou o tri em 1982 e duas décadas e quatro anos voltou a erguer a taça. Assim como a agora tetracampeã Alemanha, cujo o último título havia sido em 1990.   Copa no Brasil foi um sucesso, diz Blatter ao passar sede à Russia O presidente da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Joseph Blatter, disse ontem (13), em cerimônia fechada no Estádio do Maracanã que marcou a transferência da sede do Brasil para a Rússia, com a presença dos presidentes Dilma Rousseff e Vladimir Putin, que a Copa do Mundo de 2014 foi um sucesso. Na ocasião, Blatter apresentou um certificado de transferência simbólica do evento para Putin e entregou bolas oficiais da partida autografadas aos dois chefes de...

Leia mais
Legado da Copa é sempre mencionado por autoridades
jul14

Legado da Copa é sempre mencionado por autoridades

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 11h14 – Atualizado às 15h12 Gerson Soares “A Copa do Mundo da Fifa no Brasil apresentou uma mensagem muito especial – uma mensagem de união, conectando as pessoas, uma mensagem de paz e antidiscriminação”, disse Blatter antes do jogo entre Argentina e Alemanha. “A Copa do Mundo em 2014 foi de muito sucesso e certamente veremos um legado neste país”, divulgou a Agência Brasil. A preocupação em deixar um legado foi uma constante nas falas da presidente Dilma Roussef, do ministro Aldo Rebelo e do presidente da Fifa Joseph Blatter. A maneira como isso foi dito durante os últimos sete anos, ficou parecendo que só a Copa da Fifa poderia executar tal benefício no Brasil. A verdade é que para garantir o legado – que deveria ser devidamente relacionado para que todos pudessem ter acesso –, os gastos foram gerados e a conta será paga pelos brasileiros. Quanto ao famigerado legado, só o tempo poderá mostrar, o que se espera é que venha mesmo.     Quanto aos exemplos de abnegação, esforço, equipe, sacrifício, disciplina, autoestima, honestidade e educação, entre outras qualidades que a prática esportiva proporciona, vieram da equipe alemã, tão bem demonstrados em campo e fora dele. Outro exemplo foi dado pela Delegação da Argélia que doou o prêmio de 9 milhões de euros pela sua colocação na Copa aos palestinos da faixa de Gaza. Estes são feitos que os atletas nos legam, pois aprendem humildade suando e conhecendo suas limitações e habilidades. Estas atitudes, como a da delegação alemã que doou uma ambulância aos índios Pataxós, na verdade já seria um bom legado a quaisquer povos, boas lembranças da Copa e motivo de inspiração aos jovens, às crianças de todo o mundo, não só aos brasileiros. No entanto, as máximas autoridades e organizadores da Copa do Mundo no Brasil subvertem-nos, diante de mais alguns episódios deprimentes de irregularidades e maus costumes – não que os brasileiros não estejam habituados – como a venda ilegal de ingressos e prisões de envolvidos pelos agentes da Polícia Federal, casos de corrupção na CBF, cujo presidente atual é José Maria Marin que assumiu após a renúncia do ex-presidente da entidade Ricardo Teixeira. A isenção de impostos à Fifa com mudanças na legislação brasileira exclusivamente para beneficiar a entidade, construção faraônica de estádios e as obras terminadas às pressas como a Arena Corinthians, construído principalmente pela preferência animada do declarado corintiano ex-presidente Lula.     Quanto ao Estádio Mané Garrincha, por exemplo, erguido em Brasília que nem sequer tem um time na primeira divisão do futebol brasileiro, um dos responsáveis pela administração disse que...

Leia mais
Nova lei pega 43 mil escolas desprevenidas
jul14

Nova lei pega 43 mil escolas desprevenidas

Segunda-feira, 14 de julho de 2014 às 10h29   Pelo menos 43 mil escolas brasileiras não estão preparadas para atender à nova lei que determina a exibição mensal de, pelo menos, duas horas de filmes produzidos no Brasil. O número corresponde às instituições que não têm televisão, de acordo com o Censo Escolar de 2013. O número aumenta quando se trata de aparelhos de DVD – do total de 190,7 mil colégios, mais de 48 mil não têm o equipamento. Em relação aos retroprojetores, que também podem ser usados na exibição de filmes, apenas um terço (63 mil) tem o equipamento. A lei entrou em vigor no final do mês de junho. Pelo texto, a exibição de filmes de produção nacional constituirá componente curricular complementar integrado à proposta pedagógica da escola. Resta saber também que tipos de filmes serão exibidos às...

Leia mais
Não interferir, interferindo. Dá para entender?
jul13

Não interferir, interferindo. Dá para entender?

Domingo, 13 de julho de 2014 às 11h03   Gerson Soares Depois das lambanças e gastanças, Dilma e Rebelo, agora querem interferir também no futebol, mas negam o que afirmam. Escandalizados pelos fatos, os brasileiros se retiram para seus pensamentos, no que diz respeito à Seleção Brasileira, Copa do Mundo, Fifa, lucros, prejuízos e vergonha. A pior delas, é o sórdido envolvimento da Fifa na venda ilegal de ingressos, com a prisão de pessoas ligadas a empresas vinculadas à entidade, que também está sendo negado, mas os fatos mostram o contrário. A Polícia Federal prende, os habeas corpus soltam, a imprensa denuncia e um dos cabeças da venda ilegal foge pela ala de funcionários do Copacabana Palace.       Não bastasse o que todos assistiram no campo e na TV, reprisado nos mais diversos meios de comunicação existentes, o ministro do Esporte Aldo Rebelo, acredita que o problema está na ingerência (ou falta dela) governamental no futebol. Ao seu lado, fazendo coro, a presidente Dilma Roussef. O primeiro diz que “o governo e o próprio Estado brasileiros devem recuperar a capacidade de fiscalizar o que há de interesse público e nacional na administração do esporte”. Traduza-se futebol. “O Brasil não quer criar a Futebras. Quer, sim, acabar com a Futebrax e deixar de ser um mero exportador de talentos”, apoiou Dilma, também em nome do interesse público, referindo à saída dos jogadores do país para equipes do exterior. De acordo com a presidente, “o futebol, que é atividade privada, precisa ter as melhores práticas da gestão privada, nas áreas comercial, financeira e futebolística”, disse ontem (12). Ora, se assim é, esse assunto não deveria nem estar sendo debatido pelo governo. Parece que os dividendos da Copa ainda não foram suficientes e o PT quer continuar a enfadonha saga futebolística que iniciou desde quando o país conseguiu a façanha de ser eleito sede do mundial.     É hora de dar um basta nessa questão. Os placares dos dois últimos jogos (Alemanha 7 x 1 Brasil e Holanda 3 x 0 Brasil) já entraram para a história e estarão também nas estórias, anedotas e piadas. Chega! O governo brasileiro já se intrometeu o bastante e conseguiu desmoralizar a única esperança que restava espalhada nos ídolos do passado e do presente e nas conquistas. Se existe algum culpado pela desastrosa campanha da Seleção Brasileira de Futebol é o Comitê Organizador da Copa e o próprio governo que se fosse realmente voltado ao interesse nacional, jamais traria a Copa do Mundo para cá, não da forma como o país se encontra, não com a injustiça social reinante, a corrupção ativa e...

Leia mais
Agronegócios: SP importa mais e exporta menos
jul13

Agronegócios: SP importa mais e exporta menos

Domingo, 13 de julho de 2014 às 11h03   Mesmo assim, segundo o IEA, a balança comercial paulista fecha o semestre com superávit de US$ 5,87 bilhões em comparação com 2013. No primeiro semestre de 2014, as exportações do Estado de São Paulo somaram US$ 24,90 bilhões (22,5% do total nacional), e as importações, US$ 41,85 bilhões (37% do total nacional), registrando déficit de US$ 16,95 bilhões, informa o Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo. O agronegócio paulista apresentou exportações decrescentes (-12,1%), atingindo US$ 8,90 bilhões. Como as importações aumentaram (+0,7%), somando US$ 3,03 bilhões, o saldo, de US$ 5,87 bilhões, foi 17,6% menor que o do primeiro semestre do ano de 2013. José Roberto Vicente, pesquisador do IEA, destaca que as importações paulistas nos demais setores, excluindo o agronegócio, produziram um déficit de US$ 22,82 bilhões no período. Assim, “conclui-se que o comércio exterior paulista seria mais deficitário não fosse o desempenho do agronegócio estadual”.   Segundo o pesquisador, os cinco principais grupos nas exportações do agronegócio paulista, no primeiro semestre de 2014, foram complexo sucroalcooleiro (US$ 3,09 bilhões), carnes (US$ 1,23 bilhão, em que a carne bovina respondeu por 79,7%), complexo soja (US$ 1,09 bilhão), produtos florestais (US$ 869,74 milhões) e sucos (US$ 833,45 milhões, dos quais 98,0% referentes a sucos de laranja). Esses cinco agregados representaram 79,9% das vendas externas setoriais paulistas. A balança comercial brasileira registrou déficit de US$ 2,49 bilhões no primeiro semestre de 2014, com exportações de US$ 110,53 bilhões e importações de US$ 113,02 bilhões. O decréscimo do déficit comercial (-19,2%) ocorreu em função de queda nas exportações (-3,4%) inferior à das importações (-3,8%). Os cinco principais grupos do agronegócio brasileiro nas exportações do primeiro semestre de 2014 foram: complexo soja (US$ 20,20 bilhões); carnes (US$ 8,15 bilhões); produtos florestais (US$ 4,87 bilhões); complexo sucroalcooleiro (US$ 4,50 bilhões); e, café (US$ 2,91 bilhões). Esses cinco agregados responderam por 82,7% das vendas externas do agronegócio nacional. Em relação ao agronegócio brasileiro, as exportações setoriais de São Paulo no primeiro semestre de 2014 representaram 18,1%, ou seja, menos 2,3% que em igual período de...

Leia mais
Moça L’Orange
jul13
Leia mais
WWF-Brasil: SOS Juruena
jul12
Leia mais
Glacier Express, uma viagem pelos Alpes
jul12

Glacier Express, uma viagem pelos Alpes

  Sábado, 12 de julho de 2014 às 17h10 Antes de viajar para a Suíça faça um tour no Glacier Express, o Expresso Glaciar, e se delicie com as paisagens dos Alpes suíços e italianos. Vídeo publicado por Glacier Express Luftaufnahmen “Montar os trilhos até as nuvens, através do campo Alpino intocado, sobre riachos rugindo, passando por altas paredes de rocha. Uma viagem panorâmica através dos Alpes suíços no Glacier Express é realmente uma viagem para se lembrar, com os pontos culminantes em ambas as extremidades da rota. St. Moritz, um favorito com o mundo de ricos e famosos, além de Davos, e seu ar Alpino trazendo saúde e Zermatt, o lugar montanhoso mais fotografado do mundo:...

Leia mais
Carros antigos: Lagonda M45R – Vencedor de Le Mans em 1935
jul12
Leia mais
Moça Cigana
jul12

Moça Cigana

Leia mais
Aprendendo com as formigas
jul11

Aprendendo com as formigas

Leia mais
Combustíveis: O mal que você respira
jul11

Combustíveis: O mal que você respira

  Sexta-feira, 11 de julho de 2014 às 17h47 Climatempo – Grande parte da poluição do ar nas grandes cidades vem dos veículos. A queima dos combustíveis gera vários poluentes. Dentre eles, as partículas inaláveis, que podem ser grossas (MP10) ou finas (MP2,5). A Organização Mundial de Saúde estabeleceu como padrão de emissão 25 microgramas por metro cúbico de emissão máxima diária do material particulado fino e a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) estabeleceu um conjunto de metas para alcançar o padrão da OMS. O padrão vigente é de 60 microgramas por metro cúbico de emissão máxima diário. A reportagem do site climatempo.com.br conversou com o meteorologista e pesquisador Ivan Hetem para entender as consequências desse poluente para a nossa saúde e o que pode ser feito para diminuir a incidência do material particulado nas...

Leia mais
Carros antigos: Delahaye 135MS Coupé Pourtout
jul11
Leia mais
Movimento Caravana realiza 1º Festival de Música de Rua
jul11
Leia mais
Música na Biblioteca Affonso Taunay
jul11

Música na Biblioteca Affonso Taunay

Sexta-feira, 11 de julho de 2014 às 20h29 Música na Mooca – Vivências para Desenvolver Criatividade e Percepção Musical. Através de práticas integrativas que utilizam a criatividade e a percepção musical, a Prefeitura – através da Secretaria Municipal de Cultura – oferece vivências musicais orientadas pelo músico LOOP B, percussionista e produtor com 20 anos de carreira.     De acordo com a assessoria da Subprefeitura Mooca, as atividades, gratuitas, acontecem até novembro na Biblioteca Affonso Taunay, sempre às quartas-feiras das 14h às 17h, e aos sábados das 13h às 16h, para interessados com mais de 14 anos. As inscrições estão abertas e podem ser feitas na própria Biblioteca, situada à Rua Taquari, 549, ao lado do prédio da Subprefeitura Mooca. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail loopbvocacional@gmail.com ou através do telefone...

Leia mais
Filmes gratuitos e oficinas nas Subprefeituras
jul11
Leia mais
Gelatina de Vinho com Limões Cristalizados
jul11
Leia mais
70 mil estrangeiros entraram pelo Sul do país
jul10

70 mil estrangeiros entraram pelo Sul do país

Quinta-feira, 10 de julho de 2014 às 19h42 Porto Alegre/RS – A Polícia Federal registrou, em seus pontos de controles migratórios no Rio Grande do Sul, o ingresso de 68,8 mil estrangeiros. Para esse levantamento foram considerados os sete pontos de fronteira terrestre no estado com a Argentina e o Uruguai, além do Aeroporto Internacional Salgado Filho. As informações são da Comunicação Social da Polícia Federal no Rio Grande do Sul. O controle migratório em Uruguaiana foi o que contabilizou a maior entrada de turistas, com 25,6 mil registros (37,16%), seguido pelo Aeroporto Internacional Salgado Filho, com 13,9 mil (20,22%), Chuí, com 8,6 mil (12,48%), e Santana do Livramento, com 8 mil (11,68%). Destaca-se o ingresso de 40,4 mil argentinos (58,65%), 15,6 mil uruguaios (22,72%) e 2,6 mil Chilenos (3,73%). O período que antecedeu a partida entre Argentina e Nigéria (de 20 a 24 de junho) registrou a entrada de 23,1 mil cidadãos argentinos, sendo que o pico de movimento ocorreu no dia 24, com 11,6 mil (destes, 6,4 mil ingressaram no país por Uruguaiana). O movimento de saída de estrangeiros do Brasil pelo território gaúcho em junho foi de 55,4 mil...

Leia mais
Baixe grátis o livro Jardim das Brincadeiras
jul10
Leia mais
Grupo da USP identifica RNA que regula morte celular
jul10

Grupo da USP identifica RNA que regula morte celular

Quinta-feira, 10 de julho de 2014 às 18h31 Por Karina Toledo Agência FAPESP – Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificaram um RNA denominado de INXS que, embora não contenha instruções para a produção de uma proteína, modula a ação de um gene importante no processo de apoptose, ou morte celular programada. De acordo com Sergio Verjovski-Almeida, professor do Instituto de Química da USP e coordenador da pesquisa apoiada pela FAPESP, a expressão de INXS geralmente está diminuída em células cancerígenas e métodos capazes de estimular a produção desse RNA não codificador poderiam ser usados no tratamento de tumores. Em experimentos com camundongos, os cientistas da USP conseguiram reduzir em cerca de 10 vezes o volume de um tumor maligno subcutâneo ao aplicar no local injeções de plasmídeos – moléculas circulares de DNA – contendo INXS. Os resultados foram divulgados na edição mais recente da revista Nucleic Acids Research. O grupo liderado por Verjovski-Almeida na USP tem se dedicado nos últimos cinco anos a investigar o papel regulador dos chamados genes intrônicos não codificadores de proteína – aqueles localizados na mesma região do genoma de um gene codificador, porém na fita oposta de DNA. O INXS, por exemplo, é um RNA expresso na fita oposta à de um gene codificador de proteína conhecido como BCL-X. “Estudamos diversos genes codificadores de proteína envolvidos em morte celular em busca de evidências de que algum deles fosse regulado por um RNA intrônico não codificador. Foi então que encontramos o BCL-X, um gene situado no cromossomo 20”, contou. O BCL-X, explicou o pesquisador, está presente nas células em duas formas alternativas: uma que inibe a apoptose (BCL-XL) e uma que induz o processo de morte celular (BCL-XS). As duas isoformas agem sobre a mitocôndria, mas de formas opostas. A isoforma BCL-XS é considerada supressora de tumor por ativar complexos proteicos conhecidos como caspases, essenciais na ativação de outros genes que causam a morte celular. “Em uma célula sadia, existe um balanço entre as duas isoformas de BCL-X. Normalmente, já existe uma quantidade menor da forma pró-apoptótica (BCL-XS). Mas, ao comparar células tumorais e não tumorais, observamos que nos tumores a forma pró-apoptótica está ainda mais reduzida, bem como o nível de INXS. Suspeitamos que uma coisa estava afetando a outra”, disse o pesquisador.     Para confirmar a hipótese, o grupo silenciou a expressão do INXS em uma linhagem de células normais e o resultado, como esperado, foi o aumento da isoforma BCL-XL (antiapoptótica). “A razão entre as duas – que era de 0,25 – passou para 0,15, ou seja, a forma pró-apoptótica que representava um quarto do total passou a representar...

Leia mais
Safra do trigo traz boa notícia
jul10

Safra do trigo traz boa notícia

Quinta-feira, 10 de julho de 2014 às 17h55 Trigo: São Paulo pode ter a maior produção dos últimos 10 anos IEA – A produção brasileira de trigo, em 2014, de acordo com a previsão de safra do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), deverá atingir o volume recorde de 7,8 milhões de toneladas, representando um acréscimo de 36,5%, decorrente de uma previsão de expansão de área de 20,3% e de rendimento de 2,9 t/ha. Em São Paulo, o levantamento de abril do Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta) e da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), órgãos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento acusa expansão de 16% na área cultivada com o cereal e elevação correspondente da produção de 48%, situando-se, respectivamente, em 64,7 mil hectares e 206,3 mil toneladas.       “Daqui para frente, a preocupação dos agricultores é o risco de frustração de safra devido ao comportamento do clima e também de eventuais mudanças no mercado, como via de regra tem acontecido nos últimos anos”, alerta José Roberto da Silva, pesquisador do IEA. As previsões de organismos internacionais de estudos climáticos, como a Organização Meteorológica Mundial da Organização das Nações Unidas, preveem o desenvolvimento do fenômeno climático “El Nino” a partir de meados do ano, o que pode acarretar variações como, por exemplo, excesso de chuvas e/ou estiagens. “Na época de se decidir e planejar o plantio, os preços se apresentam alvissareiros; depois, pela ocasião da comercialização, entram em declínio, fato normal, considerando oferta e procura. Porém, no caso do trigo, o Brasil não é autossuficiente, cuja produção representa apenas 50% do consumo”, complementa Silva. A retomada dos trabalhos da Câmara Setorial de Trigo de São Paulo, no final de 2013, tem focado a agenda no sentido de direcionar que a escolha de sementes por parte dos agricultores coincida com aqueles cultivares que apresentem a qualidade exigida pelo mercado consumidor de farinha. Na ultima reunião da Câmara, foram discutidos esses temas. O segmento da moagem apresentou um rol de variedades de trigo que, segundo eles, têm qualidade e potencial de uso, mas é preciso que essa seleção seja feita em conjunto com os diversos segmentos, notadamente os da produção agrícola, os da empresas de melhoramento genético (entre outros) e os públicos de pesquisa e produção de sementes. Para tanto, “é necessário o estabelecimento de um programa robusto de produção de sementes, um reforço nos programas de melhoramento genético e um acompanhamento também conjunto do mercado, dos volumes de estoques, tanto oficiais como os da indústria, são informações importantes para subsidiar o planejamento da produção de trigo e obter melhor eficiência da cadeia, reforça Silva.    ...

Leia mais
Tragédia Nacional?
jul10

Tragédia Nacional?

Quinta-feira, 10 de julho de 2014 às 17h01   EcoDebate – Olha só como o mundo ficou diferente agora, desde aquela meia hora em que o Brasil tomou os primeiros 5 gols da Alemanha, em que os comentaristas de TV passaram a falar em “vexame”, “humilhação” e até em “tragédia”. Não é só a seleção brasileira que tem de ser revista, mas a nossa cultura como um todo, nosso conceito de sociedade e de país. Quando o esporte é mais do que deveria, é porque nos faltam outros valores. A verdadeira “goleada” que estamos tomando dos países mais organizados é nos nossos níveis de educação e de cultura, por exemplo. Tragédia mesmo foram as mortes no viaduto que desabou em Belo Horizonte e dos operários que morreram durante as obras de última hora para a Copa. Vexame mesmo foi a torcida brasileira vaiar o hino dos outros países. Humilhante é saber que não se podia falar de assuntos sérios porque quem falasse do mundo real, ao invés do oba-oba da Copa, seria visto como um “agourento”, quase um traidor nacional. Seria oportunismo político da oposição jogar na conta do governo todos os males do país, tanto quando o governo querer “faturar” votos com a Copa. A verdade é que temos uma (falta de) cultura política de cinco séculos, onde tudo fica para a última hora, tudo é improvisado. Não li nenhuma notícia sobre as mortes em obras durante as Copas em outros países, ao contrário do farto material sobre jogos em Copas anteriores. Numa cultura festiva, falar de assuntos sérios, apurar responsabilidades, seria ser “estraga-prazeres”. Também não ouvi falar da presença de prefeitos, governadores ou presidenta no enterro das vítimas, só se discutia a presença de autoridades nos estádios. Voltamos agora ao mundo real onde “o suor faz mágica” como dizia o anúncio mais lúcido que passou na TV durante a Copa. Os germânicos se prepararam para a Copa, chegaram a construir todo um complexo para os seus treinamentos aqui no Brasil, enquanto nós vivíamos de oba-oba e badalação de jogadores sem treinos, movidos a palestras motivacionais. Os choros eram de superação, eles venciam na vontade, acima de suas condições futebolísticas. Futebol devia ser só um esporte e congraçamento, falta senso de ridículo quando se diz que ser goleado é uma “tragédia”, falta noção de coisas mais importantes na vida. Tanto que os próprios alemães não comemoraram a goleada, ficaram sensibilizados com a decepção dos anfitriões, não estávamos em guerra com eles, mas sim praticando um esporte. Sim, o futebol é mágico porque nos transporta para um mundo próprio fascinante, mas terminado o jogo cada um volta para a...

Leia mais
ACSP, CIEE e Barro Branco homenageiam 32
jul10

ACSP, CIEE e Barro Branco homenageiam 32

Quinta-feira, 10 de julho de 2014 às 16h33 Homenagem resgata os ideais do movimento constitucionalista por José Maria dos Santos Diário do Comércio (DC) – Um inédito e instigante capítulo acaba de ser acrescentado ao acervo de referências da Revolução Constitucionalista de 1932. O fato, que foi anunciado em linhas gerais na edição de anteontem do DC, ganhou relevo no seminário realizado na terça-feira (8) pelo Centro de Integração Empresa Escola (CIEE). Trata-se de um diário de guerra anotado pelo soldado paulista José Amaral Palmeira num singelo caderno escolar de 80 folhas doado pela sua família, que a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e a Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) transformaram no livro 1932 – Um relato inédito. Nele, o autor descreve os dias vividos na frente de combates na região de Mogi Mirim/Itapira, a cerca de 200 quilômetros da Capital. Porém, antes de detalhá-lo, é justo destacar as particularidades do seminário referido. O evento, dirigido por Ruy Altenfelder e Luiz Gonzaga Bertelli, respectivamente presidente do conselho de administração e presidente-executivo do CIEE, ocorre regularmente nesta época do ano e tem a finalidade de apresentar ensaios de estudiosos do assunto, alusivos àquela resistência armada democrática. O poeta Paulo Bomfim também estava presente no evento. Coube a Rogério Amato, presidente da ACSP, apresentar e lançar o diário de Palmeira. O livro traz um posfácio do historiador Paulo de Assunção, cujos comentários sobre aqueles dias incertos do País e principalmente de São Paulo deitam luzes sobre episódios pouco conhecidos da Revolução, como é o caso do Batalhão Esportivo, no qual José Amaral Palmeira se alistou. Fazia sentido, pois na sua condição de jornalista esportivo, cronista do extinto periódico liberal Correio de São Paulo no qual assinava suas matérias sob o pseudônimo de Joral, seu destino era combater em um grupamento formado exclusivamente por homens ligados aos esportes. A propósito, o célebre atacante Arthur Friedenreich (1892-1969), conhecido como El Tigre devido à sua ágil técnica em campo, que brilhou nos principais clubes do Brasil e na Seleção, estava ao seu lado nas trincheiras. Conforme lembrou Rogério Amato, a opção de Amaral deve ter sido sofrida. Ele tinha apenas 18 anos e a sua decisão extremada, no sentido de colocar a vida em jogo em favor de uma ideia, encontrou pesada resistência da família e da namorada. Naturalmente, os temores eram naturais. De certo modo acabaram se confirmando, pois o rapaz veio a morrer um ano depois vítima de problemas renais agravados pela aspereza do front e pelos meses de prisão na Ilha Grande, no litoral fluminense, depois que a revolução foi sufocada. A edição deste livro...

Leia mais
Diretas Já
jul10

Diretas Já

Quinta-feira, 9 de julho de 2014 às 17h06   Anos após o exílio e retorno do então Cel. Euclides Figueiredo, que liderou tropas paulistas durante a Revolução de 1932 contra o governo de Getúlio Vargas, sendo o último dos comandantes a se render aos governistas, seu filho, general João Baptista Figueiredo, assumiu a presidência do país em 1979, coincidentemente também o último, só que dos presidentes do regime militar – período que teve início em 1964. Seu governo foi marcado por atentados, censura à imprensa, pelo movimento da Abertura e da Anistia a exilados políticos, além da transição promovida devido ao engajamento popular na campanha Diretas Já, entre 1983 e 1984, que exigia eleições no país.     São Paulo e Rio de Janeiro promoveram os maiores comícios das Diretas Já, mas felizmente o movimento desta vez se alastrou por todo o país. Há pouco mais de 30 anos, no dia 16 de abril de 1984, mais de 1.500.000 milhão de pessoas tomaram a Praça da Sé e as ruas do entorno e em seguida se dirigiram ao Vale do Anhangabaú, exigindo a volta das eleições diretas para presidente. As lideranças originaram a nova elite política brasileira e o processo de redemocratização culminou com a volta do poder civil em 1985, na aprovação de uma nova Constituição Federal, em 1988 e a realização das eleições diretas para Presidente da República em...

Leia mais
7 x 1
jul10

7 x 1

Quinta-feira, 10 de julho de 2014 às 12h14   Gerson Soares Sete a um, foi o resultado do jogo de terça-feira (8), onde a Seleção Brasileira sofreu uma derrota histórica. Esse time, da camisa amarelinha, a equipe canarinho é a única força existente no país capaz de unir todas as mentes. Nada mais no Brasil mescla um só pensamento como a Seleção.     Talvez, você não vá gostar do que lerá daqui em diante, por isso não peço que continue lendo. Mas se seguir e não acreditar em coisas inexplicáveis, acredite se quiser que o vexame de terça-feira, dia 8 de julho, também ficará marcado na história e na consciência nacional como algo sem explicação plausível. Não existe ciência no futebol, mas a catástrofe ficou estampada nos rostos e no choro incontido das crianças. Há vários tipos de especulações. Pode-se aventar a Máfia das Apostas, que teria ameaçado os jogadores. Pode-se buscar culpados entre a Comissão Técnica e em toda a equipe. A Fifa seria culpada, talvez a presidente Dilma. Quem sabe o maldito som das buzinas de mão – que estão muito acima do permitido e suportável –, aos menos ofensivos sons das cornetas ou vuvuzelas – como são chamadas na África – ou dos fogos de artifício que atormentam a vida de quem precisa descansar, trabalhar, estudar. Muita gente torceu a favor, porém um outro contingente queria que a bagunça terminasse logo. Pessoas doentes não estão comemorando nada com as bombas a espocar ao lado de suas janelas, bebês não entendem a barulheira que atormenta seus ouvidos sensíveis, ainda em formação e choram. Dependendo da distância, as bombas podem causar danos permanentes às crianças. Fato pior acontece à audição dos animais domésticos. A mídia, que deixará de faturar alguns milhões devido ao fim antecipado da Copa do Mundo faz comentários desde as 19h do dia 8 sobre o fato e ainda não conseguiu encontrar um culpado ou responder como aconteceu o 7 x 1. A fim de preencher os horários, tenta explicar a situação aos telespectadores, envolvendo-os entre a euforia e o conformismo. “O futebol é assim mesmo”, diria um dos apresentadores das grandes redes. Não acredito nisso. Diria que algo muito maior aconteceu ontem. Vindo dos céus ou da terra mesmo, uma gigantesca mão invisível colocou os gols da Alemanha nas redes do Brasil. Reflito: isto não é possível. Muito mais provável os jogadores terem deixado o time alemão vencer para mostrar ao mundo que tipo de país foi construído desde a última derrota em 1950, quando diante de um Maracanã transbordante, o Brasil chorou. Esta derrota foi muito pior, não houve nada para lembrar,...

Leia mais
Remédios manipulados poderão ser gratuitos
jul10

Remédios manipulados poderão ser gratuitos

Quinta-feira, 10 de julho de 2014 às 10h38 PL cria farmácia de manipulação gratuita para população de baixa renda. CMSP – O Projeto de Lei (PL) 240/2014, do vereador Toninho Vespoli (PSOL), autoriza a prefeitura a criar uma rede de farmácias de manipulação para atender a população com renda mensal de até três salários mínimos.     Na justificativa do projeto, Vespoli afirma que as farmácias de manipulação poderão produzir medicamentos que atualmente não são distribuídos pela rede pública de saúde. Ele também nota que a medida beneficiara especialmente aqueles que necessitam do uso de medicamentos de manipulação para apoio ao tratamento de doenças. O vereador ainda argumenta que “é notória a possibilidade de redução dos custos em relação aos remédios adquiridos em laboratórios, que nem sempre atendem plenamente as necessidades prescricionais médicas ou que buscam assediar a classe médica para que dispense medicamentos específicos de interesse do laboratório”. O projeto ainda precisa passar pelas comissões de mérito antes de ter condições de ser votado em...

Leia mais