Pesquisa ajuda a desfazer equívocos historiográficos sobre as antigas cidades gregas
mar31

Pesquisa ajuda a desfazer equívocos historiográficos sobre as antigas cidades gregas

Terça-feira, 31 de março de 2015, às 16h59   Assista o vídeo da entrevista concedida à Agência FAPESP, pela professora Maria Beatriz Borba Florenzano, do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, que fala sobre os projetos de pesquisa que contribuem para reescrever a história da Grécia antiga.

Leia mais
Senado: novo marco legal da biodiversidade deve ser votado em Plenário
mar31

Senado: novo marco legal da biodiversidade deve ser votado em Plenário

Terça-feira, 31 de março de 2015, às 09h22 Agência Senado | Iara Guimarães Altafin e Augusto Castro Nesta terça-feira (31), os senadores devem concluir a votação do chamado novo marco legal da biodiversidade (PLC 2/2015). Entretanto, como os senadores devem promover mudanças no texto, a matéria, que tramita com urgência constitucional, poderá voltar para análise da Câmara dos Deputados. Mas se for aprovado sem modificação ou apenas com emendas de redação, seguirá para sanção presidencial. Devido à urgência, a proposta precisa ser votada até o dia 10 de abril, para não trancar a pauta de votações.     A nova lei vai facilitar a pesquisa com o patrimônio genético, estimular a fabricação de produtos oriundos do conhecimento gerado por essa pesquisa e ampliar a compensação às comunidades tradicionais, que detêm o conhecimento sobre a utilização de plantas e animais nativos. Os senadores Jorge Viana (PT-AC) e Telmário Mota (PDT-RR) demonstraram otimismo na aprovação do projeto na próxima semana, mesmo ainda havendo pontos específicos sobre os quais ainda não há consenso. — A ideia é votar na terça-feira, já falei com o presidente Renan e o propósito é votar na terça-feira. Devem ter uns quatro pontos que serão destacados, mas acredito que o texto-base, que a gente trabalhou na Comissão de Meio Ambiente, que é fruto de entendimento, possa ser aprovado e os pontos divergentes serão destacados e vamos votar separadamente — disse Jorge Viana, que relatou a matéria na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA). Telmário acrescentou que “há muitos interesses envolvidos” no sentido de manter o mesmo texto aprovado pela Câmara, porém ele aponta algumas imperfeições desse texto em sua opinião. — Ele não dá garantia da manutenção do nosso patrimônio da biodiversidade, não faz justiça com quem é detentor de conhecimento, não reconhece os indígenas como povo, mas apenas como população. É preciso fazer alguns reparos, que já foram propostos nas diversas comissões. Mas acho que dá para votar, algumas questões serão destacadas e votadas no Plenário. Acho que vai ter esforço conjunto para votar em Plenário na próxima semana — afirmou Telmário, que relatou a proposta na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT). “Tramitação peculiar” O PLC 2/2015 vem tendo uma “tramitação peculiar” desde que chegou ao Senado no final de fevereiro, segundo palavras do secretário-geral da Mesa do Senado, Luiz Fernando Bandeira de Mello. — O projeto da biodiversidade teve uma peculiaridade. Ele tramita sob urgência constitucional, requerida pela presidência da República. O projeto foi distribuído simultaneamente para três comissões [CCJ, CAE e CMA], depois foram aprovados requerimentos para ele passar por outras duas comissões [CCT...

Leia mais
Odor específico funciona como “RG” para abelhas, vespas e formigas
mar31
Leia mais
Novo Microtomógrafo do LNNano resolve detalhes de 350 nanômetros (nm) de amostras
mar31

Novo Microtomógrafo do LNNano resolve detalhes de 350 nanômetros (nm) de amostras

Terça-feira, 31 de março de 2015, às 08h51   Agência FAPESP – O Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano), do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas, adquiriu um novo equipamento para a aquisição de imagens tridimensionais de diferentes tipos de amostras. O microtomógrafo de raios X SkyScan 1272 revela detalhes da forma e da composição química das estruturas internas dos materiais, de forma não destrutiva e com resolução submicrométrica.     Durante a fase de implantação do equipamento, foram examinadas amostras poliméricas, geológicas, biológicas, de componentes e dispositivos eletrônicos, materiais compósitos e diferentes produtos industriais. A energia da fonte de raios X pode ser ajustada entre 20 e 100 kV. O microtomógrafo permite resolver detalhes de 350 nanômetros das amostras, cujo tamanho pode alcançar 75 milímetros de diâmetro e 70 milímetros de comprimento. “A microtomografia permite a visualização tridimensional de diferentes regiões da amostra em diferentes escalas, fornecendo informações complementares às obtidas pelas diferentes microscopias”, explica Rubia Figueredo Gouveia, pesquisadora do LNNano e responsável pelo equipamento. Além da identificação morfológica, a técnica permite a quantificação de diferentes domínios em um mesmo material, fornecendo informações sobre a sua porosidade, fração volumétrica de cada fase e diâmetro das diversas estruturas presentes, utilizando softwares de análise extremamente poderosos. Os interessados no uso do equipamento devem submeter uma proposta de pesquisa por meio do portal de usuários do...

Leia mais
Votação na CCJ da PEC da Maioridade Penal será hoje
mar31

Votação na CCJ da PEC da Maioridade Penal será hoje

Terça-feira, 31 de março de 2015, às 08h36 Iolando Lourenço – Repórter da Agência Brasil Edição: Fábio Massalli A votação da admissibilidade da proposta de emenda à Constituição (PEC), que propõe reduzir de 18 para 16 anos a maioridade penal, foi adiada para hoje na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados (CCJ). Depois de uma longa discussão e de várias tentativas de obstrução por 41 votos a sete, os deputados da CCJ aprovaram requerimento para o encerramento da discussão.     Com o encerramento de discussão, a PEC poderia ser colocada imediatamente em votação, mas o presidente da CCJ, deputado Arthur Lira (PP-AL), preferiu abrir espaço para debater a proposta antes de colocá-la em votação. Inscreveram-se novamente, para debater a admissibilidade da redução da maioridade penal, 26 deputados que integram a CCJ. “Nós não colocaremos a matéria em votação hoje, não dará tempo”, reconheceu o presidente da CCJ, Arthur Lira antes da aprovação do requerimento de encerramento de discussão. Ele informou que a apreciação será retomada hoje, diretamente com a votação da PEC. A dificuldade foi colocar a matéria em votação ontem (30) devido ao horário. Isso porque, iniciada a Ordem do Dia – período dedicado a votações em plenário – todas as comissões que estiverem em atividade devem encerrar seus trabalhos e nenhuma votação que ocorra em comissões nesse período tem validade. Novamente na tarde de ontem, manifestantes contrários à PEC protestaram contra sua apreciação. Alguns entraram no plenário da CCJ com cartazes contrários à proposta, outros ficaram próximos ao plenário, e a maioria dos manifestantes teve que ficar nas dependências externas da Câmara. A PEC principal sobre a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos está tramitando na Câmara há mais de 20 anos. A ela foram apensadas mais 38 propostas sobre o mesmo tema. Ao analisar as 39 PECs, o relator da matéria, deputado Luiz Couto (PT-PB), fez seu parecer contrário à admissibilidade das propostas. Segundo Couto, há PECs para a redução da maioridade para 12 anos e outras que propõem a redução sem limite de idade. Se a admissibilidade da PEC for aprovada pela CCJ, será criada uma comissão especial que irá analisar o mérito da matéria. Só depois de muita discussão é que a proposta terá seu parecer votado pela comissão e, depois, pelo plenário da Câmara, em dois turnos de votação. Caso seja aprovada pelos deputados, a PEC será encaminha à apreciação do Senado. Se for modificada pelos senadores, terá que retornar à Câmara para novas deliberações. Para uma PEC ser aprovada, são necessários os votos de, no mínimo, 308 dos 513 deputados da Câmara, nos dois turnos...

Leia mais
Terceira idade: cinco dicas para não ser ‘enrolado’ pelo plano de saúde
mar31
Leia mais
Fiscalização da nova lei das sacolinhas começa no dia 5 de abril
mar31
Leia mais
Justiça alemã diz que copiloto recebeu tratamento por tendências suicidas
mar30
Leia mais
Imigração na São Paulo do século 20 – o acervo da Light
mar30
Leia mais
Exposição “História da Energia” na estação Tatuapé do Metrô de SP
mar30

Exposição “História da Energia” na estação Tatuapé do Metrô de SP

Segunda-feira, 30 de março de 2015, às 17h52   É só até amanhã, 31 de março, que a estação Tatuapé do Metrô de São Paulo abrigará a exposição itinerante “História da Energia Elétrica no Estado de São Paulo (1847-2013)”. Produzida pela Fundação Energia e Saneamento, a mostra reúne, em uma linha cronológica, os marcos do processo de evolução da indústria de energia elétrica, fundamental para o desenvolvimento econômico e social do Estado de São Paulo. A exposição destaca, por exemplo, a construção de algumas das primeiras usinas hidrelétricas do Estado ainda no final do século 19, a inauguração de iluminação pública nas cidades paulistas e a implantação das primeiras linhas de bonde elétrico do Brasil na Capital. Esta é a última oportunidade para ver a exposição no Metrô de São Paulo. Antes de ser montada na estação Tatuapé, a mostra passou pelas estações Santa Cecília, Paraíso e...

Leia mais
Curitiba e Salvador fazem aniversário
mar29
Leia mais
Porsche apresenta a 2ª geração do 919 Hybrid em Paul Ricard
mar29
Leia mais
Brasil Jazz Festival, Wynton Marsalis e Lolapaloosa terão serviços de táxi
mar28
Leia mais
Jovens artistas da zL lançam cooperativa cultural para estruturar seus projetos
mar28
Leia mais
Finep desenvolve estudo setorial sobre terras-raras
mar28

Finep desenvolve estudo setorial sobre terras-raras

Sábado, 28 de março de 2015, às 12h16   Estudo ainda está sendo finalizado, mas a notícia é um importante desafio para os setores tecnológico e industrial do país. A Finep acaba de desenvolver um novo estudo setorial, com foco no setor de mineração, especificamente no segmento de terras-raras – elementos químicos essenciais à fabricação de itens tecnológicos, como tablets, smartphones, carros híbridos e turbinas de energia eólica. Em fevereiro, a empresa já havia divulgado um estudo sobre química verde e bioeconomia. “Esperamos despertar não apenas o interesse no assunto específico, mas no setor mineral como um todo”, diz o analista Henrique Vasquez, do Departamento de Processos Industriais da Finep e um dos responsáveis pelo estudo.     O documento apresenta definições, ocorrências e aplicações dos elementos de terras-raras. Também ressalta aspectos tecnológicos e mercadológicos do segmento, entre os quais se destacam a ascensão chinesa no mercado e as ações e discussões no âmbito das políticas públicas brasileiras. O gerente da Finep que coordenou o estudo, Rodrigo Secioso, acrescenta que o desafio é articular um programa ou uma política específica para o setor, capaz de atacar as lacunas identificadas no estudo: “O esforço deverá fazer parte de uma agenda conjunta com os ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação; e de Minas e Energia; com o Centro de Tecnologia Mineral (CETEM); e com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI)”. Para ele, é preciso coordenar ações de PD&I das ICTs com as demandas das empresas de mineração, especialmente no que diz respeito aos minerais estratégicos e com potencial futuro. Leia mais sobre Tecnologia: SP integra projeto internacional de megatelescópio O incrível e infinitamente pequeno universo da nanotecnologia Estudos de efeitos optomecânicos podem revolucionar telecomunicação FAPESP estimula criação de facilities Ensp/Fiocruz inaugura site sobre nanotecnologia Nanotecnologia e a vida na Terra Pesquisadores europeus desenvolvem Nanotermômetro luminescente  ...

Leia mais
IEA é o mais novo pólo de ensino PECEGE – ESALQ
mar28

IEA é o mais novo pólo de ensino PECEGE – ESALQ

Sábado, 28 de março de 2015, às 12h07   O Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e a Escola Superior de Agricultura Luis de Queiroz (Esalq/USP), através do Pecege, firmaram parceria para oferecer cursos de MBA à distância e outros cursos e oficinas voltados ao setor de gestão e marketing em agronegócios. Os funcionários da SAA (Gabinete, Apta, Codeagro, CDA, Cati e Codasp) terão direito a 10% de desconto, se realizarem a inscrição através do Polo de Ensino IEA/Pecege e a R$ 100,00 de desconto pela pontualidade de pagamento das mensalidades do MBA. Os cursos oferecidos no formato de MBA à distância são: Gestão em Agronegócios, Gestão de Projetos, Marketing e Agronegócios. Os interessados podem acessar o site do IEA (www.iea.sp.gov.br) e preencher a ficha de inscrição. Os cursos tem datas de início diferentes, para mais informações entrar em contato com Sato@iea.sp.gov.br ou ligar (11) 5067-0466 ou com a secretaria de cursos do Pecege (www.pecege.org.br) ou pelo tel. (19)...

Leia mais
IEA discute o uso da água pela agropecuária
mar28

IEA discute o uso da água pela agropecuária

Sábado, 28 de março de 2015, às 11h49   IEA – Longe de ser um problema superado, a escassez hídrica volta ao centro das discussões sobre o uso responsável de recursos naturais. “Não se justifica o alarmismo em torno do sumiço da água, que obrigaria as pessoas a migrar em busca de abastecimento, nem a afirmação de que a principal causadora disso seja a agropecuária”, afirmam Eduardo Castanho Filho e Mário Olivette, pesquisadores do Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e Adriana Damiani, executiva pública.     A abordagem clássica da produção de água é dada pelo ciclo hidrológico, cuja quantificação se faz por meio do balanço hídrico de bacias hidrográficas, ressaltam os pesquisadores. No Brasil, esse trabalho é feito pela Agência Nacional de Águas (ANA. Em seu mais recente relatório, a agência divulgou que 72% da água utilizada o foi na agricultura irrigada, ocasionando as mais disparatadas interpretações, dando a entender que o consumo da irrigação é o mesmo da agropecuária. Note-se que área atualmente irrigada no Brasil é de cerca de 8% da área agrícola plantada com grãos (54 milhões de hectares). Ressalte-se que a Política Nacional de Irrigação, disciplinada pela Lei n. 12.787, tem como objetivos, dentre outros, “incentivar a ampliação da área irrigada e o aumento da produtividade”. Os autores ressaltam que a produção de água se dá pela infiltração, a qual ocorre quase que exclusivamente pelo meio rural. Pelo uso do solo no Brasil, pode-se observar que a imensa maioria do país é rural, mas com a população altamente concentrada nas áreas urbanas (quase 85% dos habitantes, em 2,4% da área). Isso gera implicações óbvias tanto na produção quanto no consumo de água, e nas relações entre oferta e demanda. Quanto mais urbanizada a área, menor será a evapotranspiração das plantas, aumentando o escoamento superficial e reduzindo bastante a infiltração. Além disso, a qualidade dessa água que escorre é de péssima qualidade. É notório que a questão hídrica é muito abrangente, afirmam os pesquisadores. No entanto, é preciso ressaltar que não se pode confundir consumo de água pela irrigação com necessidades de água das atividades agropecuárias e florestais e há espaço para ganhos de conservação de água e racionalização do consumo por meio da adoção de técnicas apropriadas. O meio urbano depende cada vez mais da produção de água do meio rural e que, no limite e existe um arcabouço jurídico capaz de favorecer a implementação das medidas propostas, dentre elas a adoção de uma política pública proativa de criação de reservas florestais estadualizadas e em locais estratégicos do ponto de vista dos recursos...

Leia mais
Inpe desenvolve metodologia para mapear risco de deslizamento de terra
mar27
Leia mais
MPEduc: programa já está presente em 26 unidades da federação
mar27
Leia mais
Fiocruz – Dengue: vírus e vetor
mar27

Fiocruz – Dengue: vírus e vetor

Sexta-feira, 27 de março de 2015, às 17h42 Vetor: Conheça o comportamento do mosquito Aedes aegypti e entenda a razão que leva este pequeno inseto a ser taxado desta forma. Fiocruz – Você já deve ter ouvido falar que o Aedes aegypti é um mosquito com hábitos oportunistas. Por qual razão? É um mosquito doméstico, que vive dentro ou ao redor de domicílios ou de outros locais frequentados por pessoas, como estabelecimentos comerciais, escolas ou igrejas, por exemplo. Tem hábitos preferencialmente diurnos e alimenta-se de sangue humano, sobretudo ao amanhecer e ao entardecer. Mas ele também pode picar à noite? Sim. Ele não deixa a oportunidade passar.     Por ser um mosquito que vive perto do homem, sua presença é mais comum em áreas urbanas e a infestação é mais intensa em regiões com alta densidade populacional – principalmente, em espaços urbanos com ocupação desordenada, onde as fêmeas têm mais oportunidades para alimentação e dispõem de mais criadouros para desovar. A infestação do mosquito é sempre mais intensa no verão, em função da elevação da temperatura e da intensificação de chuvas – fatores que propiciam a eclosão de ovos do mosquito. Para evitar esta situação, é preciso adotar medidas permanentes para o controle do vetor, durante todo o ano, a partir de ações preventivas de eliminação de focos do vetor. Como o mosquito tem hábitos domésticos, essa ação depende sobretudo do empenho da população. Principais criadouros Pesquisas realizadas em campo indicam que os grandes reservatórios, como caixas d’água, galões e tonéis (muito utilizados para armazenagem de água para uso doméstico em locais dotados de infraestrutura urbana precária), são os criadouros que mais produzem A. aegypti e, portanto, os mais perigosos. Isso não significa que a população possa descuidar da atenção a pequenos reservatórios, como vasos de plantas, calhas entupidas, garrafas, lixo a céu aberto, bandejas de ar-condicionado, poço de elevador, entre outros. O alerta é para que os cuidados com os reservatórios de maior porte sejam redobrados, pois é neles que o mosquito seguramente encontra melhores condições para se desenvolver de ovo a adulto. Em alguns bairros suburbanos do Estado do Rio de Janeiro, estes grandes criadouros produzem quase 70% do total de mosquitos adultos. Acesse o Infográfico com os principais criadouros do vetor Ciclo de vida Saiba quais são os fatores que afetam o ciclo de vida do vetor e do que ele se alimenta Do ovo à forma adulta, o ciclo de vida do A. aegypti varia de acordo com a temperatura, disponibilidade de alimentos e quantidade de larvas existentes no mesmo criadouro, uma vez que a competição de larvas por alimento (em um mesmo criadouro...

Leia mais
‘Força tática’ contra dengue terá até PM de São Paulo
mar27

‘Força tática’ contra dengue terá até PM de São Paulo

Sexta-feira, 27 de março de 2015, às 17h31   500 novos agentes estaduais da Sucen e 30 médicos militares serão mobilizados para reforçar ações nos municípios com alta incidência de casos; Saúde firmou parcerias para ampliar o alcance das informações sobre prevenção, combate e sintomas da doença.     A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo criou uma “força tática” para reforçar ações de combate à dengue nos municípios paulistas, com ênfase naqueles que registram elevado número de casos. As operações especiais serão desenvolvidas por 500 novos agentes contratados pela Sucen (Superintendência de Controle de Endemias), autarquia vinculada à pasta, e contarão com o apoio de 30 médicos militares, mobilizados em parceria com a Secretaria de Segurança Pública. No total, a Saúde investirá R$ 6 milhões para execução do plano, que, entre outros aspectos, irá duplicar o efetivo da Sucen, totalizando mil agentes de campo para apoio em ações como nebulização. O contrato dos novos profissionais terá vigência de três meses, período considerado estratégico para execução de medidas focadas no bloqueio da transmissão do vírus. Os recursos também foram aplicados para aquisição de 150 atomizadores costais para aplicação de inseticidas e de 450 kits de EPI (Equipamentos de Proteção Individual), que garantem a segurança dos funcionários. Contabiliza, ainda, a compra de sete vans para deslocamento das equipes e a manutenção de 50 caminhonetes utilizadas para transporte de máquinas, inseticidas e insumos. As equipes da Sucen têm fornecido apoio técnico, estrutural e prático aos municípios desde o ano passado. A autarquia já está operando com doze máquinas pesadas de “fumacê” e 550 nebulizadores costais, 200 dos quais foram emprestados às prefeituras. Devido à intensificação dos trabalhos, o consumo de inseticidas de janeiro a março foi 13 vezes maior, em comparação ao volume utilizado no último trimestre de 2014. Parceria com a iniciativa privada Com o intuito de ampliar o alcance de informações sobre prevenção, combate e sintomas da dengue, a Secretaria também firmou parcerias com instituições públicas e privadas, que auxiliarão na distribuição de mais de 15 milhões de materiais informativos, em diversos formatos. A operadora de telefonia móvel Claro vai disparar 10 milhões de torpedos com alertas sobre a dengue. Leia também: Fiocruz – Dengue: vírus e vetor Orientações serão transmitidas nos altos falantes e na TV Minuto, no Metrô. O assunto também ganhará visibilidade em rotas estratégicas do Estado, como a rodovia Nova Tamoios, Rodoanel e as Travessias Litorâneas de SP, por meio de peças e mensagens eletrônicas divulgadas pela Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A) e pela Artesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo). Além disso, cinco milhões de newsletters...

Leia mais
Saúde divulga o quinto balanço de dengue e chikungunya na cidade
mar27

Saúde divulga o quinto balanço de dengue e chikungunya na cidade

Sexta-feira, 27 de março de 2015, às 18h44   Durante coletiva, secretário-adjunto Paulo Puccini apresentou dados consolidados até a décima semana epidemiológica, que registrou 15.789 notificações e 4.436 casos confirmados. SECOM / PMSP – O secretário-adjunto de saúde, Paulo Puccini, apresentou nesta quinta-feira (26) o quinto balanço do ano sobre a situação da dengue até a décima semana epidemiológica. No período de 4 de janeiro a 14 de março, 15.789 casos foram notificados e 4.436 foram confirmados autóctones (contraídos no município). No mesmo período de 2014, a cidade teve 4.326 casos notificados e, destes, 1.412 autóctones confirmados. Cerca de 47,5% dos casos estão concentrados na zona norte de São Paulo. Apesar do alto número de casos, a cidade de São Paulo e a própria zona norte tem taxa de incidência abaixo da média do Estado. Na capital paulista, a taxa de incidência até março era de 29,9 casos por cem mil habitantes, enquanto em todo o Estado, chegava 191,6, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Para se ter uma ideia, outras grandes cidades do Estado, como Campinas e Sorocaba tem taxas de incidência bem superiores a de São Paulo, com respectivamente, 477,4 casos para cada cem mil habitantes e 1.246,7 para cada grupo de cem mil. Em todo o Brasil, foram registrados 224.101 casos e a taxa de incidência é de 110,5. Somente o Estado de São Paulo é responsável por 55,2% dos casos. “Mesmo a região norte, está abaixo da incidência apresentada no Estado de São Paulo e isso não é menosprezar a importância de estarmos aqui e da dengue. Estou falando que a situação de São Paulo, apesar de tudo, com seus 12 milhões de habitantes, está em uma situação de risco menor hoje que o Estado pensado como um todo”, afirmou Puccini. Dois óbitos pela doença foram confirmados até agora na cidade de São Paulo. Um óbito de uma senhora de 84 anos, moradora da Brasilândia, ocorrido no dia 28 de janeiro, foi confirmado e de um garoto de 11 anos, morador do Jardim Ângela, ocorrido no dia 9 de março. Outro caso de um homem de 35 anos, que foi internado no Hospital São Lucas, em Diadema, divulgado erroneamente como óbito por dengue pelo Instituto Adolfo Lutz segue em investigação, com apoio do Instituto Médico Legal (IML). Já para a febre chikungunya, neste ano, não há registro de casos autóctones, mas foram registrados quatro casos importados, todos de fora do país. Durante todo o ano de 2014 a capital registrou 28.990 casos autóctones (97,7% ocorreram no primeiro semestre), com 14 óbitos ao longo do ano. Em 2015, a estimativa da Secretaria Municipal de...

Leia mais
Prevenção contra a dengue deve ser feita também nos canteiros de obras do bairro
mar27

Prevenção contra a dengue deve ser feita também nos canteiros de obras do bairro

Sexta-feira, 27 de março de 2015, às 16h30   Como todos sabem, o Tatuapé e Jardim Anália Franco, possuem canteiros de obras para a construção de edifícios por toda parte e eles também merecem atenção especial das autoridades. O morador do bairro, WGA, enviou na noite de ontem (26), a imagem que ilustra sua preocupação, onde pode ser vista uma poça d’água com grandes dimensões no interior de um canteiro de obras localizado à Rua Antonio Alves Barril, sem número, no Jardim Anália Franco – Tatuapé, um dos bairros apontados como focos do mosquito da dengue.     Segundo o leitor, o terreno fica próximo ao Shopping Anália Franco, está murado e pintado na cor preta. “Ao lado do St. Marchê”, informou o morador. “Essa ‘lagoa’ se encontra há semanas, e se não estiver enganado, um ‘poço’ de mosquito da ‘dengue’. Liguei para o 156 e me deram três telefones, dizendo que eram da secretaria da Saúde: 3066-8000/3397-8279/3397-8280…”, disse e completou dizendo que é impossível falar nesses números. Conseguimos contato com o telefone 3066-8000 que é da secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, porém os demais não atendem. Encaminhamos a denúncia a essa secretária e também à mesma pasta da Prefeitura que respondeu no início desta tarde. “A Prefeitura reforçou o trabalho de combate à dengue. São 2.500 agentes que atuam em toda cidade, com ações de visitas porta a porta, grupos de orientação e ações de combate nos locais de grande concentração de pessoas. As denúncias recebidas por meio dos canais da Prefeitura são encaminhadas à COVISA que enviam agentes após uma análise técnica baseada nos casos notificados e confirmados da região. Leia também: Pneu da Dengue no Tatuapé: atitude merece punição rigorosa ou um rádio Pneu da Dengue volta à árvore, Subprefeitura Aricanduva não responde questões Pneu da Dengue continua na árvore Fiocruz – Dengue: vírus e vetor ‘Força tática’ contra dengue terá até PM de São Paulo Quando um caso de dengue é confirmado e a Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa) é notificada, uma equipe vai até o local para fazer um trabalho de bloqueio de criadouros. No caso de denúncia de terrenos particulares, a Vigilância notifica o proprietário e, caso não haja providências, é necessária ação judicial para entrar no local. O combate ao mosquito Aedes aegypti deve ser um compromisso de toda população. Cerca de 85% dos criadouros se encontram em residências.” É muito importante prevenir a dengue, uma epidemia que preocupa as autoridades, e os canteiros de obras também precisam ser inspecionados e os trabalhadores orientados. São Paulo, detém aproximadamente metade dos casos da doença. A melhor prevenção é feita...

Leia mais
Pneu da Dengue foi retirado pela Subprefeitura Aricanduva/Carrão
mar27

Pneu da Dengue foi retirado pela Subprefeitura Aricanduva/Carrão

Sexta-feira, 27 de março de 2015, às 18h48 Finalmente, o pneu que insistia em ir e vir pela Rua Antonio João Fiore no Tatuapé, foi retirado pela Subprefeitura Aricanduva/Carrão, no início da noite de hoje (27). Enquanto escrevemos, os mosquitos sobrevoam nossas cabeças diariamente, aqui no Tatuapé. Está difícil driblar o ardiloso mosquito, presente diariamente. Os cidadãos aliviados agradecerão a providência da subprefeitura, que cumpriu o prometido e deu um destino à obra irresponsável de algum cidadão sem nenhum compromisso com a...

Leia mais
Pneu da Dengue continua na árvore
mar27

Pneu da Dengue continua na árvore

Sexta-feira, 27 de março de 2015, às 15h35 – atualizado às 16h24 O pneu que foi posto, retirado e recolocado numa das árvores da Rua João Antonio Fiore, continua firme no lugar. A Subprefeitura Aricanduva/Carrão respondeu no final da tarde de ontem (26), que seria retirado, mas infelizmente não foi levado pela coleta seletiva de reciclados que passa pelo local às quintas-feiras.     A Climatempo prevê chuvas desde a noite de hoje até segunda-feira, o que leva à fácil conclusão de que diversos mosquitos poderão utilizar o pneu para depositar seus ovos, que como já dissemos, mesmo se a água secar e não eclodirem, aguardarão até um ano para se transformarem em larvas e mosquitos. Cada fêmea pode dar origem a 1.500 (leia a reportagem e veja o vídeo da Fiocruz) e as fêmeas já nascerão com a possibilidade de transmitir a doença. Leia também: Prevenção contra a dengue deve ser feita também nos canteiros de obras do bairro Pneu da Dengue no Tatuapé: atitude merece punição rigorosa ou um rádio Pneu da Dengue volta à árvore, Subprefeitura Aricanduva não responde questões Fiocruz – Dengue: vírus e vetor ‘Força tática’ contra dengue terá até PM de São Paulo A subprefeitura, respondeu novamente no início da tarde de hoje, quando enviamos outra imagem do local. “Foi dada a ordem para retirada no dia de ontem, mas a contratada acabou não fazendo. Está sendo retirado agora à tarde. Até às 16h, ainda não havia sido recolhido. A expectativa é que a coleta domiciliar da noite de hoje possa levá-lo. Enquanto governo, prefeituras, subprefeituras e cidadãos de São Paulo se esforçam para controlar essa epidemia que se alastra pelo estado, até mesmo deslocando equipe para resgatar um pneu, uma minoria insiste em não acatar cuidados mínimos e assumir compromissos com a higiene para evitar que a praga prolifere ainda mais. Segundo dados da Prefeitura de São Paulo e da Covisa (Coordenação de Vigilância em Saúde), 85% dos criadouros estão em residências. Especialistas concluem que depois de a expansão das cidades invadirem as matas e atingirem os habitats dos mosquitos, que migraram para os centros urbanos, a única forma de atacá-los é com a...

Leia mais
Parque Sabesp é entregue em Cangaíba, região da Penha
mar26

Parque Sabesp é entregue em Cangaíba, região da Penha

Quinta-feira, 25 de março de 2015, às 10h50 Área de lazer beneficiará cerca de 400 mil pessoas da região. A região leste da cidade acaba de ganhar uma área de lazer de 12,3 mil m². Localizado na esquina da Avenida Cangaíba com a Rua Engenheiro Costa Ourique, o Parque Sabesp Cangaíba vai beneficiar quase 400 mil habitantes da região com equipamentos como quadra de esportes com arquibancada, playground e praça com mirante.     A área foi inaugurada no último sábado (21), pelo governador Geraldo Alckmin, em comemoração ao Dia Mundial da Água, celebrado no domingo (22). As novas instalações também incluem bicicletário, equipamentos de exercício físico para a terceira idade, sanitários e rota de passeio que segue o percurso da tubulação de água já existente. Tudo com rampas para garantir a acessibilidade a portadores de deficiência. “A sabesp tem grandes reservatórios e essas áreas ficavam fechadas, então nós estamos abrindo para a população. É um parque da família, de toda região que vai atender bem as crianças, os idosos, os jovens, todo mundo terá um lugar de lazer e ninguém precisa pagar nada”, disse o governador. O parque recebeu investimentos de mais de R$ 5,5 milhões e foi criado a partir de uma série de obras que criaram espaços de acesso ao público no terreno onde já funcionava o Reservatório Cangaíba, da Sabesp, e tem o objetivo de aproximar a companhia da população por meio de práticas de conscientização ambiental, culturais e de convivência, voltados a todas as faixas etárias, resgatando a história da companhia e dos bairros atendidos, sempre com foco no uso racional da água. As obras do parque utilizam materiais ecologicamente sustentáveis, como pisos drenantes, que propiciam a absorção da água das chuvas pelo subsolo, alimentando o lençol freático. Além disso, houve a preservação de 470 árvores e o plantio de outras 120, das mais variadas espécies. Do Portal do Governo do...

Leia mais
SP lança projeto para proteger e recuperar mananciais
mar26

SP lança projeto para proteger e recuperar mananciais

Quinta-feira, 25 de março de 2015, às 11h05   Plantio de mudas deu início ao programa Nascentes, “Piracaia I”, de restauração ecológica nas bacias hidrográficas do Sistema Cantareira. Um plantio de mudas de espécies nativas em área ciliar degradada no Sítio Beira-Rio, no município de Piracaia, marcou o inicío do programa Nascentes, “Piracaia I”, nesta sexta, 20. O projeto visa promover a restauração ecológica nas bacias hidrográficas que alimentam o Sistema Cantareira, especificamente a Represa da Cachoeira, com o plantio de mudas nas Áreas de Preservação Permanentes (APPs) hídricas em, no mínimo, dez hectares.     “Aqui está uma das 5 represas do Cantareira, a Represa do Cachoeira. Nós vamos na primeira fase plantar 6,3 milhões de mudas nativas para matas ciliares. Temos já 5 penitenciárias produzindo mudas, temos mais 11 que vão entrar no programa, serão 16 penitenciárias”, disse o governador Geraldo Alckmin, em Piracaia. Está previsto o plantio de mudas em 10,22 hectares de áreas ciliares em seis propriedades rurais, próximas da Represa da Cachoeira. O município de Piracaia fica na Bacia Hidrográfica dos rios Piracicaba/Capivari/Jundiaí (Bacia PCJ). A meta é restaurar cerca de 20 mil hectares de matas ciliares e proteger seis mil quilômetros de cursos-d’água com investimentos públicos e privados. As ações abrangem as bacias hidrográficas do Alto Tietê, Paraíba do Sul e Piracicaba/Capivari/Jundiaí, regiões que concentram mais de 30 milhões de habitantes. Os donos das seis propriedades rurais envolvidas no projeto destinaram, individualmente, áreas de 1,82 ha, 0,89 ha, 2,37 ha, 1,32 ha, 0,89 ha e 2,93 ha, totalizando 10,22 hectares, nas quais o Piracaia I será executado. A iniciativa envolve proprietários locais, prefeitura, sindicato, ONGs, secretarias de Estado, associações e cooperativas com o intuito de aliar conservação da biodiversidade à qualidade da água. Outras instituições envolvidas no projeto “Piracaia I” são a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), da secretaria de Estado da Agricultura, a prefeitura e o sindicato rural de Piracaia. “Piracaia I” é o primeiro projeto de restauração ecológica do Programa Nascentes aprovado pela Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais (CBRN), da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo. Do Portal do Governo do...

Leia mais
Sub Mooca, age rapidamente e conserta buracos na Estevão Pernet
mar26

Sub Mooca, age rapidamente e conserta buracos na Estevão Pernet

Quinta-feira, 25 de março de 2015, às 09h43   Se por seu lado a Subprefeitura Aricanduva/Carrão não toma providências quanto ao lixo deixado diariamente na esquina das Ruas Antonio João Fiore e Henrique Dumont, à Subprefeitura Mooca deve ser dado o devido valor pela sua atenção e trabalho rápido, porquanto às questões que enviamos. Desde a manhã de ontem (25) os buracos existentes na Rua Padre Estevão Pernet, que está sob sua jurisdição foram consertados e além daqueles que mostramos na reportagem (vide abaixo), outros também receberam recapeamento, serviço que pode ser constatado pelos usuários. A via precisaria de um completo asfaltamento, assim como o bairro de uma subprefeitura própria, mas enquanto isso não acontece, podemos dizer que a Subprefeitura da Mooca, faz a sua parte como lhe é possível. O atual subprefeito e funcionário de carreira da prefeitura é o engenheiro Evandro...

Leia mais
Pneu da Dengue volta à árvore, Subprefeitura Aricanduva não responde questões
mar26

Pneu da Dengue volta à árvore, Subprefeitura Aricanduva não responde questões

Quinta-feira, 25 de março de 2015, às 08h42 Pode parecer incrível, mas o Pneu da Dengue voltou a ser colocado ao lado da árvore na Rua Antonio João Fiore, no Tatuapé.     Quando um barco segue à deriva, qualquer marola pode levá-lo a fazer água. Dengue, lixo, água, pneu, mas o que tem isso haver com a Subprefeitura Aricanduva/Carrão e o Tatuapé? Tudo. Sob a jurisdição dessa subprefeitura o bairro só pode lamentar a falta de atenção. Desde a semana passada, estamos mostrando as dificuldades dos moradores da Rua Antonio João Fiore, esquina com a Rua Henrique Dumont no Tatuapé, enviamos às questões à subprefeitura, mas até agora não recebemos resposta. Sendo assim, aqueles que promovem a limpeza em suas residências, evitam e se precavem contra a dengue, continuam suportando a falta de asseio de vizinhos que não respeitam os horários da coleta de lixo, nem muito menos possuem qualquer consciência quanto aos perigos da sujeira deixada na rua, o que seria admirável, com a abundância de avisos e campanhas de prevenção contra a dengue, ratos e pragas urbanas, que são vetores de doenças graves para os seres humanos. Depois de desaparecer no domingo, o pneumático que apelidamos de Pneu da Dengue, volta para a árvore pelas mãos irresponsáveis de algum morador dessa localidade. Enquanto aguardamos providências da Subprefeitura Aricanduva/Carrão, os mosquitos transmissores da dengue agradecem. Assuntos relacionados Subprefeitura instalada placa na Rua Antonio João Fiore, no Tatuapé Depósito de lixo no Tatuapé: sujeira aparece do nada e fica a céu aberto Pneu da Dengue volta à árvore, Subprefeitura Aricanduva não responde questões Pneu da Dengue no Tatuapé: atitude merece punição rigorosa ou um rádio Rua Antonio João Fiore esquina com Henrique Dumont: virou depósito de lixo...

Leia mais
Camarões ao Curry na Moranga
mar26

Camarões ao Curry na Moranga

Leia mais