Mobilidade Urbana na cidade de São Paulo – Tatuapé
mar31

Mobilidade Urbana na cidade de São Paulo – Tatuapé

Estação Tatuapé, SP. Confluências de integrações entre Metrô, ônibus e CPTU. Os usuários esperam para embarcar no coletivo, depois de um bom tempo vários não conseguem entrar e o ônibus continua a viagem. Produzido em Fevereiro/2014.

Leia mais
Mobilidade Urbana na cidade de São Paulo – CMTT
mar31

Mobilidade Urbana na cidade de São Paulo – CMTT

Veja o vídeo publicado em 19/12/2013 no Youtube pelo SPUrbanuss Jaime Lerner apresenta proposta de Eixos de Transportes para a cidade de São Paulo O ex-governador do estado do Paraná Jaime Lerner participou, neste dia 19 de dezembro, quarta-feira, da 4ª Reunião do Conselho Municipal de Transportes e Trânsito da cidade de São Paulo. Durante sua primeira gestão como prefeito de Curitiba, no período 1971 a 1975, consolidou as transformações da cidade e implantou o Sistema Integrado de Transporte Coletivo, reconhecido internacionalmente pela sua eficiência, qualidade e baixo custo. Em março deste ano, a convite do SPURBANUSS (Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo), o arquiteto e urbanista elaborou o Estudo Preliminar de Eixos de Transportes de Passageiros, que analisa a alternativa de se criar uma rede expressa de corredores, capaz de multiplicar as possibilidades de trajetos, com enorme ganho de tempo para os clientes do transporte urbano. Leia a reportagem...

Leia mais
Mobilidade Urbana na cidade de São Paulo – CMTT
mar31
Leia mais
Pesquisadores da USP buscam respostas para a mobilidade urbana em São Paulo
dez09

Pesquisadores da USP buscam respostas para a mobilidade urbana em São Paulo

A mobilidade urbana tornou-se um tema urgente e polêmico, que centralizou debates recentes na cidade de São Paulo. Com uma frota veicular que ultrapassou a marca de 8 milhões em 2015, a capital paulista encontra-se próxima do limite de um modelo de mobilidade centrado no transporte sobre pneus.

Leia mais
Teatro Arthur Azevedo, na Mooca, sediará o Clube do Choro
mar06

Teatro Arthur Azevedo, na Mooca, sediará o Clube do Choro

Sexta-feira, 6 de março de 2015, às 17h15 Local funcionará como escola para a formação de músicos do gênero e será ainda utilizado para apresentações. Reforma do espaço deve acabar ainda neste semestre. SECOM – Atualmente em reforma, o Teatro Arthur Azevedo, na Mooca, zona leste da capital, sediará o Clube do Choro, espaço dedicado ao gênero musical que terá como intuito não só a formação de novos músicos, mas será ainda utilizado para apresentações dos artistas. O anúncio foi realizado pelo prefeito Fernando Haddad na manhã desta quinta-feira (5), durante sua visita às obras de modernização do teatro, informou a secretaria de Comunicação da Prefeitura. “Eu anunciei algum tempo atrás que nós estávamos pensando em resgatar essa tradição do choro em São Paulo, que se perdeu há muito tempo. Essa tradição, em ponto fixo, se perdeu nos anos 70 e não foi mais recuperada. Nós vamos fazer desse teatro a nossa escola de choro. O Clube do Choro vai nascer aqui. Enquanto o teatro fica pronto, a gente, com a comunidade do choro, vai organizar a escola, que será no [prédio] anexo, com as apresentações aqui no próprio teatro. Acho que essa é uma notícia boa não só para a Mooca, mas para toda a cidade. O choro dialoga com vários gêneros musicais e estabelece conexões que não podem se perder, porque dizem respeito à história musical brasileira”, disse. O teatro está sendo ampliado com a construção de um edifício anexo, onde funcionará a escola de choro e toda a área administrativa. O prédio terá ainda cozinha, refeitório, sanitários e um espaço multiuso, que poderá ser utilizado para a realização de ensaios, aulas de teatro e até mesmo para a apresentação de pequenas peças. Os espaços internos do prédio original poderão assim, ser melhor aproveitados, com aumento da área de manobras do palco, criação de camarins de trocas rápidas, camarim acessível e cabine de som. Após a conclusão da reforma, o teatro terá capacidade para 376 lugares, dos quais 8 serão reservados para cadeirantes, 4 equipados com poltronas para obesos e outras 4 para pessoas com mobilidade reduzida. As obras, orçadas em R$ 7,82 milhões, foram iniciadas em julho de 2012 e deverão ser entregues ainda neste semestre. Inaugurado em agosto de 1952, o edifício do teatro é tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp). A visita de Haddad às obras foi acompanhada pelos secretários municipais Nabil Bonduki (Cultura), Roberto Garibe (Infraestrutura Urbana e Obras) e Nunzio Briguglio (Comunicação), além do Subprefeito da Mooca, Emgº Evandro...

Leia mais
Salão do Automóvel e GP de F1, juntos até dia 9 na cidade
out30

Salão do Automóvel e GP de F1, juntos até dia 9 na cidade

Quinta-feira, 30 de outubro de 2014, às 20h Salão do Automóvel e GP de Fórmula 1 gerarão mais de R$ 450 milhões para cidade. De acordo com prefeito, que participou da abertura do 28º Salão Internacional do Automóvel, a cidade se tornará o maior destino turístico da América Latina até 2017. Parceria Público-Privada será lançada para modernizar Complexo do Anhembi. Os dois grandes eventos internacionais que São Paulo receberá até o próximo dia 9 de novembro, o 28º Salão Internacional do Automóvel e o Grande Prêmio Brasil de Fórmula 1, injetarão mais de R$ 450 milhões na economia da cidade. O Salão do Automóvel, aberto nesta quinta-feira (30), continuará até 9 de novembro no Complexo do Anhembi, na zona norte, e o GP Brasil de Fórmula 1 acontece entre os dias 7 e 9, no Autódromo de Interlagos, na zona sul. A geração da receita para o município foi anunciada pelo prefeito Fernando Haddad, durante a cerimônia de abertura do Salão do Automóvel, nesta quinta-feira (30). A feira receberá mais de 750 mil visitantes no período, de acordo com a organização. Já o GP Brasil de Fórmula 1 atraiu quase 130.000 turistas no ano passado. “Estamos falando de um impacto econômico na cidade de São Paulo da ordem de R$ 450 milhões. Essa é a nossa previsão em relação a que os turistas que moram fora da cidade vão trazer para São Paulo nos hotéis, restaurantes e serviços. É uma feliz coincidência que os dois eventos aconteçam simultaneamente”, afirmou Haddad. Segundo Haddad, estudos como o de uma rede internacional de cartões de crédito mostram que a cidade será o maior destino turístico da América Latina até 2017, superando a Buenos Aires e Cidade do México. Esse sucesso, de acordo com o prefeito, se deve em boa parte a eventos como o Salão do Automóvel e por isso, a ideia é lançar uma parceria público-privada para modernizar o entorno do Complexo do Anhembi. “A previsão é que até 2017, São Paulo seja o maior destino turístico da América Latina, muito por conta das atividades promovidas pelo setor privado que escolheu a cidade para desenvolver suas atividades”, afirmou o prefeito. “Temos aqui uma área de 300 mil metros quadrados, que é toda do município. Como vocês sabem, tenho um interesse particular pelo rio Tietê. Acho que as duas margens do rio Tietê são a fronteira que vão dar cara definitiva para a cidade, como as grandes cidades do mundo fizeram. Por isso, vamos lançar uma PPP para repensar essa área que é de propriedade da SPTuris”, disse Haddad. “É importante elogiar a iniciativa da Prefeitura de modernizar o Anhembi. Todos nós...

Leia mais
Marina defende redução de impostos para bikes
set23

Marina defende redução de impostos para bikes

Terça-feira, 23 de setembro de 2014, às 16h33 No Dia Mundial sem Carro, Marina defende ciclovias e redução de impostos na fabricação de bicicletas     No início da manhã desta segunda-feira (22), Marina Silva participou de um ato para marcar o Dia Mundial sem Carro, na região central de Brasília. Acompanhada pelo candidato do PSB ao governo do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, ela assinou uma carta reconhecendo as reivindicações da União Brasileira dos Ciclistas. A candidata à Presidência da República pela Coligação Unidos pelo Brasil defendeu a redução dos impostos na fabricação de bicicletas, a criação de ciclovias e o incremento do transporte público de qualidade como pontos importantes da agenda de mobilidade urbana. O Programa de Governo de Marina e Beto Albuquerque defende o incentivo à mobilidade não motorizada (a pé e de bicicleta) por ser o modo mais sustentável de começar a mudar a realidade nas cidades, em especial no sistema de intermodalidade. Depois do evento, Marina participou da abertura da V Assembleia Geral Eletiva da Associação Nacional de Educação Católica (Anec), onde defendeu hoje a adoção de políticas públicas que corrijam a remuneração do professor brasileiro e apóiem sua qualificação...

Leia mais
Semana da Mobilidade Urbana
set17

Semana da Mobilidade Urbana

  Quarta-feira, 17 de setembro de 2014, às 20h49 Faixas exclusivas aumentam velocidade dos ônibus e economizam tempo de usuários Desde o início do ano passado, a Prefeitura implementou 357,5 quilômetros de faixas exclusivas para ônibus em toda a cidade. Dois estudos da CET apontam melhora significativa da velocidade dos coletivos e economia de tempo para os usuários. SECOM – A criação de faixas exclusivas para ônibus aumentaram a velocidade dos coletivos e economia de tempo para usuários do sistema na cidade de São Paulo, segundo estudos realizados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Atualmente, São Paulo conta com mais de 440 quilômetros de vias segregadas à direita, sendo que desde janeiro do ano passado, com a operação “Dá Licença para o Ônibus”, foram implantados 357,5 quilômetros. O transporte coletivo é um dos temas em discussão na Semana da Mobilidade 2014 Um estudo divulgado no início de dezembro do ano passado pela CET apontou que, em um universo de 291 quilômetros de faixas implementadas até então, a velocidade média dos ônibus havia crescido em 45,1%, saltando de 14,2 km/h para 20,6 Km/h. O segundo levantamento da CET divulgado no início de setembro mostrou que a velocidade média dos ônibus que circulam por 66 trechos de faixas exclusivas implantados neste ano aumentou em 68,7%, passando de 12,4 Km/h para 20,8 Km/h. O levantamento apontou melhora da velocidade em todos os trechos pesquisados. A menor alteração foi o aumento de 7,8% da velocidade na Avenida Orlando Garcia de Oliveira, na zona oeste, e as maiores na Rua Voluntários da Pátria, com melhora de 269,4%, e na ponte do Jaguaré, com 317,3%. A economia média é de 38 minutos por dia, chegando a mais de quatro horas por semana. Em alguns itinerários, a vantagem é ainda maior. Mudança cultural Por conta do aumento das faixas exclusivas a partir do início de 2013, algumas pessoas optaram pelo ônibus como meio de transporte. A produtora de televisão, Marina Pereira, 24 anos, que mora na Vila Mariana e trabalha na região do Paraíso, foi uma das paulistanas que passou a utilizar os ônibus após a implementação das faixas exclusivas. “Depois das faixas, desisti do carro. Percebi que era mais rápido vir com o ônibus do que com o carro. É claro que tem problemas como a lotação, que é muito grande, principalmente, nos horários de pico, mas é uma opção mais rápida com certeza”, disse. Táxis nas faixas A Prefeitura liberou, no último dia 13, todos os 440 quilômetros de faixas exclusivas para ônibus existentes na cidade e as que serão criadas pela Prefeitura aos mais de 33 mil táxis de São Paulo em qualquer...

Leia mais
Mobilidade urbana é o destaque da manhã na CICI2014
maio08

Mobilidade urbana é o destaque da manhã na CICI2014

Palestras internacionais apresentaram ideias para combinar crescimento econômico com sustentabilidade. A mobilidade urbana foi o destaque de hoje (8), na manhã de palestras da Conferência Internacional de Cidades Inovadoras (CICI2014). O evento, promovido pelo Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP), Universidade Positivo e Prefeitura Municipal de Curitiba, reuniu palestrantes dos Estados Unidos, Itália e Áustria. O professor da Universidade Tecnológica de Viena Rudolf Giffinger disse que as cidades têm de combinar crescimento econômico, urbanização e redução de emissões poluentes. O austríaco faz parte do projeto European Smart Cities, que estuda as perspectivas de desenvolvimento de cidades de médio porte, levando em conta economia, cultura e condições ambientais e sociais. Giffinger afirmou que existem seis pilares essenciais de uma Smart City de médio porte. A economia inteligente, promovendo a competitividade econômica por meio da integração de inovação e empreendedorismo; pessoas inteligentes, isto é, a qualificação dos recursos humanos e das interações sociais; governos inteligentes, fomentando serviços aos cidadãos e ao funcionamento da administração pública; mobilidade inteligente, visando a acessibilidade e redes de tecnologia de informação; ambiente inteligente, por meio da atratividade de condições naturais, proteção ambiental e gestão de recursos; e modo de vida inteligente, traduzido por qualidade de vida, englobando cultura, saúde, segurança e habitação. A americana Stephanie Gardner trouxe um novo olhar para as cidades, apontando iniciativas que repercutem na qualidade de vida da população e, sobretudo, na sustentabilidade. Entre as ideias apresentadas, está o aumento da área verde, o que influencia diretamente a qualidade do ar, a temperatura e a poluição sonora. “O grande desafio é introduzir e aumentar o número de plantas, tornando-as cidades biofílicas, conciliando a vida urbana à preservação da natureza”, explicou. Um dos exemplos listados por Stephanie é de Singapura, que, desde a década de 1960, tornou a cidade mais verde, com o propósito de ser mais atrativa para investimentos. Na mesma linha, o arquiteto e ecologista italiano Roberto Ervas também disse que hoje é preciso fazer localmente, porém pensando globalmente. Ele afirmou que as práticas implementadas em uma cidade devem levar em conta o bem de toda a população mundial. “É preciso pensar em uma educação voltada para o meio ambiente sustentável, focando em mobilidade e promovendo a infraestrutura inteligente”, ressaltou. O executivo responsável pelo programa de Mobilidade Urbana da Volvo Bus Latin America, Ayrton Amaral, destacou a busca por alternativas ao uso do petróleo, uma energia que, segundo ele, será extinta em 2080, caso continue a ser consumida no ritmo atual. “O Bus Rapid Transit (BRT) é uma boa solução. No futuro, uma solução seria o implementação de biarticulados híbridos.” Amaral disse que a Volvo já tem veículos híbridos, que,...

Leia mais
Obras de mobilidade no entorno da Arena Corinthians serão entregues no fim do mês
abr16

Obras de mobilidade no entorno da Arena Corinthians serão entregues no fim do mês

Construtora entregou nesta terça-feira (15) as obras civis da arena que receberá a abertura da Copa do Mundo de 2014 ao Corinthians. Intervenções viárias no entorno do estádio serão entregues no fim deste mês pela Prefeitura e pelo Governo do Estado. As intervenções de mobilidade urbana e acessibilidade que estão sendo realizadas no entorno do estádio de abertura da Copa do Mundo de 2014, a Arena Corinthians, em Itaquera (Zona Leste), serão entregues pela Prefeitura e pelo Governo do Estado no fim de abril. O anúncio foi feito pela vice-prefeita e coordenadora da SPCopa, Nádia Campeão, e pelo secretário estadual de Planejamento e Desenvolvimento Regional, Júlio Semeghini, nesta terça-feira (15) durante a entrega simbólica do estádio pela Odebrecht ao Corinthians.   Entre as melhorias estão a construção de uma nova avenida de ligação Norte-Sul, no trecho entre as avenidas Itaquera e José Pinheiro Borges, incluindo as transposições em desnível sobre as linhas do Metrô, além de outra nova avenida articulando a Ligação Norte-Sul com a Miguel Inácio Curi. Também estão entre as obras a passagem em desnível na rua Doutor Luis Aires, no trecho em frente às estações do Metrô e da CPTM, e a construção de duas alças de acesso entre a avenida Jacu-Pêssego e a Nova Radial. Uma rotatória e o alargamento de pista no cruzamento da Miguel Inácio Curi com a avenida Engenheiro Adervan Machado também faz parte do pacote que conta com investimentos de R$ 397,9 milhões do Estado e R$ 150,6 milhões do município. “Entramos com algumas obras complementares importantes e vamos entregar até o fim do mês, essa praça de acesso de 16 mil m² que vai fazer com que toda a mobilidade e acessibilidade em torno do estádio e em torno do Polo de Itaquera seja facilitada”, disse Nádia Campeão. “As mudanças são muitas. Vamos ter também todo um novo sistema de iluminação pública aqui ao longo dos próximos dias, na Radial, embaixo dos viadutos e no entorno do estádio”, disse a vice-prefeita. “Nos próximos dias o Governo do Estado e a Prefeitura vão entregar toda a estrutura ao redor. Ficará faltando só uma passarela que no final de maio será concluída. Em muitos estados estão questionando se existiu ou não um legado e tenho certeza que o estado (de São Paulo) deixará um grande legado”, disse Júlio Semeghini. Desde o início das obras, a Arena gerou 6 mil empregos diretos e indiretos e 246 pessoas foram capacitadas em cursos técnicos, sendo 115 contratadas pela construtora e 53 trabalhadores concluíram a alfabetização por meio de programas sociais da construção. Copa do Mundo Uma das 12 cidades-sedes da Copa do Mundo de 2014,...

Leia mais
Governo e Prefeitura de SP investem nas linhas do Metrô
mar14

Governo e Prefeitura de SP investem nas linhas do Metrô

Governo firma convênio com município para investimento nas linhas 15 e 17 do Metrô. Ações conjuntas serão destinadas à execução das obras de adequação viária e demais serviços necessários à implantação do Monotrilho. As informações são do portal do O Governo do Estado de São Paulo. Foi firmado nesta sexta-feira, 14, convênio com a prefeitura do município para a execução das obras do Monotrilho das linhas 15-Prata e 17-Ouro do Metrô. Na ocasião, a prefeitura anunciou investimento de R$ 360 milhões para utilização do Governo do Estado nas duas linhas. As ações conjuntas serão destinadas à execução das obras de adequação viária e demais serviços necessários à implantação. Quando inaugurada, a Linha 15-Prata será o primeiro Monotrilho do Brasil e o de maior capacidade no mundo. “Hoje estamos dando um importante passo com duas linhas do Monotrilho. É um trabalho importante e é um grande desafio à mobilidade urbana”, anunciou o governador Geraldo Alckmin. Monotrilho A Linha 15-Prata terá 26,6 km de extensão em vias elevadas e ligará o bairro do Ipiranga à Cidade Tiradentes. Contará com 18 estações e atenderá cerca de 500 mil passageiros por dia. A primeira viagem-teste entre a futura Estação Oratório e o Pátio Oratório foi feita em janeiro deste ano. A linha terá integração com a Linha 2-Verde do Metrô e com a Linha 10-Turquesa da CPTM. Já a Linha 17-Ouro terá 17,6 km e ligará o aeroporto de Congonhas ao bairro do Morumbi. Contará também com 18 estações e terá conexão com a Linha 1-Azul, Linha 4-Amarela e Linha 5-Lilás do Metrô e Linha 9-Esmeralda da...

Leia mais
Política de transportes – Mobilidade urbana
fev20

Política de transportes – Mobilidade urbana

São Paulo, onde o delírio e a paixão de ser paulistano só são superados pelo caos dos horários de pico, no que diz respeito à mobilidade urbana da maior cidade da América Latina. Tatuapé, localizado na zona Leste de São Paulo, é um dos bairros de maior fluxo populacional da cidade, cercado de uma das maiores infraestruturas urbanísticas da grande metrópole. Radial Leste, Estação Tatuapé, 6h30 da manhã. Até às 8h, a tensão é grande no local, que recebe o fluxo das dezenas de milhares de passageiros das linhas de ônibus, metrô e trens. Com a retirada de algumas linhas de ônibus que percorriam a zona Leste, a situação que já é caótica se torna cada vez mais insustentável. Devido também ao incessante crescimento populacional, o fluxo de pessoas que utilizam os transportes coletivos só tende a aumentar na região. Moradores, são unânimes em afirmar que a situação piorou no Tatuapé, seja com faixa exclusiva ou não. O que eles apontam é a dificuldade de entrar nos coletivos. A estação Tatuapé do Metrô, ocupa o topo da lista de acessos impossíveis nos horários de pico e os ônibus vêm logo em seguida, ao lado dos trens. Apesar disso, muitos passageiros ainda preferem tentar a sorte nos ônibus que chegam menos lotados, como constatamos hoje, fato que não ocorre todos os dias. A lotação decai ao longo do período entre o início da manhã até às 8h, mas até chegar nisso, haja paciência. Parte da dificuldade em acessar os coletivos, decorre do fato de que muitos passageiros insistem em permanecer próximos às portas, havendo espaços no interior dos ônibus. Apesar de que devemos levar em conta, que esse espaço é relativo ao já conhecido sistema lata de sardinhas, ou seja, mínimo ou quase nenhum. Mas também foram vistos vários coletivos sem lotação excessiva, ainda sob a visão de que lotação por aqui, é quando simplesmente não há lugar para mexer o pé do lugar. Assim, os passageiros imaginam que será difícil descer e se acumulam, dificultando o embarque. A demora dos ônibus que param na Estação do Tatuapé irrita os passageiros que vêm de áreas mais periféricas da zona Leste. “Ontem (19) eu demorei 35 minutos para conseguir entrar no ônibus, hoje foram 15 minutos”, comparou uma usuária do sistema. O Tatuapé recebe um grande fluxo de usuários das linhas do Metrô, CPTU e ônibus. Apesar das reclamações de quem já está acomodado nos coletivos quanto à demora, a situação dos que precisam embarcar nos coletivos é ainda pior. Paula, que tentava embarcar num dos ônibus e não conseguiu, nos conta que já chegou a esperar 40 minutos no ponto...

Leia mais
Haddad fala das ciclovias e estações de bikes no Tatuapé
out08

Haddad fala das ciclovias e estações de bikes no Tatuapé

Quarta-feira, 8 de outubro de 2014, às 14h56 – Atualizado às 18h39 A cidade está passando por mudanças promovidas pela Prefeitura. Mobilidade urbana ligada ao transporte público, iluminação, ocupação de ruas e praças com eventos, virada cultural e esportiva. Estes são alguns exemplos de ações interessantes e que merecem destaque positivo. Outra iniciativa em prol dos munícipes, mas que ainda tem opositores, até mesmo entre quem pratica exercícios regularmente são as ciclovias.     Em sua visita ao bairro, na manhã desta quarta-feira (8), o prefeito Fernando Haddad declarou que não há nada contra os carros, mas que é a favor de mudanças e demonstra entusiasmo quando fala da implantação das faixas exclusivas para bicicletas. Ao nos dirigirmos para o evento que ocorria na entrada do Parque Esportivo do Trabalhador (PET – muito mais lembrado pelo antigo nome Ceret), logo no início desta reportagem, encontramos Sueli que observadora não se conteve em dizer: “A ciclovia termina aqui. Quando vai ficar pronta?”, ao perceber que a lente de nossa câmera estava voltada para o final da faixa exclusiva das bikes, na esquina da Rua Nello Bini com a Rua Eleonora Cintra, em frente ao Ceret. Sueli disse mora no bairro desde que nasceu e contou sobre seu filho que precisa ir até a faculdade. “Existe uma faixa de ciclovia na Praça Ituzaingó, mas não tem continuidade. Precisaria descer pela Rua Coelho Lisboa, Rua Serra de Bragança”, exemplificou. Apesar da nova modalidade em transporte ser o assunto do momento, Sueli afirma que são necessárias outras linhas de ônibus para o centro. “Nós não temos como ir do Tatuapé para o Centro, só há uma linha de ônibus, que sai da Silvio Romero, e o Metrô. Meu filho estuda na Consolação e gostaria de usar a ciclovia como alternativa”. Sobre as ciclovias o Prefeito reafirmou nesta manhã no encontro com a imprensa e diversos usuários do parque que até o final de 2015 todas as estações e ciclovias estarão interligadas. “São 400 quilômetros. Essa distância dá para ir até o Rio de Janeiro”, exagerou ao perguntarmos sobre as estações que estão sendo instaladas no bairro. “Todas as estações serão interligadas”, disse ao questionarmos as obras nas ruas Emílio Mallet e Euclides Pacheco. Portanto, os adeptos ao uso da bicicleta como meio de transporte terão de aguardar mais um tempo. Mas, segundo nos informou Haddad, onde há estações também haverá ciclovias.   Assuntos relacionados Haddad fala das ciclovias e estações de bikes no Tatuapé Haddad está mudando o estilo da cidade e o Tatuapé faz parte Prefeitura entregará nova iluminação no...

Leia mais
88% dos paulistanos aprovam ampliação de ciclovias, revela pesquisa
set19

88% dos paulistanos aprovam ampliação de ciclovias, revela pesquisa

Sexta-feira, 19 de setembro de 2014, às 16h59 Segundo a pesquisa realizada pelo Ibope a pedido da Rede Nossa São Paulo, faixas exclusivas para ônibus tem apoio de 90% dos entrevistados. Desde janeiro de 2013, mais de 350 quilômetros de vias segregadas para ônibus foram construídas. PMSP / SECOM – Uma pesquisa sobre mobilidade urbana divulgada nesta quinta-feira (18) mostra que 88% dos entrevistados são a favor da construção e ampliação das ciclovias. O levantamento também mostra que 90% são favoráveis à ampliação das faixas exclusivas para ônibus. A pesquisa foi realizada pelo Ibope, a pedido da Rede Nossa São Paulo, e aborda os mais diversos aspectos da mobilidade na cidade. O instituto ouviu 700 pessoas entre os dias 29 de agosto e 3 de setembro. A margem de erro é de 4 pontos percentuais.     Após a apresentação dos dados da pesquisa, o prefeito Fernando Haddad defendeu o envolvimento da sociedade para adotar medidas que ampliem a mobilidade urbana. “Essa é uma agenda que os partidos não deveriam disputar, mas somar ao governo para construiremos até mais rápido tudo que vem sendo feito na cidade. E o apoio às ciclovias é de 88% – mesmo apoio às faixas de ônibus -, apesar de ser um modal que ainda carece de muitas políticas do ponto de vista educacional e pedagógico”, disse. A construção de 400 quilômetros de ciclovias até o fim de 2015 é uma das metas da Prefeitura de São Paulo. Somente neste ano, a capital já ganhou 58,3 quilômetros. Outras medidas de incentivo ao uso da bicicleta como transporte prioritário foram as inaugurações do bicicletário público no Largo da Batata e da ciclopassarela sobre a Marginal Pinheiros. A avenida Paulista também vai ganhar ciclovia no canteiro central. Já a criação de faixas exclusivas para ônibus aumentou a velocidade dos coletivos e causou economia de tempo para usuários do sistema de transporte coletivo da cidade de São Paulo, segundo estudos realizados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Atualmente, São Paulo conta com mais de 440 quilômetros de vias segregadas à direita, sendo que desde janeiro do ano passado, com a operação “Dá Licença para o Ônibus”, foram implantados 357,5 quilômetros. “Esse grande apoio dos paulistanos para a bicicleta e para a ciclovia é importante para a cidade porque é um serviço não motorizado. Isso ajuda quem precisa desse tipo de transporte, ajuda do ponto de vista ambiental e do ponto de vista da saúde. Portanto, ajuda a cidade. Isso é importante e só nos encoraja ainda mais a continuarmos nesse projeto de implantação dos 400 km de ciclovia na cidade de São Paulo”, afirmou o secretário...

Leia mais
Principais propostas do Plano Diretor Estratégico
jun28

Principais propostas do Plano Diretor Estratégico

Sábado, 28 de junho de 2014 às 7h24   CMSP – Em tramitação desde o ano passado, o novo Plano Diretor Estratégico de São Paulo (PDE) vai definir as diretrizes para o desenvolvimento urbano no município nos próximos 16 anos. Elaborado pela prefeitura e aperfeiçoado pela Câmara após nove meses de debates, o projeto tem o objetivo de criar uma cidade mais funcional e justa para seus moradores. Para isso, a proposta prevê uma série de medidas, como a aproximação da moradia e do emprego, a prioridade ao transporte público e a diminuição do déficit habitacional do município.   Os membros da Comissão de CPUMMA (Comissão de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente) responsáveis pela elaboração do PDE, estão assim definidos pelos vereadores: Presidente Andrea Matarazzo (PSDB) Vice-presidente Paulo Frange (PTB) Relator Nabil Bonduki (PT) Demais integrantes Dalton Silvano (PV) José Police Neto (PSD) Nelo Rodolfo (PMDB) Toninho Paiva (PR) Apenas o substitutivo do PDE, votado no último mês de abril, forma um caderno de 136 páginas. O que veremos aqui é um resumo das principais e mais polêmicas propostas debatidas com a sociedade e entre os vereadores. Leia a seguir: Cidade compacta A construção de prédios altos na cidade, hoje dispersa, será reordenada, concentrando o adensamento construtivo e populacional ao longo dos eixos de transporte de massa. O plano propõe tornar a cidade mais “compacta”, com mais pessoas morando em áreas já urbanizadas, reduzindo deste modo, os deslocamentos, e aproximando moradia e emprego. Ao mesmo tempo, áreas mais periféricas receberão maior infraestrutura e emprego, com a implantação dos Polos de Desenvolvimento Econômico, o que também contribuirá para reduzir os deslocamentos. O processo de adensamento ao longo dos eixos, somado ao desenho da malha de corredores de ônibus estruturados na cidade e a construção de ciclovias, contribuirá para a racionalização do uso do automóvel. Por outro lado, as zonas estritamente residenciais serão preservadas e haverá um limite de altura de 28 metros nos miolos dos bairros, evitando os espigões. Dessa forma, o plano regulará a atuação do mercado imobiliário, levando-o para onde a cidade deve crescer e restringindo onde não deve mais. Recriação da zona rural Após 12 anos de extinção, a zona rural, no extremo-sul da cidade, será recriada e abrangerá 25% do território paulistano. O objetivo é conter a expansão horizontal da cidade, proteger o que resta do cinturão verde e fazer essas áreas serem melhor utilizadas, criando emprego e renda com atividades que garantam a preservação do meio ambiente, como a agricultura orgânica e o ecoturismo. Limite de vagas de garagens Na construção de novos prédios, será permitida sem cobrança extra a construção de uma vaga...

Leia mais
PDE, ZEIS e o Inferno de Dante
jun26

PDE, ZEIS e o Inferno de Dante

Quinta-feira, 26 de junho de 2014 às 8h07 – atualizado às 10h12 Gerson Soares CMSP – No final da sessão plenária de ontem (25), vereadores exaltados como José Police Neto (PSD), que tiveram problemas com integrantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores sem Teto) que continuam acampados em frente à Câmara Municipal de São Paulo (CMSP), para defender seus interesses na votação das ZEIS. Os debates estiveram voltados para o projeto do Plano Diretor Estratégico da cidade de São Paulo (PDE). Segundo o líder do governo, vereador Arselino Tatto (PT), foi firmado acordo com as lideranças dos partidos para que as sessões desta quarta e quinta-feira fossem utilizadas exclusivamente para discussão do projeto. Segundo, informações da CMSP, até sexta-feira, o PDE deve ser colocado em pauta para votação final. O relator do projeto, vereador Nabil Bonduki (PT), ocupou a tribuna nesta quarta para defender o substitutivo do PDE. “O planejamento urbano serve para organizar a cidade, estabelecendo regras para o uso e ocupação de solo e os programas públicos para as próximas três gestões municipais. São Paulo não pode mais se expandir horizontalmente. Precisamos agora conter esse processo para evitar que haja mais degradação de áreas de proteção ambiental e estabelecer claramente para onde a cidade vai se desenvolver a partir de agora”, disse.       O presidente da Comissão de Política Urbana, vereador Andrea Matarazzo (PSDB), será o primeiro a discursar sobre o projeto. Em seguida, segundo promessa do presidente da CMSP, vereador José Américo (PT), será a vez de Gilberto Natalini (PV), seguido dos demais vereadores inscritos, na sessão desta quinta-feira. Para garantir que todos os vereadores tenham tempo para discutir o projeto, o presidente da Câmara convocou a sessão ordinária e mais três extraordinárias. O vereador Arselino Tatto (PT) usou o plenário para defender o vereador José Police Neto (PSD), duramente criticado por integrantes do MTST, que o acusam de ser o ‘vereador das empreiteiras’. “90% dos projetos do vereador Police são relacionados à moradia popular, por isso são injustas as críticas e acusações que foram feitas. Dialogamos com o movimento e eles entenderam que cometeram um erro. Quero dizer que o vereador tem a solidariedade de toda base do governo”, disse Tatto. Integrantes do MTST estão acampados e afirmam que ocuparão as imediações da CMSP até a votação do PDE, pressionando os vereadores. O líder do movimento, Guilherme Boulos acusa os vereadores, entre eles Police Neto, de estarem fazendo lobby nas aprovações de interesse das empreiteiras. Nesse sentido fica mesmo sem explicação a liberação para construção de edifícios no interior dos bairros, que antes era de proibição para construções acima de oito andares no interior...

Leia mais
Ocupação Copa do Povo fica fora do PDE
jun18

Ocupação Copa do Povo fica fora do PDE

Quarta-feira, 17 de junho de 2014 às 15h32 Rodolfo Blancato/CMSP – A ocupação conhecida como Copa do Povo, na zona Leste de São Paulo, não foi incluída entre as Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS) previstas no projeto do novo Plano Diretor da cidade. Nesta segunda-feira (16), os membros da Comissão de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente protocolaram um novo substitutivo para a proposta, resultado de semanas de conversas com os demais vereadores e a prefeitura. Segundo Nabil Bonduki (PT), que foi o relator do projeto na comissão, a destinação da área para a construção de habitação de interesse social será contemplada em outro projeto de lei, que deverá ser protocolado. “Dessa maneira nós teremos condições de debater especificamente a situação da Copa do Povo, que não se confunde com o Plano Diretor”, declarou o vereador após a sessão prevendo o protocolo para o dia seguinte (terça-feira). A ocupação surgiu no início de maio, quando cerca de mil famílias ligadas ao MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) ergueram suas barracas em um terreno localizado a menos de 4 km da Arena Corinthians, palco dos jogos da Copa do Mundo em São Paulo. Desde então, militantes do MTST e outros movimentos de moradia têm pressionado a Câmara para incluir a Copa do Povo entre as ZEIS, áreas nas quais é prioritária a construção de habitação popular. O movimento também conseguiu a garantia do Governo Federal de que a ocupação será contemplada pelo programa Minha Casa, Minha Vida – Entidades. O texto foi fechado na tarde do dia 16, em reunião entre os membros da comissão e o prefeito Fernando Haddad. Segundo Bonduki, a retirada da Copa do Povo do texto tem o objetivo de estabelecer uma proposta de consenso. “Esse texto é o resultado de um amplo entendimento entre todos os vereadores da Câmara Municipal. Esperamos que ele possa contar com o apoio de todos, uma vez que todos os vereadores, de uma maneira ou de outra, tiveram as suas ideias contempladas nesse substitutivo”, repetiu Nabil.       Mudanças Entre as mudanças introduzidas está a flexibilização do limite de altura das novas construções no interior dos bairros. O texto aprovado pela Câmara em abril, em primeira discussão, previa a limitação do gabarito nessas áreas a 25 metros, cerca de oito andares. O novo texto acaba com a limitação nos quarteirões onde mais da metade dos prédios já construídos superarem essa altura. O substitutivo também garante a destinação de 30% dos recursos do Fundurb (Fundo Municipal de Desenvolvimento Urbano) para o sistema de mobilidade da cidade e a criação do Fundo Municipal dos Parques, que financiará a aquisição de...

Leia mais
Connected Cities Summit – Great Britain House
jun08

Connected Cities Summit – Great Britain House

Domingo, 8 de junho de 2014 às 10h02 Estima-se que até 2050, quase 90% da população brasileira estará vivendo em grandes centros urbanos, recorrendo em maior complexidades para o desenvolvimento e o planejamento das principais cidades brasileiras. Questões relacionadas a poluição, mobilidade urbana, integração e comunicação, que já afetam as grandes cidades no país, se tornarão desafios para o planejamento por parte das autoridades locais. O Reino Unido é mundialmente reconhecido por apoiar e investir em pesquisas sobre desenvolvimento urbano e cidades do futuro e promover tecnologias e inovação em sistemas de transporte inteligentes. Assim, como parte do Great Britain House, o Connected Cities Summit, realizado em São Paulo, trará especialistas e autoridades britânicas e brasileiras, do setores público, privado e da academia, para discutir essas questões de desenvolvimento e mobilidade urbanos. O principal objetivo é demonstrar a experiência britânica em planejamento e em tecnologias, compartilhando as lições aprendidas ao vencer os desafios urbanos comuns, e como essas soluções podem ser aplicadas à realidade das cidades brasileiras. Inscrições sujeitas à confirmação dos organizadores. Serviço: Data: 09 de Junho de 2014 Horário: 10:00 – 20:00 Local: Centro Brasileiro Britânico (Rua Ferreira de Araújo, 741 – Pinheiros / 05428-002 – São Paulo/SP) Programação: clique aqui Inscrições: Veja abaixo Como nascem grandes cidades: desenvolvimento de um programa inteligente e sustentável para cidades Início: 10h Duração: 3h Incrição: clique aqui Workshop – Desenvolvimento Urbano Início: 14h30 Duração: 3h30 Incrição: clique aqui INSCREVA-SE! Workshop – Transporte Urbano Início: 14h30 Duração: 3h20 Incrição: clique aqui   Saiba mais Connected Cities Summit – O futuro da infraestrutura brasileira...

Leia mais
Prefeito veta fim do rodízio em São Paulo
jun04

Prefeito veta fim do rodízio em São Paulo

4 de junho de 2014 às 10h40 Gerson Soares O prefeito Fernando Haddad vetou na última sexta-feira (30/5) o Projeto de Lei (PL) 15/2006, votado simbolicamente e aprovado na Câmara Municipal de São Paulo (CMSP), que extinguiria o Rodízio de Veículos na cidade. A votação ocorreu no dia 28 de maio e pegou de surpresa vários vereadores, mesmo assim foi aprovado simbolicamente – quando não há contagem de votos. O PL é de autoria do vereador Adilson Amadeu (PTB), e alega que a lei que implementou o rodízio, foi criada para combater o problema de poluição ambiental na Capital, mas o crescimento da a utilização de carros bicombustíveis (flex) tornou a frota menos poluente. Segundo as informações da CMSP, o vereador argumenta também que a lei “incentivou” os paulistanos a adquirirem um segundo veículo, geralmente mais antigo e mais poluidor — para burlar o rodízio e a medida não tem mais efeito no trânsito em São Paulo. “Quando o rodízio foi implantado, não tinha o número de carros que tem hoje. A gente percebe que a classe média alta tem hoje dois, três carros na garagem para circular nos dias de rodízio. O reflexo do rodízio é zero”, afirmou. Por sua vez, o prefeito Fernando Haddad, justifica o veto argumentando que a medida afetaria diretamente a população da cidade e precisaria ser debatida antes de ser implantada. “O Programa de Restrição ao Trânsito de Veículos Automotores no Município de São Paulo, instituído pelo Decreto nº 37.085, de 3 de outubro de 1997, tem se mostrado relevante para a redução do trânsito na Cidade de São Paulo. Dessa forma, qualquer modificação em seu escopo ou a própria revogação da lei que autorizou sua criação, como ora proposto, devem necessariamente estar respaldadas por estudos técnicos e associadas a outras políticas públicas”, afirma o veto.     Debate Um dia depois de aprovado, houve a manifestação contrária no plenário. O presidente da Comissão de Meio Ambiente, vereador Natalini (PV) expôs que o fim do rodízio não é a maioria na Câmara. “Nós temos em São Paulo dois problemas de uma grandeza imensa. Um é o da mobilidade urbana: as ruas estão entupidas de carros. E outro é a poluição do ar, que tira cinco mil vidas por ano na cidade”, enumerou. Em seu discurso, afirmou que se o prefeito não vetasse o PL, proporia às bancadas contrárias, um novo projeto “restituindo de novo o rodízio, e de maneira mais aprofundada, mais restritiva, que é o que a cidade precisa”, disse. Líder da bancada do PT na Câmara, o vereador Alfredinho estranhou a aprovação. “Aconteceu uma desatenção. Ninguém esperava que um projeto sem...

Leia mais
CICI2014 chega ao fim com nova edição confirmada
maio13

CICI2014 chega ao fim com nova edição confirmada

CICI2015 já está prevista para abril do ano que vem. O encerramento da Conferência Internacional de Cidades Inovadoras (CICI2014) e do Fórum iCities, na última sexta-feira (9), veio com a confirmação de uma nova edição do evento, prevista para abril de 2015. O anúncio foi feito pelo presidente do Conselho do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP), Rodrigo Rocha Loures. A CICI deste ano teve a promoção do IBQP, Universidade Positivo e Prefeitura de Curitiba.   Nos três dias de evento foram discutidos temas relacionados ao desenvolvimento das cidades, baseados em seis eixos: Mobilidade Urbana, Infraestrutura, Tecnologias Sociais, Empreendedorismo, Viver a Cidade e Eficiência. Todos os temas foram aprofundados em discussões com especialistas no iCities, paralelo à Conferência. Além disso, o evento apresentou 21 sugestões para melhorar as cidades, selecionadas por meio do Festival de Ideias, dentro das seis áreas de discussão, além de um tema livre. A Conferência Internacional e o Fórum iCities contaram com com cerca de 1,8 mil inscritos, participantes de 90 cidades do Brasil e do exterior e quase 100 palestrantes – 14 deles internacionais. Índice de Cidades Inteligentes 2020 A assinatura da participação de Curitiba no Índice de Cidades Inteligentes 2020, em vigor em 40 municípios de Portugal, foi firmada no último dia da CICI2014. O termo foi assinado pelo Inteligência em Inovação (Inteli), IBQP e o Instituto de Promoção de Capacitação e Desenvolvimento (Iprocade). A capital paranaense será a primeira cidade brasileira a participar do levantamento, abrigando indicadores para avaliar a inovação, sustentabilidade, inclusão, gestão e conectividade. Dentre os benefícios do projeto está o acompanhamento da evolução das cidades ao longo do tempo, fator essencial para a construção de uma smart city. CICI2014 A Conferência Internacional de Cidades Inovadoras alcançou a sua terceira edição em 2014. Com o tema “Soluções Inovadoras para Cidades do Século XXI”, o evento recebeu palestrantes e participantes do mundo inteiro para compartilhar experiências e soluções inovadoras para as cidades. Ao todo, as três edições da Conferência (2010, 2011 e 2014) somaram aproximadamente nove mil participantes, além de 400 conferencistas e cerca de 600 municípios representados. Com base em seis eixos de trabalho, a CICI2014 apresentou palestras e temas que foram aprofundados paralelamente no Fórum iCities, evento que também atingiu sua terceira edição. O Fórum Internacional iCities foca na exposição de ideias sobre novas concepções de desenvolvimento urbano, baseadas, principalmente, em fatores como sustentabilidade e tecnologia. Realização: Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP), Universidade Positivo e Prefeitura Municipal de Curitiba. Patrocínio Master: Sanepar Patrocínio: Itaipu Binacional, CEIIA, Renault, Volvo, Tecnisa, Positivo Informática e Copel...

Leia mais
Nova faixa da Bandeirantes está liberada para o feriadão
maio01

Nova faixa da Bandeirantes está liberada para o feriadão

Governador inaugura a quinta faixa da Rodovia dos Bandeirantes. Os motoristas que saírem para o feriadão já poderão contar com a nova faixa. São 62 quilômetros de novas faixas, somando os dois sentidos da rodovia; com investimento de R$ 160 milhões, obra vai melhorar a fluidez e proporcionar maior conforto ao motorista O governador Geraldo Alckmin entregou nesta quarta-feira, 30, as obras da quinta faixa de rolamento da Rodovia dos Bandeirantes entre o km 16 e o km 47 (de São Paulo a Jundiaí), em ambos os sentidos. A intervenção, que teve início há um ano, beneficia cerca de 3,5 milhões de habitantes de cidades da Região Metropolitana de São Paulo e do município de Jundiaí e seus vizinhos, além de, indiretamente, a Região Metropolitana de Campinas, proporcionando mais conforto ao motorista e fluidez ao tráfego. Além disso, beneficiará a economia no Estado, principalmente no eixo Campinas – São Paulo, melhorando as condições do transporte de cargas nesse importante corredor de escoamento de mercadorias. “Hoje é um dia histórico, já que são poucas as rodovias do Brasil com cinco faixas. Estamos entregando, antes do prazo e do feriado, a quinta faixa da Bandeirantes, entre Jundiaí e São Paulo, nessa que é uma das melhores rodovias do país. São 31 km de cada lado”, disse o governador Alckmin. A construção dos 62 quilômetros de quinta faixa (31 km em cada sentido) teve investimento de R$ 160 milhões, verba proveniente da cobrança de pedágio, e fiscalizada pela Artesp – Agência de Transporte do Estado de São Paulo. Para a construção das novas faixas, foram necessárias intervenções em obras de arte especiais de engenharia (como alargamento de cerca de quatro metros em viadutos e pontes instaladas no trecho), além da implantação de novas sinalizações vertical e horizontal. Uma das principais ligações da capital com o interior do Estado, a Bandeirantes – que nos dois últimos anos foi considerada a melhor rodovia do Brasil em pesquisa realizada pela CNT (Confederação Nacional dos Transportes) – terá sua capacidade de fluxo ampliada em 25% no trecho que passou por obras, por onde trafegam diariamente 112 mil veículos, em média. Saiba mais Mobilidade urbana: Complexo Viário Polo...

Leia mais
A menos de 50 dias da Copa, ainda há dúvidas, muitas
abr24

A menos de 50 dias da Copa, ainda há dúvidas, muitas

Gerson Soares A pior delas é quanto a possibilidade de a Arena Corinthians não estar totalmente preparada no dia da abertura. Mas não é só isso. A imprensa internacional se organiza para o mundial de futebol que acontecerá daqui a 49 dias no Brasil. O prazo final da Fifa para a entrega dos estádios já está ultrapassada, foi em dezembro do ano passado. Ronaldo, que faz parte do Comitê Organizador da Copa, já afirmou que isso faz parte do jeitinho brasileiro. O ministro do Esporte Aldo Rebelo, disse que nunca viu um casamento não acontecer por causa do atraso da noiva, ao tentar justificar a lentidão. Quanto aos protestos que poderão azedar os planos do Comitê, inclusive o da reeleição da presidente Dilma Roussef, que afirma em seu blog que esta será a Copa das Copas, o presidente da Fifa Joseph Blatter tenta se convencer de que o futebol estará protegido e afirma que está otimista, incitando todos a isso. A verdade é que ninguém quer desacreditar a Copa 2014, mas está difícil esquentar o clima do evento que gerou tanta insatisfação popular devido aos gastos do governo, um dos temas principais dos protestos de junho do ano passado, e coincidentemente completarão um ano durante o evento. Antes de ontem (terça, 22), o Rio de Janeiro estreou o Tour da Taça – uma exposição com vídeos, edições dos Mundiais, bolas das copas e lazer –, que visitará pela primeira vez todas as capitais de um país-sede da Copa do Mundo. A cidade maravilhosa hospedará o troféu até sábado, quando terá início o tour por 27 capitais brasileiras, terminando em São Paulo com a chegada programada para o dia 29 de maio. Na terça também, uma comitiva da Fifa esteve em São Paulo para verificar as obras do estádio onde será realizada a abertura do mundial. “A Arena Corinthians estará pronta para a Copa”, afirmou à imprensa o secretário-geral da entidade Jérôme Valcke. “Não podemos perder um só minuto, porque tem muito o que fazer. Não só para a Odebrecht, mas para as outras empresas que estão trabalhando no entorno. Estamos correndo contra o tempo, mas posso afirmar que o estádio estará pronto para a abertura e para os outros jogos”, disse. Acompanhando o Secretário da Fifa, o ministro do Esporte Aldo Rebelo comentou as obras do entorno e deu o tom do pensamento governista que norteia a realização do evento. “Tive a oportunidade de circular pelas redondezas do estádio, para ver as obras que estão em execução, algumas concluídas, outras bastante avançadas. Essa região recebe obras que elevam o padrão de vida dos seus moradores e ajudam a traçar...

Leia mais
Haddad é convidado para o Fórum Urbano Mundial
abr09

Haddad é convidado para o Fórum Urbano Mundial

Em mesa-redonda realizada nesta quarta no Fórum Urbano Mundial, em Medellin, na Colômbia, o prefeito Fernando Haddad expôs a realidade do financiamento do transporte público da capital. O prefeito Fernando Haddad debateu nesta quarta-feira (9) a cooperação entre as cidades latino-americanas em busca do financiamento do transporte público durante mesa-redonda no 7º Fórum Urbano Mundial, em Medellin, na Colômbia. O encontro, realizado no Hotel San Fernando Plaza, reuniu mais de 50 prefeitos e dirigentes municipais da América Latina. Na abertura do debate, Haddad expôs a realidade do financiamento do transporte público em São Paulo e afirmou que todas as metrópoles latino-americanas vivem situação semelhante. “Com o desenvolvimento econômico de nossos países nos últimos dez anos, as frotas de veículos de transporte individual praticamente dobraram de tamanho. As vias são as mesmas, os viários são os mesmos e o número de veículos é muito maior”, disse. O prefeito afirmou ainda que a pressão sobre os custos e a qualidade dos transportes coletivos se contrapõem ao volume de subsídios, que a cada dia torna-se mais alto para as cidades. “As manifestações de junho passado em São Paulo tinham como programa máximo a tarifa zero. E como programa mínimo o congelamento indefinido da tarifa”. Haddad falou também como primeiro vice-presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP) e sustentou que os recursos de uma majoração no imposto sobre a gasolina poderiam compor um fundo para o subsídio do transporte coletivo. “O transporte individual é uma espécie de privatização do espaço público e deveria pagar por isso”, afirmou o prefeito. Com a citação de um estudo da Fundação Getúlio Vargas, o prefeito reiterou que há elementos econômicos e ambientais associados ao modelo de subsídio cruzado. “O impacto seria deflacionário, porque o custo da gasolina pesa menos no índice inflacionário do que o de transporte. Há um impacto distributivo, uma vez que quem usa ônibus tem menos renda; há um impacto do ponto de vista ambiental, uma vez que o transporte individual é mais poluente do que o coletivo; promoção da produção de combustíveis menos poluentes como o etanol, que seria favorecido pelo aumento do preço da gasolina e, finalmente, uma maior mobilidade urbana, com a inibição do uso do carro e o desestímulo ao automóvel haveria uma maior fluência dos veículos coletivos”. O encontro terminou com a convergência dos dirigentes municipais para a necessidade de se encontrar uma nova forma de financiamento do transporte público e a convicção de que os subsídio cruzado com o consumo da gasolina, se não for o modelo ideal, é o que mais se aproxima da realidade das cidades latino-americanas. O secretário municipal de Relações Internacionais Leonardo Barchini convidou...

Leia mais