Aluguel pressiona renda

Pesquisa Crecisp: A pressão do aluguel sobre a renda das famílias explica porque os imóveis mais procurados são os de aluguel mais barato. Em fevereiro, segundo a pesquisa CRECISP, casas e apartamentos com aluguel mensal de até R$ 1.000,00 representaram 38,83% do total de imóveis alugados.

Tatuapé enquadra-se na Zona C, enquanto o Jardim Anália Franco está na Zona A.

Tatuapé enquadra-se na Zona C, enquanto o Jardim Anália Franco está na Zona A.

A maioria das novas locações – 29,13% do total – concentrou-se em bairros da Zona D, seguidos pelos das Zonas C (26,76%), A (18,38%), E (13,48%) e B (12,25%). Quem alugou em fevereiro obteve descontos sobre o valor inicial do aluguel que variaram de 7,96% na Zona B a 13,13% na Zona E, onde estão os bairros mais afastados do centro e com valores de venda e locação menores que os das demais regiões.

As 402 imobiliárias que responderam à pesquisa do Creci de São Paulo alugaram 4,73% a mais que em Janeiro. “Esse aumento é mais comum nos primeiros meses do ano, quando famílias costumam se mudar por causa da troca de emprego ou da escola dos filhos, e também em consequência dos migrantes e estudantes que vêm para a Capital iniciar curso ou faculdade”, explica Viana Neto. Foi esse aumento de procura o responsável pela alta de 2,79% na média dos aluguéis em fevereiro comparado a janeiro. Em 2013, a locação do mês de fevereiro teve uma expansão de 26,59% na comparação com janeiro.

Os apartamentos, com 54,29% de participação no total de novas locações, dominaram o mercado em fevereiro. As casas somaram 45,71% do total. Como garantia de pagamento em caso de inadimplência dos inquilinos, os proprietários preferiram os fiadores, presentes em 41,09% dos contratos assinados nas imobiliárias pesquisadas (ver quadro abaixo).

Dos preços praticados em fevereiro, a locação de casas de 2 dormitórios situadas em bairros da Zona B passou de R$ 1.450,00 para R$ 1.945,83, aumentando 34,20% no período. Já o aluguel de apartamentos tipo quitinete na Zona D sofreu queda de 28,57%, passando de R$ 700,00 em janeiro para R$ 500,00 em fevereiro.

Nas imobiliárias consultadas pelo CRECISP, foi devolvido um número de chaves equivalente a 62,87% do total de novas locações. O número é 0,08% maior que o apurado em janeiro e na maioria dos casos, a devolução se deu pelo fato de o locatário não suportar o valor do novo aluguel, sendo levado a buscar uma nova moradia em regiões mais periféricas em que haja disponibilidade de locação. A inadimplência aumentou – 5,45% dos inquilinos estavam inadimplentes em fevereiro, ou 59,36% a mais que os 3,42% do mês anterior.

O número de ações judiciais aumentou 12,98%. Pesquisa feita pelo CRECISP nos Fóruns da Capital constatou que foram propostas 4.509 ações em Fevereiro e 3.991 em Janeiro. As ações por falta de pagamento aumentaram 11,06%; as renovatórias tiveram expansão de 1,61%; as consignatórias subiram 15,38%; e as de rito sumário totalizaram 17,89% a mais. Só diminuíram as ações de rito ordinário – de 196 para 142, queda de 27,55%.

 

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*