ANA disponibiliza dados de monitoração da qualidade das águas do Brasil

Segunda-feira, 9 de junho de 2014 às 10h50

Com textos de Raylton Alves – ASCOM/ANA
Fonte de consulta: Rebia
Edição final: Alô São Paulo


Brasília – A Agência Nacional de Águas (ANA) lançou em sua sede no final do mês de março, a Rede Nacional de Monitoramento de Qualidade das Águas (RNQA). A iniciativa busca monitorar, avaliar e disponibilizar à sociedade as informações de qualidade das águas superficiais e gerar conhecimento para subsidiar a gestão dos recursos hídricos do Brasil. Além disso, a RNQA tem o objetivo de identificar áreas críticas em termos de poluição hídrica e de apoiar ações de planejamento, outorga, licenciamento e fiscalização.

As águas superficiais são as que escoam ou se acumulam na superfície do solo, como os rios, riachos, lagos, lagoas, pântanos e barramentos artificiais açudes ou barragens. Segundo programa Água Azul do Estado do Rio Grande do Norte, “o Brasil é um país privilegiado no que diz respeito à quantidade de água. Tem a maior reserva de água doce da Terra, ou seja, 12% do total mundial. Sua distribuição, porém, não é uniforme em todo o território nacional. A Amazônia, por exemplo, é uma região que detém a maior bacia fluvial do mundo”.

Durante o lançamento foi assinada a Carta de Compromisso para implementação da RNQA entre a ANA e as 16 unidades da Federação contempladas com os equipamentos: Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, São Paulo e Sergipe. Estes são os estados que já operam hoje redes estaduais de monitoramento de qualidade de água. Os demais estados serão contemplados nas próximas etapas de implantação da Rede.

Vista Parcial do Abismo Anhumas, evidenciando as formações calcárias nas paredes e submersas - Bonito MS, (2009). Foto: Lauro Sirgado

Rio das Antas, Vale da Ferradura - SC. Foto: gilson_f/Stock Photo

O desenvolvimento da RNQA é resultado de um processo de parceria entre a ANA e diversos órgãos gestores de recursos hídricos e meio ambiente e buscou, sempre que possível, aproveitar pontos de redes estaduais de monitoramento já existentes. A meta é que até dezembro de 2020 todos os estados e o Distrito Federal (DF) contem com um total de 4.452 pontos de monitoramento. Segundo a ANA, até este mês de junho, esses estados deverão receber os equipamentos e o treinamento para operação deles, o que resultará na implementação de 1.200 pontos coincidentes com as redes estaduais já existentes e no início da expansão da operação da RNQA no País.

No total, a ANA investiu R$ 9,54 milhões em equipamentos a serem cedidos aos 15 estados e ao DF. São eles: 
– Medidores acústicos de vazão (83);
– Sondas multiparamétricas de qualidade de água (46);
– Caminhonetes 4x4 com baú adaptado (30);
– Barcos com motor de popa (25).

Entre os equipamentos adquiridos pela ANA, os medidores acústicos de vazão são necessários para calcular a carga de um determinado poluente ou substância num manancial. As sondas multiparamétricas de qualidade da água permitem a determinação, em campo e em tempo real, de importantes parâmetros de qualidade das águas. Geralmente são medidos temperatura, turbidez, oxigênio dissolvido e condutividade elétrica. Tanto as caminhonetes quanto as embarcações são necessários para o transporte das equipes e dos equipamentos necessários para as análises.

Programa Nacional de Avaliação da Qualidade das Águas (PNQA)

Programa Nacional de Avaliação da Qualidade das Águas (PNQA)

A RNQA é o principal eixo do Programa Nacional de Avaliação da Qualidade das Águas (PNQA), cujo objetivo é melhorar a informação sobre qualidade de água no Brasil, de forma a subsidiar os tomadores de decisão na definição de políticas públicas para a recuperação da qualidade das águas, contribuindo com a gestão sustentável dos recursos hídricos. Hoje a ANA possui Acordos de Cooperação Técnica assinados com os 26 estados e o Distrito Federal para a implementação do PNQA.

A RNQA propõe a padronização dos dados coletados, dos procedimentos de coleta e da análise laboratorial dos parâmetros qualitativos para que seja possível comparar as informações obtidas nas diferentes unidades da Federação.

Os parâmetros mínimos a serem coletados nos pontos de monitoramento envolvem três aspectos principais:

> Físico-químicos:
– Transparência, temperatura da água, oxigênio dissolvido, pH e Demanda Bioquímica de Oxigênio, por exemplo;

> Microbiológicos:
– Coliformes

> Biológicos:
– Clorofila e fitoplâncton e de nutrientes (relacionados a fósforo e nitrogênio).

Todos os dados obtidos pela RNQA serão armazenados no Sistema de Informações Hidrológicas (HidroWeb), da ANA, e serão integrado ao Sistema Nacional de Informação sobre Recursos Hídricos (SNIRH).

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*