Clima e os plantios mais precoces


Quarta-feira, 15 de outubro de 2014 às 19h25


Conforme levantamentos sobre as condições do clima, veja o que se espera para as culturas de feijão, milho, soja, café, cana de açúcar, citros e as pastagens, conforme o Instituto de Economia Agrícola do Estado de São Paulo.

campo feijão[Feijão – o levantamento de previsões e estimativas de safra conduzido pelo Instituto de Economia Agrícola, em parceria com a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati) indica que, somando-se as três safras (das águas, da seca e de inverno), a produção paulista de feijão, safra 2013/14, está estimada em 3,5 milhões de sacas de 60 kg, equivalente a 210 mil toneladas, redução de 17,6% comparativamente à produção média dos cinco anos anteriores, de 255,0 mil toneladas, e 9,5% menor que a de 2012/13. Mesmo com essa redução, os preços médios recebidos pelos produtores paulistas apresentaram forte declínio a partir do segundo trimestre de 2013.

campo pastagemPastagens – a anomalia climática incidente na entressafra acarretou problemas à produção de carne bovina e de leite, com a necessidade de suplementação alimentar aos animais, o que elevou os custos de produção. Espera-se, portanto, diminuição tanto na oferta de bois para abate quanto na produção leiteira, em razão da problemática do clima. A água é fundamental para a produção de leite. Apesar do momento crítico e comprometimento da produção, os preços estão ligeiramente abaixo dos praticados em 2013. Isso não era esperado, mas a retração do consumo por conta da renda tem levado a essa situação.

campo sojaSoja – a produção paulista de soja em 2013/14 foi de 1,49 milhão de toneladas, com redução de 17% em relação à anterior. Essa diminuição decorreu da perda de 28,1% na produtividade em virtude dos fenômenos climáticos que prejudicaram a lavoura, uma vez que a área cresceu 15,4%, alcançando 670,03 mil hectares. Essa perda na quantidade produzida não deverá interferir na disponibilidade do produto, dado o recebimento de soja de outros estados para processamento em São Paulo, prática tradicional do setor.

campo caféCafé – levantamento subjetivo, conduzido em agosto de 2014 pelo IEA/CATI, para estimativa de safra de café no Estado de São Paulo, concluiu que a safra alcançaria os 4,47 milhões de sacas, exibindo ligeiro incremento (5,7%) frente ao levantamento de abril do mesmo ano. A melhoria do resultado decorreu da melhor desempenho da produção da Alta Mogiana de Franca, região do estado onde a anomalia climática não foi tão pronunciada. Nos demais cinturões, houve perdas cumulativas e real prejuízo econômico.

campo canaCana-de-açúcar – a anomalia climática observada entre dezembro de 2013 e fevereiro de 2014 prejudicou o desenvolvimento vegetativo da cana-de-açúcar, os dados do terceiro levantamento subjetivo de previsão de safra 2013/14, registraram queda de 9% de áreas novas sem alteração da área em produção (5,5 milhões de hectares), frente aos dados contabilizados ao final da safra 2012/13. Ainda de acordo com a estimativa mais recente, a produção prevista é de 408 milhões de toneladas, com redução da produtividade em 7,6% no estado. Ademais, segundo técnicos atuantes no segmento, a produtividade média do estado reduziu-se para 71 t/ha e as perdas na produção global estão sendo estimadas em 20%. Uma forte evidência desse quadro é o inédito fato de que, até o final do mês de outubro, a maioria das usinas encerrará suas moagens.

campo citrusCitros – esta safra (2013/14) não deve ser analisada exclusivamente pelas questões climáticas, pois a crise na citricultura se arrasta há alguns ciclos. A seca e as elevadas temperaturas vieram piorar um quadro de existência de pomares doentes, infestados pelo HLB (greening) e cancro cítrico, por vezes mal conduzidos e carentes de tratos culturais, resultado de decisões dos citricultores em vias de descapitalização, após anos consecutivos de baixa remuneração pela caixa da laranja comercializada. O balanço final é que a maioria das frutas se apresentou “murcha” durante a safra, perdendo valor de mercado, ainda que se ofereçam teores de sólidos solúveis mais altos, atraindo, portanto, maior interesse industrial, uma vez que, durante períodos de deficiência hídrica, as frutas cítricas têm como característica aumentar seus teores de açúcares solúveis.

campo de milhoMilho – a produção total de milho no estado atingiu 3,6 milhões de toneladas, variação 25,8% menor que a do ano anterior, com área plantada de 753,8 mil hectares (-16,7%). Os fatores dessa expressiva quebra relacionam-se com a anomalia climática do início do ano, associada às melhores perspectivas de mercado para o plantio de soja, na época da tomada de decisão do produtor rural (plantio). Na safra 2014/15, o milho exibe contexto de estoques elevados e baixas cotações, cenário desfavorável à tomada de decisão do produtor quanto ao plantio do cereal. As condições climáticas prevalecentes até o final de setembro e início de outubro não favoreceram a semeadura do milho nos principais cinturões de cultivo do cereal, repercutindo numa possível diminuição na área plantada da safra 2015/16.

A crise econômica que o setor sucroalcooleiro atravessa combinada ao menor desenvolvimento das plantas na safra e, ainda, à dificuldade para a realização dos tratos culturais, contribuiu para a antecipação do fim da moagem em algumas regiões do estado. Os fornecedores mantêm-se cautelosos com a situação que o segmento atravessa, aguardando o reinício das chuvas para planejar o plantio/renovação dos canaviais para a próxima safra. 


Assuntos relacionados

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*