APM e Datafolha confirmam problemas na assistência dos planos de saúde


Quinta-feira, 1º de outubro de 2015, às 19h42


Pesquisa da APM e do Datafolha confirma que são graves os problemas na assistência dos planos de saúde aos pacientes.

A Associação Paulista de Medicina (APM) apresenta hoje, 1º de outubro, pesquisa Datafolha encomendada especialmente para apurar a opinião dos pacientes sobre a qualidade da assistência oferecida por planos de saúde, no estado de São Paulo.

O quadro é preocupante. Problemas importantes no atendimento em pronto-socorro, as dificuldades de quem necessita de uma cirurgia, os complicadores para realização de exames e procedimentos de maior custo, as barreiras impostas pela burocracia, o suplício para a marcação de consultas, as consequências do descredenciamento de médicos, hospitais e laboratórios, entre outros pontos, são queixas recorrentes e gravíssimas.

 

A toninha é uma das espécies ameaçadas de extinção. Foto: Fiocruz

 

Metodologia

A pesquisa foi realizada junto a homens e mulheres, com 18 anos ou mais, pertencentes a todas as classes econômicas, que possuem plano ou seguro saúde como titulares ou dependentes e que utilizaram algum serviço nos últimos 24 meses.

A coleta de dados aconteceu de 30 de julho a 04 de agosto de 2015. A amostra total, com o público-alvo, é de 900 entrevistas. A margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%.

Usuários de planos

Em São Paulo temos atualmente 32,4 milhões de homens e mulheres, com 18 anos ou mais, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística - IBGE/Censo 2010 (Estimativa 2014). Destes, 13,6 milhões são usuários de planos de saúde, sendo que 88%, 11,9 milhões, usaram os serviços nos últimos 24 meses.

Resultados importantes

Do grupo que recorreu aos planos nos últimos 24 meses, 84% relataram problemas; projetando o número para os 11,9 milhões de usuários chegamos a aproximadamente 10 milhões de pacientes enfrentando problemas.

A investigação estimulada sobre a utilização de serviços e percepção de problemas tem como principais reclamações o pronto atendimento/pronto socorro (80%) consultas médicas (69%), exames e diagnóstico (58%).

Pronto socorro

Local de espera lotado é o principal problema apontado pelos usuários do pronto atendimento (73%). Demora para ser atendido também é um aspecto importante, mencionado por 61% dos usuários. Outras reclamações que merecem ser destacadas são demora ou negativa para realização de procedimentos necessários (34%) e negativa de atendimento (11%).

Aqui o entendimento da APM é que os dados são preocupantes, pois é nos prontos socorros que encontramos casos mais graves e, portanto, necessitando de resolubilidade imediata.

Internações hospitalares/cirurgias

O quesito atendimento hospitalar/internação também figura entre as principais reclamações dos usuários (51% de ocorrências de problemas). Os principais problemas são as poucas opções de hospitais (43%) e a demora para autorização de internação (23%).

Quando a pauta são as cirurgias, há 31% de ocorrências de problemas. A demora para autorização (23%), negativa de cobertura ou autorização (15%) e falta de cobertura de materiais especiais (12%) são as queixas mais citadas.

Exames e diagnósticos

Quanto aos exames e diagnósticos, as queixas mais comuns referem-se à demora para marcação (35%), poucas opções de laboratórios e clínicas especializadas (32%), tempo para autorização de exame ou procedimento (29%).

Consultas médicas

No item consultas médicas, temos como mais frequentes: demora na marcação de consultas (58%), médico saiu do plano (34%).

Recorrendo ao SUS

A pesquisa mostra também que, por falta de opções de atendimento no plano de saúde, 20% declaram que recorreram ao SUS.

Outros números

• 54% têm a percepção de que os planos pressionam os médicos para reduzir o tempo de internação hospitalar ou UTI
• 68% têm a percepção de que os planos dificultam a realização de exames de maior custo
• 58% têm a percepção de que os planos pagam aos médicos um valor muito baixo por consultas e procedimentos

Praticamente tudo o que a mamãe ingere passa para a criança por meio da placenta. Foto: divulgação | aloart+

Praticamente tudo o que a mamãe ingere passa para a criança por meio da placenta. Foto: divulgação | aloart+

Leia mais sobre
SAÚDE

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*