Apoio familiar é fundamental para amenizar os medos durante a gestação


Terça-feira, 4 de agosto de 2015, às 10h03


Durante a gravidez é frequente surgirem medos, principalmente nas mães de primeira viagem. Alterações hormonais e físicas, somadas às incertezas naturais, deixam aflitas as que querem tudo perfeito. O obstetra Paulo Nowak, membro da Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Estado de São Paulo (SOGESP), lista os cinco principais receios.

 

Filho toca na barriga da mãe para observar movimentos do bebê. Foto: Divulgação

Filho toca na barriga da mãe para observar movimentos do bebê. Foto: Divulgação

 

“O primeiro deles, sem dúvida, é o de sofrer um aborto espontâneo – terror comum em dez entre dez gestantes. Logo após, está o bebê não ser perfeito; seguido do medo do parto e fatores associados a ele. Elas temem por não saberem cuidar dos filhos após o nascimento, além de alterações em seu corpo e sequelas futuras”.

Busca por informação

Outro fantasma que cerca as grávidas é a dor. Entretanto, nem sempre é assim. Ao chegar à maternidade e começar o trabalho de parto, assistência é providenciada e, desde as contrações iniciais, podem solicitar analgésicos e relaxantes. Atualmente, raros são os casos em que as futuras mães sentem as mesmas dores contadas pelas avós – haja vista que a anestesia pode ser aplicada quando o desconforto fica excessivo.

Segundo o obstetra, compartilhar informações e relatos com outras mulheres trazem tranquilidade, mas dependendo do conteúdo dos relatos, pode ter um efeito oposto. A alimentação de mitos só prejudica a saúde psicológica.

“Na maioria das vezes, a busca por informações e esclarecimento de dúvidas já é de grande valia. Exames realizados durante o pré-natal, principalmente as ultrassonografias, também terão um importante papel na diminuição dos medos. Percebendo que tudo está correndo bem, a formação do feto é normal e a gravidez evolui adequadamente, ela se sente mais segura”, ressalta o médico.

Quando se torna um problema

Alterações sérias de humor, em 10% dos casos, são sintomas da depressão gestacional. Dentre as causas para o seu desenvolvimento está o estresse e a carga emocional que este período acarreta; aspectos que deixam as mulheres mais vulneráveis.

Para lidar com esse problema é indicada a prática de atividade física, como natação, caminhadas e hidroginástica – não se recomenda exercícios intensos. Dedicar um tempo do dia para si, desabafar e fazer terapia são outras ações que podem aliviar.

Rodrigo Hilbert é um dos apoiadores do movimento #ElesPorElas no Brasil. Foto: ONU Mulheres

Rodrigo Hilbert é um dos apoiadores do movimento #ElesPorElas no Brasil. Foto: ONU Mulheres

Leia mais sobre
MULHER

 

Foto ilustrativa: Divulgação

Foto ilustrativa: Divulgação

Leia mais sobre
SAÚDE

 

Asssita o vídeo delivery de medicamentos contra o câncer. Fotoframe: Nanomodels

Asssita o vídeo delivery de medicamentos contra o câncer. Fotoframe: Nanomodels

Leia mais sobre
MEDICINA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*