Brasil é foco da propagação do vírus zika nas Américas, alerta OMS


Segunda-feira, 1º de fevereiro de 2016 às 17h21


Diretora-geral da Organização Mundial da Saúde afirmou que o vírus está se disseminando “explosivamente”. Brasil registrou o primeiro caso do vírus zika em maio de 2015. Desde então, a doença se espalhou no Brasil e em outros 23 países e territórios da região. Ao todo, 4.180 casos suspeitos de microcefalia foram registrados no Brasil pelo Ministério da Saúde, até 23 de janeiro.

ONU - Brasil
“As condições climáticas deste período do ano podem aumentar ainda mais a população do mosquito em muitas áreas”, comentou a diretora-geral da OMS, Margaret Chan (foto: Universidade de Princeton)

“As condições climáticas deste período do ano podem aumentar ainda mais a população do mosquito em muitas áreas”, comentou a diretora-geral da OMS, Margaret Chan (foto: Universidade de Princeton)

A diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, anunciou nesta quinta-feira (28) que convocará um Comitê Internacional de Emergência de Regulamento de Saúde sobre o vírus zika e o aumento observado de distúrbios neurológicos e malformações congênitas.

O Comitê se encontrará na segunda-feira, dia 1o de fevereiro, em Genebra para determinar se o surto constitui uma “Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional”.

As decisões referentes aos membros do Comitê e conselhos serão publicadas no site da OMS (who.int).

A diretora-geral da OMS fez um breve histórico sobre o vírus zika, informando que a preocupação relacionada à doença era considerada baixa, com poucos casos reportados e, por isso, difíceis de serem interpretados clinicamente.

“A situação hoje é muito diferente. No ano passado [2015], o vírus foi detectado nas Américas, onde ele está agora se disseminando explosivamente. Até hoje, há casos relatados em 23 países e territórios da região. O nível de alarme é extremamente elevado”, disse Chan.

Chegada do vírus em alguns países das Américas, principalmente no Brasil, tem sido associada com o aumento expressivo de nascimentos de bebês com microcefalia e, em alguns casos, síndrome de Guillain-Barré. Foto: Fiocruz

Chegada do vírus em alguns países das Américas, principalmente no Brasil, tem sido associada com o aumento expressivo de nascimentos de bebês com microcefalia e, em alguns casos, síndrome de Guillain-Barré. Foto: Fiocruz

Em maio de 2015, o Brasil registrou o primeiro caso do vírus zika. Desde então, a doença se espalhou no Brasil e em outros 23 países e territórios da região.

A chegada do vírus em alguns países das Américas, principalmente no Brasil, tem sido associada com o aumento expressivo de nascimentos de bebês com cabeças anormalmente pequenas (microcefalia) e, em alguns casos, síndrome de Guillain-Barré, uma condição pouco compreendida na qual o sistema imunológico ataca o sistema nervoso, às vezes provocando paralisia.

Uma relação casual entre a infeção do vírus zika e a malformação congênita e síndromes neurológicas não foi estabelecida, mas há uma forte suspeita.

Além da possível associação da infecção com as malformações congênitas e síndromes neurológicas, Margaret Chan disse estar preocupada com o potencial em termos de propagação internacional – dada a ampla distribuição geográfica do mosquito vetor –, a falta de imunidade da população em áreas recém-afetadas e a ausência de vacinas, tratamentos específicos e testes de diagnóstico rápidos.

Com Brasil no foco, OMS anuncia comitê de emergência sobre zika e microcefalia

 

Compare (vista lateral): ilustração de um bebê com microcefalia (à esquerda) em comparação a um bebê com tamanho típico de cabeça. A imagem foi divulgada pelo Centers for Disease Control and Prevention órgão do governo dos Estados Unidos via Wikimedia Commons, no último sábado, dia 30 de janeiro, demonstrando apreensão e visando também o esclarecimento da população mundial para a gravidade do problema. Fica o alerta e a necessidade que existe para que cada indivíduo faça sua parte.

Compare (vista lateral): ilustração de um bebê com microcefalia (à esquerda) em comparação a um bebê com tamanho típico de cabeça. A imagem foi divulgada pelo Centers for Disease Control and Prevention órgão do governo dos Estados Unidos via Wikimedia Commons, no último sábado, dia 30 de janeiro, demonstrando apreensão e visando também o esclarecimento da população mundial para a gravidade do problema. Fica o alerta e a necessidade que existe para que cada indivíduo faça sua parte.

Leia mais sobre
SAÚDE

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d
Cineasta sueco registrou a paisagem carioca vista do morro
Assista ao programa de TV Ciência Aberta
Alckmin inaugura estações com Operação Assistida grátis na ZL, vídeo
STF julga Habeas Corpus de Lula, assista ao vivo
Stella Artois | Buy A Lady A Drink – Social Experiment, vídeo
Centro faz pesquisas para tratar e prevenir a obesidade, vídeo
Acompanhe ao vivo o julgamento do recurso do ex-presidente Lula
  • Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d

  • Cineasta sueco registrou a paisagem carioca vista do morro

  • Assista ao programa de TV Ciência Aberta

  • Alckmin inaugura estações com Operação Assistida grátis na ZL, vídeo

  • STF julga Habeas Corpus de Lula, assista ao vivo

  • Stella Artois | Buy A Lady A Drink – Social Experiment, vídeo

  • Centro faz pesquisas para tratar e prevenir a obesidade, vídeo

  • Acompanhe ao vivo o julgamento do recurso do ex-presidente Lula

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*