Câncer de mama continua a ser o vilão da saúde feminina


Quinta-feira, 2 de outubro de 2014, às 09h01

 
Marli Moreira – Repórter da Agência Brasil
Edição: Denise Griesinger

Uma em cada três mulheres que fazem exames de rotina no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) é diagnosticada com câncer de mama. Segundo o Icesp, que é vinculado à Secretaria de Estado da Saúde e à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), mais da metade (52%) dos pacientes atendidos na instituição são do sexo feminino e 28% desse universo apresentam neoplasia mamária.

 

Exposição de fotos de mulheres que retiraram os seios no lançamento da campanha Outubro Rosa. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Exposição de fotos de mulheres que retiraram os seios no lançamento da campanha Outubro Rosa. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

 

A doença “continua sendo a principal vilã dentro e fora do instituto”, cita um comunicado do Icesp, levando mais de 1,2 mil pacientes a procurar o Grupo de Mastologia entre consultas médicas e cirurgias. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), esse mal é o que mais mata e representa 22% de novos casos a cada ano no mundo.

No Brasil, em 2011, foram registradas 13.345 mortes, sendo 120 em homens e 13.225 em mulheres. Para este ano, estima-se o surgimento de 57.120 novos casos. Além do câncer de mama, o Icesp tem diagnosticado grande incidência de tumores também em órgãos digestivos – esôfago, estômago, fígado e o colorretal (cólon e reto), com taxa de 22% entre as mulheres. O câncer de colo retal está entre os cinco mais frequentes entre as mulheres.

 

Exposição Recomeço, na imagem Lourdes Capoitulino. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Exposição Recomeço, na imagem Lourdes Capoitulino. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

 

O diretor-geral do Icesp, Paulo Hoff, alerta que “quando a prevenção primária não é possível, o diagnóstico precoce é fundamental na busca pela cura e por uma boa qualidade de vida”. Ele recomenda que a partir da primeira relação sexual, a mulher deve adotar o hábito de visitas anuais ao ginecologista, além de fazer os exames de prevenção.

Por meio do rastreamento tradicional de câncer de colo de útero, exame conhecido como papanicolau, é possível detectar precocemente a neoplasia de colo de útero, bem como lesões que antecedem ao tumor, permitindo tratamento mais eficaz e medidas que evitem o desenvolvimento da doença. Já com a mamografia, é possível checar a presença de lesões mamárias. Este exame deve ser feito por mulheres acima dos 50 anos ou sempre que solicitado por um médico.

 

Exposição Recomeço, na imagem Joana Jeker. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Exposição Recomeço, na imagem Joana Jeker. Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

 


Assuntos relacionados

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*