“Parabéns aos craques da bola”, jogadores de outrora, personagens marcantes
maio04
Leia mais
Nicola Antonio Camardo
out27

Nicola Antonio Camardo

Nicola Antonio De Chiro Camardo viveu a maior parte dos seus 90 anos de vida em torno do Largo Nossa Senhora do Bom Parto. De sua morada – uma bela residência de estilo muito parecido com as mansões da recém-formada Avenida Paulista – viu o progresso bater à sua porta e sua família o acompanhou, tornando-se uma das mais tradicionais do bairro. Em Maio de 1998, fomos entrevistá-lo ao lado de velhos amigos e da sua querida esposa Elizabeth Adua Camardo, 79, e com sua voz grave nos contou muitas histórias, que se alongaram por muitos anos de amizade. “Quando eu tinha uns 17 anos, costumava ir aos bailes e minha mãe deixava a porta aberta para não fazer barulho quando chegasse em casa, para não acordar os outros”, divertiu-se ele, lembrando com saudades dos tempos pacatos do bairro quando todos se conheciam e saíam às ruas, mesmo a noite, sem se preocuparem com os ladrões ou com a violência.       Mas nem sempre o Tatuapé viveu dias pacatos. Filho caçula de Antonio Camardo, imigrante italiano que chegou ao Brasil por volta de 1896, junto com a esposa Vitória De Chiro Camardo, Nicola lembra dos dias tormentosos durante a Revolução Paulista de 1924. “Meu falecido pai tinha uma propriedade em frente a praça (atual Largo Nossa Senhora do Bom Parto); uma quadra, com plantação de uvas, que ele gostava muito. Meu pai fez uma trincheira para nos proteger contra os soldados e chegamos a ficar dois ou três dias lá dentro, não me recordo exatamente. Depois fomos para o Carrão e quando voltamos tinham acabado com toda a nossa propriedade”. A lembrança dos vinhedos, das vacarias e da religiosidade permeavam a mente daqueles senhores. Nicola lembrava também de figuras ilustres que se tornaram nome de ruas do Tatuapé, como “o Dr. Azevedo Soares, o velho Marengo, que vinha buscar pão italiano que minha mãe fazia, meu próprio pai que possuía inúmeras propriedades no bairro. Ele dizia para nós: Nunca venda, compre sempre”, disse orgulhoso naquele dia memóravel, aos 84 anos de...

Leia mais
Carlos Pinto de Oliveira Sá
out26

Carlos Pinto de Oliveira Sá

Publicado em 26 de outubro de 2013 A primeira entrevista concedida por ele a Alô Tatuapé, foi em meio ao Parque do Piqueri, em 1997, quando o senhor Carlos (ou Carlinhos como era conhecido pelos amigos mais antigos) nos recebeu com um sorriso franco aos 73 anos de idade. Dentre outras ocupações que teve no bairro foi Presidente da Sociedade Amigos do Tatuapé, fundada em 1963, e trabalhou por uma Administração Regional, colhendo mais de 30 mil assinaturas. “Vamos conseguir essa Regional. Não só a Regional, mas outros trabalhos que a Sociedade Amigos do Tatuapé vem fazendo. Não importa quem faça, o que interessa é que o Tatuapé, um bairro grande, gigante, precisa de uma Regional”, disse Carlos Sá à nossa reportagem naquele dia. Infelizmente seu sonho não se realizou, não por falta de trabalho ou vontade, mas por interesses políticos dos mais sinistros, deixando de lado essa reivindicação do bairro, que hoje depende de outras Subprefeituras (nome que substituiu as antigas Administrações Regionais).     FALANDO SOBRE O BAIRRO Carlos Sá, que participou do primeiro trabalho detalhado sobre a história do bairro, com o apoio da Sociedade Amigos do Tatuapé e impressão pela IMESP (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo) em 1987, conhecia bem o Tatuapé que hoje seria quase impossível imaginar. Ainda em 1997, o ancião nos contava: “Aqui no fim da Rua Ulisses Cruz, havia um estaleiro, onde eram construídos barcos e batelões. Estes eram para o carregamento de areia, pedregulhos e tijolos. Um dos que fabricavam esses barcos era o senhor Lavínio Frasse. Dois filhos dele aindo estão vivos. Um é o Dante e outro é o Mário, que passeia aqui no Piqueri. O Mario está com 80 anos mais ou menos. Um dos barqueiros que também faziam essas travessias era João caiado, que está com 93 ou 94 anos, e também passeia aqui no Piqueri. Eles faziam os batelões para o transporte de tijolos e areia, para construir São Paulo”....

Leia mais