Pesquisa demonstra efeito de campo magnético efetivo para a luz
ago06

Pesquisa demonstra efeito de campo magnético efetivo para a luz

Quarta-feira, 6 de agosto de 2014 às 11h40   Por José Tadeu Arantes Agência FAPESP – Um experimento recentemente conduzido na Cornell University, nos Estados Unidos, mostrou que, a despeito de serem eletricamente neutros, os fótons podem se comportar como elétrons em presença de um campo magnético. O resultado da pesquisa, da qual participou o brasileiro Paulo Alberto Nussenzveig, acaba de ser comunicado em artigo na edição on-line da revista Nature Photonics. Nussenzveig é professor titular do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP) e participou do experimento em Cornell com apoio de uma bolsa de pesquisa no exterior da FAPESP. Uma aplicação possível da descoberta é a construção de isoladores ópticos, que só permitiriam a passagem de luz em um sentido e não no sentido oposto. Um dispositivo desse tipo poderia ser agregado a chips de silício, combinando transmissões ópticas e processamento eletrônico, isto é, integrando comunicações e processamento computacional em um mesmo ambiente. “O grupo liderado por Michal Lipson, que realizou o experimento, é pioneiro na área”, disse Nussenzveig à Agência FAPESP. A equipe – da qual também fizeram parte Lawrence Tzuang, Kejie Fang e Shanhui Fan – realizou um experimento análogo ao proposto na década de 1950 pelos físicos David Bohm (1917-1992) e Yakir Aharonov (1932), mas utilizando fótons em lugar de elétrons. Um dos grandes protagonistas da construção da Física Quântica, autor de duas teorias alternativas ao modelo predominante – proposto pela chamada Escola de Copenhague, liderada por Niels Bohr –, o norte-americano Bohm residiu no Brasil e naturalizou-se brasileiro durante os anos 1950, quando foi obrigado a deixar os Estados Unidos para escapar da perseguição política promovida pelo macarthismo. Posteriormente, mudou-se para Israel, antes de fixar residência definitivamente na Inglaterra. Foi em Israel que estudou o efeito depois cunhado Aharonov-Bohm, em parceria com seu então orientando Aharonov. “Quando um elétron se propaga em uma região do espaço em que existe um campo magnético, o campo faz com que a trajetória do elétron seja alterada. Isso é Física Clássica. O que Aharonov e Bohm fizeram foi considerar o fenômeno no contexto da Física Quântica e demonstrar que a alteração de trajetória pode ocorrer mesmo se o campo magnético for nulo”, disse Nussenzveig. “Tal efeito quântico acontece desde que o potencial associado ao campo magnético, também chamado de ‘potencial vetor’, não seja nulo e apresente valores diferentes em dois pontos distintos”, prosseguiu. A explicação é que a energia conferida ao elétron pelo potencial acarreta uma mudança de fase na onda associada ao deslocamento do elétron. É preciso lembrar que todos os entes materiais podem ser descritos como ondas. A constatação do caráter dual, ora...

Leia mais
SP integra projeto internacional de megatelescópio
jul24
Leia mais
IPT abre inscrições para Programa Novos Talentos
jul22

IPT abre inscrições para Programa Novos Talentos

Terça-feira, 22 de julho de 2014 às 21h48 Agência FAPESP – O Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) está com inscrições abertas, até 15 de agosto, para o Programa Novos Talentos, que apoia atividades de pesquisa e desenvolvimento realizadas por estudantes de mestrado e doutorado e pesquisadores de pós-doutorado.   O programa é aberto a candidatos de qualquer instituição de ensino e pesquisa, inclusive estrangeiras, além de alunos do mestrado profissional do próprio IPT, desde que atendam às qualificações previstas e atuem com temas científicos e tecnológicos de interesse do Instituto. Os candidatos selecionados contarão com orientação ou coorientação de pesquisadores do IPT, acesso à infraestrutura de laboratórios e equipamentos necessários para a execução do projeto e, para estudantes de mestrado e doutorado, possibilidade de reserva técnica ou bolsa com recursos da Fundação de Apoio ao IPT (FIPT), de acordo com as regras previstas para cada caso. Pesquisadores de pós-doutorado não receberão bolsa da FIPT, mas terão apoio do Instituto para pedidos de auxílio a agências de fomento. Os participantes deverão dedicar no mínimo 30 horas semanais às atividades de pesquisa no IPT ou em sua instituição de ensino e pesquisa. Quem tiver vínculo empregatício poderá dedicar 16 horas mensais às atividades. A duração máxima da permanência no programa é de 30 meses para os projetos de mestrado, 48 meses para os de doutorado e 36 meses para pesquisas de pós-doutorado, contando sempre a partir da data de matrícula do participante na instituição de ensino à qual é vinculado. Interessados devem fazer inscrição prévia on-line e, em seguida, inscrever-se pessoalmente ou por meio de procuração na sede do IPT, na Av. Prof. Almeida Prado, 532, em São Paulo (SP). Mais informações:...

Leia mais
FAPESP e MIT lançam nova chamada de propostas
jul17

FAPESP e MIT lançam nova chamada de propostas

Quinta-feira, 17 de julho de 2014 às 6h09 Agência FAPESP – A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, lançam nova chamada de propostas para intercâmbio de pesquisadores. É a quinta chamada no âmbito do acordo de cooperação entre as instituições.     Podem participar pesquisadores vinculados a instituições de ensino superior ou pesquisa, públicas ou privadas, no Estado de São Paulo, que sejam pesquisadores responsáveis ou pesquisadores principais de auxílios apoiados pela FAPESP e vigentes nas modalidades Auxílio à Pesquisa – Regular, Auxílio à Pesquisa – Projetos Temáticos, Apoio a Jovens Pesquisadores ou Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID). Pelo lado do MIT, podem participar pesquisadores vinculados ao instituto de acordo com os critérios de elegibilidade do MIT Brazil Seed Fund Program. A chamada está aberta a propostas em todas as áreas do conhecimento. As propostas serão recebidas pela FAPESP até o dia 22 de setembro de 2014. A execução de cada proposta deverá ocorrer no período de janeiro de 2015 a agosto de 2016. FAPESP e MIT apoiarão as propostas selecionadas com recursos combinados de até US$ 30 mil por projeto (US$ 20 mil para pesquisadores e pós-doutorandos e US$ 10 mil para graduados ou estudantes de graduação), durante a vigência estabelecida na concessão, destinados necessariamente e exclusivamente a despesas de mobilidade (passagens, diárias e seguro-saúde) e nos termos do acordo entre as instituições. As propostas devem ser apresentadas simultaneamente pelo pesquisador do Estado de São Paulo à FAPESP e pelo seu colaborador nos Estados Unidos ao MIT. Cada uma das partes efetuará a seleção das propostas segundo sua sistemática de análise. Somente as propostas aprovadas por ambas as partes serão financiadas. Mais informações sobre a chamada:...

Leia mais
IPT: Bola da vez
jul03

IPT: Bola da vez

Leia mais
Após a Copa dos humanos, vem a Robocup
jun27

Após a Copa dos humanos, vem a Robocup

    Sexta-feira, 27 de junho de 2014 às 10h39 Paraíba sedia copa do mundo de futebol de robôs Agência FAPESP – Uma semana depois de encerrada a Copa do Mundo de Futebol no Brasil terá início em João Pessoa, na Paraíba, outro torneio internacional de futebol, só que dessa vez de robôs. Entre 19 e 25 de julho, participantes de mais de 45 países trarão ao país robôs dotados de inteligência artificial para disputar a RoboCup, um dos principais eventos de tecnologia do mundo. Nas partidas de futebol, participarão robôs livres de controle remoto, que deverão obedecer as regras de um jogo convencional, com dois tempos, marcação de gols e até cobrança de lateral. Haverá um juiz humano, que poderá ser auxiliado por um juiz robô.     A RoboCup é organizada anualmente desde 1997 por professores voluntários do mundo todo. A primeira edição ocorreu em Nagoya, no Japão. Um dos objetivos dos organizadores, no longo prazo, é formar em 2050 um time de futebol composto por robôs humanoides e totalmente autônomos que jogue com a equipe humana campeã da Copa do Mundo – e vença. O torneio inclui, além de disputas futebolísticas, competições em outras categorias, como a “Rescue”, na qual são apresentados robôs projetados para substituir humanos em situações de resgate arriscadas. Em 2011, após o acidente nuclear de Fukushima, por exemplo, foram usados esses tipos de robôs. Na categoria @Home, participam os robôs que desempenham atividades domésticas. Há ainda uma modalidade industrial, para tarefas logísticas. A programação contará com oficinas de robótica voltadas a professores da rede pública de ensino, demonstrando como robôs podem ser usados em sala de aula para despertar os alunos para a ciência. No último dia do evento, haverá um simpósio, no qual serão apresentados trabalhos acadêmicos. O cientista australiano Rodney Brooks, professor emérito do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e fundador da empresa iRobot, proferirá uma palestra. A RoboCup 2014 ocorrerá no centro de convenções Poeta Ronaldo Cunha Lima, na Rodovia PB-008, km...

Leia mais
Ferramentas para interpretar imagens
jun26

Ferramentas para interpretar imagens

  Quinta-feira, 26 de junho de 2014 às 17h07 Por José Tadeu Arantes Agência FAPESP – Visão computacional é uma área de pesquisa que conjuga várias disciplinas e faz uso maciço de recursos computacionais para obter, processar, analisar e interpretar imagens, como as obtidas por um sistema de múltiplas câmeras, de modo a permitir a tomada de decisões rápidas e eficientes. Desenvolvido principalmente nos Estados Unidos e associado a preocupações com segurança e defesa nacional, o escopo desse campo de estudos pode ser bastante ampliado, de forma a contemplar aplicações em defesa civil, monitoramento ambiental e até mesmo biomedicina. Para apresentar as perspectivas da área, esteve no Brasil o professor Mubarak Shah, diretor fundador do Centro de Pesquisa em Visão Computacional da University of Central Florida (UCF), que proferiu uma palestra no Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (USP). Nascido no Paquistão, mas residente há muitos anos nos Estados Unidos, onde fez sua carreira profissional, Shah é autoridade mundial na área e coautor de quatro livros: Motion-Based Recognition (1997); Video Registration (2003); Automated Multi-Camera Surveillance: Algorithms and Practice (2008) e Modeling, Simulation and Visual Analysis of Crowds (2014).     Shah e sua equipe desenvolveram algoritmos para fins tão díspares quanto o escaneamento de multidões em busca de pessoas suspeitas e a análise de imagens do cérebro para a identificação de eventuais tumores. “A visão computacional pode salvar vidas”, disse o pesquisador à Agência FAPESP. “Por exemplo, em um evento esportivo, com milhares de espectadores, a visão computacional pode ajudar a monitorar a multidão, de forma a evitar que um tumulto qualquer faça as pessoas ficarem bloqueadas, com ferimentos ou até mesmo vítimas fatais. Não há limites para a aplicação da visão computacional com objetivos civis.” A palestra do professor Shah, realizada no Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP), foi organizada por Roberto Marcondes Cesar Junior, professor titular do Departamento de Ciência da Computação do IME-USP e membro da coordenação adjunta das áreas de Ciências Exatas e Engenharias da FAPESP. O evento ocorreu no âmbito do projeto de pesquisa temático “Modelos e métodos de e-Science para ciências da vida e agrárias” . A atração de estudantes brasileiros para completar sua formação na University of Central Florida foi outro objetivo da visita de Shah. “O Brasil é hoje uma das maiores economias e estamos muito interessados em aumentar nossa colaboração com o país. Nosso grupo, na UCF, é um dos mais importantes do mundo em visão computacional. Temos 25 doutorandos e recebemos um grande número de visitantes de vários países. Queremos receber também os estudantes brasileiros”,...

Leia mais
FAPESP estimula criação de facilities
jun17

FAPESP estimula criação de facilities

Terça-feira, 17 de junho de 2014 às 11h41 Por Elton Alisson Agência FAPESP – Pesquisadores na região de Campinas, interessados em realizar análises nas áreas de Genômica, Bioinformática, Proteômica e Biologia Celular, dispõem, desde 2013, de um laboratório no campus da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) que presta serviços de apoio à pesquisa. Trata-se do Laboratório Central de Tecnologias de Alto Desempenho em Ciências da Vida (LaCTAD) – uma unidade multiusuário concebida nos moldes das facilities existentes em instituições de pesquisa no exterior. Construídos com o propósito de concentrar em um mesmo lugar equipamentos científicos de ponta, além de técnicos operacionais e insumos – a fim de otimizar o uso desses recursos e diminuir o custo da pesquisa –, exemplos de facilities como o LaCTAD têm aumentado no Estado de São Paulo nos últimos anos. “Há 10 anos não se falava em facilities para sequenciamento genético ou para OMICs (sigla para a expressão Genômica, Epigenômica e Protêomica em inglês) em São Paulo”, disse Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, durante uma palestra no 1st Workshop on Multi-User-Equipment and Facilities, realizado no dia 4 de junho, na FAPESP. “Agora temos mais de 50 unidades multiusuários autodeclaradas facilities, que oferecem serviços essenciais para a pesquisa em São Paulo, com importante apoio das instituições em que estão sediadas. Além disso, aumentam a visibilidade de suas instituições sede”, disse Brito Cruz. Entre as facilities instaladas recentemente em São Paulo com apoio do Programa Equipamentos Multiusuários (EMU) da FAPESP estão o Centro de Facilidades de Apoio à Pesquisa (Cefap), no Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP), e o Laboratório Multiusuários Centralizado em Genômica Funcional Aplicada à Agropecuária e Agroenergia, na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da USP, no campus de Piracicaba. Inaugurado em agosto de 2013, o Cefap oferece serviços de sequenciamento de nova geração para alunos e pesquisadores da USP e de outras universidades e instituições de pesquisa. Para contratar os serviços – cujos valores variam de acordo com o equipamento a ser utilizado –, os pesquisadores precisam verificar a disponibilidade e agendar, no site do laboratório, a data e o horário de uso. O Laboratório Multiusuários Centralizado em Genômica Funcional Aplicada à Agropecuária e Agroenergia, inaugurado em 2012, realiza serviços de sequenciamento genético, genotipagem, transcriptoma, proteômica e bioinformática. “Já foram realizados no laboratório mais de 70 projetos de grupos de pesquisadores de universidades e instituições de pesquisa do Brasil e do exterior, além de empresas”, disse Mônica Veneziano Labate, pesquisadora associada da Esalq, durante sua palestra no evento. “A maioria dos grupos que precisou fazer sequenciamento de DNA recebeu treinamento para preparação...

Leia mais
Bloodhound SSC: O carro supersônico a 1.000 mph
jun15
Leia mais
Piloto do Bloodhound mostra cockpit em vídeo
jun15

Piloto do Bloodhound mostra cockpit em vídeo

  Domingo, 15 de junho de 2014 às 09h25   O piloto Andy Green mostra o cockpit do carro supersônico, construído em fibra de carbono monocoque state-of-the-art, que está sendo adaptado às suas necessidades. Assista o vídeo no idioma inglês. G.S.S.

Leia mais
Nanoarte: a estética do infinitamente pequeno
maio31

Nanoarte: a estética do infinitamente pequeno

Agência FAPESP – A equipe de técnicos e pesquisadores do Centro de Pesquisa para o Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDFM, sigla em inglês), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) apoiados pela FAPESP, expõe seus trabalhos de nanoarte, entre os dias 27 de maio e 13 de junho, no Espaço Chatô, em Brasília (DF). A mostra reúne imagens de estruturas nanométricas obtidas por meio de microscópio eletrônico de varredura e de microscópio de força atômica ampliadas e colorizadas pelos pesquisadores, que buscam expor a integração entre arte, ciência e tecnologia. São 32 quadros, seis pratos de cerâmica e 11 peças em seda, entre gravatas, lenços e echarpes, com estampas e imagens produzidas pelos pesquisadores Rorivaldo Camargo e Ricardo Tranquilin, do CDFM. O Espaço Chatô fica no SIG quadra 2, Sede do Correio Braziliense, em Brasília, e funciona de segunda a sexta-feira, das 10 às 18 horas. A entrada é...

Leia mais
Exoesqueleto levará paraplégico ao centro do campo na abertura da Copa 2014
maio30
Leia mais
Olimpíada Brasileira de Robótica tem recorde de inscrições
maio28

Olimpíada Brasileira de Robótica tem recorde de inscrições

Agência FAPESP – A etapa regional da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR) – que será realizada no dia 31, no Centro Universitário da FEI de São Bernardo do Campo (SP) – atingiu um número recorde de estudantes inscritos. Foram formadas 350 equipes e, por conta do elevado número de participantes, esta etapa será dividida e também ocorrerá nas cidades de Presidente Epitácio e São Carlos. As equipes classificadas disputarão a etapa estadual em agosto. A OBR tem duas modalidades: prática e teórica. Na modalidade prática, os robôs construídos por alunos dos ensinos fundamental e médio terão o desafio de resgatar vítimas em um ambiente hostil, desviando dos obstáculos de uma trilha. A modalidade teórica é voltada ao público leigo e inclui uma prova escrita, elaborada de acordo com a escolaridade do aluno. Os interessados em participar podem se inscrever até o dia 15 de agosto. A prova será aplicada simultaneamente em todas as escolas participantes no dia 22 do mesmo mês. Coordenada pela FEI e pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), a OBR tem como objetivo divulgar a robótica, suas aplicações, produtos e tendências, de forma a estimular a formação de uma cultura tecnológica, em que cidadãos se relacionem melhor com a tecnologia. Segundo Flávio Tonidandel, coordenador-geral da OBR, o destaque que o Brasil alcançou na área da robótica fez com que o país fosse escolhido como sede da RoboCup 2014, que ocorrerá em julho, na cidade de João Pessoa (PB). Mais informações...

Leia mais
Ensp/Fiocruz inaugura site sobre nanotecnologia
maio19

Ensp/Fiocruz inaugura site sobre nanotecnologia

Publicado em 19 de Maio de 2014   Está no ar Nanosaúde, novo site do portal da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz). Ele é parte integrante da pesquisa Nanotecnologias aplicadas aos alimentos e aos biocombustíveis, coordenada pelo pesquisador William Waissmann. O espaço é dedicado às relações entre saúde, nanotecnologias e nanomateriais, com ênfase nas aplicações em alimentos, biocombustíveis, medicamentos, cosméticos e outros produtos ligados à saúde, e dos riscos e implicações das nanotecnologias para o meio ambiente e a sociedade. Segundo Waissmann, o local é dedicado ao público de diversas áreas. “O sítio é voltado para divulgação e contém matérias e links abrangentes, dirigido à população em geral, estudantes e pesquisadores, de áreas diversas”, disse. Como participante da Rede Nanobiotec e financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MCT), o site conta com a parceria da Escola de Saúde Pública Dr. Jorge David Nasser (MS), Fundação Amazônica de Defesa da Biosfera (AM), Fundação Jorge Duprat Figueiredo, de Segurança e Medicina do Trabalho – Fundacentro (SP), Universidade Federal de Sergipe (SE) e Universidade do vale do Rio dos Sinos – Unisinos (RS). Os artigos disponíveis estão organizados no menu em dois temas: “aplicações de nanotecnologias” e “riscos e impactos”. Na biblioteca, estão artigos científicos publicados em importantes periódicos, como o El Sevier Journal e Out of the laboratory and on to our plates, do grupo Friends of the Earth. Lá também estão os vídeos do 7° Seminário Internacional de Nanotecnologia, ocorrido em novembro de 2010, no Rio de Janeiro. Ainda na biblioteca, existem links de instituições, grupos e agências que realizam estudos na área da nanotecnologia, como o Laboratório Interdisciplinar de Desenvolvimento de Nanoestruturas (Linden), da Universidade de Santa Catarina. Waissmann também destacou que o objetivo é difundir conhecimento, mostrando desde vantagens das nanotecnologias em saúde, quanto potenciais riscos à saúde, ao ambiente e à sociedade, além de questões normativas e regulatórias. Conheça o novo site Site sobre Nanotecnologia da ENSP/Fiocruz Agência Fiocruz de...

Leia mais
Finep, BNDES, Desenvolve SP e Embraer lançam fundo de investimento para o setor aeroespacial
maio08

Finep, BNDES, Desenvolve SP e Embraer lançam fundo de investimento para o setor aeroespacial

O Fundo de Investimento em Participações (FIP) Aeroespacial, primeiro na América Latina voltado para o setor, foi lançado ontem (7), na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro. Resultado de uma iniciativa conjunta da Finep com o BNDES, a Agência de Desenvolvimento Paulista (Desenvolve SP) e a Embraer, o fundo foi criado com o objetivo de fortalecer a cadeia produtiva aeroespacial, aeronáutica, de defesa e segurança e promover a integração de sistemas relacionados a esses setores por meio de apoio às pequenas e médias empresas. O patrimônio inicial do fundo será de R$ 131,3 milhões, assim distribuídos pelos quotistas: BNDESPAR, Embraer e Finep, cada um com R$ 40 milhões; Desenvolve-SP, com R$ 10 milhões e R$ 1,3 milhão aportados pela Portbank, gestora do fundo. O FIP foi estruturado com elementos de Corporate Venturing, isto é, a partir do esforço corporativo de uma empresa estratégica do setor, no caso a Embraer, cujo objetivo é contribuir com a estruturação e o fortalecimento da cadeia produtiva relacionada às suas atividades nos setores aeronáutico, aeroespacial, de defesa e segurança e integração de sistemas. Além disso, o fundo cria um canal permanente que permite o contato mais próximo entre a empresa estratégica do setor e as iniciativas empreendedoras mais inovadoras destes setores e promove o investimento em áreas estratégicas por meio do conceito de Corporate Venturing no País. “O capital de risco é uma ferramenta eficiente para financiar projetos. Principalmente porque cria um ambiente de investimento constante. O envolvimento de ícones setoriais é importante para reduzir riscos e motivar empresas e investidores individuais a destinar seus recursos a empresas de base tecnológica”, afirma Glauco Arbix, presidente da Finep, que tem como meta reproduzir a iniciativa para cadeias como a de óleo e gás, com a Petrobras, e tecnologia da informação, com alguma empresa importante do setor. “É com muita satisfação que vemos esta iniciativa tornar-se realidade. O apoio a micro e pequenas empresas de base tecnológica, com o suporte de grandes companhias de setores correlatos, tem grande sintonia com o papel do BNDES. Esperamos e estamos trabalhando para que outras empresas sigam o caminho trilhado pela Embraer”, disse o presidente do BNDES, Luciano Coutinho. “Investir em pesquisa e em empresas inovadoras é a solução para garantirmos um crescimento sustentável da economia. Apostar na inovação está no DNA da Desenvolve SP”, diz Milton Luiz de Melo Santos, diretor-presidente da Agência. Além do Fundo Inovação Paulista, lançado pela Desenvolve SP, e do Aeroespacial, a instituição mantém investimentos em outros três fundos de venture capital. “A Embraer sempre incentivou o desenvolvimento de uma cadeia nacional para indústria aeronáutica e de...

Leia mais
Entenda o Marco Civil da Internet
abr28

Entenda o Marco Civil da Internet

Helena Martins – Repórter da Agência Brasil Edição: Carolina Pimentel O Marco Civil da Internet foi apontado como referência mundial para as legislações que devem tratar da rede mundial dos computadores, durante o NetMundial – Encontro Multissetorial Global Sobre o Futuro da Governança da Internet, que reuniu governos, empresas, especialistas e ativistas em discussões sobre o futuro da rede. Os princípios da lei – especialmente a garantia da neutralidade de rede, da liberdade de expressão e da privacidade dos usuários – foram estabelecidos para manter o caráter aberto da internet. A neutralidade de rede prevê que o tráfego de qualquer dado deve ser feito com a mesma qualidade e velocidade, sem discriminação, sejam dados, vídeos, etc. Se essa neutralidade não fosse garantida, a internet poderia funcionar como uma TV a cabo: os cidadãos pagariam determinado valor para acessar redes sociais e outro para acessar redes e vídeos, por exemplo. Outro princípio é a garantia da liberdade de expressão. Hoje, redes sociais, como Facebook e o Youtube, podem tirar do ar fotos ou vídeos que usem imagens de obras protegidas por direito autoral ou que contrariam regras das empresas. Por exemplo, fotos de integrantes da Marcha das Vadias com os seios à mostra ou vídeos que mostram partes de telejornais das emissoras já foram retirados do ar sem que os criadores desses conteúdos opinassem sobre restrição à veiculação. Com o Marco Civil da Internet, essas empresas deixam de ser responsáveis pelos conteúdos gerados por terceiros e não poderão retirá-los do ar sem determinação judicial, afora em casos de nudez ou de atos sexuais de caráter privado. De acordo com o Artigo 19 da legislação, “com o intuito de assegurar a liberdade de expressão e impedir a censura, o provedor de aplicações de internet somente poderá ser responsabilizado civilmente por danos decorrentes de conteúdo gerado por terceiros se, após ordem judicial específica, não tomar as providências para, no âmbito e nos limites técnicos do seu serviço e dentro do prazo assinalado, tornar indisponível o conteúdo apontado como infringente, ressalvadas as disposições legais em contrário”. O marco também garante a privacidade dos usuários da internet, ao estabelecer que informações pessoais e registros de acesso só poderão ser vendidos se o usuário autorizar expressamente a operação comercial. Atualmente, os dados são usados por grandes empresas para obter mais receitas publicitárias, já que elas têm acesso a detalhes sobres as preferências e opções dos internautas e acabam vendendo produtos direcionados. Além dos direitos considerados princípios da internet no Brasil, 13 outros foram estabelecidos pela “Constituição da Internet”, como passou a ser chamada a regra. A inviolabilidade da intimidade e da vida privada e indenização...

Leia mais
Internet está em 1º quando o assunto é informação
abr24

Internet está em 1º quando o assunto é informação

A Internet é a primeira fonte de informações para 47% dos brasileiros, aponta estudo. No restante do mundo, essa média é de 45%. A informação é do IBOPE e mostra a importância da rede no país. O Brasil está acima da média mundial quando o assunto é busca por informações na internet. Para 47% da população brasileira, a web é a primeira fonte procurada, enquanto que para o restante do mundo, esse percentual registra uma média de 45%. Esse apontamento faz parte do estudo global “O que motiva os consumidores do mundo” que tem com base a pesquisa Target Group Index, desenvolvida pela Kantar Media e difundida pelo IBOPE Media no Brasil e na América Latina. A partir do levantamento regular do TGIndex, mais de 20 mil pessoas foram entrevistas em nove regiões metropolitanas do país e, para esse estudo especial, mais de 800 mil pessoas no...

Leia mais
Contra os ruídos
abr15

Contra os ruídos

Leia mais
Cadeiras de rodas com tecnologia e experiência brasileira
abr11
Leia mais
Tecnologia
mar28

Tecnologia

Leia mais
Brasileiro faz a reconstrução facial de Santo Antônio em 3D
mar14

Brasileiro faz a reconstrução facial de Santo Antônio em 3D

Busto em tamanho real será impresso no Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI/MCTI), em Campinas (SP) Portal Brasil – O rosto de uma das mais populares figuras do cristianismo passa por uma revisão com base numa tecnologia recente que vem acumulando aplicações. Um busto de Santo Antônio produzido em gesso com uma impressora tridimensional (3D), com traços destoantes dos que costumamos ver, será apresentado em Pádua (Itália), neste ano, oito séculos depois da morte do religioso. “As feições serão mais robustas que aquelas com as quais estamos acostumados”, adianta o artista incumbido da reconstrução facial, o mato-grossense Cícero Moraes. “A primeira coisa que vimos foi que o nariz não era fino nem pequeno. Além disso, os lábios eram grandes. Isso se afasta do usual em imagens religiosas, que costumam ser de traços finos, muitas vezes andróginos, infantis.” O rosto em tamanho real será impresso no Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI/MCTI), em Campinas (SP). Um estudo já foi gerado e, após alterações, a peça definitiva deve estar concluída nas próximas semanas. A entrega ao Museu da Universidade de Pádua está marcada para 13 de junho, dia do santo, e a exibição ao público está prevista para novembro. “A impressão propriamente dita é relativamente rápida. Um busto assim leva um dia para ficar pronto”, destaca o coordenador da Divisão de Tecnologias Tridimensionais (DT3D) do CTI, Jorge Vicente Lopes da Silva. “É como se você imprimisse centenas de folhas com as bordas coloridas.” As cores básicas, que se combinam, são vermelho, verde e azul (RGB, na sigla em inglês usada pelas gráficas em geral). Modelagem Cícero Moraes foi convidado para o projeto pelo grupo italiano de arqueologia Arc-Team, com o qual já colaborava e que recebeu a encomenda do museu. “O pessoal da Itália me mandou o crânio digitalizado. A imagem digital foi gerada a partir de fotos da réplica em bronze do crânio, produzida em 1981”, conta. “Aí, fui criando os músculos, fazendo a modelagem anatômica com o programa computacional Blender.” Ele explica que esse preenchimento parte de tabelas de profundidade de tecido baseadas em numerosos padrões étnicos – no caso, foram usadas as medidas de caucasianos europeus – que, por sua vez, compilam medições feitas em cadáveres desde o fim do século 19. Para a pele e a indumentária, pinturas e relatos foram as referências. A barba rala se baseou em quadros do pintor Giotto, que nasceu algumas décadas depois da morte do santo. Santo Antônio de Lisboa Um dos principais nomes do catolicismo, Santo Antônio de Lisboa (ou de Pádua) nasceu na capital portuguesa em 1191 ou 1195, e seu nome de batismo era...

Leia mais

Omega nos Jogos Olímpicos de Inverno

Sochi 2014: OMEGA introduz novo equipamento no hóquei e lendas do esporte visitam Pavilhão OMEGA. A OMEGA, junto com a Federação Internacional de Hóquei no Gelo, desenvolveu o sistema de IH Whistle Detection (detecção de som de apito para hóquei no gelo) – uma nova tecnologia inovadora que está presente nos jogos de hóquei no gelo nos Jogos Olímpicos de Inverno Sochi. Durante o jogo, cada oficial que atua no gelo é equipado com um microfone sem fio, que se comunica com o scorekeeper (oficial que registra os gols) no banco de cronometragem. O sistema automático de Whistle Detection monitora o sinal auditivo durante o jogo e pausa o relógio assim que ele detecta o som do apito do oficial. O som do apito é detectado e o relógio é pausado dentro 1/10 de segundo – o que é pelo menos meio segundo mais rápido do que um cronometrista que pausa o tempo manualmente. Este sistema garante a precisão do registro do tempo pausado que resulta em tempos adicionais para jogar. O sistema de Whistle Detection funciona num princípio semelhante ao reconhecimento de voz. Este equipamento conhece a assinatura sonora de três apitos diferentes aprovadas pela Federação Internacional de Hóquei para os Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi. Lendas do hóquei russo Vyacheslav Fetisov e Andrey Nikolishin falam da sua experiência no esporte e dos Jogos em casa Lendas do hóquei visitaram o Pavilhão OMEGA e falaram sobre um dos esportes mais emocionantes dos Jogos de Inverno. Os russos Vyacheslav Fetisov e Andrey Nikolishin- dois dos maiores nomes do hóquei – e Mikhail Zakharov, secreterário de imprensa do time de hóquei russo, foram os convidados de honra do Pavilhão OMEGA para falarem sobre o esporte. Com inúmeras vitórias na Stanley Cup, duas medalhas de ouro olímpicas (1984, 1988), uma de prata (1980) e sete títulos mundiais, Fetisov é um dos maiores nomes do hóquei no mundo. Além dos diversos títulos como jogador, ele foi o técnico da seleção da Rússia nos Jogos Olímpicos de Salt Lake City, em 2002 e atualmente é membro do comitê anti-doping de atletas. Fetisov foi um dos escolhidos para ser o porta-bandeira na cerimônia de abertura dos Jogos de Sochi pela sua contribuição para o esporte russo até hoje. Falando das Olimpíadas em casa, ele disse que após a experiência de 10 edições, a atmosfera e a vibração da cidade sede fazem destes Jogos diferente do resto. Campeão mundial e medalhista de bronze, Andrey Nikolishin começou sua carreira profissional no HC Dynamo de Moscou. Jogou no seu país durante quatro anos e chegou a ser nomeado o jogador do ano na temporada 1993-94, passando...

Leia mais
Secretaria de Agricultura lança livro eletrônico sobre 50 anos
jan30

Secretaria de Agricultura lança livro eletrônico sobre 50 anos

Exemplar sobre 50 anos da história do ITAL e da indústria de alimentos no país ganha versão digital Em comemoração ao seu cinquentenário o Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL – APTA, vinculado a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo), está lançando a versão digital do livro “ITAL – Ciência, Tecnologia e Inovação a serviço da Indústria de Alimentos no País”. A publicação registra fatos e personagens que compõe a história do ITAL e do setor de alimentos no Brasil, desde os momentos que antecederam a fundação do Instituto, em 1963 como Centro Tropical de Pesquisas e Tecnologia de Alimentos (CTPTA), até os dias atuais. O livro é composto por textos, imagens históricas do Instituto e infográficos, leva ao leitor a ideia de como a criação e o desenvolvimento do primeiro instituto especializado em engenharia de alimentos conseguiu influenciar a fundação de uma série de outras instituições – como a primeira faculdade de engenharia de alimentos do Brasil, associações e outras entidades – formando uma estrutura sólida para o surgimento de novos alimentos e bebidas e para o desenvolvimento de todo o setor do país. O livro do ITAL também traz um capítulo especial sobre os desafios futuros para o setor de alimentos, bebidas e embalagens que deverão ampliar a atuação do Instituto no desenvolvimento de pesquisas e de inovações tecnológicas que continuem a contribuir para que o Brasil consolide sua condição de produtor de alimentos in natura e processados de qualidade. Além disso, o texto apresenta a sugestão de criação de um programa estadual para a indústria de alimentos e bebidas no país. A publicação foi realizada pelo ITAL em parceria com o Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo – Labjor, da Universidade Estadual de Campinas, com o apoio da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa do Agronegócio – Fundepag e da Associação de Defesa Vegetal – Andef. O livro está disponível para leitura e download gratuito no site do ITAL:...

Leia mais
Nanotecnologia e a vida na Terra
set26

Nanotecnologia e a vida na Terra

Publicado em 26 de setembro de 2013   Esta ciência já está bastante difundida, faz muito tempo que nos acompanha, só não percebemos. Não é para menos! Afinal, estamos falando de medidas atômicas ou muito abaixo delas. Nesta introdução ao assunto em nosso site, vamos partir do início para melhor entendermos como surgiram as fantásticas possibilidades devido esse conhecimento científico.       O precursos do conceito de Nanotecnologia foi Richard P. Feynman, embora não tenha usado esse termo em sua palestra para a Sociedade Americana de Física, no dia 29 de Dezembro de 1959, quando apresentou suas ideias acerca do assunto. O termo, propriamente dito, só seria utilizado primeiramente pelo professor Norio Taniguchi em 1974, para descrever as tecnologias que permitam a construção de materiais numa escala de 1 nanômetro. A Nanotecnologia, também conhecida por Nanotech, consiste no estudo de manipulação da matéria em escala atômica e molecular, com medidas entre 1 a 100 nanômetros. O desenvolvimento de componentes e materiais se aplicam a diversas áreas que vão desde a medicina até a engenharia. Seu princípio básico é estruturá-los a partir dos átomos, considerados os tijolos básicos da natureza. Pensar em uma escala nano (atômica) é imaginar medidas infinitamente pequenas. Um bom exemplo é este: Imagine uma praia com 1 Km de extensão e um grão de areia de 1 mm, este grão compara-se à praia assim como o nanômetro para 1 metro. O desenvolvimento dessa tecnologia permite avanços revolucionários. Veja na prática alguns exemplos onde a nanotech já é aplicada: – Tecidos resistentes a manchas e que não amassam; – Filtros de proteção solar; – Tratamentos tópicos de Herpes e Fungos; – Nano-cola, capaz de unir qualquer material a outro; – Produtos cosméticos.     Mas não é só isso, é muito mais. Para exemplificar, vejamos como a nano pode ser aplicada ao esporte. A engenheira Mecânica Philipa Oldham, membro da IMechE (Institution of Mechanical Engineers – UK) Instituição de Engenheiros Mecânicos do Reino Unido, afirma que o futuro ainda reserva boas surpresas. “Ao longo dos próximos anos veremos uma onda de novas tecnologias de ponta na engenharia. No entanto, muitos órgãos esportivos ainda se recusam a se envolver com os engenheiros para descobrir qual o efeito que esses avanços possam ter. É vital para os esportes que eles possam se envolver para garantir que os avanços sejam introduzidos de forma justa e aberta para o mundo esportiva não ser pego de surpresa”. A BAE Systems adaptou um sistema de laser de tempo (laser-timing) para treinamento de ciclistas. Inicialmente criado para uso militar é capaz de medir o tempo em um milionésimo de segundo, simultaneamente para 30...

Leia mais