Como enfrentar a menopausa


Terça-feira, 15 de novembro de 2016, às 13h01


Por volta dos 40 a 50 anos, as mulheres começam a se preparar para a menopausa. Conhecida por encerrar os períodos de ovulação e, consequentemente a menstruação, traz uma série de mudanças e adaptações ao corpo da mulher. Alguns sintomas que anunciam sua chegada são: ausência de menstruação, calor excessivo, ressecamento da vagina, alterações de humor, diminuição da libido, aumento de peso, insônia, entre outros.

O acompanhamento do ginecologista é fundamental nesta fase para identificar as mudanças presentes no corpo feminino e então, contê-las da melhor forma possível para evitar desconforto da mulher na entrada do climatério. Entretanto, além dos sinais citados, a idade também é um fator que a torna mais vulnerável às doenças ginecológicas como pólipos, câncer ginecológico, cistos, apenas para mencionar alguns.

 

Menopausa: mantenha exames e visitas ao seu médico em dia. Foto:  Supreet Vald / Getty Images; foto destaque: divulgação / SOGESP

Menopausa: mantenha exames e visitas ao seu médico em dia. Foto: Supreet Vald / Getty Images; foto destaque: divulgação / SOGESP

 

Dr. Rogério Bonassi Machado, 1° vice-presidente da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP), explica que a menopausa não intensifica o surgimento destas doenças. “Ao contrário do senso comum, as doenças ginecológicas não surgem sem precedente, geralmente são ocasionadas por fatores genéticos, hereditários, ou que já viriam a ocorrer. O papel do ginecologista é rastrear estas doenças precocemente. O câncer nem sempre é genético, mas também não é resultado da menopausa”, esclarece.

Há, ainda, o mito de que as pílulas anticoncepcionais potencializarem o risco de surgimento de pólipos, cistos e até o câncer. Contudo, o dr. Rogério explica que estes remédios regulam e até podem funcionar como preventivo para estas patologias.

“Muitas vezes, elas deixam de ir ao ginecologista durante a menopausa por medo da reposição hormonal, mas nem sempre a alternativa é necessária”, explica. Segundo o especialista, é importante enfrentar este período comum à saúde reprodutiva feminina, com a melhor orientação possível, sem tirar conclusões precipitadas e atribuir todos os males ao climatério.

“É fundamental ter em mente que o melhor remédio para doenças ginecológicas é a prevenção, baseada no acompanhamento e cuidados médicos. Sem dúvida, o foco deve ser manter sempre os exames em dia e tratar com seu médico os desconfortos desta fase”, conclui.

Cefaleia: não tome medicamentos sem antes consultar um médico. Foto: divulgação / ABN

Cefaleia: não tome medicamentos sem antes consultar um médico. Foto: divulgação / ABN

Leia mais sobre
MEDICINA

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Centro faz pesquisas para tratar e prevenir a obesidade, vídeo
Acompanhe ao vivo o julgamento do recurso do ex-presidente Lula
Centro Esportivo do Tatuapé: obra abandonada e larvas de pernilongos, vídeo
Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
  • Centro faz pesquisas para tratar e prevenir a obesidade, vídeo

  • Acompanhe ao vivo o julgamento do recurso do ex-presidente Lula

  • Centro Esportivo do Tatuapé: obra abandonada e larvas de pernilongos, vídeo

  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*