Deficiência de hormônio tireoidiano compromete o funcionamento renal


Terça-feira, 15 de março de 2016 às 10h39


A informação foi divulgada no último dia 10, depois da publicação de cientistas brasileiros na revista Thyroid.

Karina Toledo | Agência FAPESP – Um estudo publicado por cientistas brasileiros na revista Thyroid apresentou, pela primeira vez, evidências diretas de que a deficiência de hormônios tireoidianos prejudica o funcionamento renal.

Ao suspender temporariamente a terapia de reposição hormonal de pacientes que tiveram a glândula retirada em decorrência de um câncer, os pesquisadores observaram prejuízo médio de 18% no ritmo de filtração glomerular – primeira etapa do processo de formação da urina nos rins.

 

Equipamento usado para dosar a radiação nas amostras de sangue dos pacientes após a aplicação do radiofármaco Cr51-EDTA (foto: ivulgação); à direita, pacientes que tiveram a reposição hormonal suspensa durante um tratamento com radioiodo apresentaram prejuízo de 18% na taxa de filtração glomerular (imagem: NIH).

Equipamento usado para dosar a radiação nas amostras de sangue dos pacientes após a aplicação do radiofármaco Cr51-EDTA (foto: ivulgação); à direita, pacientes que tiveram a reposição hormonal suspensa durante um tratamento com radioiodo apresentaram prejuízo de 18% na taxa de filtração glomerular (imagem: NIH).

 

A pesquisa foi realizada com apoio da FAPESP durante o doutorado de George Barberio Coura Filho, sob orientação do professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) Marcelo Sapienza, vinculado ao Instituto de Radiologia (InRad-USP).

“Evidências da literatura científica indicavam que alguns portadores de disfunção tireoidiana apresentavam disfunção renal associada. Mas eram poucos os trabalhos sobre o tema e eles avaliaram a função renal de maneira indireta”, comentou Coura Filho, que também é diretor da Sociedade Brasileira de Medicina Nuclear (SBMN).

O grupo então decidiu investigar se o ritmo de filtração glomerular – parâmetro comumente utilizado na avaliação da função renal – era ou não dependente dos níveis de hormônios tireoidianos.

O estudo foi feito com 28 pacientes submetidos a cirurgia para retirada da tireoide após o diagnóstico de câncer. Nenhum deles tinha histórico de disfunção renal e todos teriam de passar por um tratamento complementar com iodo-131, substância radioativa, para reduzir o risco de recidiva e de metástase.

“Para aumentar a eficiência do tratamento com radioiodo, é preciso aumentar os níveis do hormônio estimulante da tireoide (TSH, na sigla em inglês), que é produzido pela hipófise e facilita a entrada do iodo nas células”, explicou Coura Filho.

Segundo o pesquisador, há duas maneiras de se alcançar esse objetivo: administrando ao paciente uma versão sintética do hormônio TSH ou suspendendo a terapia de reposição tireoidiana, o que faz com que a hipófise passe a produzir o hormônio estimulante da tireoide na tentativa de corrigir o déficit.

Antes de iniciar a radioiodo terapia, portanto, os 28 pacientes foram divididos em dois grupos. Metade recebeu TSH sintético e, os demais, tiveram a reposição hormonal suspensa, entrando em estado clínico de hipotireoidismo.

Com auxílio de uma técnica de medicina nuclear, os pesquisadores avaliaram nos dois grupos a evolução do ritmo de filtração glomerular. Para isso, foi injetado nos pacientes um radiofármaco chamado Cr51-EDTA.

“O Cr51-EDTA é um marcador filtrado exclusivamente pelos glomérulos, sem que haja secreção ou absorção significativa nos túbulos renais (onde ocorre a segunda etapa de formação da urina). Portanto, quanto maior for o ritmo de filtração glomerular, mais rapidamente o marcador radioativo é excretado do organismo”, explicou Coura Filho.

Duas e quatro horas após a injeção do isótopo, amostras de sangue dos voluntários de ambos os grupos foram colhidas e colocadas em um contador de radiação.

“As análises mostraram que, no grupo que teve a reposição hormonal suspensa, o ritmo de filtração glomerular caiu em média 18% em comparação ao nível inicial. Já no grupo que recebeu TSH sintético, observamos aumento de 4% na filtração, mas o número não foi estatisticamente significativo e podemos dizer que, nesse caso, a função renal ficou estável”, disse Coura Filho.

Resíduos represados

Quando a taxa de filtração glomerular cai, menor quantidade de urina é formada, o que significa que toxinas e metabólitos indesejados ficam represados no organismo. Uma das formas mais usadas de investigar se isso está acontecendo é dosar na urina ou no sangue do paciente uma substância chamada creatinina – formada a partir da quebra da proteína creatina fosfato, necessária para o funcionamento dos músculos.

Dados do artigo mostram que, nos pacientes que tiveram a reposição hormonal suspensa, a taxa de excreção de creatinina na urina caiu 22%. Também foi observado aumento das concentrações de creatinina no sangue.

Na avaliação de Sapienza, o estudo deixa claro que o hipotireoidismo, mesmo em uma apresentação aguda, leva a significativa redução da filtração glomerular, o que pode ter implicação na farmacocinética de outras drogas e agravar a situação de pacientes que já tenham doença renal prévia.

“O hipotireoidismo associa-se a redução da função renal provavelmente por levar a alterações do sistema cardiocirculatório, talvez associadas a modificações de transporte hidroeletrolítico renal. Apesar de essa relação ser bem conhecida em outras situações, não é ainda claro o grau e intervalo em que ocorre essa disfunção no hipotireoidismo agudo e como quantificá-la na prática clínica. Neste trabalho, além de determinar o impacto do hipotireoidismo agudo na filtração glomerular, medida pelo clareamento plasmático [excreção pela urina] do 51Cr-EDTA, foi possível estabelecer parâmetros baseados na dosagem sérica de creatinina, que permitem fazer esse monitoramento de forma mais acessível clinicamente”, avaliou.

Para Coura Filho, os resultados reforçam a necessidade de uma reposição tireoidiana eficiente. “Agora que conhecemos como os hormônios tireoidianos interagem com o funcionamento dos rins, podemos evitar que pacientes com hipotireoidismo primário – aqueles que têm a glândula, mas ela não funciona adequadamente – venham a sofrer prejuízos renais futuramente. Devemos adotar medidas preventivas”, opinou.

Assista mais abaixo, o vídeo do teaser de lançamento do NeuroChannel, um canal ligado no cérebro. Conecte o seu!

Assista o vídeo do teaser de lançamento do NeuroChannel, um canal ligado no cérebro. Conecte o seu!

Leia mais sobre
CIÊNCIAS

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*