Dependência de tecnologia: a linha tênue entre o uso normal e o abusivo


Segunda-feira, 4 de maio de 2015, às 15h15


Pesquisa da Universidade Maryland, dos Estados Unidos, revelou que a dependência em tecnologia é semelhante ao do uso de drogas. Ao analisar mil jovens de 17 a 23 anos concluiu-se que 79% deles apresentam desconforto, confusão mental, isolamento, e até coceira, quando submetidos à restrição de eletrônicos. Cresce em todo o mundo os casos de nomofobia – desconforto e angústia causados pela falta de comunicação por meio de aparelhos celulares e computadores.

 

Nomofobia: doença da internet. Foto: divulgação

Nomofobia: doença da internet. Foto: divulgação

 

Anna Lúcia Spear King, coordenadora do Grupo DELETE (Desintoxicação Digital e Uso Consciente de Tecnologias) do Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e autora do livro Nomofobia, lançado em março deste ano, pela editora Atheneu, explica que os sinais de vício são nítidos quando prejudicam a vida profissional, social e familiar do indivíduo.

“Ele não sai de casa, não faz as refeições com a família, ignora o mundo físico ao seu redor e não pratica atividade física. Pode, ainda, haver comprometimentos físicos, como problemas na coluna, na visão e nas articulações”, lista a psicóloga. Outros sintomas que se manifestam com frequência são a preocupação excessiva com a internet, necessidade de aumentar o tempo online e desequilíbrio emocional após período desconectado.

O uso excessivo da tecnologia pode ser influenciado por fatores ambientais e genéticos que alteram o comportamento do paciente. No Grupo DELETE, King informa que recebe um número consistente de pessoas com transtornos sociais relacionados ao excesso de utilização de computadores. “Logo após o início da terapia já é relatado uma melhora significativa quanto à dependência”, destaca.

Como forma mais recorrente de tratamento, aplica-se terapia cognitiva comportamental e, a depender dos transtornos originais, como depressão e ansiedade, acompanhamento psiquiátrico e medicamentoso são prescritos.

Independente da idade e do sexo, qualquer um está sujeito ao desenvolvimento da nomofobia. Os interesses variam: “as mulheres, as quais mais sofrem com depressão, frequentam mais as redes sociais; os jovens se interessam por games, sobretudo o RPG; já os homens preferem jogos online e sites pornográficos”, relata.

O uso consciente é primordial, por isso quando extrapolado deve ser identificado e encaminhado para avaliação e tratamento. Atualmente, em um universo multitelas, não só o individuo, mas também colegas e familiares devem se atentar quando a tecnologia passa a interferir negativamente nas relações intersociais.

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*