Visite a 96ª Festa de São Vito e se delicie com as iguarias das Mammas

“TUDO PELA NOSSA CRECHE GRAÇAS AO VOLUNTARIADO E À TRADIÇÃO”

Conheça um pouco melhor as Mammas que preparam as iguarias da cozinha italiana.

AS “SUPERMAMMAS” DA 96ª FESTA DE SÃO VITO. MAS QUEM É ESSA BRAVA GENTE?

“MAMMAS DA SÃO VITO”, um pequeno grupo de senhoras entre os 70 e 90 anos que dedicaram e dedicam boa parte de suas vidas trabalhando na Associação Beneficente São Vito Mártir, organizadora da tradicional Festa de São Vito (que este ano completa 96 anos) preparando deliciosos pratos típicos.

Além da Festa, elas também cozinham para almoços, bingos, jantares. Algumas cumprem promessa por graças e milagres, outras dão continuidade à tradição herdada de seus pais, mas todas têm a consciência de que é preciso garantir a manutenção da Creche São Vito, com 100 crianças de 1 a 4 anos, em regime diário das 7h30 às 17h30 gratuitamente.

Mas a jornada dessas “supermammas” começa cedo em suas casas, cuidando de suas famílias, filhos e netos. Depois, seguem para a São Vito onde preparam as deliciosas comidas da Festa.

SERVIÇO:

96ª Festa® de São Vito
Data: 31 de maio a 6 de julho.
Horários: Noites de sábados, a partir das 20h00 até 00h30.Noites de domingo, a partir das 19h às 23h.

Música ao vivo e pista de dança:

Período de 31 de maio a 15 de junho – Com a Banda Italianíssima Brasil.
Período de 21 de junho a 6 de julho – Com a Banda ECE Som Itália.

Cantina:
Rua Fernandes Silva nº 96 – Brás, São Paulo, SP.
Capacidade para 480 cadeiras em mesas de 20 lugares numerados, com total visibilidade para o palco. É a única Festa Italiana no mundo que acontece em local coberto.
Custo do convite Individual:
Sábado R$ 60,00: com direito a 1 antepasto, 1 prato de macarrão spaghetti ou penne, 1 ficazzella, cadeira e mesa numeradas.
Domingo R$ 25,00: com direito a 1 prato de spaghetti ou penne, cadeira e mesa numeradas.

Praça de alimentação:
Rua Polignano A Mare nº 255 - Brás, São Paulo, SP.
Com mesas de apoio, espaço para mais de 3 mil pessoas por noite.
Entrada:
R$ 3,00 couver artístico. Crianças até 05 anos, acompanhadas dos pais têm entrada grátis.

Aceita todos os cartões de crédito.

Informações e reservas antecipadas:
Com Edméia ou Angela, somente através dos telefones: (11) 3227-8234, 3229-5678 e 3326.2957.

Acesse o site: www.associacaosaovito.com.br | festasaovito@uol.com.br, contato@associacaosaovito.com.br

“PARTICIPE! VOCÊ CONHECERÁ O CENTRO SOCIAL E A CRECHE QUE AJUDOU A CONSTRUIR E QUE ESTÁ AJUDANDO A MANTER”

Lisena Montanaro Carrieri, 77

Italiana e há mais de 35 anos trabalha na Festa. Natural de Polignano a Mare, na Puglia (pronuncia-se Pulhia), casou-se com Angelo Carrieri, filho de bareses, com quem teve 4 filhos (3 homens e 1 mulher). Devota fervorosa de São Vito, depois da cura das convulsões que seu filho Roberto, prometeu trabalhar na Festa, pilotando a Barraca do Macarrão, até o fim de sua vida.

Perdeu a conta de quantas toneladas de tomates para o molho (Ragú) ou de macarrão preparou nesses anos de Festa. Garantiu o trabalho também de seus 4 filhos, que: “não puderam estudar para ter mais oportunidade e aprender a cozinhar os pratos italianos deu estabilidade às suas famílias. Com fé e com força, espero fazer este trabalho – na São Vito e aqui em casa, até quando Deus permitir.”

Dois filhos – Paschoal e Marina - trabalham diariamente com Mamma Lisena, numa cozinha industrial montada em casa. De lá saem diversos produtos típicos vendidos em padarias italianas e restaurantes da cidade.

Luiza Montanaro Colella, 84

Irmã de Lisena e veio da Itália casada com Stefano Colella, com 2 filhos italianos. No Brasil, teve mais 2. Trabalha na Festa, há 35 anos, também pilotando a Barraca do Macarrão, mas depois da morte de seu esposo Luiza teve uma forte depressão, seguida de Síndrome do Pânico, de onde saiu apenas para cumprir a promessa feita a seu marido de levar suas cinzas ao mar Adriático da cidade natal de Polignano a Mare (na Puglia).

Voltou ao Brasil, diretamente para a Barraca do Macarrão, revigorada, alegre e cantante! E como toda Mamma, sua atividade vai muito além das prendas do lar. Também ensinou seu ofício para dar sustento a seus filhos e  netos, com quem produz e comercializa doces e pratos típicos de sua região, no mercado Central e padarias italianas da cidade.

Neide Peres Gravina, 72

Perdeu cedo sua mãe e foi criada “com muito amor” por seus avós, intensificando o sonho de ser uma supermãe, para os três filhos (2 homens e 1 mulher) que teve casando-se com o neto de italianos Modesto Gravina.

Os primeiros netos chegaram com a filha Olga. Léo e Marina foram criados pela Mamma Neide. Mas a rotina dos encontros festivos em sua casa só é quebrada quando se junta a outras Mammas voluntárias para pilotar as  panelas  e garantir as 100 crianças da Creche, ou como as chama “100 netos do coração”, sem descuidar de seus filhos e netos.

Como mãe, não posso deixar de ajudar essas crianças e, para não ficar longe da minha família, trouxe prá cá os meus filhos, nora, minha irmã e meus netos.Todos podemos fazer o bem, fico feliz de ser um exemplo para eles.”

Gina Labate Erriquez, 82

Há mais de 50 anos trabalha na Festa com seu esposo Luca Erriquez, 82, com um filho e nora. Nasceu e morou por 72 anos no Brás e saiu de lá para morar com o filho e a nora, mas garante “que é também a minha casa”. Sua história na Associação começou desde menina, ao lado dos pais, ajudando nas obras da igreja e trabalhando na Festa.

Foi assim que Mamma Gina conheceu seu marido Luca Erriquez, recém-chegado da Itália, com quem teve 3 filhos (2 homens, uma mulher). E foi ali que criou todos eles, em meio às panelas e à música. E todos trabalham juntos, mas em casa, “depois de cozinhar horas a fio na Associação, não perco o entusiasmo e a alegria em família, cozinhando para meus filhos e netos.” 

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*