Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital


Quarta-feira, 2 de setembro de 2015, às 12h41


Agência USP | por Júlio Bernardes

A partir de 29 de novembro, em Rio Verde (Goiás), começa o desligamento do sinal analógico de televisão aberta e a sua substituição pelo sinal do Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre (ISDB-t), processo conhecido como switch off. Os desafios de infraestrutura e de preparação de recursos humanos do Brasil para realizar o desligamento, previsto para ser concluído em 2018, são mostrados na tese de doutorado da jornalista Deisy Fernanda Feitosa, defendida na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP. Entre outros problemas, a pesquisa aponta o desconhecimento da população em relação à TV Digital (TVD), seus recursos de interatividade e do próprio processo de switch off.

 

Estudo indica desconhecimento da população em relação à TV Digital. Fotos: onitor LCD: Manu Mohan; monitor analógico: Bob Smith. Sobrefoto: aloart

Estudo indica desconhecimento da população em relação à TV Digital. Fotos: monitor LCD: Manu Mohan; monitor analógico: Bob Smith. Sobrefoto: aloart

 

A tese A televisão na era da convergência digital das mídias. Uma reflexão sobre a comunicação comunitária, orientada pelo professor Sérgio Bairon, da ECA, teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). A transmissão simultânea do sinal digital com o analógico no Brasil começou em 2007. A interrupção do sinal analógico de televisão terrestre (canais abertos) será realizada por etapas — em São Paulo está prevista para 15 de maio de 2016 — e deverá terminar em 2018. “Muitos desafios ainda devem ser superados, até em grandes cidades como São Paulo”, ressalta Deisy.

“A pesquisa identificou problemas como o desconhecimento da população em relação à TVD, à interatividade e ao desligamento, independentemente do segmento social. As pessoas ainda confundem o conceito de transmissão digital terrestre (gratuita) com o de transmissão digital a cabo e satélite (paga)”, acrescenta a pesquisadora, que aponta a ausência no mercado de conversores digitais com o Middleware Ginga e o alto custo de televisores digitais e conversores. O Ginga é o sistema operacional do ISDB-Tb, que permite, por meio de aplicativos, a troca de informações do telespectador com a emissora de televisão, por meio de áudio, vídeo ou dados (interatividade).

Deisy assinala ainda o pouco conhecimento por parte dos próprios distribuidores e vendedores sobre a tecnologia de TVD ofertada e repassada ao cliente. “No Reino Unido, que desligou o sinal analógico em 2012, eles receberam treinamento sobre o funcionamento do sistema, sobre como melhor orientar as pessoas acerca do processo de transição e sobre a utilização do equipamento digital”, informa a pesquisadora.

Apagão Analógico

A ausência de políticas informativas adequadas e direcionadas sobre o “apagão analógico”, nos anos que o precederam no Brasil, também é destacada pela pesquisadora. O estudo analisou a transição para o sinal digital no Reino Unido e na Itália (que realizaram o switch off em 2012). “Os dois países optaram por uma forma de atuação local, por intermédio de uma força-tarefa formada por várias representações (governos, indústria, sociedade civil e radiodifusores), para divulgar a transição e dar suporte às famílias”, afirma.

De acordo com Deisy, especialistas apontam que entre as recomendações para um “apagão analógico” bem-sucedido, está a necessidade de que as mensagens de conscientização divulgadas sejam claras e tenham formatos direcionados a diferentes perfis de público. “O modo humanizado pelo qual o Reino Unido conduziu a transição no tocante aos idosos, às comunidades de cidadãos estrangeiros e às pessoas com deficiência pode servir de exemplo para o Brasil”, destaca. “Mais do que a simples troca de sistema, foram estabelecidas estratégias para gerar laços de confiança e solidariedade entre os colaboradores e as famílias, a começar pelo trabalho dos antenistas”.

Em parceria com o Intermídia Cidadã, grupo de jovens da periferia da zona leste de São Paulo ligado à Fundação Tide Setubal, a pesquisadora elaborou a proposta do aplicativo “Cidade Adentro”, apresentado na tese como um recurso a ser implementado no Ginga e para celulares. Ele leva em conta os artigos 12 e 13 do Decreto 5.820/2006, que implanta o ISDB-t e estabelece a criação de quatro canais digitais de serviço, entre os quais o da Cidadania, destinado à transmissão de programações das comunidades locais. “A proposta do aplicativo é fortalecer e qualificar a participação comunitária nos processos de pensar a cidade e os seus espaços geográficos. Seus recursos foram criados visando provocar o ativismo e o monitoramento social”, ressalta.

Segundo Deisy, o switch off é uma oportunidade de trazer a televisão para mais perto do cidadão e das suas necessidades e transformá-la em uma ferramenta política, de monitoramento social e curadoria. “Em nome da própria sobrevivência e credibilidade, os canais tradicionais de televisão aberta, principalmente as TVs públicas, devem começar a se inserir neste processo de envolvimento e sentimento coletivo de participação e intervenção, como parte do tripé Assistir/Olhar, Participar e Intervir”, conclui.

Três condições foram simuladas nos ensaios experimentais e nos computacionais. A primeira contemplou a situação atual da região, somente com os prédios existentes... Foto: IPT / Divulgação

Túnel de vento do IPT: Três condições foram simuladas nos ensaios experimentais e nos computacionais para estudos sobre edifícios no Tatuapé. Foto: IPT / Divulgação

Leia mais sobre
TECNOLOGIA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*