CPI da Petrobras: Venina diz que foi perseguida e ameaçada

Quinta-feira, 24 de setembro de 2015, às 06h10

 

Operação Lava Jato que investiga o escândalo de corrupção conhecido como Petrolão. Ilustração: aloart

Operação Lava Jato que investiga o escândalo de corrupção conhecido como Petrolão. Ilustração: aloart

A ex-gerente da área de Abastecimento da Petrobras Venina Velosa da Fonseca disse ter sido afastada das funções e ficado seis meses sem nenhuma atribuição na empresa, em uma sala sem computador, depois de fazer as denúncias a respeito de irregularidades na empresa. Ela também disse ter sido “exilada”, ao ser transferida para o escritório da empresa em Cingapura.

Agência Câmara de Notícias

Ao prestar depoimento à CPI da Petrobras, ela disse que o mesmo aconteceu com o então gerente jurídico da estatal Fernando de Castro Sá, que apontou a interferência das empresas contratadas pela Petrobras na elaboração dos contratos, e também perdeu a função.

Sá, em depoimento à CPI, disse que foi perseguido depois de denunciar a interferência de uma entidade ligada às empreiteiras, a Associação Brasileira de Montagem Industrial (Abemi), nos contratos da Petrobras.

 

Venina Velosa disse que foi 'exilada' em Cingapura, depois de fazer denúncias a respeito de irregularidades na Petrobras. Foto: Luis Macedo - Câmara dos Deputados

Venina Velosa disse que foi 'exilada' em Cingapura, depois de fazer denúncias a respeito de irregularidades na Petrobras. Foto: Luis Macedo - Câmara dos Deputados

 

Ministério Público

À CPI, Venina admitiu que resolveu procurar o Ministério Público e denunciar irregularidades na estatal depois de ter sido afastada da gerência do escritório da empresa em Cingapura.

Ela gerenciou o escritório da companhia em Cingapura durante cerca de dois anos. “Em 2014, fui comunicada pela imprensa que não era mais gerente. Quando voltei ao Brasil, a primeira coisa que fiz foi ir ao Ministério Público, e disse o que sabia”, relatou.

Ameaças

Ela disse ainda, ao responder pergunta do deputado Ivan Valente (Psol-SP), ter sido ameaçada depois de denunciar irregularidades na estatal.

“Eu moro no (bairro do) Flamengo, no Rio, e tinha ido visitar uma amiga no (bairro) Catete. Quando saí de lá, por volta de 21h, numa rua escura, duas pessoas se aproximaram de mim e gritaram e praticamente repetiram ameaças que eu já tinha recebido por telefone”, disse.

Segundo Venina, as pessoas “disseram que aquilo tudo era muito grande, que tinha gente poderosa envolvida e que eu ia me dar mal”, afirmou.

“Mas a senhora registrou a ocorrência?”, perguntou o deputado.

“Não, eu estava muito assustada. Não registrei”, disse.

Questionamento

Durante o depoimento, Venina foi questionada a respeito da contratação, pela Petrobras, de uma empresa de seu ex-marido.

Ela admitiu que assinou, como representante da Petrobras, contratos com a empresa Salvaterra Consultoria e Engenharia ltda, que pertencia a seu ex-marido, Maurício Luz. “A senhora não acha que há um conflito de interesses nessa contratação?”, perguntou o deputado Aluisio Mendes (PSDC-MA).

Ela respondeu que os contratos foram firmados antes do início do relacionamento dela com o empresário. Venina e Luz foram casados entre 2007 e 2013, segundo a ex-gerente.

Cingapura

Ela também teve que explicar a retaliação que afirmou ter sofrido ao fazer denúncias. O relator da CPI da Petrobras, deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), questionou o fato de ela classificar sua transferência para Cingapura como uma punição.

“Como a senhora pode afirmar que foi exilada em Cingapura, com um salário de 60 mil dólares por mês, o equivalente [em valores atuais] a R$ 240 mil mensais?”, perguntou o deputado.

A ex-gerente disse que essa quantia embutia auxílio-moradia e outros benefícios. “O aluguel em Cingapura era caríssimo”, respondeu. Ela acrescentou que não pediu para ir para Cingapura e que suas duas filhas pequenas sofreram muito com a saída do Brasil.

O deputado Leo de Brito (PT-AC) também questionou a ex-gerente. Ele leu trecho de um depoimento em que a ex-presidente da Petrobras, Graça Foster, afirma que Venina pediu para ir para Cingapura. “Ela está mentindo?”, perguntou o deputado.

“Acho que nesse trecho ela não falou a verdade”, respondeu a depoente.

Próximos depoimentos

Nesta quinta-feira (24), a CPI da Petrobras vai ouvir os depoimentos de três executivos da Petrobras: Gustavo Freitas, Vitor Tiago Lacerda e Marcos Guedes Gomes Morais.

Na semana que vem (29), serão ouvidos os empresários Daniel e David Feffer, ex-controladores da empresa Suzano Petroquímica, comprada pela Petrobras em 2007.

Eles tinham pedido o adiamento do depoimento, em função de um feriado judaico, mas o pedido foi indeferido pelo presidente em exercício da CPI, deputado Antonio Imbassahy (PSDB-BA).

Segundo investigações da Operação Lava Jato, a petroquímica Suzano foi adquirida pela Petrobras por duas vezes o valor de mercado da empresa.

Reportagem de Antonio Vital
Venina Velosa, ex-gerente da Petrobras, disse que o ex-presidente da estatal José Sérgio Gabrielli foi conivente com as irregularidades. Foto: Luis Macedo - Câmara dos Deputados

Venina Velosa, ex-gerente da Petrobras, disse que o ex-presidente da estatal José Sérgio Gabrielli foi conivente com as irregularidades. Foto: Luis Macedo - Câmara dos Deputados

Leia mais sobre
POLÍTICA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*