Gavião-real, o Uiruuetê

O Uiruuetê e sua envergadura de 2 metros e meio. Foto: Wikipedia

Gavião-real, no Parque das Aves, Foz do Iguaçu. Foto: Wikipedia

Gavião-real (Harpia harpyja), no zoológico da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, Brasil. Autor: Marcelo Hidalgo

Uiruuetê: Verdadeiramente uma grande ave, como dizem os índios em Tupi. Foto: Wikipedia


Publicado em 24 de outubro de 2013

 

Uma das maiores aves de rapina do mundo.

Quando os Europeus chegaram às terras recém-descobertas da América depararam-se com paisagens, sons e animais totalmente estranhos aos seus olhos. Aos mais letrados, talvez fossem conhecidas algumas aves, desenhadas ou pintadas por artistas enviados pelos reis da Europa para retratar seus novos domínios. Os sons ou uivos emitidos pelos grupos dos macacos Bugios, que podem ser ouvidos a 5 Km de distância, causava terror aos marinheiros que aportavam em algumas regiões da costa do Brasil e América Central.

Cachoeiras, pássaros coloridos, insetos a lhes atormentar, os aventureiros também observaram um grande e feroz caçador, a altura das maiores aves de rapina da Europa. Usando uma alusão, como em outras denominações que fizeram para suas descobertas no Novo Mundo, o chamaram de Harpia; aludindo às mitológicas criaturas representadas por aves de rapina com rosto e seios de mulher.

Os índios, conhecendo-o muito melhor, o chamam de Uiruuetê (do tupi e’tê = verdadeiro; uiraçu = ave grande). A ciência estudou melhor ainda essa espécie da família das águias e o chama de Gavião-real ou Gavião-de-penacho, devido às penas que o poderoso animal ostenta no alto da cabeça. O Uiruuetê é a mais pesadas das aves de rapina chegando aos 10 quilos e suas majestosas asas se abrem para o vôo de extrema agilidade numa envergadura de 2 metros e meio. Na extremidade dos dedos fortes surgem garras mais compridas do que as de um urso-cinzento, capazes de levantar um carneiro do chão.

O gavião-real pode chegar aos 90 centímetros de altura e assim como as corujas, possui penas no entorno da cabeça para focar ondas sonoras, o que melhora sua audição nas acrobáticas investidas que faz em meio às árvores das florestas tropicais em busca de de seus alimentos, compostos de outras aves, roedores, preguiças e também presas maiores como os macacos bugios.

Esta pequena reportagem tem o intuito de despertar cada vez mais o interesse pela preservação dos ambientes e das florestas brasileiras, onde vivem animais maravilhosos como os Uiruuetês.

Fontes de pesquisas: Wikipedia.
alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*