Gaza: o eterno conflito

Gaza - Exército israelense continua a ofensiva por terra para desarticular os túneis do Hamas dentro do território Palestino. Foto: Israel Defense Forces | 31/07/2014

Gaza - Exército israelense continua a ofensiva por terra para desarticular os túneis do Hamas dentro do território Palestino. Foto: Israel Defense Forces | 31/07/2014

Gaza - Exército israelense continua a ofensiva por terra para desarticular os túneis do Hamas dentro do território Palestino. Foto: Israel Defense Forces | 31/07/2014

Sábado, 2 de agosto de 2014 às 10h02


ONU condena violação de cessar-fogo em Gaza e pede libertação de soldado.

Nova York | Agência Lusa – O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, condenou ontem (1º) a violação do cessar-fogo em Gaza e pediu a libertação imediata do soldado israelense, que teria sido capturado em território palestino.

Em uma declaração lida pelo seu porta-voz, o secretário-geral destacou que a ONU não pode confirmar de forma independente os fatos registrados desde o início da manhã de ontem, mas manifestou-se “profundamente decepcionado” e assegurou que os últimos acontecimentos suscitam dúvidas sobre a credibilidade das garantias fornecidas às Nações Unidas pelo movimento islâmico Hamas.

Ban também mostrou-se “muito preocupado” pelo reinício dos ataques israelenses durante a manhã, que segundo ele, já provocaram a morte de mais 70 palestinos.

O gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, acusou o Hamas e outros grupos militantes de “violação flagrante do cessar-fogo”.

O porta-voz do Hamas respondeu ao considerar “ter sido a ocupação israelense a violar o cessar-fogo. A resistência palestina atuou com base no direito à autodefesa”.

As Nações Unidas têm apelado a um cessar-fogo humanitário. O conflito já provocou mais de 1.500 mortos do lado palestino, a maioria civis, e de 63 soldados israelenses e três civis.

O porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza, Ashraf al Qedra, declarou que a primeira violação do cessar-fogo humanitário de 72 horas, mediado pela ONU, foi efetuada pelo exército de Israel após a sua artilharia bombardear Rafah, junto à fronteira com o Egito.

Por sua vez, Israel informou que dois dos seus soldados foram mortos em combate e um terceiro poderá ter sido capturado pelas milícias armadas e acusou o movimento islâmico Hamas, que controla Gaza, de aproveitar o cessar-fogo para atacar as tropas.

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*