HU pode ser desvinculado da USP

Sexta-feira, 22 de agosto de 2014 às 17h28
A USP vive momentos difíceis e a notícia divulgada agora pouco pela assessoria do Hospital Universitário e mais um fator de agravamento da crise na ainda mais prestigiada universidade do país. No entanto, devido aos inúmeros conflitos, já perdeu várias posições no ranking das instituições de ensino internacionais. Leia abaixo, a nota enviada à imprensa.

Desvinculação do Hospital Universitário da USP: risco de um erro irreparável que merece uma pausa para reflexão.

No momento em que se discute a crise orçamentária da USP, o Hospital Universitário da USP está sob a mira da sua desvinculação da Universidade, sem a devida análise e considerações de seus valores e missão.

 

 

Fachada do Hospital Universitário. Foto: Marcos Santos / USP Imagens

Fachada do Hospital Universitário. Foto: Marcos Santos / USP Imagens

 

Desde 1989, ano em que a USP conquistou a autonomia universitária, o Hospital Universitário da USP recebe 8% da verba destinada a Universidade de São Paulo proveniente do Governo do Estado, valor relativo que não foi modificado ao longo desses 25 anos (7.9% em 2013). Mudanças expressivas ocorreram sim, como o aumento do interesse no HU-USP como cenário para o ensino, assistência e pesquisa no âmbito de um hospital secundário, acompanhando o crescimento da Universidade. O Hospital das Clínicas, que outrora fora o único hospital escola da FMUSP, progressivamente foi cedendo lugar e dividindo a carga didática com o HU-USP, ficando o HC com a especialização médica enquanto o HU-USP com o ensino das áreas básicas da medicina. Atualmente o HU-USP é utilizado como plataforma de ensino para sete unidades da USP ministrarem seus cursos de graduação, pós-graduação e aperfeiçoamento, além de receber alunos estrangeiros através dos Programas de Cooperação Internacional. Uma característica diferencial do Hospital é possibilitar o ensino baseado numa abordagem multidisciplinar integrando todas as áreas da saúde num mesmo ambiente, proporcionando a integralidade da assistência e do ensino da mesma nesses moldes.

O HU-USP recebe anualmente 2.430 alunos entre graduandos e pós-graduandos que tem sua formação conduzida por profissionais de alta qualidade, dos quais mais de 50% possuem titulação acadêmica (mestrado, doutorado e livre-docência), que atuam como professores, além de praticar assistência e pesquisa, possibilitando aproximação entre a teoria e prática. A título de exemplo, dentro do currículo do Curso de Graduação de Medicina 40% do estágio hospitalar é realizado no Hospital Universitário da USP, perfazendo o numero 332.070 horas/aulas por ano. A Escola de Enfermagem da USP mantém anualmente mais de 250 alunos realizando estágios na dependência do Hospital Universitário da USP que chegam a permanecer no campus 70% de sua carga horária. A pós-graduação conta com 4 programas de Residência de Enfermagem, onde são realizadas 8.448 horas/mês de estágio prático clínico. Na avaliação de 98% dos estagiários, o HU – USP atende plenamente as expectativas de estudantes e professores. O Departamento de Farmácia e Laboratório Clínico (DFLC), no período de janeiro a julho de 2014, teve cerca de 100 alunos (29.044 horas/aula) entre graduação/extensão universitária, incluindo farmacêuticos da rede municipal de saúde. A Divisão de Laboratório Clínico do HU-USP treinou 44 profissionais da saúde em programas associados a Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa).

Segundo pesquisa de satisfação de alunos da DFLC realizada em 2014, 91% classificaram as atividades de ensino como ótimas. Em 2013, a Divisão de Nutrição e Dietética do HU-USP ofereceu 713.700 horas/aula, o que corresponde a 25% dos estágios curriculares, além de aulas teóricas e práticas do curso de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da USP.

O Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiolagia e Terapia Ocupacional da Faculdade de Medicina da USP em 2013 manteve 37 alunos de graduação/pós-graduação na área de Fisioterapia (25.000 horas aulas/graduação), 14 alunos de Fonoaudiolagia (23.000 horas aulas), 15 alunos de Terapia Ocupacional (25.000 horas aulas) dentro das dependências do Hospital Universitário da USP. A Divisão de Odontologia, em 2013, recebeu 51 alunos, totalizando 18.614 horas aula.

O HU-USP é considerado um hospital de ensino de excelência, tendo recebido do Centro de Desenvolvimento de Ensino Médico (CEDEM) 95% de ótimo e bom nas últimas cinco avaliações.
Cumprindo seu papel assistencial e social, o HU-USP atende a população do subdistrito do Butantã (500 mil habitantes) e Comunidade USP, sendo o hospital de referência da região Oeste da cidade de São Paulo, tendo realizado em 2013 cerca de 282.000 atendimentos de emergência, 12.000 consultas ambulatoriais/mês (60% são funcionários e dependentes USP), 13.000 internações, 400 cirurgias/mês, 3.543 partos, 140.000 exames de imagem e 965.000 exames laboratoriais.

No momento atual, onde o orçamento de todas as unidades da USP está sendo reavaliado por orientação da Reitoria, salientamos que já vinham sendo tomadas medidas internas no HU-USP para redução de gastos, obtendo-se um decréscimo de 20% nos custos materiais ao longo dos últimos 4 anos.

Lembramos que a política salarial dos funcionários do HU-USP, assim como de todos os funcionários da USP, sempre foi determinada pela Reitoria, não nos diferenciando em nada também nos planos de carreira adotados sob essa orientação. Mas, vale ressaltar que somos unidade diferenciada no que se refere a jornada de trabalho, já que mantemos o funcionamento do hospital, tanto na assistência quanto no ensino, 24 horas por dia, 365 dias por ano.

A desvinculação do HU-USP irá despatrimoniar parte da USP, o hospital perderá autonomia na diretriz de ensino e correrá o risco desse não ser mais o foco já que poderá ficar a mercê da política de saúde da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, que atualmente se depara com a falência do sistema público. Será impossível manter excelência em ensino após troca de equipes a preços de funcionários SUS. O Superintendente não será mais uma escolha do Reitor, mas sim do Governador do Estado vinculado ao Secretário da Saúde. A comunidade USP que hoje já encontra dificuldade na assistência médica frente à alta demanda que existe na região devido à inexistência de outro equipamento hospitalar próximo, ficará mais vulnerável.

Durante recente avaliação, realizada por assessor do Reitor, o HU-USP foi qualificado como ineficiente e ultrapassado, interpretação errônea fruto de uma avaliação parcial realizada em visita de quatro horas à nossa unidade em meio ao surto de dengue que recentemente atingiu especificamente a região do Butantã.

Nossa visão é frontalmente contrária a essa avaliação divulgada pela Reitoria e, portanto, nos dirigimos aos senhores Diretores de Unidades e aos representantes no Conselho Universitário para que possamos abrir espaço para discutir profundamente o papel científico-acadêmico do Hospital Universitário da USP. Pedimos a retirada desse item da proposta de recuperação da Universidade até que seja feita uma nova análise dos dados de maneira isenta que permita uma tomada de decisão de forma madura e não intempestiva.

 

Prof. Dr. José Pinhata Otoch
Diretor do Departamento Médico do HU-USP

Profª Dra. Heloisa Helena Ciqueto Peres
Chefe Técnico do Departamento de Enfermagem do HU-USP

Profª Eliana Ribeiro
Chefe Técnico do Departamento de Farmácia e Laboratório Clínico do HU-USP

Profª Nágila Raquel Teixeira Damasceno
Chefe da Divisão de Nutrição e Dietética do HU-USP

Prof. José Benedito Dias Lemos
Chefe da Divisão de Odontologia do HU-USP

Dra. Alexandra Siqueira Colombo
Chefe Serviço de Fonoaudiologia, Fisioterapia e Terapia Ocupacional do HU-USP

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*