Impeachment: sem consenso, mesa decide que senadores falarão 15 minutos


Quarta-feira, 11 de maio de 2016 às 17h39


Após receber requerimento, sem obter consenso do plenário, presidente do Senado é obrigado a continuar seguindo o regimento que determina 15 minutos para que cada senador se manifeste na tribuna. Sessão pode terminar na manhã de quinta-feira.

Gerson Soares

Sob os aplausos dos principais defensores do governo no Senado, que no momento da decisão do presidente sobre a falta de consenso mais pareciam um grupo isolado de alunos que acabara de ganhar um prêmio do professor pela sua (falta de) competência, o presidente da sessão extraordinária senador Renan Calheiros (PMDB-PB) teve de negar a solicitação do senador Valdir Raupp (PMDB-RO) que solicitava a redução do tempo de 15 para 5 ou 10 minutos na tribuna. “Ainda faltam 53 para falar, vamos amanhecer o dia aqui”, calculou Raupp (assista ao vivo).

 

Plenário do Senado durante sessão deliberativa extraordinária  que decidirá pela aprovação ou rejeição do relatório favorável à admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), relator do processo no Senado, à bancada, com a Constituição sobre a mesa. Foto: Pedro França/Agência Senado

Plenário do Senado durante sessão deliberativa extraordinária que decidirá pela aprovação ou rejeição do relatório favorável à admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), relator do processo no Senado, à bancada, com a Constituição sobre a mesa. Foto: Pedro França/Agência Senado

 

O líder do PT, senador Humberto Costa (PT-PE) disse que a bancada não concordava com a redução e por isso não houve consenso. “Eu serei um dos últimos a falar porque me inscrevi no final para ouvir todos antes de me pronunciar em 15 minutos e por isso não concordo com a redução do tempo”, reclamou.

A incompetência do governo petista e seus aliados, que levaram o Brasil à pior derrocada de sua história, se repete em todas as sessões desde que o principal aliado do governo, o PMDB, decidiu desembarcar da nau sem rumo petista. Ao início da possibilidade de que haveria abertura do processo na Câmara dos Deputados até o andamento do impeachment na Comissão Especial da Câmara, aos poucos promoveu a dissolução de suas alianças e os deixou quase isolados. Muitos dos que estiveram lado a lado, agora se estranham no plenário do Senado.

Até agora 18 senadores se manifestaram e a sessão deve se estender por toda a madrugada de quinta-feira, a não ser que novos requerimentos sejam enviados à mesa. “Nós vamos decidir hoje sobre o impeachment”, afirmou Renan. Às 17h06, faltando 50 inscritos para falar, a sessão ainda deve perdurar por aproximadamente 12 horas e meia.

Segundo especulações em Brasília, a presidente Dilma estaria sendo orientada a não assinar a notificação que receberá do Senado nesta quinta-feira (12) – que a seguir as expectativas deve citar o seu afastamento do cargo da presidência. O motivo torpe, seria levar o vice-presidente Michel Temer assumir na sexta-feira 13, considerado um dia de mau presságio para os supersticiosos.

Interessante é notar que o número de registro do Partido dos Trabalhadores é o mesmo. Portanto, no trocadilho de datas ficam muitas opções, uma delas é de um novo governo ter início justamente no dia que lembra o fim da era petista e do seu próprio número, o 13. Talvez, uma peça da “numerologia política” contra um dos piores governos que já esteve à frente do país, acusado de promover o maior desvio de dinheiro público e corrupção, fatores principais que levaram o povo às ruas, provocando o processo de impeachment.

Ilustração/sobrefotos: aloart

Ilustração/sobrefotos: aloart

Leia mais sobre
POLÍTICA

 

Presidente Dilma Rousseff durante encontro com Mulheres em Defesa da Democracia. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Presidente Dilma Rousseff durante encontro com Mulheres em Defesa da Democracia. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

Leia mais sobre
ALÔ BRASIL

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*