IPT participa da 3ª Conferência sobre poluição sonora na CMSP


Segunda-feira, 2 de maio de 2016 às 16h39


Dedicado ao assunto há quatro décadas, o IPT participou da 3ª Conferência Municipal sobre Ruído, Vibração e Perturbação Sonora trazendo esse conhecimento para fortalecer a importância de as autoridades brasileiras tomarem as rédeas da questão que também pode ser considerada primordial para a saúde humana.

Gerson Soares

O físico Marcelo de Mello Aquilino, ligado ao Laboratório de Conforto Ambiental e Sustentabilidade dos Edifícios do Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT) participou como debatedor do Painel 2 da conferência realizada nesta quinta-feira (28) na Câmara Municipal de São Paulo e falou do mapeamento feito numa mesma região nos anos de 1978 e em 2010, concluindo que o barulho na cidade é antigo, já que na região pesquisada, entre uma data e outra, ele não foi alterado substancialmente.

 

Debatedores do Painel 2 Mobilidade, Ruído e Vibração da 3ª Conferência Municipal sobre Ruído, Vibração e Perturbação Sonora, à esquerda o físico Marcelo de Mello Aquilino e os demais debatedores: André Forcetto, mestre em Ambiente, Saúde e Sustentabilidade pela USP e tecnólogo em Mecânica pela FATEC-SP, atuando na área de Homologação de Veículos pela CETESB, desde 2011; o moderador Marcos Holtz, arquiteto e urbanista, mestre em Acústica pela FAU USP, coordenador do Comitê Acústica Ambiental da Associação Brasileira para a Qualidade Acústica - ProAcústica e sócio-dretor da Harmonia Acústica e Victor Bécard, engenheiro mecânico especialista em Acústica e Vibração pela ENSIM (França) e titular de mestra em acústica pela Universidade do Maine (França), pós-graduado em acústica ambiental e de edifícios na POLI USP.

Debatedores do Painel 2 Mobilidade, Ruído e Vibração da 3ª Conferência Municipal sobre Ruído, Vibração e Perturbação Sonora, à esquerda o físico Marcelo de Mello Aquilino e os demais debatedores: André Forcetto, mestre em Ambiente, Saúde e Sustentabilidade pela USP e tecnólogo em Mecânica pela FATEC-SP, atuando na área de Homologação de Veículos pela CETESB, desde 2011; o moderador Marcos Holtz, arquiteto e urbanista, mestre em Acústica pela FAU USP, coordenador do Comitê Acústica Ambiental da Associação Brasileira para a Qualidade Acústica - ProAcústica e sócio-dretor da Harmonia Acústica e Victor Bécard, engenheiro mecânico especialista em Acústica e Vibração pela ENSIM (França) e titular de mestra em acústica pela Universidade do Maine (França), pós-graduado em acústica ambiental e de edifícios na POLI USP.

 

“O IPT trabalha com acústica há 42 anos e eu tenho acompanhado o ruído como um todo há 30 anos. Faço um trabalho de epidemiologia acústica, por que ela passou a ser um problema de saúde pública que não acarreta só problemas cardíacos e o diabetes, mas principalmente o psicológico”, alertou Aquilino. “Nós temos que atuar em todas as frentes para fiscalizar os ruídos e dar subsídios às autoridades”, falou com ênfase.

O especialista disse que faz medições na cidade e que implicitamente a esse trabalho técnico ele precisa ouvir as pessoas. “Quem está envolvido com esse tipo de problema quer desabafar, por para fora e sente a necessidade de falar do assunto”. Aquilino elogiou o Projeto de Lei (PL) 75/2013, que dispõe sobre o Mapa do Ruído Urbano, de autoria dos vereadores Andrea Matarazzo (PSD) e Aurélio Nomura (PSDB).


 

Leia mais sobre este assunto:
– Poluição sonora no Tatuapé
– Conferência na CMSP alerta para perigos da poluição sonora
– Poluição sonora em São Paulo será tema de conferência


Uma das questões levantadas foi quanto aos escapamentos da motocicletas, ventilação dos ônibus entre outros ruídos que poluem a cidade e como podem ser mensurados através do Sonômetro – aparelho que faz a medição dos decibéis. “Essa questão é importante porque está na sobreposição de todos os ruídos e é preciso ter em mente o seguinte: a cada 3 decibéis (dB) percebidos estamos falando no dobro dessa sensação que só é sentida a partir de 10 dB”.

O Alô Tatuapé questionou sobre o ruído de sirene emitida pelos chamados seguranças noturnos que circulam de moto em pontos isolados da cidade emitindo sons parecidos com os utilizados pelas viaturas das autoridades policiais durante todo período noturno, inclusive na madrugada. Nossa pergunta foi como seria possível medir os malefícios que esse tipo de atividade acarreta.

 

Vítimas “da poluição sonora” em horário nobre: a imagem que mostra os ruídos da TV, também serve para ilustrar a situação dos nervos em frangalhos em que vivem as pessoas assoladas pela poluição sonora. Ilustração de D-GRRR via Wikicommons

Vítimas “da poluição sonora” em horário nobre: a imagem que mostra os ruídos da TV, também serve para ilustrar a situação dos nervos em frangalhos em que vivem as pessoas assoladas pela poluição sonora. Ilustração de D-GRRR via Wikicommons

 

“Os ruídos de sirene a noite dentro das casas, acordam as pessoas, porque chamam a atenção. A norma NBR 10151 esclarece sobre o assunto e estabelece os métodos de medição. Essa norma está sendo revisada pela ABNT”, esclareceu Marcelo de Mello Aquilino.


Leia a NBR 10151


De acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) a NBR 10151 determina que para o período noturno o Nível de Critério de Avaliação (NCA) tolerado em áreas residenciais, de hospitais ou escolas é de 40 dB durante o dia e 45 dB à noite, neste caso é o equivalente a uma conversação em tom moderado (veja o gráfico). As Normas Brasileiras, são elaboradas por Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, como consumidores, universidades e laboratórios, entre outros. Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades, independente da existência de reclamações.

Quanto ao ruído emitido pelas sirenes dos vigilantes noturnos, pergunta levada pelo Alô Tatuapé à 3ª Conferência Municipal sobre Ruído, Vibração e Perturbação Sonora, veja também os gráficos abaixo, elaborados pela Megaclima, que podem ajudar a elucidar os cidadãos e subsidiar as autoridades quanto à fornecer permissão para que esse tipo de serviço continue existindo da forma como vem sendo exercido na cidade de São Paulo e na área pesquisada do Tatuapé. Observando o gráfico e comparando com o vídeo, é possível detectar facilmente que a sirene acionada ao fundo supera o nível moderado de ruídos.

 

Fonte: Megaclima

Fonte: Megaclima

 

Portanto, é possível concluir que esse tipo de poluição sonora, o de sirenes noturnas dos seguranças, afetará de alguma maneira a vida e a saúde das comunidades onde é praticado, superando sobremaneira o nível estipulado por lei e inadequado tanto ao horário noturno quanto ao diurno.

Segurança noturno passa de moto durante toda a noite e madrugada tocando uma sirene. A sensação é de ameaça e intranquilidade noturna. O perigo está na poluição sonora que esse tipo de prestação de serviço vem causando à partir da adoção de sirenes ou quaisquer aparelhos sonoros que interferiam no sono; e às doenças que podem expor a população onde são exercidos no momento mais importante para o descanso, segundo especialistas. A medição (mostrada ilustrativamente na imagem)é possível de ser feita com total precisão. O gráfico que consta nesta página pode dar uma ideia do volume permitido por lei. Fotoframe: aloimage com foto ilustrativa de Kerry Raimond via Wikicommons

Segurança noturno passa de moto durante toda a noite e madrugada tocando uma sirene. A sensação é de ameaça e intranquilidade noturna. O perigo está na poluição sonora que esse tipo de prestação de serviço vem causando à partir da adoção de sirenes ou quaisquer aparelhos sonoros que interferiam no sono; e às doenças que podem expor a população onde são exercidos no momento mais importante para o descanso, segundo especialistas. A medição (mostrada ilustrativamente na imagem) é possível de ser feita com total precisão. O gráfico que consta nesta página pode dar uma ideia do volume permitido por lei. Fotoframe: aloimage com foto ilustrativa de Kerry Raimond via Wikicommons

Leia mais sobre
ALÔ SÃO PAULO

 

Vítimas “da poluição sonora” em horário nobre: a imagem que mostra os ruídos da TV, também serve para ilustrar a situação dos nervos em frangalhos em que vivem as pessoas assoladas pela poluição sonora. Ilustração de D-GRRR via Wikicommons

Vítimas “da poluição sonora” em horário nobre: a imagem que mostra os ruídos da TV, também serve para ilustrar a situação dos nervos em frangalhos em que vivem as pessoas assoladas pela poluição sonora. Ilustração de D-GRRR via Wikicommons

Leia mais sobre
SAÚDE

 

Aparelho para medição de ruídos e cidadão perturbado com o excesso de barulhos. Fotomontagem ilustrativa: aloart / Sobrefotos: Getty Images

Aparelho para medição de ruídos e cidadão perturbado com o excesso de barulhos. Fotomontagem ilustrativa: aloart / Sobrefotos: Getty Images

Leia mais sobre
TATUAPÉ

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce
Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d
Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia
Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo
Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar
Animação sobre a prevenção do câncer de mama
  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

  • Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce

  • Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d

  • Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia

  • Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo

  • Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar

  • Animação sobre a prevenção do câncer de mama

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*