Legal ou ilegal? Moral ou imoral? O impeachment agora é internacional


Sábado, 26 de março de 2016 às 15h37


A presidente Dilma Roussef convocou a imprensa internacional na última quinta-feira (24), para dizer que o impeachment é ilegal e que está sendo vítima de um golpe. Afinal, o que é legal?

Gerson Soares

A palavra tem duplo sentido. Legal pode ser aquela pessoa bacana, um presente, uma peça teatral. As coisas agradáveis são legais. Por exemplo, um país onde a fartura e a riqueza estejam na terra e na natureza, como o Brasil, onde as pessoas sejam felizes e possam cuidar do seu futuro tranquilamente, é legal. Ser saudável também é legal, e para isso é preciso ter assistência médica sempre que precisar e for necessário. Educação pública universal de boa qualidade, com professores motivados, formata o crescimento de uma nação, isso é legal. Ver as riquezas distribuídas aos cidadãos e as ciências incentivadas num país, é muito legal.

 

Presidente Dilma Rousseff durante entrevista para veículos da imprensa internacional. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR. Sobrefoto: aloart

Presidente Dilma Rousseff durante entrevista para veículos da imprensa internacional. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR. Sobrefoto: aloart

 

Por outro lado, a mesma palavra designa tudo aquilo que não seja ilegal, algo ilícito e até determinados atos espúrios que só têm a aparência legal. Por exemplo, aceitar dinheiro de propina para financiar campanhas milionárias é ilegal ou deveria ser. Levar a corrupção a outros países e internacionalizar a podridão que existe na política brasileira, deve ser ilegal – somente o péssimo exemplo, já seria suficiente para ser assim considerado. Continuar deixando um país se dissolver, diante de tantas irresponsabilidades para com a população e enganar aqueles que na sua inocência acreditam seja a atual forma de governar a correta, também não é legal, já que incorre no crime de lesa-pátria. Na legalidade, está a Constituição Brasileira e a sua obediência, na mais ampla concepção.

É inacreditável ter de provar a cada dia uma fruta podre para dizer que está estragada e cheia de bichos. Isso é o que está acontecendo no Brasil. Todos os dias, assistimos às mais absurdas cenas pela legalidade, daqueles que tiveram a oportunidade para transformar a pobreza com inteligência e honestidade. Não é preciso exaltar as qualidades de tenacidade e persistência aos pobres, eles já as possuem, são fortes. Discursos não os fazem assim. Ações benéficas é que trarão um futuro melhor. O atual governo, após 12 anos e três meses – se juntarmos o período de Lula (que continua mandando) e Dilma – não só está propagando novamente a pobreza, mas acabando com as riquezas. No entanto, para que isso seja ilegal é preciso provar. E voltamos a mastigar a fruta podre, revirando as entranhas a cada dia, porque provar exige tempo e empenho como está mostrando a Polícia Federal.

Presenciando o cinismo dos nomes mais famosos da nossa política, que aceitaram dinheiro da Odebrecht, envolvida até o último dólar no maior esquema de corrupção de que se tem notícia no país, cabe a seguinte pergunta: Ninguém sabia que a empreiteira crescia como um câncer, se alimentando das riquezas do país? Quando digo ninguém, me refiro a todos os políticos e partidos que aceitaram o dinheiro sujo da companhia. Isso para citar apenas essa parte da investigação revelada na Lava Jato, operação de limpeza contra a qual a artilharia do governo está voltada neste momento, provando pelos atos em si, o contrário do dito popular “quem não deve, não teme”. Como foi possível dar tanta corda a esse juiz? Quer saber Lula, um dos mais envolvidos nos escândalos que surpreenderam a todos nas últimas semanas, referindo-se ao magistrado Sérgio Moro. Dilma, em seus devaneios, quer a prisão do juiz. Após sua nomeação, na tentativa de mostrar serviço, o novo ministro da Justiça, Eugênio Aragão, teve como primeiro ato intimidar a Polícia Federal que luta contra o crime organizado e a corrupção.

Das manobras políticas dos últimos meses, envolvendo Eduardo Cunha e a vergonha protagonizada por seus comparsas no Conselho de Ética, passando pela delação de Delcídio do Amaral, as manobras da presidência da República culminando com a absurda nomeação de Lula para ministro chefe da Casa Civil e as apelações no Supremo Tribunal Federal, assim como a chegada da Lava Jato ao âmago da Petrobras e à Odebrecht, isso não é legal (no sentido de ser bacana) e não deveria ser legal (no sentido jurídico) para uma Nação mostrar ao mundo. Quantas outras empresas estão envolvidas em corrupção, lavagem de dinheiro e propinas a autoridades?

Antes mesmo de ser convocada, a imprensa internacional tem mostrado a vergonhosa crise brasileira. Assistir toda essa degradação diariamente no noticiário é deprimente e corrobora com tudo aquilo que já escrevi sobre a classe política e haveria certamente muito mais a escrever se tivesse um tempo exclusivo para essa finalidade. Para não estendermos a longínquos tempos passados, tratando apenas da época em que a ditadura militar se dissolveu e o poder civil foi restabelecido, a fim de não ofender os que tentam moralizar a política, diante da corja que se instalou nos poderes, é importante lembrar como nos outros textos de minha autoria, de que existem exceções; mesmo entre os políticos, surgem pessoas bem intencionadas.

Observe-se a situação dos partidos depois da lista divulgada no dia 24, do histórico mês de março de 2016, onde desfilam renomados políticos que aceitaram dinheiro – segundo eles, dentro da legalidade – para suas campanhas, somas advindas diretamente da Odebrecht. Caso vingue o impeachment e culmine com o afastamento da presidente Dilma, passemos a refletir: Em quem votar na possibilidade de novas eleições? Alguém tem um candidato para indicar? Com que cara falar aos correspondentes estrangeiros sobre legalidade e ilegalidade na vigência do atual modelo político brasileiro? Quem recebeu dinheiro dessa empresa, considerando que doações de campanha até aquele momento eram legais, pode ser considerado honesto?

A política brasileira perdeu a moral, que por sinal é palavra que também pode ter mais de um sentido, mas neste caso me refiro ao inverso daquilo que é imoral. A estagnação da economia é menos grave do que a sensação de permanentes imoralidades e ilegalidades, espalhadas por todos os cantos e meandros onde estiver a corrupção, desfigurando perante o mundo a porção maior do povo brasileiro, que ainda tem orgulho de ser honesto e honrado. Convocada a imprensa internacional pela presidente Dilma, para dizer que o impeachment é ilegal, não foi legal; escancarou-se o descaramento e a falta de bom senso que governam o país. Mas nem precisava todo o mundo já sabia.

Brasíllyawood, o show cinematográfico de baixa qualidade que se vê em Brasília diariamente. Ilustração; aloart

Brasíllyawood, o show cinematográfico de baixa qualidade que se vê em Brasília diariamente. Ilustração; aloart

Leia mais sobre
OPINIÃO

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*