Mad Max é aqui

 


Domingo, 17 de maio de 2015, às 12h18


Saímos em expedição para registrar de perto - e do alto, com drones - a real situação dos principais mananciais do Sudeste. O que vimos indica que o pior da crise da água ainda está por vir.

Greenpeace | Pisar no chão “craquelado” de uma represa totalmente seca dá uma sensação pouco animadora. Na verdade, quando nos damos conta de que estamos não em um set de produção de filmes apocalípticos, estilo “Mad Max”, e sim no meio de um enorme manancial que há pouco tempo abastecia milhões de pessoas com água, chega a bater um desespero. Estamos na represa Serra Azul, Minas Gerais, um dos principais componentes do Sistema Paraopeba, que garante – ou garantia – água para parte da Grande Belo Horizonte, ou 5,7 milhões de seus habitantes. Detalhe: em toda a bacia hidrográfica do Paraopeba, resta menos de 12% da floresta nativa. “Sem vegetação em suas margens, os reservatórios têm muito mais dificuldade de armazenar água pois sofrem com a erosão, poluição e assoreamento”, afirma Cristiane Mazzetti, da Campanha de Florestas do Greenpeace. “Passou da hora dos nossos governantes entenderem que, sem floresta, não tem água”.

 

Lucas Speto lança drone sobre a Paraibuna, represa que, no final da estação de chuvas, registra cerca de 5% de sua capacidade. Foto: Zé Gabriel/Greenpeace.

Lucas Speto lança drone sobre a Paraibuna, represa que, no final da estação de chuvas, registra cerca de 5% de sua capacidade. Foto: Zé Gabriel/Greenpeace.

 

O sol forte deixa as milhares de fraturas no solo ressecado ainda mais dramáticas. Após décadas submersa, uma ponte ressurge no meio represa. O que resta de água no manancial está no fundo da calha do rio. Bem lá no fundo. No momento, fim da estação de chuvas de 2015, o Serra Azul tem cerca de 9,10% de sua capacidade. Em 2014, a média do reservatório para o mês de março foi de 44,3%. Ou seja, estamos registrando o mais baixo nível da história deste manancial para esta época do ano. Engolindo a seco, nos damos conta de que somos testemunhas de um colapso ambiental de grandes proporções.

A expedição pelos mananciais do Sudeste começa pela represa de Paraibuna, parte do Sistema Paraíba do Sul, manancial que abastece a Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Foto: Zé Gabriel/Greenpeace.

A expedição pelos mananciais do Sudeste começa pela represa de Paraibuna, parte do Sistema Paraíba do Sul, manancial que abastece a Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Foto: Zé Gabriel/Greenpeace.

A visita ao reservatório Serra Azul foi a parada final de uma expedição de seis dias por alguns dos principais mananciais da região Sudeste do Brasil. Levada à cabo pelo Greenpeace no começo de abril em parceria com a empresa de monitoramento Terra Sense, a expedição teve como objetivo lançar drones, ou VANT’s (veículos aéreos não-tripulados) a partir de diferentes pontos das represas para registrar o nível da água e o uso do solo em seus entornos. Rodamos ao todo mil quilômetros. Subimos muito morro, entramos em matagal, veredas e trilhas remotas para acessar os pontos mapeados previamente como favoráveis para o lançamentos da nave.

Apenas 26% das Áreas de Preservação Permanente (APPs) da represa de Paraibuna estão preservadas. Foto: Zé Gabriel/Greenpeace.

Apenas 26% das Áreas de Preservação Permanente (APPs) da represa de Paraibuna estão preservadas. Foto: Zé Gabriel/Greenpeace.

Ao captar imagens aéreas com precisão e rapidez, um drone é uma ferramenta tecnológica ágil para pesquisas de diversas finalidades. Sem sobrevoar núcleo urbano algum, nossa expedição conseguiu realizar 14 voos, com mais de 4 horas no ar ao todo, mapeando 607 hectares nos três mananciais. O esforço resultou em 668 fotos das represas e dos seus entornos. Ao colocar o pé na estrada, a expedição sabia que o uso da tecnologia dos drones para monitorar a situação dos mananciais seria pioneiro no Brasil. O que não sabíamos era o que nós mesmos testemunharíamos com nossos próprios olhos.

Imagem captada por drone da represa de Paraibuna, parte do manancial que produz água para mais de 8 milhões de pessoas no Rio de Janeiro. Foto: Zé Gabriel/Greenpeace.

Imagem captada por drone da represa de Paraibuna, parte do manancial que produz água para mais de 8 milhões de pessoas no Rio de Janeiro. Foto: Zé Gabriel/Greenpeace.

Encontramos a represa de Paraibuna, no Vale do Paraíba do Sul, com menos de 5% de sua capacidade. Isso no fim da estação de chuvas. Ou seja, não vai ficar muito melhor. Pelo contrário, a perspectiva para este ano é assustadora. Nesse mesmo período do ano passado (início de abril de 2014), Paraibuna registrava 40% de seu volume total. O Paraibuna, um dos principais formadores do sistema que abastece mais de 8 milhões de pessoas no Rio de Janeiro, conta com menos de 13% de floresta original em sua bacia hidrográfica. Apenas 26% das suas Áreas de Preservação Permanente (APPs), como topos de morro e beiras de rio, permanecem preservadas. O que existe ali é muito morro pelado, pasto, margens assoreadas e, principalmente na região das cabeceiras do Paraibuna, no alto da Serra do Mar, rios e nascentes totalmente secos.

“Rapaz, tá vendo meus bois pastando ali? Era tudo água não faz nem dois anos. De repente secou tudo”, conta Paulo Ribeiro da Silva, produtor de leite que vive nas proximidades da represa. Seu Paulo explica que cresceu na região e que nunca viu o espelho d’água encolher dessa maneira. “Se o governo ajudasse a gente a manter as matas de beira de rio e proteger as nascentes, a situação ia ser outra”, sugere. Pois é, o produtor de leite também sabe que, sem floresta, não tem água.

Clique no mapa abaixo para abrir o mapa interativo:

greenpeace madmax5Da bacia do Paraíba do Sul a expedição chegou à região símbolo da crise hídrica que atinge todo o Sudeste brasileiro: o Sistema Cantareira, mais importante sistema de abastecimento da maior metrópole da América do Sul. Desde meados de 2014 produzindo água por conta do chamado “volume morto”, o Cantareira é um conjunto interligado de reservatórios que abastece mais de 5 milhões de pessoas na Grande São Paulo. Ou abastecia, pois o governo do estado tem transferido parte do atendimento anteriormente feito pelo Cantareira para outros mananciais em função de seu colapso. Da beira da represa ou do alto de morros, observamos o Cantareira com menos 11% de sua capacidade (sem contar o volume morto, cujo uso começou em maio de 2014). Isso mesmo, o Cantareira está com seu nível de água negativo em onze pontos percentuais. Há um ano, este índice estava em cerca de 14%.

Lançamos o drone em três pontos diferentes de uma das represas, a Jaguari-Jacareí. Para quem se preocupa com o futuro de São Paulo, um aviso: as imagens captadas do alto são fortes. Apenas 15% das florestas da bacia estão preservadas. Dos rios que compõem o manancial, 76,5% estão sem suas matas ciliares. Se a vegetação na bacia contribui com o ciclo da água na escala regional e as matas ciliares, por sua vez, protegem rios e nascentes de água de impactos como erosão e assoreamento, temos um manancial seriamente degradado. “A economia da região já sente o esgotamento das represas” diz Marcelo Delduque, proprietário da Fazenda Serrinha, localizada às margens da Jaguari-Jacareí. “Muita gente que vivia do turismo e do lazer perdeu emprego”. 

As consequências da crise hídrica vão muito além da economia, entretanto. O colapso dos principais mananciais que abastecem as grandes cidades do Sudeste compromete a própria sustentabilidade da região, afetando a saúde, qualidade de vida e sobrevivência de sua população. A expedição aumentou a percepção de que o Sudeste e outras regiões brasileiras estão em uma sinuca de bico e não vai ter solução mágica. Um passo fundamental é acabar com o desmatamento agora. “E começar a reflorestar, pois só assim podemos recuperar a capacidade dos mananciais de produzir e armazenar água com qualidade”, completa Cristiane Mazzetti.

O futuro de milhões de brasileiros depende da recuperação destas represas e de todos nós estabelecermos uma nova relação com os recursos hídricos e com as florestas. A Amazônia transpira diariamente 20 bilhões de toneladas de vapor de água para a atmosfera, formando os conhecidos Rios Voadores que são transportados para as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, irrigando plantações e enchendo reservatórios. Continuar desmatando a Amazônia e não recuperar a vegetação das bacias hidrográficas que abastecem as grandes cidades do País é pedir para que nosso País flerte com um desastre socioambiental sem precedentes e comprometa o futuro das novas gerações.

Mais de 1,1 milhão de brasileiros formam o movimento pelo fim do desmatamento no Brasil. Queremos levar ao Congresso Nacional um projeto de lei que impeça novos desmatamentos, protegendo as florestas que restaram. Participe você também deste movimento, assine pelo Desmatamento Zero.

greenpeace assine

Assista ao primeiro episódio

 

Menos de 0,5% das espécies amazônicas foram detalhadamente estudadas quanto ao seu potencial medicinal. Foto: © WWF-Brasil/Adriano Gambarini

Menos de 0,5% das espécies amazônicas foram detalhadamente estudadas quanto ao seu potencial medicinal. Foto: © WWF-Brasil/Adriano Gambarini

Leia mais sobre
BIODIVERSIDADE

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*