Mais um assassinato na conta da madeira ilegal


Quinta-feira, 10 de setembro de 2015, às 12h11


Liderança da Terra Indígena Alto Turiaçu, no Maranhão, foi assassinada no último domingo, dia 26; Indígenas deunciam madeireiros como responsáveis.

Greenpeace | Matéria publicada em 28 de abril 2015

Uma nova morte anunciada ocorreu no último domingo na Amazônia. Eusébio Ka’apor, da aldeia Xiborendá, na Terra Indígena Alto Turiaçu, no Maranhão, foi assassinado com um tiro nas costas na entrada do povoado Areal, entre os municípios de Centro do Guilherme e Santa Luzia do Paruá, no Maranhão.

Não é de hoje que os Ka’apor alertam as autoridades sobre as ameaças que vêm sofrendo por parte dos madeireiros. Pelo menos desde 2008 eles têm pedido que os órgãos competentes tomem providencias para coibir a extração ilegal de madeira e o desmatamento na região, mas somente ações pontuais são feitas, permitindo que os crimes voltem a ocorrer após a saida das equipes de fiscalização.

 

A extração predatória e ilegal de madeira causa violência e mortes. Foto: © Greenpeace/Lunaé Parracho

A extração predatória e ilegal de madeira causa violência e mortes. Foto: © Greenpeace/Lunaé Parracho

 

Cansados de esperar pelo Estado, a partir de 2013, os Ka’apor começaram a realizar atividades autônomas de monitoramento e proteção territorial e ambiental de sua área, expulsando os madeireiros das áreas invadidas. Essas ações ajudaram a colocar um freio no avanço da exploração ilegal de madeira, mas geraram represálias, ameaças e perseguições. Muitas aldeias foram invadidas por madeireiros que ameaçam constantemente os indígenas da região.

O conflito se arrasta há anos sem solução e já foi inclusive registrado em inúmeras matérias na imprensa nacional e internacional. Em junho do ano passado as fotos dos índios expulsando madeireiros para proteger seus territórios correram o mundo.

“Os Ka’apor estão sendo protagonistas na defesa de seu território, mas estão sozinhos, não têm o apoio devido do Estado, que é quem deveria fiscalizar”, afirmou Madalena Borges, do Cimi (Conselho Indigenista Missionário) do Maranhão.

Como o Greenpeace tem denunciado, a indústria madeireira está fora de controle e papéis oficiais têm sido utilizados para acobertar a extração de madeira de áreas sem autorização ou de protegidas, como unidades de conservação e terras indígenas.

“Além da impunidade, o que incentiva a invasão de terras indígenas para a retirada ilegal de madeira é a garantia de que a madeira roubada poderá ser lavada e vendida livremente no mercado, alimentando graves conflitos sociais, gerando violência e mortes inaceitáveis” disse Marina Lacôrte, da campanha da Amazônia do Greenpeace.

Unidades de Conservação e Terras Indígenas (TIs), são uma das formas mais eficientes para proteger a floresta. A TI Alto Turiaçu, por exemplo, é um dos últimos resquícios do que um dia foi a Amazônia Maranhense. Porém, apesar de todos os esforços dos indígenas para protegê-la, a ameaça é tão constante que até 2012 ela já havia perdido 44 mil hectares (8,07% do total de sua área), colocando-a na 5ª posição entre as TIs mais desmatadas na Amazônia.

“O Estado brasileiro tem que ser responsabilizado com relação a essa situação que os povos indígenas vêm sofrendo, não pode permitir que essa violência continue acontecendo. Uma vez que o Estado é omisso na proteção desses territórios, ele está sendo conivente com os crimes”, disse Madalena, do Cimi. “A luta é pelo território livre e pela vida dos Ka’apor”, concluiu ela.

A sociedade pode e deve se organizar para exigir a devida punição dos criminosos ajudando a pressionar os órgãos competentes (Funai e Polícia Federal) para exigir a devida apuração do caso.


Leia mais sobre extração ilegal de madeira

Jairo Saw Munduruku, estudioso da história de seu povo. Foto: (© Fábio Nascimento/Greenpeace)

Jairo Saw Munduruku, estudioso da história de seu povo. Foto: (© Fábio Nascimento/Greenpeace)

Leia mais sobre
GREENPEACE

 

Pesquisadores avaliam fatores limitantes atuais na área em livro sobre ecologia aplicada e dimensões humanas na governança da biodiversidade. Foto ilustrativa: Neil Palmer/Ciat (Flckr) via Wikipedia

Pesquisadores avaliam fatores limitantes atuais na área em livro sobre ecologia aplicada e dimensões humanas na governança da biodiversidade. Foto ilustrativa: Neil Palmer/Ciat (Flckr) via Wikipedia

Leia mais sobre
BIODIVERSIDADE

 

Botos são mortos para virar isca para pesca de piracatinga. Foto: photobucket.com

Botos são mortos para virar isca para pesca de piracatinga. Foto: photobucket.com

Leia mais sobre
NATUREZA | ECOLOGIA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce
Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d
Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia
Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo
Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar
Animação sobre a prevenção do câncer de mama
  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

  • Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce

  • Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d

  • Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia

  • Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo

  • Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar

  • Animação sobre a prevenção do câncer de mama

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*