Morre Muhammad Ali, aos 74 anos


Domingo, 5 de junho de 2016, às 13h48


Pugilista foi medalhista de ouro Olímpico em Roma 1960, três vezes campeão mundial e transcendeu o esporte com seu ativismo social. Personalidades do mundo esportivo lamentaram seu falecimento.

Rio 2016

Muhammad Ali morreu nesta sexta-feira (3), aos 74 anos. O pugilista norte-americano, que lutava contra a doença de Parkinson, foi internado na última terça-feira (31/05), quando apresentou problemas respiratórios em sua residência na cidade de Phoenix, no Arizona, Estados Unidos. O anúncio da morte foi feito pela família, em um comunicado.

 

Eddie Crook, Cassius Clay (mais tarde Muhammad Ali) e Skeeter McClure com suas medalhas de ouro nos Jogos Roma 1960. Foto: Getty Images

Eddie Crook, Cassius Clay (mais tarde Muhammad Ali) e Skeeter McClure com suas medalhas de ouro nos Jogos Roma 1960. Foto: Getty Images

 

Nascido Cassius Marcellus Clay Jr. em Louisville, Kentucky, no dia 17 de janeiro de 1942, começou a lutar boxe quando tinha 12 anos. Precoce, conquistou a medalha de ouro Olímpica aos 18 anos, nos Jogos Roma 1960. Apesar de jovem, venceu os quatro combates com facilidade. Na final, ganhou do polonês Zbigniew Pietrzykowsk, três vezes campeão europeu.

“Voe como uma borboleta, ferroe como uma abelha”
Muhammad ali, numa síntese do que é ser um bom pugilista.

Na volta aos Estados Unidos, o preconceito racial impulsionou sua luta pelos direitos dos negros. A essa altura, mostrava ser tão bom com as palavras quanto com as mãos, característica que ficou mais forte conforme a carreira se desenvolveu e que não perdeu por toda a vida.

 

Muhammad Ali, então Cassius Clay (segundo da dir. para a esq): ouro em Roma 1960. Foto: Getty Images

Muhammad Ali, então Cassius Clay (segundo da dir. para a esq): ouro em Roma 1960. Foto: Getty Images

 

Dentro do ringue, seguiu avassalador, e em 1964 tornou-se campeão mundial dos pesos pesados ao derrotar Sonny Liston, em Miami. Nos anos seguintes, defendeu o título nove vezes, deixou a Igreja Batista, na qual havia sido batizado, e converteu-se ao Islamismo. Assumiu assim o nome de Muhammad Ali.

“Ele foi um atleta que tocou os corações de pessoas em todo o planeta”
Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI)

Em 1967, Ali foi convocado para servir ao exército dos Estados Unidos. Citou crenças pessoais e religiosas e recusou a convocação. Como punição, perdeu o cinturão de campeão mundial, foi suspenso do boxe e passou a conviver com o risco de ser preso.

Muhammad Ali ainda não estava totalmente livre da Justiça quando retornou aos ringues. Na terceira luta pós-suspensão, foi derrotado por Joe Frazier, em 1971.

Já livre dos problemas judiciais, Ali conquistou a redenção nos ringues em 1974. Primeiro, conseguiu a revanche e derrotou Frazier em Nova York. Mais tarde naquele mesmo ano, num dos maiores eventos da história do esporte, ganhou do então campeão mundial George Foreman, no Zaire, hoje República Democrática do Congo.

“Eu sou o maior de todos. Eu disse isso antes mesmo de saber que eu era”
Muhammad Ali, numa das frases mais marcantes de sua carreira

Ali ainda venceu Frazier mais uma vez, em 1975, nas Filipinas. Mas, na reta final de carreira, já não era o mesmo e sofreu três derrotas em seus últimos quatro combates.

A doença de Parkinson começou a se manifestar no início dos anos 1980. Porém, jamais freou o bom humor e a língua afiada de Ali. Já bastante doente, registrou um dos inúmeros momentos marcantes de sua vida ao conduzir a tocha Olímpica e acender a pira nos Jogos Atlanta 1996.

 

Ali em Atlanta 1996: ícone esportivo e Olímpico. Foto: Getty Images

Ali em Atlanta 1996: ícone esportivo e Olímpico. Foto: Getty Images

 

O Comitê Olímpico Internacional (COI), através do presidente Thomas Bach, lamentou a morte de Ali. “A notícia da morte de Muhammad Ali afetou demais a mim e ao Movimento Olímpico. Nossos pensamentos estão com a família dele. Ele foi um atleta que tocou os corações de pessoas em todo o planeta, um atleta engajado além do esporte, um atleta que teve a coragem de dar esperança a muitos doentes ao acender a pira Olímpica sem esconder suas aflições. Ele foi um atleta que lutou por paz e tolerância – foi um verdadeiro atleta Olímpico. Conhecê-lo em pessoa foi inspirador. Ele foi um homem ao mesmo tempo orgulhoso e humilde. Tanto quanto sempre lembraremos dele”.

Robson Conceição é uma das esperanças brasileiras de medalha no boxe (Foto: Getty Images/WarrenLittle)

Robson Conceição é uma das esperanças brasileiras de medalha no boxe (Foto: Getty Images/WarrenLittle)

Leia mais sobre
OLIMPÍADAS
RIO 2016

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*