MPF cria força-tarefa para investigar crimes de corrupção na Eletronuclear


Segunda-feira, 13 de junho de 2016, às 13h53


Combate à corrupção: Força-tarefa será formada por três membros do MPF e terá duração inicial de três meses.

O Conselho Superior do Ministério Público Federal aprovou, no dia 7 de junho, a criação de uma força-tarefa no Rio de Janeiro para investigar supostos crimes de corrupção, desvio de verbas e fraudes em licitações e contratos na Eletronuclear, estatal subsidiária da Eletrobras. A decisão foi tomada após parecer favorável da Câmara de Combate à Corrupção do MPF.

 

Força-tarefa do MPF vai investigar a Eletronuclear sob suspeita de corrupção. Fotos: divulgação

Força-tarefa do MPF vai investigar a Eletronuclear sob suspeita de corrupção. Fotos: divulgação

 

As informações são da Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria-Geral da República, e essa investigação é mais um desdobramento da Operação Lava Jato, que identificou possíveis irregularidades em contratos para a construção da usina nuclear Angra 3. O caso foi remetido ao Rio de Janeiro por decisão do Supremo Tribunal Federal, em setembro de 2015. O ministro relator, Teori Zavascki, determinou o desmembramento dos processos por entender que não há relação entre os crimes cometidos na Eletronuclear e na Petrobras.

A força-tarefa será composta pelo procurador da República Lauro Coelho Júnior, titular natural do caso, pelo procurador regional da República José Augusto Vagos e pelo procurador da República Eduardo El-Hage. O prazo inicial para o desenvolvimento das atividades é de três meses.

Histórico

Em 28 de julho, o vice-almirante da Marinha Othon Luiz Pinheiro da Silva, ex-presidente da Eletronuclear, foi preso durante a 16ª fase da Operação Lava Jato. De acordo com a Polícia Federal e o MPF, a investigação apura irregularidades em contratos firmados entre várias das empresas citadas na Lava Jato com a estatal. Silva é suspeito de ter recebido 4,5 milhões de reais em propina em contratos firmados entre a estatal e as empreiteiras Engevix e Andrade Gutierrez, entre 2009 e 2014.

just 10 medidas contra corrupcao

Sérgio Moro argumentou que carceragem da Polícia Federal, no Paraná, não comporta "número significativo de presos. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Sérgio Moro argumentou que carceragem da Polícia Federal, no Paraná, não comporta "número significativo de presos. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Leia mais sobre
JUSTIÇA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Cineasta sueco registrou a paisagem carioca vista do morro
Assista ao programa de TV Ciência Aberta
Alckmin inaugura estações com Operação Assistida grátis na ZL, vídeo
STF julga Habeas Corpus de Lula, assista ao vivo
Stella Artois | Buy A Lady A Drink – Social Experiment, vídeo
Centro faz pesquisas para tratar e prevenir a obesidade, vídeo
Acompanhe ao vivo o julgamento do recurso do ex-presidente Lula
Centro Esportivo do Tatuapé: obra abandonada e larvas de pernilongos, vídeo
  • Cineasta sueco registrou a paisagem carioca vista do morro

  • Assista ao programa de TV Ciência Aberta

  • Alckmin inaugura estações com Operação Assistida grátis na ZL, vídeo

  • STF julga Habeas Corpus de Lula, assista ao vivo

  • Stella Artois | Buy A Lady A Drink – Social Experiment, vídeo

  • Centro faz pesquisas para tratar e prevenir a obesidade, vídeo

  • Acompanhe ao vivo o julgamento do recurso do ex-presidente Lula

  • Centro Esportivo do Tatuapé: obra abandonada e larvas de pernilongos, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*