Nebulosa do Véu: cauda com filamentos drapeados


Sexta-feira, 16 de outubro de 2015, às 18h35


O Telescópio Espacial Hubble da NASA revela em detalhes impressionantes uma pequena parte dos restos em expansão de uma estrela maciça que explodiu cerca de 8.000 anos atrás.

NASA | Edição Alô São Paulo

Chamada de nebulosa do véu, os detritos são remanescentes de uma das mais conhecidas supernova, derivando seu nome das delicadas estruturas filamentosas drapeadas. A nebulosa inteira possui 110 anos-luz de diâmetro – o equivalente a seis luas cheias vistas no céu da Terra – e está localizada a cerca de 2.100 anos-luz de distância na constelação de Cygnus, o Cisne.

 

Foto: Image Credit: NASA/ESA/Hubble Heritage Team

Foto: Image Credit: NASA/ESA/Hubble Heritage Team

 

Este ponto de vista é um mosaico de seis imagens colhidas pelo Hubble, em uma pequena área com cerca de dois anos-luz de diâmetro, cobrindo apenas uma pequena fração da estrutura da grande nebulosa.

Este olhar aproximado revela tufos de gás que são tudo o que restou do que foi outrora uma estrela 20 vezes mais maciça do que o nosso sol. O rápido movimento da onda de explosão, é arado antigo na parede fria de gás interestelar, mais denso, emitindo luz.

A nebulosa encontra-se ao longo da borda de uma grande bolha de gás de baixa densidade, que se espalhou no espaço com a morte da estrela, antes de sua autodetonação.

Imagem da galáxia NGC 5194, capturada pelo Chandra X-ray Observatory, da Nasa. Localizada a 30 milhões de anos-luz da Terra, é uma galáxia espiral, semelhante à Via Láctea. A imagem fornece uma visão frontal que jamais poderíamos ter de nossa própria galáxia, pelo fato de estarmos inseridos nela. O centro brilhante é o bojo galáctico. Na Via Láctea, o sistema solar está localizado em um dos braços espiralados, mais próximo da periferia. Foto: Nasa

Imagem da galáxia NGC 5194, capturada pelo Chandra X-ray Observatory, da Nasa. Localizada a 30 milhões de anos-luz da Terra, é uma galáxia espiral, semelhante à Via Láctea. A imagem fornece uma visão frontal que jamais poderíamos ter de nossa própria galáxia, pelo fato de estarmos inseridos nela. O centro brilhante é o bojo galáctico. Na Via Láctea, o sistema solar está localizado em um dos braços espiralados, mais próximo da periferia. Foto: Nasa

Leia mais sobre
ASTRONOMIA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*