O dilema de quem faz transplante de órgãos no Brasil: +Respeito


Quinta-feira, 16 de abril de 2015 às 05h53 – Publicado originalmente no dia 11 de fevereiro de 2014


Comunicado e Decreto nº 59.843

Gerson Soares

O Posto de Saúde da Vila Mariana, onde também havia a Farmácia de Alto Custo, em São Paulo, fornece remédios para diabetes, mal de Alzheimer, asma, entre outros, e também os chamados medicamentos de alto custo, destinados a pacientes transplantados. Às 21 horas e 55 minutos do dia 3 de janeiro de 2014, dos oito terminais existentes, apenas quatro funcionavam e as atendentes permaneciam respirando o mesmo ar rarefeito dos que aguardavam a sua vez de serem atendidos através das senhas. Pouco tempo depois, uma delas se retirou e apenas três pessoas permaneceram bravamente no local para realizar a entrega dos preciosos medicamentos.

 

Decreto em nome do descanso do funcionalismo público que sofre junto com a população, apesar de sua postura antiquada. As folgas devem ser merecidas, mas e a população que vai pagá-las, como é que deve agir, por exemplo, para obter os remédios? Deve enfrentar as filas devido a falta de organização? Com a palavra a Secretaria da Saúde e as autoridades competentes. Foto: aloimage (celular)

Decreto em nome do descanso do funcionalismo público que sofre junto com a população, apesar de sua postura antiquada. As folgas devem ser merecidas, mas e a população que vai pagá-las, como é que deve agir, por exemplo, para obter os remédios? Deve enfrentar as filas devido a falta de organização? Com a palavra a Secretaria da Saúde e as autoridades competentes. Foto: aloimage (celular)

 

Felizmente a ordem de fechar as portas às 17h, como dissemos no início, não foi cumprida e algumas das pessoas que aguardavam, usando a matemática do atendimento (50 pacientes por hora) ficavam na parte debaixo do prédio, sentados nos bancos existentes. Subiam e desciam os três lances da rampa de acesso de vez em quando, num vai e vem frenético, para verificar o mostrador de senhas a fim de não perderem as contas da relação entre horas e atendimentos, nem a vez.

“Eu nunca vi isso. Juntaram as pessoas do final do mês, com as que pegam os remédios no início do mês. Até o dia 15 de cada mês são os piores dias, está sempre cheio”. Protestou uma mulher que ocupava o banco por volta das 21h30, sua senha era a de número 689, retirada às 16 horas. Referiu-se ela ao Decreto nº 59.843, que proporcionou a folga dos funcionários do posto nos dias que antecederam o Natal e o Ano Novo.

O paciente com a senha 720, retirada por volta das 16h15, aguardava sua vez. Mas cinco horas depois, o mostrador marcava a senha 701. O cansaço e a insatisfação ficaram latentes nos rostos de cada um dos que aguardavam ou atendiam. Às 22 horas, ainda havia 27 pessoas espalhadas pelo posto.

A informação que corria era de que no dia 3 de janeiro, 1.600 pessoas se acumularam na Farmácia de Alto Custo da Vila Mariana, tomado nesta reportagem como parâmetro. O motivo teria sido a paralisação das atividades durante os dias que antecederam o Natal e o Ano Novo. Uma decisão desastrosa que foi anunciada em placa fixada logo na entrada (veja foto) com dizeres relacionados ao Decreto nº 59.843 (veja quadro).

O comunicado, datado de 10 de dezembro de 2013, referia-se à suspensão de expedientes incluindo o feriado de Natal e Ano Novo. O mais paradoxal e insensível é que vem assinado da seguinte maneira: “Centro de Saúde Vila Mariana - SPDM - Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina”, que pela sigla certamente quando foi criada não poderia imaginar seu nome sendo associado a uma situação onde se esquece que os pacientes ou as doenças não podem tirar férias de suas condutas e procedimentos. Como se fosse possível suspender os medicamentos, ou por encantamento natalino, as doenças se curassem e aqueles que têm o dever de fornecer e prover os medicamentos vitais aos doentes pudessem simplesmente suspender suas atividades.

Analisando os Artigos 3º e 4º do Decreto, observa-se que existe uma lacuna para que os serviços de entrega de medicamentos fossem mantidos nas datas de folga. Por exemplo, em escala de revezamento. Numa cidade como São Paulo e em outras grandes capitais espalhadas pelo Brasil, não se pode esperar esse tipo de suspensão de atividades. Vários serviços funcionam nesses dias festivos em escalas de trabalho, tais como: açougues, padarias, shoppings, farmácias, supermercados, hospitais e prontos socorros da rede particular, entre tantos outros setores.

A falta de planejamento acompanha os péssimos resultados dos governos na saúde e em outras áreas, causando confusão devido à burocracia que dá asas à corrupção, e insatisfação quanto aos serviços prestados, como observamos. Todas essas situações precisam mudar. Não há como continuar. Nem por decreto!

 


 

Leia todas as reportagens

DECRETO Nº 59.843, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2013

Suspende o expediente nas repartições públicas estaduais nos dias que especifica e dá providências correlatas

GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais,
Decreta:
Artigo 1º - Fica suspenso o expediente nas repartições públicas estaduais nos dias:
I - 23 e 24 de dezembro de 2013;
II - 30 e 31 de dezembro de 2013.
Artigo 2º - Em decorrência do disposto no artigo 1º deste decreto, os servidores deverão compensar as horas não trabalhadas dos dias 23 e 30 de dezembro, à razão de 1 (uma) hora diária, a partir do dia 29 de novembro de 2013, observada a jornada de trabalho a que estiverem sujeitos.
§ 1º - Caberá ao superior hierárquico determinar, em relação a cada servidor, a compensação a ser feita de acordo com o interesse e a peculiaridade do serviço.
§ 2º - A não compensação das horas de trabalho acarretará os descontos pertinentes ou, se for o caso, falta ao serviço no dia sujeito à compensação.
Artigo 3º - As repartições públicas que prestam serviços essenciais e de interesse público, que tenham o funcionamento ininterrupto, terão expediente normal nos dias mencionados no artigo 1º deste decreto.
Artigo 4º - Caberá às autoridades competentes de cada Secretaria de Estado e da Procuradoria Geral do Estado fiscalizar o cumprimento das disposições deste decreto.
Artigo 5º - Os dirigentes das Autarquias Estaduais e das Fundações instituídas ou mantidas pelo Poder Público poderão adequar o disposto neste decreto às entidades que dirigem.
Artigo 6º - Este decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Palácio dos Bandeirantes, 28 de novembro de 2013

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce
Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d
Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia
Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo
Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar
  • Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

  • Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce

  • Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d

  • Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia

  • Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo

  • Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*