O Dojô e as Artes Marciais


Quarta-feira, 13 de julho de 2016, às 20h12


O Dojô é mais do que um local onde se treinam as artes marciais, ele representa algo sagrado para os fundadores e praticantes. Por isso, para entender melhor o que significa a criação de um espaço tão importante, vamos voltar um pouco ao passado e relembrar a história.

Gerson Soares

Quando se trata de um dojô temos que fazer uma pequena incursão histórica, a fim de localizarmos as origens deste termo e ao contemplarmos suas definições entender que seu significado transcende as próprias palavras que o designam, seja em japonês (do = caminho, no sentido espiritual e jo = lugar, espaço físico), chinês, coreano, tailandês, indiano ou no idioma de países menos conhecidos – como Cazaquistão e Mongólia, por exemplo – mas que também praticam as artes marciais vetustas ou antiquíssimas, cuja origem se encontra no ataque e defesa das tropas, dos exércitos do Extremo Oriente e um pouco mais para o Ocidente, nas legiões e falanges greco-romanas.

Imagem de um samurai japonês feita em 1860. Foto/Fonte: Bennett, Terry. 'Early Japanese Images' (Rutland, Vermont: Charles E. Tuttle Company, 1996)

Imagem de um samurai japonês feita em 1860. Foto/Fonte: Bennett, Terry. 'Early Japanese Images' (Rutland, Vermont: Charles E. Tuttle Company, 1996)

Já foi possível perceber que o assunto é extenso, por isso, neste artigo, vamos ficar restritos aos termos usados pelos japoneses dojô e Jiu Jitsu, que significa arte suave. Esse termo deriva de Jujutsu (também Jujitsu) ou técnica suave, que por sua vez é uma das artes de guerra do Bujutsu (bu = composto de raízes e jutsu = ciência, ofício ou arte), um conjunto de disciplinas marciais onde vamos encontrar várias vertentes. Podemos conhecer também o Budô e os bushis que já o praticavam por volta do ano 1100. Enquanto o Bujutsu está ligado à ciência da guerra, o Budô é traduzido como o caminho marcial e os bushis eram os únicos que podiam trilhar essas veredas. Historicamente eles ficaram conhecidos como Samurais e suas vidas extremamente rígidas se baseavam no Bushidô – caminho do guerreiro.

A partir do século XVII, o bujutsu perde sua importância ao mesmo tempo em que esses guerreiros, desaparecendo; assim como as guerras tradicionais. Essas técnicas e estratégias de batalha utilizavam formações especiais, onde as armas mais comuns eram os arcos e flechas, lanças, alabardas e as espadas. Em conjunto com os sabres que em japonês chamam-se katanas – espada longa –, os samurais ostentavam as wakizashi – espadas curtas –, além das pesadas armaduras e máscaras assustadoras para proteger e camuflar suas faces. Essa admirada elite de comando deixou sua marca indelével na história do Japão. Com o fim do Xogunato, a chegada da Era Meiji e a aproximação com o Ocidente, houve a propagação das armas de fogo que passaram a ser usadas pelo exército japonês.

Apesar disso, as raízes profundas e a ligação com os samurais, xoguns – senhores feudais que existiram até o século XIX no Japão –, daymios e os clãs, fizeram com que o patrimônio marcial não se perdesse. Os nipônicos mudaram os objetivos e criaram novas finalidades para as artes marciais de guerra, transformando-as em instrumentos de formação do caráter e educacionais, deixando para a história contar e deixar registrado seu objetivo de eficiência letal.

Com essas mudanças, a sociedade japonesa como um todo poderia participar dos treinamentos e conhecer as técnicas de culto ao corpo saudável, assim como a mente e o espírito, na busca do autodesenvolvimento. A partir de então as ciências e os caminhos marciais deixam de ser exclusividade dos guerreiros samurais, o Budô assume um grau de importância muito mais extensivo na educação e surgem diversas artes marciais que começam a ser praticadas em determinados locais, os dojôs.

Miyamoto Musashi em uma das suas lutas, cujas histórias são contadas em 1.800 páginas do livro que leva o seu nome

Miyamoto Musashi em uma das suas lutas, cujas histórias são contadas em 1.800 páginas do livro que leva o seu nome. Foto: Utagawa Kuniyoshi (歌川国芳, Japanese, *1798, †1861)

Os mestres Gigoro Kano e Morihei Ueshiba

Sobre essa metamorfose há uma leitura muito especial e um conhecimento que pode ser absorvido depois de ler e estudar 1.800 páginas. O livro “Musashi” de Eiji Yoshikawa é uma obra dividida em sete livros: A Terra, A Água, O Fogo, O Vento, O Céu, As Duas Forças e A Harmonia Final. Ela conta a transformação daquele que ficaria conhecido para sempre como o maior samurai e espadachim do Japão, que viveu entre 1584 e 1645, criador do estilo Niten ichi, que utiliza duas espadas. Segundo o livro, Musashi precisou usar a segunda espada numa das situações desesperadoras em que se encontrou e disso nasceu seu estilo. Essa é a obra literária mais famosa do Japão, com 120 milhões de exemplares vendidos, além de 15 versões cinematográficas e televisivas. Seus principais personagens inspiram gerações de japoneses como um guia da arte de viver.

O Jiu Jitsu, derivado do Bujutsu é uma arte marcial que basicamente passava a ser aplicada durante as batalhas quando em consequência dos combates os samurais perdiam suas armas, ou seja, ficavam de mãos vazias e precisavam se defender dos adversários durante os conflitos. No entanto, é preciso voltar ao início deste artigo e lembrar que essa arte era muito diferente da que conhecemos hoje. E assim, depois desta brevíssima viagem histórica, desembarcamos novamente entre o final do século XIX e início do século XX, quando já aparecem habilidosos praticantes do Jiu Jitsu moderno.

Pela extensão do assunto, mais uma vez somos obrigados a restringir esta síntese, por isso vamos falar apenas de dois deles, fazendo menção àquilo que criaram com suas habilidades: Jigoro Kano e Morihei Ueshiba, respectivamente criadores do Judô (caminho suave) e Aikido (caminho da armonização do ki ou unificação com a energia da vida). Por volta de 1882, Kano percebeu que poderia criar uma arte marcial com fortalecimento dos princípios filosóficos e pedagógicos e a buscou na essência do Jujutsu. Alcançando seu objetivo, levou o império japonês a introduzi-la nas escolas como disciplina regular e conseguiu elevar o Judô à categoria de esporte olímpico. Ueshiba, por sua vez, criou uma nova vertente, aproximadamente a partir dos seus treinamentos na ilha de Hokkaido em 1915. Nos anos 1920 continua seus estudos e cria um compêndio de técnicas marciais, filosofia e crenças religiosas, mas baseou-se principalmente na escola vetusta do estilo daito-ryu aiki-jujutsu, incorporando também o kenjutsu (técnica da espada) e o jojutsu (técnica do bastão curto) à sua arte que conhecemos como Aikido. As artes de ambos grandes mestres, atualmente são praticadas em dojôs de todo o mundo.

Leia todas as matérias sobre o que significa um dojô
Xtreme Gold Team dojô
Dojô Xtreme Gold Team leva alunos ao destaque nos campeonatos

 

Dojô: aula na Xtreme Gold Team, seguida por graduação de jovens atletas dos projetos sociais Recriar e Samurais da Leste. Foto: Alexandre Tadeu / Xtreme

Dojô: aula na Xtreme Gold Team, seguida por graduação de jovens atletas dos projetos sociais Recriar e Samurais da Leste. Foto: Alexandre Tadeu / Xtreme

 

Além de evoluir na direção de modalidades menos antigas, o Jiu Jitsu, recebeu contribuição do Karate-do (caminho das mãos vazias) no começo do século XX, quando mestres de Jiu Jitsu passaram a praticar e estudar profundamente a arte do Karate-do, concebido na ilha de Okinawa no Japão. Dentre os grandes mestres nas duas modalidades figuram “Yasuhiro Konishi e Hironori Otsuka, que criaram respectivamente dois estilos de Karate, Shindo jinen ryu e Wado-ryu, que mesclam aspectos de ambas as artes. Não se pode olvidar ainda que o mestre Gichin Funakoshi, maior divulgador do Karate-do no Japão, ensinou seu estilo no centro Kodokan e, eventualmente, estudou com Jigoro Kano, adaptando algumas técnicas de nage waza” – que significa arremesso e/ou projeção do adversário.

Por tudo o que foi dito é que o dojô deve ser considerado um local sagrado, onde ao adentrar se deixa do lado de fora as outras questões e toma-se o aprendizado e aperfeiçoamento das artes marciais como o motivo mais importante da visita e permanência a esse espaço. Muitas vezes, o dojô é confundido com as lutas propriamente ditas, praticadas no seu interior, mas são coisas diferentes, sendo dojô o lugar onde se pratica o “caminho de uma arte marcial”.

Mestres Pedra e Tambucci, graduados e alunos da Xtreme no dia 3 de março de 2011. Foto: aloimage

Mestres Pedra e Tambucci (faixa vermelha), graduados e alunos da Xtreme no dia 3 de março de 2011. Foto: aloimage

Leia mais sobre
ARTES MARCIAIS

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*