O vírus mortal da má formação médica

Médico Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica

Má formação médica. Ilustração: aloart


Sábado, 8 de agosto de 2015, às 12h12


Dias atrás o Governo Federal anunciou a criação de mais cursos de Medicina até 2016. Serão 2.290 vagas de graduação, em 36 municípios do país, de onze estados – nenhum deles capital. Todas as cidades selecionadas têm 70 mil habitantes ou mais e não contam com graduação na área.

Lamentavelmente é a recorrente aposta na quantidade em detrimento da qualidade. Em boa parte dessas localidades, não há docentes suficientes nem hospital-escola com vocação para o ensino. O resultado é que o Brasil colocará, daqui alguns anos, profissionais mal preparados na linha de frente do atendimento, expondo a população ao risco.

É importante ressaltar que, além de toda a estrutura física imprescindível, uma escola médica deve ter tradição para garantir uma formação efetiva também do ponto de vista ético. Não é apenas transmitindo conhecimentos que se consolida o bom médico, é preciso ensinar também a conduta humanista, na qual a relação médico-paciente é baseada na confiança e respeito, e não somente em um atendimento frio e científico. É fundamental que quem ensina o faça pelo testemunho da sua presença; que compreenda a diferença de escolaridade e educação médica e que tenha condições de ensinar com base na construção de valores. Sem isso, nunca teremos um médico adequadamente formado, apenas um simples “curador de doenças”.

Medicina não é apenas estudar a ação de substâncias no organismo, verificar o funcionamento de órgãos ou realizar procedimentos cirúrgicos precisos. O médico deve aprender a construir o próprio conhecimento. Amar a profissão e ter em mente que está se educando para tratar doentes, e não apenas doenças.

Isso posto, vale reafirmar que correremos riscos frequentes, enquanto a quantidade de profissionais for o centro da discussão, e não a qualidade da formação. A realidade é que, em muitos locais, escolas médicas são abertas com o único propósito de trazer vantagens econômicas para a instituição, o que se traduz no perigoso desinteresse pela saúde da população.
O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo já evidenciou, concretamente, a necessidade de ações urgentes para coibir a formação insuficiente nas escolas médicas. Para conhecer a real extensão do perigo que corremos ao buscar assistência com a nova safra de graduados, basta consultar os números do Exame do Cremesp de 2014.

Submeteram-se à prova 3.359 recém-formados. Dos 2.891 inscritos de São Paulo, 55% (1.589) tiveram média de acerto inferior a 60% ao conteúdo apresentado. Entre os novos médicos de outros estados, a reprovação foi de 63,2% - indicativo que a situação, já insustentável em São Paulo, pode ser ainda pior em outros rincões.

A ignorância é atestada em questões simples como o atendimento inicial ao traumatizado e pneumonia, por exemplo.

O quadro é assustador. De qualquer forma, avaliar escola por meio do aluno carrega viés enorme. Isso sem falar que é fundamental levar em conta a parte prática, não somente o conteúdo teórico. Aliás, a medicina é fundamentalmente habilidade, ética e atitude, um exame teórico deixa de avaliar o graduado em sua plenitude.

A saúde da população deve ser levada mais a sério.

Avanços científicos e falta de remédios para os doentes. Ilustração: aloart. Fotos: Stock Photos

Avanços científicos e falta de remédios para os doentes. Ilustração: aloart. Fotos: Stock Photos

Leia mais sobre
ARTIGOS

 

O secretário da Saúde da Bahia encaminha no início do programa em 2013 os 59 profissionais graduados no exterior do programa Mais Médicos, para os municípios do estado. Foto: Flickr/Govba/Carla Ornelas

Dois anos do "Mais Médicos": O secretário da Saúde da Bahia encaminha no início do programa em 2013 os 59 profissionais graduados no exterior do programa Mais Médicos, para os municípios do estado. Foto: Flickr/Govba/Carla Ornelas

Leia mais sobre
MEDICINA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*