Pesquisa faz diagnóstico de São Paulo no século 21


Quarta-feira, 17 de junho de 2015, às 05h40


Por José Tadeu Arantes | Agência FAPESP – A região metropolitana de São Paulo tinha 4,8 milhões de habitantes em 1960. Cinquenta anos depois, eram 19,7 milhões. No período transcorrido entre as duas datas, a metrópole incorporou um acréscimo populacional equivalente a 1,3 vez a população da região metropolitana de Paris, 1,5 vez a do Rio de Janeiro e duas vezes a de Londres. No mesmo intervalo, as atividades produtivas agregadas alcançaram escala comparável à da economia do Chile.

Um grupo de pesquisadores do Centro de Estudos da Metrópole (CEM) – um dos 17 Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) apoiados pela FAPESP – se propôs a decifrar, na medida do possível, essa esfinge urbana. O resultado é o livro A metrópole de São Paulo no século XXI: espaços, heterogeneidades e desigualdades, que está sendo lançado agora.

 

São Paulo concentrou capacidades de comando sem perder completamente a produção industrial. Foto: Leo Ramos

São Paulo concentrou capacidades de comando sem perder completamente a produção industrial. Foto: Leo Ramos

 

A obra reúne 13 capítulos, agrupados em três seções: I) dinâmicas econômicas, estrutura social e mercado de trabalho; II) dinâmicas demográficas e segregação residencial; III) a produção dos espaços da metrópole.

“Trata-se de um livro coletivo e não de uma coletânea de artigos. Durante o processo de elaboração, o material levantado e as análises em curso foram discutidos em seminários abertos do CEM. Investigamos as transformações ocorridas em São Paulo desde a redemocratização do país, em um período que compreende as décadas de 1990 e 2000. Os dados mais recentes são os do censo de 2010, liberados em 2012”, disse o coordenador do trabalho, Eduardo Cesar Leão Marques, professor livre-docente do Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo e vice-diretor do CEM à Agência FAPESP.

“A metrópole continua sendo fortemente desigual, mas suas desigualdades se reconfiguraram. O acesso aos serviços públicos aumentou, embora os serviços oferecidos apresentem diferenças de qualidade conforme o segmento social atendido. E principalmente as periferias, que antes agrupavam quase exclusivamente populações pobres, constituíram-se em espaços mais heterogêneos em termos sociais”, disse.

O livro destaca que São Paulo tem-se tornado uma cidade mais heterogênea, em termos produtivos, sociais e espaciais. E também uma cidade menos desigual, em termos de renda, inserção no mercado de trabalho e condições de vida. Mas que os padrões de desigualdades continuam fortes e presentes.

“Certas áreas precárias pouco melhoraram e os padrões de mobilidade urbana tendem a ser estáveis e marcados por fortes desigualdades sociais. Sob o ponto de vista de seus espaços, a metrópole continua fortemente segregada em termos de raça e classe, em uma estrutura claramente hierárquica”, escreveu Marques.

O retrato resultante da pesquisa é bem mais completo e complexo do que a imagem de uma cidade clivada pela polaridade centro-periferia, que caracterizou os diagnósticos sociológicos dos anos 1970. Se essa imagem pode ter sido precisa naquela época, ela já não dá mais conta dos processos em curso. Na nova configuração, áreas de elite cada vez mais exclusivas e fechadas coexistem com a popularização do centro histórico e regiões intermediárias e periféricas misturadas socialmente.

Outro desmentido proporcionado pelo estudo foi que o crescimento econômico do setor de serviços, especialmente dos serviços produtivos e do comércio, não provocou um esvaziamento da indústria, ao contrário do que sugeriam certas análises dos anos 1990.

“A metrópole paulistana aparentemente experimentou uma superposição de funções econômicas, concentrando capacidades de comando sem perder completamente a produção industrial”, ponderou Marques.

O balanço das duas décadas estudadas apontou o crescimento da escolaridade em todas as classes, como resultado do maior acesso às políticas educacionais. E a forte entrada de mulheres no mercado de trabalho, especialmente nas ocupações profissionais que requerem maior escolaridade e proporcionam maior rendimento.

Também o processo de favelização não se intensificou. Ao contrário, a população favelada cresceu proporcionalmente menos do que o conjunto da população. E, como tendência predominante, as condições sociais de infraestrutura das favelas paulistanas melhoraram, especialmente na última década.

Mas esse cenário menos desigual não se expressou em termos de raça. “Embora a presença dos autodeclarados não brancos tenha aumentado em todas as classes, a sua presença relativa nas classes superiores não se alterou, sugerindo a manutenção quase intocada das desigualdades raciais. Grupos de renda mais baixa apresentam menor segregação racial do que os grupos de renda mais alta”, destacou Marques.

“As décadas de 1990 e 2000 apresentaram sinais trocados em termos de emprego e pobreza. Nos anos 1990, após um momento concentrado de melhora em 1994, com a estabilização econômica, o desemprego, a informalidade e a pobreza voltaram a crescer. Nos anos 2000, esses vetores se inverteram, com a redução do desemprego e da pobreza e o aumento da formalização dos postos de trabalho”, disse.

“O balanço geral de duas décadas indica um saldo de redução da pobreza e das desigualdades medidas pela renda, assim como a diminuição do desemprego e o crescimento dos postos formais de trabalho”, sintetizou Marques.

Mobilidade urbana

Uma herança especialmente indesejável que a São Paulo do século XXI herdou da São Paulo do século XX diz respeito à mobilidade urbana. Como revelou a pesquisa, um terço dos deslocamentos ainda é feito a pé e as modalidades rodoviárias predominam amplamente na comparação com o transporte sobre trilhos.

O ônibus é o veículo público mais utilizado, respondendo por um quarto dos deslocamentos. E também aquele que apresenta tempos de viagem substancialmente mais elevados.

Essa estrutura pública de transportes, que pouco evoluiu ao longo das duas últimas décadas, coexiste com o inchaço do transporte individual, com os automóveis e os ônibus praticamente emparelhados em número de pessoas transportadas.


A metrópole de São Paulo no século XXI: espaços, heterogeneidades e desigualdades
Organizador: Eduardo Marques
Editora: Editora Unesp /CEM
Páginas: 456
Lançamento: 2015

O livro apresenta, em sua capa dura, detalhe do quadro “Embarque de café no Porto de Santos”, pintado em 1911 por Oscar Pereira da Silva e pertencente ao acervo da instituição. Foto: Esalq

O livro apresenta, em sua capa dura, detalhe do quadro “Embarque de café no Porto de Santos”, pintado em 1911 por Oscar Pereira da Silva e pertencente ao acervo da instituição. Foto: Esalq

Leia mais sobre
LIVROS

 

Nascer do sol em São Paulo, cidade que debateu arduamente o Plano Diretor e agora terá mais uma jornada de debates sobre a Lei de Zoneamento. Apesar de os cidadãos serem prioritários nessas diretrizes, interesses particulares e difusos permanecem ingerentes nas determinações da Prefeitura e da Câmara Municipal. Foto: Stock Photo / Legenda: Gerson Soares.

Nascer do sol em São Paulo, cidade que debateu arduamente o Plano Diretor e agora terá mais uma jornada de debates sobre a Lei de Zoneamento. Apesar de os cidadãos serem prioritários nessas diretrizes, interesses particulares e difusos permanecem ingerentes nas determinações da Prefeitura e da Câmara Municipal. Foto: Stock Photo

Leia mais sobre
ALÔ SÃO PAULO

 

Novo levitador permite suspender e manipular substâncias leves. Foto: Léo Ramos

Novo levitador permite suspender e manipular substâncias leves. Foto: Léo Ramos

Leia mais sobre
PESQUISAS

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*