Pesquisa investiga interações e influências de trios galácticos


Terça-feira, 14 de junho de 2016, às 17h33


“As galáxias são animais sociais”, costuma dizer o astrônomo Laerte Sodré Júnior, diretor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da Universidade de São Paulo (USP). Estima-se que haja cerca de 100 bilhões de galáxias no universo visível e quase nenhuma delas sobrevive isoladamente. “Não se encontram galáxias isoladas”, completa Sodré Jr. Elas formam duetos, interagem em tripletos, se combinam em grupos às dezenas, ou se agregam em estupendos aglomerados com milhares de galáxias.

Peter Moon | Agência FAPESP

Investigar tripletos de galáxias e entender como seus integrantes interagem entre si é o foco de um estudo feito pelo pós-doutorando Marcus Vinícius Costa-Duarte e seu supervisor, Sodré Jr., e que acaba de ser publicado no Monthly Notices of the Royal Astronomical Society (MNRAS). O estudo é apoiado pela FAPESP.

“A gente sabe que a evolução de uma galáxia depende basicamente de duas variáveis, sua massa e o ambiente em que ela se situa”, diz Costa-Duarte. “Neste estudo, a gente quis saber como as galáxias se formam em ambientes de tripletos. Concluímos que as galáxias mais massivas dos tripletos desempenham um papel fundamental na evolução das outras duas, e do sistema como um todo.”

 

O estudo revelou que as galáxias menores sofrem uma interação gravitacional devido à atração da galáxia principal, de maior massa. Imagem: SDSS

O estudo revelou que as galáxias menores sofrem uma interação gravitacional devido à atração da galáxia principal, de maior massa. Imagem: SDSS

 

A investigação astronômica foi feita a partir dos dados do Data Release 10 do Sloan Digital Sky Survey (SDSS-DR10), com centenas de milhões de galáxias. Os astrônomos usaram um algoritmo de computador para fazer a busca automática de tripletos de galáxias, cuja galáxia principal possuísse massa equivalente ou superior a 10 bilhões de estrelas como o nosso Sol.

Para se ter uma ideia, esta é a massa da Grande Nuvem de Magalhães, a maior das galáxias-satélites da Via Láctea. A nossa galáxia, por sua vez, tem uma massa estimada de 850 bilhões de sóis (não confundir este valor com o total de estrelas da Via Láctea, estimado hoje em 400 bilhões).

Além de divergir em tamanho, as galáxias também variam segundo a sua forma. Todo mundo reconhece a espiral majestosa de galáxias como a Via Láctea. Mas as galáxias também podem ser gigantes elípticas, ou mesmo exibir contornos irregulares, como é o caso da Grande Nuvem de Magalhães.

Muitas vezes o formato de uma galáxia é produto do seu material constituinte: estrelas, planetas, poeira interestelar e da chamada matéria escura – além de vastas nuvens de gás primordial. Tais nuvens são compostas pelo hidrogênio e hélio produzidos no Big Bang há quase 13,8 bilhões de anos. Este hidrogênio primordial é a matéria-prima e o combustível para a formação de novas estrelas.

Galáxias espirais e irregulares são aquelas que ainda possuem nuvens de gás primordial e que, portanto, têm a capacidade de forjar novas gerações de estrelas.

As maiores galáxias do Universo são em sua maioria elípticas. Nelas, o gás primordial foi consumido e a formação de estrelas cessou. Não obstante, sua massa gigantesca exerce atração gravitacional tremenda sobre a sua vizinhança. É justamente aí que entram os tripletos investigados por Costa-Duarte e Sodré Jr.

O algoritmo selecionou na base da dados do Sloan Digital Sky Survey 80 tripletos de galáxias, todos situados numa faixa entre 550 e 1.370 milhões de anos-luz de distância da Terra – para se ter uma ideia, Andrômeda, vizinha da Via Láctea, fica a “apenas” 2,5 milhões de anos daqui.

A luz dos tripletos de galáxias analisados foi emitida entre 1,37 bilhão e 550 milhões de anos atrás, época em que a vida multicelular, ou seja, os primeiros animais, apenas começava a surgir nos oceanos terrestres.

“Entre os 80 tripletos investigados poderíamos ter um sistema com três galáxias de massas iguais. Mas não foi o que observamos”, diz Costa-Duarte. As maiores galáxias de cada sistema são as mais brilhantes, as que têm o maior número de estrelas e, por conseguinte, as de maior massa. Quase sempre são gigantes elípticas.

“São galáxias aposentadas”, diz Costa-Duarte. “Elas formaram estrelas muito rápido e consumiram todo hidrogênio disponível. Não formam mais estrelas. São formadas quase exclusivamente por estrelas antigas.”

Já no caso das duas companheiras da galáxia principal em cada tripleto há de tudo: espirais, irregulares e pequenas elípticas.

O estudo revelou que as galáxias menores sofrem uma interação gravitacional devido à atração da galáxia principal, de maior massa. Então, pelo mesmo princípio que faz a Lua girar em torno da Terra e a Terra orbitar o Sol, a galáxia principal atrai suas companheiras.

Tal atração tem o poder de deslocar as nuvens de gás das vizinhas. E esse deslocamento é o que provoca a formação de novas estrelas. Na medida em que as nuvens de gás se movem, aquelas regiões da nuvem com maior densidade de gás tendem a atrair e acumular cada vez mais gás, iniciando um processo que leva a um surto de formação estelar capaz de formar centenas a milhares de estrelas simultaneamente.

“Os tripletos são estruturas mais simples para entender as principais características da formação de galáxias”, diz Sodré Jr. O próximo passo da pesquisa é comparar os resultados da análise dos tripletos com o que se observa nos grupos galácticos, com algumas dezenas de membros. “São entidades cósmicas bem mais complexas”, diz Sodré Jr.

Imagem de raios-X Chandra da Hydra A, um aglomerado de galáxias a 840 milhões de anos-luz da Terra, mostra filamentos de gás Celsius 35-40000000 grau incorporado em uma grande nuvem de gás quente que igualmente possui vários milhões de anos-luz de diâmetro. Também uma parte branca brilhante de gás com altas temperaturas de muitos milhões de graus Celsius é vista, sendo empurrada para o centro do cluster. Como os maiores objetos gravitacionalmente ligados no universo, aglomerados de galáxias fornecem pistas importantes para a compreensão da origem e o destino do universo. Imagem: NASA / CXC / SAO

Imagem de raios-X Chandra da Hydra A, um aglomerado de galáxias a 840 milhões de anos-luz da Terra, mostra filamentos de gás Celsius 35-40000000 grau incorporado em uma grande nuvem de gás quente que igualmente possui vários milhões de anos-luz de diâmetro. Também uma parte branca brilhante de gás com altas temperaturas de muitos milhões de graus Celsius é vista, sendo empurrada para o centro do cluster. Como os maiores objetos gravitacionalmente ligados no universo, aglomerados de galáxias fornecem pistas importantes para a compreensão da origem e o destino do universo. Imagem: NASA / CXC / SAO

Leia mais sobre
ASTRONOMIA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce
Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d
Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia
Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo
Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar
  • Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

  • Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce

  • Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d

  • Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia

  • Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo

  • Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*