Por um país melhor e mais unido milhares poderão se reunir domingo


Quinta-feira, 12 de março de 2015, às 13h21

Em todo o Brasil, os opositores ao governo petista de Dilma Roussef pretendem se manifestar, entre eles um dos partidos que mais lhes faz oposição, o PSDB.

A corrupção, a degradação moral e o enfraquecimento das instituições mais importantes do país, como o próprio STF (Supremo Tribunal Federal) está sendo divulgada na mídia não só do Brasil, mas em países como Inglaterra, Espanha, Itália, França e Estados Unidos. A revolta com o descaramento político assola a opinião mundial.

Em 2013, manifestantes reunidos ao lado da estação do Metrô Tatuapé, em São Paulo, trouxeram cartazes para protestar contra o mau uso dos recursos públicos e a desestruturação do país. Foto: aloimage

Em 2013, manifestantes reunidos ao lado da estação do Metrô Tatuapé, em São Paulo, trouxeram cartazes para protestar contra o mau uso dos recursos públicos e a desestruturação do país. Foto: aloimage

De acordo com o regimento interno, pela falta de indicação de um nome para ocupar a vaga deixada pelo ex-ministro do STF Joaquim Barbosa (cabe ao Poder Executivo do país essa indicação que ainda não foi feita), o presidente ministro Ricardo Lewandowski (indicado pelo ex-presidente Lula) aprovou ontem (11) a transferência do ministro José Antonio Dias Toffoli da primeira para a segunda turma. Portanto, passando ele a ser o mais novo membro dessa turma, conforme a tradição do STF deverá presidir o julgamento do escandaloso caso Petrolão.

Ocupando a vaga de assessor da Casa Civil, quando o Ministro da pasta era José Dirceu – condenado no Mensalão –, durante a presidência de José Inácio Lula da Silva, foi indicado por este para ocupar uma vaga no STF. Toffoli fez carreira na área jurídica do PT e foi advogado do partido. Conforme divulgado pela revista Veja, em 2013 foi dele a iniciativa de patrocinar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) uma espécie de “lei da mordaça” para o Ministério Público Eleitoral, a PEC 37 (Proposta de Emenda Constitucional 37/2011). A norma estabelecia que os promotores e procuradores precisam de autorização prévia do juiz eleitoral para abrir uma investigação, com exceção dos casos de flagrante delito e ficou conhecido entre eles como “PEC da impunidade”. Manifestações em todo o país pressionaram o Congresso e impediram que a medida fosse à frente.

O fenômeno das manifestações de 2013, que marcou a história brasileira, começou contra os aumentos das tarifas dos ônibus e se espalhou pelas capitais em todo o território nacional. Nas faixas, uma das reivindicações era o “não” para a PEC 37. Em 2014, manifestantes foram vistos protestando contra a Copa do Mundo, a Fifa e suas exigências e pedindo “Padrão Fifa” para a saúde, educação, segurança.

Em 2015, estamos prestes a presenciar manifestantes que desejam moral na política e mudanças; sempre elas a movimentar a opinião pública. Essas alterações no comportamento dos políticos, que possuem a função de governar o país e o fim dos escândalos de corrupção, poderão levar a algum resultado se houver organização e entendimento entre os que assim desejam um país melhor e mais unido.


Leia também:

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*