Prevenção de doenças e qualidade de vida na menopausa é tema de palestra no HU

Vantagens e riscos da menopausa e a qualidade de vida nessa fase. Esses são alguns dos enfoques das palestras gratuitas, no dia 27 de maio, das 10 às 12 horas, no auditório do Hospital Universitário da USP, organizada pelo Grupo de Climatério do HU.

Chegada da menopausa também pode ser um recomeço. Foto: Stock

Chegada da menopausa também pode ser um recomeço. Foto: Stock

Mulheres com mais de 35 anos podem se inscrever para o evento pelo site do HU: www.hu.usp.br. Até novembro de 2014, o Grupo de Climatério do HU realizará outros sete eventos mensais. Para o médico assistente da Ginecologia do HU e coordenador do projeto, doutor Mauricio Mieli, o objetivo é fazer um trabalho preventivo para a população feminina que se encontra com mais de 35 anos e também alertar a equipe de saúde sobre a importância da prevenção de problemas que podem ocorrer nessa faixa etária, que abrange dos 35 aos 65 anos.

No dia 27 de maio, o grupo trará esclarecimentos sobre os tipos de menopausa e orientações nutricionais, e pretende-se incentivar adaptações para se obter melhor qualidade de vida.

A menopausa pode ser precoce, quando ocorre antes dos 40 anos de idade, e tardia, após os 55 anos. A doutora Ana Maria Sampaio Moreira Grell abordará sobre os diferentes tipos de menopausa, desde as fisiológicas, que ocorrem quando há esgotamento da população de folículos ovarianos, até as cirúrgicas, quando se retiram os ovários.

Segundo o ginecologista Mieli, no evento serão dadas orientações visando à prevenção de sintomas desagradáveis que podem ocorrer nessa fase na vida da mulher. O médico ressalta ainda sobre a necessidade da introdução do cálcio, das vitaminas A, B e C, e a importância da vitamina D, e da ingestão suficiente de água, entre outros. A nutricionista Evelyn Kaoru Nakamoto Aguchiku abordará a qualidade de vida, ressaltando o papel da alimentação nessa fase da mulher.

“A recém-nascida nasce com aproximadamente 700.000 folículos ovarianos. Com o passar do tempo, estes folículos são absorvidos pelo organismo e na menarca (primeira menstruação) a menina tem cerca de 400.000 folículos ovarianos, que são gastos até o período de transição menopausal. O esgotamento dos folículos ovarianos determina a chegada da menopausa. No Brasil, a chegada da menopausa ocorre ao redor de 52 anos.

Segundo o doutor Mieli, a menopausa precoce pode ser determinada por fatores genéticos, tabagismo, cirurgias, como retirada de ovários, exposição a agentes agressores, como infecções virais, tratamentos para alguns tipos de câncer (quimioterapia, radioterapia), doenças autoimunes, defeitos na secreção dos hormônios produzidos pela hipófise, problemas de receptores ovarianos para os hormônios da hipófise e defeitos enzimáticos. A menopausa tardia tem como importante causa a
obesidade.

A menopausa precoce pode levar às alterações que seriam desencadeadas pela menopausa normal: fogachos, secura vaginal, aumento nos níveis sanguíneos de colesterol LDL, diminuição nos níveis sanguíneos do colesterol HDL, aumento nos níveis sanguíneos de triglicérides, aumento nos níveis sanguíneos de glicose, entre outras.

Existem algumas vantagens para a menopausa: a mulher não precisa se preocupar com métodos anticoncepcionais, não tem mais cólicas menstruais e, para aquelas que tinham endometriose, podem ter diminuição dos sintomas dolorosos. No caso da menopausa tardia, as vantagens ficam por conta de postergar os sintomas do climatério. Entre as desvantagens, pode expor a mulher a maior risco de desenvolver neoplasias malignas como câncer de mama, endométrio ou ovário, explica o médico.

Serviço

Palestras sobre Climatério e Menopausa
Data − 27 de maio
Horário − 10 às 12 horas
Inscrição − gratuita
Local − Auditório do Hospital Universitário da USP
Endereço − Av. Professor Lineu Prestes, 2.565 − Cidade Universitária

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*