Sabedoria: Estrela Guia do Universo


Terça-feira, 27 de dezembro de 2016, às 13h12

 

Dos primórdios à antiguidade até a idade moderna em pleno século XXI, os homens sempre clamaram aos céus por sabedoria. Muitos reis e plebeus pediram essa dádiva antes mesmo do poder ou de um simples pedaço de pão que lhes tirasse a fome. A sabedoria não pode ser avaliada em um exame vestibular, nem tampouco examinada pelo estetoscópio do médico, sendo muitas vezes classificada apenas como um dom natural entre os seres humanos que lhes inspira atos, ideias, façanhas, heroísmos ou todos a um só tempo.

O texto que segue foi criado há uma década para lembrar o Aniversariante do Natal – data simbolicamente instituída em 25 de dezembro – por um poeta solitário e desconhecido. Jesus, nascido há 2016 anos numa região conturbada por guerras e conflitos, seus ensinamentos universais há muito foram sendo esquecidos e por outras tantas vezes seu nome, sequer é lembrado nessa data.

O poeta distante questiona os homens sobre sua sabedoria e esquecimento, desafiando os mais sábios e poderosos dentre todos a impensáveis comparações. Incógnito, recalcitrante, polêmico, austero, paciente, ao mesmo passo contemporâneo e tolerante quanto aos tempos em que coabita como simples criatura num planeta azul chamado Terra, faz uma reflexão sobre a palavra Sabedoria.

Sabe?

por Scadufax

Por acaso quem acha que sabe tudo e tanto,
conhece as letras de todas as músicas,
todos os compositores e os poetas, os cantores?

Tocou todos os mais finos instrumentos musicais
e ouviu todos os seus sons?
Sabe todas as rimas e conhece todas as vozes?

Viveu a glória de todos os heróis e os
horrores de todos os algozes?

Conhece por acaso todas as dores,
todos os sorrisos e todos os amores?

Já viu todas as terras e viajou por todos os mares?
E, se já o fez, por acaso viu todos os peixes
e percorreu todas as profundezas?

Já viu todas as pobrezas humanas ou
já conheceu todas as farturas do mundo?

Provou de todos os sabores,
sentiu todas as fomes,
conheceu todos os amores desnudos?

Teve todas as lealdades,
já viu todas as maldades?

Sofreu todas as traições ou
conhece todas as verdades?

Teve tudo o que quis?
Não percebe o quanto falta?
Sim? Não? Não sabe? Não quer saber?
Não entendeu?

Então não sabe tudo,
nem tanto quanto pensa que sabe.

Sabe aonde fica o infinito e porque o
criaste para findar algo que não pode alcançar?

Então homem, ainda tens muito o que aprender.
E aprender é uma dádiva divina.

Nestas festas natalinas as reflexões sobre o mundo em que vivemos,
o que estamos fazendo com ele e pelos nossos semelhantes,
estão ocupando um pequeno espaço antes de todas as comemorações?

Pelo que ensinou, pelo que fez e pelo que sabe, o Aniversariante do Natal merece esse presente.

“Amarás o teu próximo como a ti mesmo”

Jesus

Marcos – 12:31

Cavalo Marinho, uma das minúsculas criaturas do imenso Oceano. Foto: Wikicommons. Imagem: aloart