Seminário internacional sobre maconha tem início no Rio


Quinta-feira, 2 de julho de 2015, às 17h55


Agência Fiocruz | por Danielle Monteiro

A Fiocruz e os fóruns de Direitos Humanos e de Direito e Saúde da Escola de Magistratura do Rio de Janeiro (Emerj) promoveram nesta quarta-feira (1° de julho), no Centro do Rio de Janeiro, o seminário Maconha: usos, políticas e interfaces com a saúde e direitos. O objetivo do encontro, que se estenderá até o dia 3 de julho, é discutir a atual política sobre o uso, produção e comércio de drogas, que vem sendo cada vez mais questionada por diversos atores da sociedade.

 

Mesa de abertura contou com a presença do presidente do Fórum Permanente de Direitos Humanos da Emerj, Sérgio Verani (à esquerda), do diretor da Emerj, Caetano Ernesto Costa (centro), e do presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha (à direita). Foto: Peter Ilicciev

Mesa de abertura contou com a presença do presidente do Fórum Permanente de Direitos Humanos da Emerj, Sérgio Verani (à esquerda), do diretor da Emerj, Caetano Ernesto Costa (centro), e do presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha (à direita). Foto: Peter Ilicciev

 

Presente à abertura do evento, o presidente do Fórum Permanente de Direitos Humanos da Emerj, Sérgio Verani, destacou que a questão das drogas é tratada de forma estigmatizada e sob o viés repressivo não somente no Brasil, mas em todo o mundo. Verani lembrou que, apesar de a ideologia da guerra às drogas ter surgido nos anos 1960, ela ainda prevalece na América Latina. “No Brasil, há grande extermínio humano pelo Estado e ainda se criminaliza o porte de drogas para uso próprio. Essa criminalização dificulta a assistência à saúde pública”, defendeu. Ele reforçou que o seminário está cumprindo com um de seus principais objetivos: promover a construção e a socialização do conhecimento sobre as drogas, o qual, segundo Verani, ainda está calcado na criminalização, no preconceito, na violência e na estigmatização. “Os efeitos nocivos que a lei traz para a saúde pública é o debate primordial desse encontro”, disse.

O diretor da Emerj, Caetano Ernesto Costa, explicou que, em função de fatos ocorridos nos anos 1960, criou-se um tabu que dificulta a discussão acerca das drogas, pois elas estão associadas a uma geração que tinha o desejo de liberdade e democracia. Para ele, o debate sobre drogas representa a democracia e a liberdade e tem uma interface com a constituição dos direitos fundamentais. “Os próprios eventos que discutem a temática são mal vistos por pessoas tradicionalistas. Para vencermos esse desafio, é preciso debater de verdade a questão das drogas”, afirmou.

 

Close-up da planta fêmea da cannabis. Foto: Wikipedia

Close-up da planta fêmea da cannabis. Foto: Wikipedia

 

Segundo o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha, o debate que será promovido durante o seminário reúne duas questões centrais: direitos humanos e saúde. Ele afirmou que a discussão da temática é essencial para o futuro democrático do Brasil, não somente no que diz respeito aos direitos humanos, mas também ao papel da saúde. Gadelha ainda destacou que o encontro dá frente a um processo hegemônico que começa a dar sinais de ser revertido dentro e fora do país. Segundo ele, não há provas científicas que fundamentam aquilo que distingue as chamadas drogas lícitas das drogas ilícitas. “Se um indivíduo decide ingerir álcool, que é muito prejudicial à saúde, ninguém, em sua sã consciência, vai criminalizar essa pessoa. Quem consome álcool, no entanto, terá que lidar com os riscos e contar com a saúde pública. O mesmo, no entanto, não ocorre com as drogas ilícitas, cuja legislação é parte de um processo calcado na criminalização”, afirmou.

A presidente do Fórum Permanente de Direito e Saúde, Isabel Coelho, disse estar feliz por ter a oportunidade de debater o tema e lembrou que está em julgamento no Supremo Tribunal Federal o processo em que um cidadão recorreu contra a punição por porte de drogas e que, caso a decisão seja favorável, descriminalizaria na prática o consumo pessoal. “Vamos torcer para mudar o atual panorama. Para isso, é preciso um amplo debate”, defendeu.

Marcha da Maconha 2015 em São Paulo. Na foto, participantes da marcha desem pela rua Augusta, no sentido centro da cidade. Foto: Oswaldo Corneti/ Fotos Públicas

Marcha da Maconha 2015 em São Paulo. Na foto, participantes da marcha desem pela rua Augusta, no sentido centro da cidade. Foto: Oswaldo Corneti/ Fotos Públicas

Leia mais sobre
COMPORTAMENTO

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Cineasta sueco registrou a paisagem carioca vista do morro
Assista ao programa de TV Ciência Aberta
Alckmin inaugura estações com Operação Assistida grátis na ZL, vídeo
STF julga Habeas Corpus de Lula, assista ao vivo
Stella Artois | Buy A Lady A Drink – Social Experiment, vídeo
Centro faz pesquisas para tratar e prevenir a obesidade, vídeo
Acompanhe ao vivo o julgamento do recurso do ex-presidente Lula
Centro Esportivo do Tatuapé: obra abandonada e larvas de pernilongos, vídeo
  • Cineasta sueco registrou a paisagem carioca vista do morro

  • Assista ao programa de TV Ciência Aberta

  • Alckmin inaugura estações com Operação Assistida grátis na ZL, vídeo

  • STF julga Habeas Corpus de Lula, assista ao vivo

  • Stella Artois | Buy A Lady A Drink – Social Experiment, vídeo

  • Centro faz pesquisas para tratar e prevenir a obesidade, vídeo

  • Acompanhe ao vivo o julgamento do recurso do ex-presidente Lula

  • Centro Esportivo do Tatuapé: obra abandonada e larvas de pernilongos, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*