NI e as manifestações no Brasil pelo Impeachment Já!
mar14

NI e as manifestações no Brasil pelo Impeachment Já!

O Notícias em Imagens (NI) traz os flagrantes das manifestações deste domingo (13/03) em todo o Brasil. De acordo com as polícias militares, mais de 3,5 milhões de pessoas estiveram nas ruas do país para pedir o afastamento da presidente Dilma Roussef, do fim da corrupção e desvio de dinheiro público, dos desmandos políticos e volta do crescimento da economia. A Operação Lava Jato da Polícia Federal e o juiz Sérgio Moro, foram os grandes protagonistas do apoio...

Leia mais
SP pede Impeachment Já! com a maior manifestação desde as Diretas
mar14

SP pede Impeachment Já! com a maior manifestação desde as Diretas

Segundo o Datafolha, 500 mil pessoas estiveram na Avenida Paulista, palco central das manifestações em São Paulo. Para a PM foram 1,4 milhão, número parecido com o obtido pelos organizadores.

Leia mais
Protestos e manifestações contra o governo e a favor do impeachment
dez14

Protestos e manifestações contra o governo e a favor do impeachment

Em São Paulo e Brasília, milhares de pessoas fizeram manifestações portando faixas, bonecos infláveis e bandeiras do Brasil. Eles querem o fim da corrupção, pedem ética e a prisão dos corruptos.

Leia mais
Brasileiros dão o tom da insatisfação com o governo
ago17
Leia mais
NI: Manifestação na Paulista
ago16
Leia mais
Termina de forma pacífica manifestação prol PT em São Paulo
mar14
Leia mais
Polícia Militar terá reforço na Av. Paulista durante manifestações
mar12

Polícia Militar terá reforço na Av. Paulista durante manifestações

Quinta-feira, 12 de março de 2015, às 11h11 A PM quer garantir o direito de todos, mas estará preparada para controlar situações de dirtúrbios, afirmou em nota. Devido às manifestações marcadas para os dias 13 e 15 de março, a assessoria de Comunicação da Polícia Militar informou hoje que está preparando um reforço no policiamento em toda a cidade de São Paulo, com uma atuação mais específica nas áreas, já identificadas, onde ocorrerão as maiores concentrações de pessoas – principalmente na Avenida Paulista. A Polícia Militar atuará para garantir o direito de manifestação de todos, evitando qualquer confronto de grupos antagônicos que possa vir a ocorrer, bem como o direito da população que fará uso dos mesmos locais, e que não desejam participar da manifestação. Com esses objetivos, foi realizada uma reunião preparatória na tarde de 09 de março na sede do Comando de Policiamento da Capital, com as principais entidades representativasdos movimentos que marcaram seus atos para os dias 13 e ou 15 de março. Estiveram presentes o “Movimento Renovação Liberal”, “Revoltados OnLine”, “Movimento Vem pra Rua”, “Movimento Brasil Livre”, “Movimento Intervencionista Independente”, “CUT” e “APEOESP”, os quais confirmaram que, apesar de alguns grupos possuírem ideais antagônicos, todos estarão nas ruas pacificamente e não aceitarão nenhum tipo de violência em seus movimentos. No dia 13 a concentração ocorrerá na Avenida Paulista a partir das 14h, sendo que a CUT (Central Única dos Trabalhadores), juntamente com a APEOESP (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) se deslocarão a partir das 16h até a Praça da República, local onde encerrarão seus atos. No dia 15 a concentração ocorrerá novamente na Avenida Paulista, só que a partir das 15h, não havendo previsão de término para nenhum dos dois dias. A Polícia Militar atuará com um efetivo necessário e adequado para garantir o direito à manifestação e para o restabelecimento da ordem pública, caso a mesma venha a ser quebrada. De acordo com a demanda apresentada no momento das manifestações, se necessário for, a Polícia Militar irá realocar o efetivo de serviço para a Avenida Paulista, para reforçar o policiamento no local, sempre no intuito de garantir o direito dos cidadãos se manifestarem com segurança. Leia também: Polícia Militar terá reforço na Av. Paulista durante manifestações PSDB divulga nota sobre manifestações de domingo Por um país melhor e mais unido centenas de milhares poderão se reunir domingo...

Leia mais
As ruas continuam mandando seu recado
jun30
Leia mais
Pelo direito de manifestação
jun30
Leia mais
Protesto anti-Copa no Rio chega à Lapa e vira atração turística
jun21
Leia mais
MTST faz manifestação contra lobby do setor imobiliário
jun18

MTST faz manifestação contra lobby do setor imobiliário

Quarta-feira, 18 de junho de 2014 às 17h16 Gerson Soares Em frente ao Secovi (Sindicato da Habitação), na Vila Clementino, em São Paulo, a coordenadora estadual do MTST, Jussara Basso disse: “Quero lembrar a PM que aqui tem mais de 15 mil trabalhadores, não 3.000 como disseram. E nossa luta só vai terminar quando acabar a especulação imobiliária no Brasil. Hoje foi um aviso se os vereadores patrocinados pelas empreiteiras não aprovarem o Plano Diretor, amanhã tem mais e não vamos ficar só na porta não”, completou. “Se não resolver vamos colocar 30 mil em frente à Câmara Municipal”, postou no facebook.       A coordenação do movimento se refere à denúncia de lobby no setor imobiliário durante a votação das ZEIS no Plano Diretor Estratégico. Alô Tatuapé, tem comentado o assunto, referindo-se à construção desenfreada no bairro, um dos puxam o setor imobiliário na capital. As pessoas comentam que “não cabe mais ninguém aqui”, referindo-se ao trânsito.     No entanto, a Câmara Municipal enviou ao Executivo texto substitutivo autorizando a construção de prédios com mais de oito andares nos quarteirões onde já existirem edifícios acima dessa altura. A primeira votação só autorizava edifícios com até 25 metros, o equivalente a oito andares no interior dos bairros. Indepedentemente dos movimentos sociais, São Paulo vive diariamente as consequências da falta de planejamento, a eclosão de inúmeros protestos se dá justamente pela desigualdade. O Brasil mostra uma cara e esconde milhares...

Leia mais
MTST voltará a protestar contra Plano Diretor de São Paulo, diz coordenador
jun18

MTST voltará a protestar contra Plano Diretor de São Paulo, diz coordenador

Quarta-feira, 18 de junho de 2014 às 16h40   Mariana Tokarnia – Agência Brasil / 17.06.2014 – 23h59 | Atualizado em 18.06.2014 – 08h58 Edição: Carolina Pimentel O Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) deve voltar a protestar nesta quarta-feira (18) contra a condução da revisão do Plano Diretor da cidade de São Paulo, informou o coordenador nacional do movimento, Guilherme Boulos, em entrevista ao programa Espaço Público, da TV Brasil, na noite de hoje (17). A expectativa do MTST é reunir 15 mil pessoas na manifestação, que ocorrerá na Avenida Paulista. Boulos disse que apesar do acordo com o governo federal, o movimento não deixará as ruas. “Para o MTST, estar nas ruas e fazer mobilização não é um ponto negociável. Não fechamos nenhum acordo nesse sentido”, disse. “O que nos comprometemos foi a não fazer mobilizações que inviabilizem a Copa do Mundo. E não iremos inviabilizar. Foram R$ 2 bilhões em segurança para impedir que a Copa seja inviabilizada”. A intenção da manifestação, explica ele, é denunciar o lobby do setor imobiliário no plano diretor. O Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo é o principal instrumento de planejamento urbano. Os instrumentos estão sendo revistos “para organizar melhor os espaços da cidade”, como informa o site da prefeitura. O plano vigente é o de 2002. Boulos explica que não apenas São Paulo, mas o país precisa reverter a lógica urbana. A política urbana não pode ser apenas habitacional é preciso oferecer infraestrutura – escolas, transporte, saúde, bibliotecas – aos moradores, segundo ele. “É preciso uma política que não seja excludente. É disso que se trata quebrar os muros sociais. Temos os bairros centrais que são providos de infraestrutura e os periféricos, onde os trabalhadores são jogados, os serviços são precários e a estrutura é precária”. Nesse sentido, o coordenador do MTST critica o Programa Minha Casa, Minha Vida, um dos principais do governo federal. “O programa faz moradias ruins e mal localizadas”, disse e acrescenta que os grandes beneficiados são as empreiteiras, que recebem a mesma quantia do governo independente do local e da qualidade do que constroem. Apesar disso, reconhece que o programa “foi a grande política habitacional depois de 30 anos, desde a década de 80”. Boulos também diz que o problema habitacional do Brasil poderia ser resolvido com desapropriações, que não são feitas por falta de legislação e porque esbarram em interesses econômicos de grandes grupos imobiliários. De acordo com ele, o déficit habitacional do Brasil chega a 7 milhões de unidades habitacionais. Na outra ponta, o número de unidades ociosas é 6,1 milhões. “A maioria dos prédios não está condenada. Está vazia...

Leia mais
Copa do Mundo: Mais protestos no Tatuapé
jun13
Leia mais
Metroviários não param, mas marcam manifestação para o Tatuapé
jun11

Metroviários não param, mas marcam manifestação para o Tatuapé

Quarta-feira, 11 de junho de 2014 às 23h40 Em nota, o Sindicato dos Metroviários avisa que não haverá paralisação nesta 5ª feira (12). No entanto, foi aprovada grande campanha pela readmissão dos 42 funcionários e uma manifestação contra a Copa que começará no bairro do Tatuapé, às 10 horas.       Leia a Nota: A assembleia do dia 11 decidiu suspender a greve marcada para o dia 12. Foi votada uma grande campanha nacional e internacional pela readmissão dos 42 companheiros demitidos. A primeira atividade será a realização do ato “Na Copa Vai Ter Luta”. Diversas entidades do movimento sindical, popular e estudantil realizam no dia 12 (quinta-feira), às 10h, um ato contra os gastos com a Copa, que incorporou a luta pela reintegração dos demitidos pelo governo Alckmin. A concentração do ato será na sede do Sindicato (Rua Serra do Japi, 31 Tatuapé). Também por conta da realização da Copa do Mundo, será confeccionado um adesivo em três línguas (português, espanhol e inglês) pela readmissão. Um adesivo para carro também será elaborado. Será feito um manifesto com a adesão de artistas, esportistas, intelectuais e várias personalidades exigindo a reintegração dos companheiros. Ou seja, uma ampla campanha será deflagrada e todos os caminhos serão buscados para que os 42 trabalhadores voltem ao trabalho....

Leia mais
Isenções de impostos para a Fifa e séquito
maio30

Isenções de impostos para a Fifa e séquito

Gerson Soares A notícia não é recente, mas vale lembrar a isenção de impostos aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo então presidente Lula, concedida à Fédération Internationale de Football Association (Fifa). A Lei nº 12.350, de 20 de dezembro de 2010, que beneficia a Fifa, porquanto a realização da Copa 2014 no Brasil, ao mesmo tempo promoveu desoneração tributária destinadas às atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico nas empresas. Para tanto, essa lei teve de alterar 14 outras e dois decretos-leis. Além destes, revogou dispositivos de mais quatro leis. Em seguida, foi alterada pela Lei nº 12.431, de 24 de junho de 2011, novamente pela Lei nº 12.462, de 4 de agosto de 2011, e outra vez alterada pela Lei nº 12.839, de 9 de julho de 2013 – esta última recebeu vetos da presidente. A Lei nº 12.431, por sua vez, foi alterada mais três vezes, como segue: – Alterada pela Lei nº 12.715, de 17 de setembro de 2012. – Alterada pela Lei nº 12.844, de 19 de julho de 2013. – Alterada pela Lei nº 12.973, de 13 de maio de 2014. Há um velho ditado que diz: “Onde não há governo, todo mundo manda”. Muita gente acredita nisso.     A Fifa está fazendo seu papel de impor regras para realizar o mundial de futebol. O Congresso Nacional, devido às inúmeras manifestações de insatisfação com a realização da Copa – que minam a energia de quem precisa se locomover, trabalhar, estudar, ir ao médico, ao hospital, entre outros afazeres de uma vida normal –, poderia usar o tempo disponível para tratar de assuntos de interesse da Nação com a mesma presteza com que o fez para isentar dos impostos, a Fifa e o séquito que se move ao redor dos eventos que promove. Como se sabe, existem projetos importantes tramitando no Congresso há décadas e não merecem a devida atenção. Um deles, a própria reforma tributária. A falta de uma política de tributação condizente, tira dos brasileiros cinco meses de trabalho por ano, só para pagar impostos, segundo dados da Associação Comercial de São Paulo. O destaque deste post, mostra o Impostômetro, que registrava o valor pago a cada segundo, por volta das 10h desta manhã. Mais abaixo, o leitor pode observar sua atualização. No que diz respeito, particularmente aos benefícios tributários às diversas atividades envolvidas na Copa do Mundo, é preciso lembrar que ao comprar um sorvete, por exemplo, o dinheiro de ricos ou pobres tem o mesmo valor, mas causam diferentes impactos nos respectivos orçamentos. A carga tributária que incide sobre ambos é a mesma. Ao Brasil só interessa o imediatismo ou o...

Leia mais
Greves
maio21

Greves

Gerson Soares Após um dia tenso, que ainda não acabou para muitos usuários dos transportes coletivos, motoristas e cobradores de ônibus entraram em acordo na sede da Delegacia Regional do Trabalho (DRT) e prometeram voltar ao trabalho a 0h desta quinta-feira (22). Porém, os representantes condicionaram o acordo à intervenção do prefeito Fernando Haddad, que deve ser marcada para amanhã. Em Ribeirão Preto, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse hoje (21) que “greve de motoristas e cobradores de ônibus é um assunto municipal e está fora de alçada do governo”. Ele também afirmou que se houve sabotagem por parte dos grevistas, como afirmou o prefeito, a polícia deve investigar. O prefeito cogitou a intervenção da PM e pediu investigação do Ministério Público. A greve dos ônibus já atrapalhou bastante a vida dos paulistanos nestes dois últimos dias. Agora, é a vez dos metroviários que entraram em estado de greve no início da noite, mas ainda não significa uma paralisação da categoria. E como sempre quem vai pagar a conta são os cidadãos que nada tem com essas greves que se alastram pelo país. As categorias fazem suas reivindicações exercendo plenamente seus direitos e aqueles que pagam boa parte dos salários e condições reivindicadas é que são os prejudicados, ou seja, a população. As greves que se multiplicam no país têm logicamente o intuito de serem visadas pelo mundo afora, devido a aproximação da Copa do Mundo, cuja abertura se dará em 21 dias. Que as categorias têm o direito de reivindicar não resta dúvida, mas se por um lado eles tentam resolver os seus problemas classistas, por outro não se pode perder de vista os direitos adquiridos também pelos cidadãos que precisam trabalhar, ir aos hospitais, às escolas e ter sua liberdade garantida. Com a greve dos rodoviários, movimentação de passageiros na Central do Brasil é intensa, mostra a imagem. A situação se repete cada vez que os transportes públicos são afetados pelas greves. Em São Paulo, na noite de ontem, as pessoas tiveram de voltar a pé para suas casas, em meio a elas estão idosos, crianças, doentes e trabalhadores depois da jornada de trabalho, que com ou sem ônibus, metrô e trem terão de voltar ao trabalho no dia...

Leia mais
Prefeitura suspende rodízio de veículos na tarde desta quarta-feira
maio21

Prefeitura suspende rodízio de veículos na tarde desta quarta-feira

Devido a paralisação dos ônibus no transporte público da Capital, os veículos com placas com finais 5 e 6 foram liberados para circular no horário de pico. O secretário Jilmar Tatto (Transportes) informou nesta quarta-feira (21) em coletiva de imprensa que a Prefeitura decidiu suspender o rodízio municipal de veículos desta tarde devido à paralisação dos motoristas dos ônibus do transporte público da Capital. Com esta decisão, os veículos com placas com finais 5 e 6 foram liberados para circular no horário de pico. A medida tem como objetivo amenizar os impactos da interrupção na circulação dos coletivos.   “É um transtorno na cidade. Nós estamos fazendo todos os esforços no sentido de acabar com este problema, envolvendo todos os órgãos governamentais, fazendo com que os empresários tomem medidas concretas no sentido de garantir a prestação de serviço e pedindo ao sindicato que assuma o controle da situação”, afirmou Tatto. Até o fim da manhã desta quarta-feira, as paralisações afetaram 350 mil passageiros do sistema de transporte público da Capital em 11 terminais de ônibus principalmente nas zonas norte e oeste, segundo a Prefeitura. Há também terminais fechados na zona sul e na região central. Às 12h, estavam fechados os terminais Capelinha, Jardim Angêla, João Dias, Pirituba, Lapa Cachoeirinha, Casa Verde, Santana, Princesa Isabel, D. Pedro II e parte do Mercado. Segundo informações do secretário Tatto, o sindicato das empresas de transporte coletivo de São Paulo, SPUrbanuss, irá entrar com uma ação junto ao Tribunal Regional de Trabalho para que seja decretada a ilegalidade do movimento de paralisação em andamento na Capital. “A Spurbanuss está entrando no TRT no sentido de verificar um mecanismo jurídico de decretar este movimento como ilegal, porque não tem interlocutor na cidade. Tivemos também atos de vandalismo”, disse o secretário. Por meio da Secretaria de Transportes, a Prefeitura está em contato direto tanto com o sindicato patronal quanto com o Sindicato dos Motoristas de São Paulo para que o serviço de transporte coletivo volte o mais rápido possível à normalidade. Nesta tarde, Luis Antonio Medeiros, Superintendente Regional do Trabalho e do Emprego, reúne-se com os trabalhadores da Viação Santa Brígida, empresa em que foi verificado o início do movimento. Às 15h30 desta terça-feira, o prefeito Fernando Haddad e o secretário Jilmar Tatto se reunirão com o secretário estadual de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, para discutir ações em parceria com a Polícia Militar para desobstrução de vias e de terminais, além da prevenção de casos de vandalismo. “Se uma via está obstruída por um ônibus, caso não haja resistência, a CET, a SPTrans ou o guincho das próprias empresas retira o veículo. Se tiver...

Leia mais
Prefeito considera paralisação do transporte injustificável e inadmissível
maio21

Prefeito considera paralisação do transporte injustificável e inadmissível

Prefeitura pedirá providências ao Ministério Público Estadual (MPE) para que puna os responsáveis pelos atos de paralisação do transporte coletivo desta terça-feira (20). Em entrevista coletiva no início da noite desta terça-feira (20), o prefeito Fernando Haddad classificou como injustificável e inadmissível o ato de paralisação do transporte coletivo municipal que prejudicou a população desde o início da manhã até a noite de hoje. As paralisações dos ônibus não foram organizadas pela diretoria do Sindicato dos Motoristas de São Paulo e contrariou uma decisão tomada coletivamente em assembleia da categoria, na noite de segunda-feira (19), quando foi aprovada proposta de reajuste 10% no salário, além de inclusão de direitos como insalubridade e aposentadoria especial. A administração municipal está investigando junto as empresas e sindicato quem poderia ter organizado os atos e acionará o Ministério Público Estadual (MPE) para que tome providências e puna os responsáveis pela paralisação que prejudicou os usuários. A Secretaria Municipal de Transportes estima que o ato tenha prejudicado, em alguns momentos, cerca de 230 mil pessoas e atingiu 14 terminais urbanos. “Foi uma penalização para a população que foi injustificável e inadmissível. Somos todos trabalhadores. Como é que se toma uma atitude dessas sem sequer anunciar quem você é e qual sua motivação para tomar uma atitude tão radical como essa? Ainda mais contrariando a direção do sindicato, o que ainda é mais incomum”, disse Haddad. Para tentar amenizar os impactos da paralisação, o rodízio municipal de veículos foi suspenso no fim da tarde desta terça-feira (20), o Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência (PAESE) foi acionado e guinchos da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) estão retirando os veículos das vias. “Esse tipo de atitude não tem precedentes na cidade de São Paulo. Já houve caso semelhante, mas era fácil identificar a motivação e a autoria. Nesse caso, a motivação não está clara e a autoria tão pouca. É muito incomum o que está acontecendo”, afirmou o prefeito. De acordo com o secretário Jilmar Tatto (Transportes), a CET e a SPTrans irão preparar um material com toda documentação e informações colhidas sobre o ato para instruir o processo e enviar para o Ministério Público. “Estamos verificando o ponto de vista jurídico e se esse tipo de ação tem envolvimento de parte do sindicato, o que tudo indica que tem, que é um problema de divergência política dentro da entidade e que agiram e extrapolaram as funções do próprio sindicato. Também poderá ser tomada medidas em relação a isso e em alguns casos até do ponto de vista penal”, afirmou Tatto. As polícias Civil Estadual e Federal também serão acionadas pela Prefeitura...

Leia mais
Cidade parada em dia de preparativos para a Copa
maio15

Cidade parada em dia de preparativos para a Copa

Gerson Soares / 14h A quinta-feira deve continuar complicada. Os protestos contra a realização da Copa é um pretexto para que várias categorias se manifestem. A manhã desta quinta-feira foi marcada por inúmeros protestos que praticamente interditaram as principais vias da cidade. Marginal do Tietê e Radial Leste, próximo ao Itaquerão, além da Marginal Pinheiros e Rodovia Anhanguera, estão entre os pontos interditados. A cidade vive o clima de ensaio para a abertura da Copa. Sábado, para o jogo na Arena Corinthians, é esperado um público de 40 mil pessoas e servirá como teste. Os professores municipais marcaram para as 14h uma passeata entre a Secretaria Municipal de Educação. Às 17h, na Praça do Ciclista na avenida Paulista, está marcado o 7º movimento contra a realização da Copa. Segundo informações do site de O Estado de São Paulo, neste momento está sendo realizada uma manifestação na Avenida Paulista e a Rua da Consolação, no sentido da Paulista, também está tomada por manifestantes. As demais, que tiveram início pela manhã, deram...

Leia mais
Manifestação no Tatuapé, contra a Copa
abr29

Manifestação no Tatuapé, contra a Copa

Manifestantes estão reunidos neste momento para protestar contra a Copa 2014 que será realizada no Brasil. A Polícia Militar está posicionada para impedir o fechamento da Radial Leste, mas os manifestantes já fecharam a Rua Tuiuti e os ônibus não conseguem chegar nem sair do Terminal. Os protestos no Tatuapé contra a realização da Copa do Mundo no Brasil tomaram as passarelas do metrô. As pessoas estão voltando para casa a pé, pois não há táxis por perto. O ponto de táxi na Praça Sílvio Romero estava vazio agora...

Leia mais