Telescópio da NASA revela sete planetas parecidos com a Terra


Quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017, às 20h11


Cientistas e astrônomos comemoram a maior descoberta espacial dos últimos 14 anos. Os exoplanetas estão em torno de uma única estrela na constelação de Aquário.

Gerson Soares

A NASA, agência espacial norte-americana, divulgou nesta quarta-feira (22) em coletiva de imprensa e publicação na revista Natura, o que os astrônomos estão comparando à a um tesouro. Eles estão celebrando a descoberta de sete planetas parecidos com a Terra, cujo órbita comparam com a da luas do gigantesco planeta Júpiter do nosso sistema solar.

 

A estrela TRAPPIST-1, tem sete planetas do tamanho da Terra orbitando-o. Esta concepção artística foi publicada na  capa da revista Nature. Crédito: NASA / JPL-Caltech

A estrela TRAPPIST-1, tem sete planetas do tamanho da Terra orbitando-o. Esta concepção artística foi publicada na capa da revista Nature. Crédito: NASA / JPL-Caltech

 

A uma distância espacial relativamente pequena, “apenas” 40 anos-luz ou 235 trilhões de milhas, esses exoplanetas – como são conhecidos cientificamente por estarem fora do nosso sistema solar – estão orbitando uma estrela anã. Esses astros, conhecidos como “anões vermelhos”, são abundantes na Via Láctea, bem menores e mais frios do que os de grandeza comparável ao sol.

O sistema onde foram encontrados os planetas é chamado de TRAPPIST-1 (The Transiting Planets and Planetesimals Small Telescope) que vem de Planetas Transitando e o Pequeno Telescópio Planetesimal (TRAPPIST) localizado no Chile, país que possui uma área das mais favoráveis para a observação planetária à partir da Terra.

Os investigadores que observam o TRAPPIST, localizaram três planetas em maio de 2016, mas com a assistência de outros telescópios terrestres, incluindo o Spitzer (European Southern Observatory’s Very Large Telescope) foram confirmados dois desses planetas e mais cinco, anunciados hoje.

 

Esta ilustração mostra a possível superfície de TRAPPIST-1f, um dos planetas recém-descobertos no sistema TRAPPIST-1. Crédito: NASA / JPL-Caltech

Esta ilustração mostra a possível superfície de TRAPPIST-1f, um dos planetas recém-descobertos no sistema TRAPPIST-1. Crédito: NASA / JPL-Caltech

 

De acordo com a NASA todos esses sete planetas poderiam ter água líquida – chave para a vida como a conhecemos – sob as condições atmosféricas corretas, mas as chances são maiores com os três na zona habitável.

“Esta descoberta pode ser uma peça significativa no quebra-cabeças de encontrar ambientes habitáveis, lugares propícios para a vida”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado do Departamento de Missão Científica da agência em Washington. “Responder à pergunta ‘estamos sozinhos’ é uma prioridade científica e encontrar tantos planetas como estes pela primeira vez na zona habitável é um passo notável em direção a esse objetivo”.

Com base em suas densidades, todos os planetas do sistema TRAPPIST-1 podem ser rochosos. Outras observações não só ajudarão a determinar se eles são ricos em água, mas também possivelmente revelar se poderiam ter água líquida em suas superfícies. A massa do sétimo exoplaneta, mais distante, ainda não foi estimada – os cientistas acreditam que poderia ser um mundo gelado, como uma “bola de neve”, mas são necessárias mais observações.

“As sete maravilhas do TRAPPIST-1 são os primeiros planetas do tamanho da Terra que foram encontrados orbitando este tipo de estrela”, disse Michael Gillon, principal autor do estudo e investigador principal do estudo TRAPPIST sobre exoplanetas na Universidade de Liege, Bélgica. “É também o melhor alvo ainda para estudar as atmosferas de mundos potencialmente habitáveis parecidos com a Terra (Earth-size).”

Ilustração mostra os caminhos da colisão da Via Láctea e a galáxia de Andrômeda. As galáxias estão se movendo em uma em direção a outra, sob a força inexorável da gravidade que existe entre elas. Também é mostrada uma galáxia menor, conhecida como Triângulo, que deve se juntar ao encontro. Crédito foto: NASA; ESA; A. Feild e R. van der Marel, STScI

Ilustração mostra os caminhos da colisão da Via Láctea e a galáxia de Andrômeda. As galáxias estão se movendo em uma em direção a outra, sob a força inexorável da gravidade que existe entre elas. Também é mostrada uma galáxia menor, conhecida como Triângulo, que deve se juntar ao encontro. Crédito foto: NASA; ESA; A. Feild e R. van der Marel, STScI

Leia mais sobre
ASTRONOMIA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce
Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d
Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia
Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo
Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar
Animação sobre a prevenção do câncer de mama
  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

  • Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce

  • Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d

  • Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia

  • Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo

  • Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar

  • Animação sobre a prevenção do câncer de mama

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*