Telescópio espacial Hubble confirma informação sobre buracos negros supermassivos


Quinta-feira, 20 de agosto de 2015, às 09h30 - atualizado às 10h25


A confirmação é a ligação entre fusões e buracos negros supermassivos com jatos relativísticos. Entenda melhor esta poderosa força espacial.

 

Foto: NASA/ESA/STScI Text credit: European Space Agency

Foto: NASA/ESA/STScI
Text credit: European Space Agency

 

Uma equipe de astrônomos usando o Telescópio Espacial Hubble descobriu uma relação inequívoca entre a presença de buracos negros supermassivos e o seu poder de alta velocidade com jatos de sinais rádio-emissores e a história da fusão de suas galáxias hospedeiras. Quase todas as galáxias com esses jatos que foram encontradas tiveram a fusão com outra galáxia, ou fizeram-na recentemente.

Galáctia elíptica M87 emitindo um jato relativístico, como vista pelo detector WFPC2 do Telescópio Espacial Hubble no espectro visível. Foto: NASA and The Hubble Heritage Team (STScI/AURA)

Galáctia elíptica M87 emitindo um jato relativístico, como vista pelo detector WFPC2 do Telescópio Espacial Hubble no espectro visível. Foto: NASA and The Hubble Heritage Team (STScI/AURA)

A equipe estudou uma grande variedade de galáxias com centros extremamente luminosos – conhecidos como núcleos galácticos ativos (NGA) – e concluiu serem o resultado de grandes quantidades de matéria aquecida circulando ao redor e sendo consumidas por um buraco negro supermassivo.

Pensa-se que enquanto a maioria das galáxias existem ​para hospedar buracos negros supermassivos, apenas uma pequena percentagem deles são tão luminosos e menos ainda dão um passo adiante, formando o que é conhecido como jatos relativísticos. Os dois jatos de alta velocidade de plasma movem-se quase à velocidade da luz e fluem para fora em sentidos opostos em ângulo reto com o disco de matéria em torno do buraco negro, estendendo-se milhares de anos-luz no espaço.

Jato Relativístico. O ambiente em torno do NGA é onde o plasma relativístico é colimado em jatos que escapam ao longo do polo do buraco negro supermassivo. Foto: Wikipedia

Jato Relativístico. O ambiente em torno do NGA é onde o plasma relativístico é colimado em jatos que escapam ao longo do polo do buraco negro supermassivo. Foto: Wikipedia

Observações futuras poderão expandir e definir esse levantamento, chegar ainda mais longe e continuar a lançar luz sobre esses processos complexos e poderosos.

A galáxia anã está localizada no aglomerado de galáxias Abell 1795. Foto: Raio-X: NASA / CXC / Univ. de Alabama / W.P.Maksym et al & NASA / CXC

A galáxia anã está localizada no aglomerado de galáxias Abell 1795. Foto: Raio-X: NASA / CXC / Univ. de Alabama / W.P.Maksym et al & NASA / CXC

Leia mais sobre
ASTRONOMIA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*