Telescópio espacial Hubble confirma informação sobre buracos negros supermassivos


Quinta-feira, 20 de agosto de 2015, às 09h30 - atualizado às 10h25


A confirmação é a ligação entre fusões e buracos negros supermassivos com jatos relativísticos. Entenda melhor esta poderosa força espacial.

 

Foto: NASA/ESA/STScI Text credit: European Space Agency

Foto: NASA/ESA/STScI
Text credit: European Space Agency

 

Uma equipe de astrônomos usando o Telescópio Espacial Hubble descobriu uma relação inequívoca entre a presença de buracos negros supermassivos e o seu poder de alta velocidade com jatos de sinais rádio-emissores e a história da fusão de suas galáxias hospedeiras. Quase todas as galáxias com esses jatos que foram encontradas tiveram a fusão com outra galáxia, ou fizeram-na recentemente.

Galáctia elíptica M87 emitindo um jato relativístico, como vista pelo detector WFPC2 do Telescópio Espacial Hubble no espectro visível. Foto: NASA and The Hubble Heritage Team (STScI/AURA)

Galáctia elíptica M87 emitindo um jato relativístico, como vista pelo detector WFPC2 do Telescópio Espacial Hubble no espectro visível. Foto: NASA and The Hubble Heritage Team (STScI/AURA)

A equipe estudou uma grande variedade de galáxias com centros extremamente luminosos – conhecidos como núcleos galácticos ativos (NGA) – e concluiu serem o resultado de grandes quantidades de matéria aquecida circulando ao redor e sendo consumidas por um buraco negro supermassivo.

Pensa-se que enquanto a maioria das galáxias existem ​para hospedar buracos negros supermassivos, apenas uma pequena percentagem deles são tão luminosos e menos ainda dão um passo adiante, formando o que é conhecido como jatos relativísticos. Os dois jatos de alta velocidade de plasma movem-se quase à velocidade da luz e fluem para fora em sentidos opostos em ângulo reto com o disco de matéria em torno do buraco negro, estendendo-se milhares de anos-luz no espaço.

Jato Relativístico. O ambiente em torno do NGA é onde o plasma relativístico é colimado em jatos que escapam ao longo do polo do buraco negro supermassivo. Foto: Wikipedia

Jato Relativístico. O ambiente em torno do NGA é onde o plasma relativístico é colimado em jatos que escapam ao longo do polo do buraco negro supermassivo. Foto: Wikipedia

Observações futuras poderão expandir e definir esse levantamento, chegar ainda mais longe e continuar a lançar luz sobre esses processos complexos e poderosos.

A galáxia anã está localizada no aglomerado de galáxias Abell 1795. Foto: Raio-X: NASA / CXC / Univ. de Alabama / W.P.Maksym et al & NASA / CXC

A galáxia anã está localizada no aglomerado de galáxias Abell 1795. Foto: Raio-X: NASA / CXC / Univ. de Alabama / W.P.Maksym et al & NASA / CXC

Leia mais sobre
ASTRONOMIA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce
Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d
Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia
Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo
Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar
Animação sobre a prevenção do câncer de mama
  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

  • Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce

  • Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d

  • Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia

  • Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo

  • Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar

  • Animação sobre a prevenção do câncer de mama

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*