Temer precisa independência para concluir ministérios e acalmar os mercados

Sábado, 7 de maio de 2016 às 10h33


Preso aos antigos costumes políticos – na base do toma lá, da cá –, Brasil reincidirá nos mesmos erros. Ministérios são para pessoas capacitadas e a corrida aos cargos disponíveis só atrapalha, caso venha a se confirmar o impeachment de Dilma Roussef, o novo presidente precisa manter sua serenidade para compor um bom ministério.

Gerson Soares

Na semana agitada que ainda não terminou, o vice-presidente Michel Temer continuou fazendo articulações e reunindo-se com vários setores. Representantes do setor de máquinas e equipamentos pediram na quarta-feira (4) a contenção da queda do consumo e dos investimentos no país. O presidente da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Carlos Pastoriza, disse que Temer terá “uma janela” de confiança de 90 dias para “fazer um cavalo de pau” na economia, destacando que nos últimos dois anos o consumo no setor caiu 15% e os investimentos 40%, com tendência de mais queda – divulgou a mídia.

 

Michel Temer ao lado do presidente do Senado Renan Calheiros e do presidente do PSDB, senador Aécio Neves: árdua tarefa de conciliar interesses tão difusos se estende aos líderes dos demais partidos, da sociedade e setores econômicos. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Michel Temer ao lado do presidente do Senado Renan Calheiros e do presidente do PSDB, senador Aécio Neves: árdua tarefa de conciliar interesses tão difusos se estende aos líderes dos demais partidos, da sociedade e setores econômicos. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

 

Para o setor, no curto prazo, o eventual governo Temer deve baixar a taxa básica de juros (Selic) e reduzir o número de pastas ministeriais. Pastoriza, no entanto, enalteceu junto aos jornalistas que os ministérios da Agricultura e do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, são as bases do crescimento econômico e não se deve fazer mudanças bruscas nesses setores. “Entendemos que tem que haver um corte na carne do governo, sem aumento de impostos”, ressaltou.

Politicamente, o deputado federal Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) reuniu-se com o vice-presidente e, após o encontro, disse que o PMDB não pode errar na condução do país. Questionado por jornalistas se ele e Temer conversaram sobre uma eventual redução no número de ministérios, o pernambucano afirmou que o vice-presidente não deve fazer uma redução de imediato sem antes uma análise sobre as consequências desse tipo de medida somente para contentar a sociedade e a mídia.

“Entendi que ele não ia fazer essa redução agora. Acho que ele está certo para não cometer equívoco e fazer uma coisa só para atender à expectativa da sociedade e da própria mídia. Se ele diz que, nessa interinidade, vai se debruçar sobre isso para analisar, acho que merece um crédito de confiança”, relatou.

Especula-se que dentre os possíveis nomes mais cotados surgiu, por último, o de Leonardo Picciani (PDMB-RJ), defensor de Dilma Roussef. A ex-ministra do STF, Ellen Gracie, ficaria com a CGU (Controladoria-geral da União; para o Ministério da Justiça, o mais cotado é Alexandre Morais, atual secretário de Segurança Pública de São Paulo e Renata Abreu (PTN-SP) no ministério dos Direitos Humanos; Fernando Coelho, líder do PSB na Câmara dos Deputados, ocuparia o Ministério da Integração Nacional. O tucano José Serra (PSDB-SP) iria para o Ministério das Relações Exteriores e ao lado de Henrique Meirelles na Fazenda e Romero Jucá (PMDB-RR) no Planejamento, formariam a tríade da base econômica.

Esta equação político-econômica é o desafio do momento para Michel Temer, tido como hábil articulador: antes de dar início ao seu provável governo, para que obtenha o apoio no Congresso Nacional e contente os possíveis aliados, ele deverá encontrar os nomes mais qualificados para ocupar cargos do primeiro escalão. Essa tem sido sua tarefa, com data para ser concluída, se quiser acalmar a economia interna e causar uma boa impressão aos investidores externos.

Ao que tudo indica, na próxima quarta-feira (11) ou mais tardar quinta-feira (12), o Senado deverá afastar a presidente Dilma Roussef do cargo da presidência. Portanto, um ministério definido até a semana que vem será crucial para um bom início. A sociedade brasileira espera muito do novo governo que deve dar uma resposta enérgica às crises que assolam o país.

Ilustração aula política histórica: aloart / sobrefotos de George Crux e Benjamin Earwicker / Getty Images

Ilustração aula política histórica: aloart / sobrefotos de George Crux e Benjamin Earwicker / Getty Images

Leia mais sobre
OPINIÃO

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*