Tubarões


Sexta-feira, 25 de setembro de 2015, às 18h30


Existem mais de 500 espécies de tubarões que nadam nos oceanos do mundo. No entanto, quando a maioria das pessoas pensa nestes peixes cartilaginosos (gênero Euselachii), uma única imagem vem à mente: um animal grande, de dentes afiados e assustador.

Essa generalização traz aos tubarões um prejuízo enorme, pois eles têm muito mais variedades do que isso. Variam no tamanho do comprimento de uma mão humana para mais de 39 pés (12 metros) de comprimento; metade das espécies de tubarões têm menos de um metro (ou cerca de 3 pés) de comprimento. Eles possuem cores variadas (incluindo a cor que se compara a um chiclete rosa), e alguns se alimentam de minúsculos plânctons, enquanto outros preferem peixes maiores e lulas. Eles são encontrados em praticamente todos os tipos de habitats do oceano, incluindo o mar profundo, oceano aberto, recifes de coral, e sob o gelo ártico.

 

Grande tubarão-martelo em Bimini, Bahamas. Foto: Laura Rock, Florida

Grande tubarão-martelo em Bimini, Bahamas. Foto: Laura Rock, Florida

 

Onde quer que vivam, os tubarões têm um papel importante nos ecossistemas marinhos – especialmente as espécies maiores, que são mais “assustadoras” para as pessoas. Tubarões e outros membros de seu gênero, foram os primeiros predadores vertebrados, e suas proezas, aperfeiçoadas ao longo de milhões de anos de evolução, que lhes permite caçar como predadores do topo da cadeia, mantendo os ecossistemas em equilíbrio.

Mas os tubarões estão com problemas. O aumento da demanda por sopa de barbatana de tubarão, uma iguaria asiática, resultou no aumento da pesca de tubarões em todo o mundo; um número estimado de 100 milhões, são mortos pela pesca a cada ano. Os tubarões são capturados acidentalmente em redes ou em pesca de linha longa (no Brasil também é também chamada de espinhel - SP). E por causa do medo desnecessário estimulado por filmes como Tubarão, para algumas pessoas o melhor a fazer é ferir ou matar tubarões – como o polêmico abate na Austrália. (Isto acontece, apesar do fato de que é mais provável alguém ser morto por um raio do que mordido por um tubarão, e mais propensos a um ataque de cão do que de tubarão.) Combinadas, essas ações têm diminuído muito as populações de tubarões – por volta de 90 por cento desde que a pesca em grande escala começou.

Tudo isso coloca estes incríveis animais – e os ecossistemas em que eles desempenham um papel essencial – em perigo. Para protegê-los, comunidades e empresas ao redor do mundo estão aprovando as políticas de gestão da pesca com base científica, a criação de santuários de tubarões, e proibindo a prática da remoção e o comércio das barbatanas de tubarão.

Ilustração: O Arqueano Mundial / Peter Sawyer

Ilustração: O Arqueano Mundial / Peter Sawyer

Leia mais sobre
OCEANO PRÉ-HISTÓRICO

 

Moreia Guineafowl. Foto: Wolcott Henry

Moreia Guineafowl. Foto: Wolcott Henry

Leia mais sobre
OCEANOS

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce
Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d
Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia
Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo
Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar
Animação sobre a prevenção do câncer de mama
  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

  • Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce

  • Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d

  • Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia

  • Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo

  • Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar

  • Animação sobre a prevenção do câncer de mama

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*