Nova perspectiva sobre um extraordinário Cluster de Galáxias


Terça-feira, 10 de novembro de 2015, às 11h25


Cluster, em astronomia, pode ser traduzido como um aglomerado de estrelas e um ano-luz equivale a 10 trilhões de quilômetros. São números avantajados, os utilizados nessa ciência.

NASA Sept. 30, 2015 | Editor: Lee Mohon
Edição em português: Gerson Soares

Clusters de galáxias são muitas vezes descritos por superlativos. Afinal, eles são imensos conglomerados de galáxias, gás quente e matéria escura e representam as maiores estruturas no Universo que se mantêm unidas pela gravidade.

 

Créditos da imagem: X-ray: NASA/CXC/MIT/M. McDonald et al.; Optical: NASA/STScI

Créditos da imagem: X-ray: NASA/CXC/MIT/M. McDonald et al.; Optical: NASA/STScI

 

Os clusters de galáxias tendem a ser pobres na produção de novas estrelas em seus centros. Eles geralmente têm uma galáxia gigante em seu centro que forma estrelas a um ritmo significativamente mais lento do que a maioria das galáxias – incluindo a nossa Via Láctea.

A galáxia central contém um buraco negro supermassivo cerca de mil vezes mais maciço do que a do centro de nossa galáxia. Sem aquecimento por explosões a partir deste buraco negro, as grandes quantidades de gás quente encontradas na galáxia central devem arrefecer, permitindo formar um alto clip de estrelas. Pensa-se que o buraco negro central age como um termostato, prevenindo o resfriamento rápido em torno do gás quente e impedindo a formação de estrelas.

Novos dados forneceram mais detalhes sobre como o aglomerado de galáxias SPT-CLJ2344-4243, apelidado de Cluster Phoenix, para a constelação em que ele foi encontrado, desafia essa tendência. O cluster aniquilou vários registros do passado: em 2012, cientistas anunciaram que o Cluster Phoenix contava com a maior taxa de arrefecimento de gás quente e formação de estrelas jamais vista no centro de um aglomerado de galáxias, e seria o mais poderoso produtor de raios-X de todos os grupos conhecidos. A taxa a que o gás quente é arrefecido no centro do aglomerado também era a maior já observada.

Novas observações deste aglomerado de galáxias em raios-X, ultravioleta e comprimentos de ondas ópticas pelo Observatório de raios-X Chandra da NASA, do telescópio espacial Hubble e do telescópio Clay-Magalhães localizado no Chile, estão ajudando os astrônomos a entender melhor esse objeto notável. Dados ópticos do Clay-Magalhães revelam filamentos estreitos do centro no aglomerado onde as estrelas estão se formando. Estes massivos filamentos cósmicos de gás e poeira, a maioria dos quais nunca tinham sido detectados antes, estendem-se por 160 mil a 330 mil anos-luz.

Isso é mais do que toda a largura da galáxia que conhecemos como Via Láctea (parte do seu esplendor pode ser visto a olho nu da Terra), o que os torna os filamentos mais extensos jamais vistos num aglomerado de galáxias. Para se ter uma ideia de tamanho, em astronomia 1 ano-luz tem o valor aproximado de 10 trilhões de quilômetros, perto de 6 trilhões de milhas.

Imagem de raios-X Chandra da Hydra A, um aglomerado de galáxias a 840 milhões de anos-luz da Terra, mostra filamentos de gás Celsius 35-40000000 grau incorporado em uma grande nuvem de gás quente que igualmente possui vários milhões de anos-luz de diâmetro. Também uma parte branca brilhante de gás com altas temperaturas de muitos milhões de graus Celsius é vista, sendo empurrada para o centro do cluster. Como os maiores objetos gravitacionalmente ligados no universo, aglomerados de galáxias fornecem pistas importantes para a compreensão da origem e o destino do universo. Imagem: NASA / CXC / SAO

Imagem de raios-X Chandra da Hydra A, um aglomerado de galáxias a 840 milhões de anos-luz da Terra, mostra filamentos de gás Celsius 35-40000000 grau incorporado em uma grande nuvem de gás quente que igualmente possui vários milhões de anos-luz de diâmetro. Também uma parte branca brilhante de gás com altas temperaturas de muitos milhões de graus Celsius é vista, sendo empurrada para o centro do cluster. Como os maiores objetos gravitacionalmente ligados no universo, aglomerados de galáxias fornecem pistas importantes para a compreensão da origem e o destino do universo. Imagem: NASA / CXC / SAO

Leia mais sobre
ASTRONOMIA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce
Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d
Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia
Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo
Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar
  • Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

  • Catálogo on-line reunirá informações de 2,3 mil espécies de peixes de água doce

  • Faça um passeio pelo “solo alienígena” do exoplaneta TRAPPIST-1d

  • Video: Venha com a gente para as profundezas dos Corais da Amazônia

  • Desmatamento dispara na Amazônia, vídeo

  • Benefícios da caminhada e da bicicleta superam malefícios da poluição do ar

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*