Nova perspectiva sobre um extraordinário Cluster de Galáxias


Terça-feira, 10 de novembro de 2015, às 11h25


Cluster, em astronomia, pode ser traduzido como um aglomerado de estrelas e um ano-luz equivale a 10 trilhões de quilômetros. São números avantajados, os utilizados nessa ciência.

NASA Sept. 30, 2015 | Editor: Lee Mohon
Edição em português: Gerson Soares

Clusters de galáxias são muitas vezes descritos por superlativos. Afinal, eles são imensos conglomerados de galáxias, gás quente e matéria escura e representam as maiores estruturas no Universo que se mantêm unidas pela gravidade.

 

Créditos da imagem: X-ray: NASA/CXC/MIT/M. McDonald et al.; Optical: NASA/STScI

Créditos da imagem: X-ray: NASA/CXC/MIT/M. McDonald et al.; Optical: NASA/STScI

 

Os clusters de galáxias tendem a ser pobres na produção de novas estrelas em seus centros. Eles geralmente têm uma galáxia gigante em seu centro que forma estrelas a um ritmo significativamente mais lento do que a maioria das galáxias – incluindo a nossa Via Láctea.

A galáxia central contém um buraco negro supermassivo cerca de mil vezes mais maciço do que a do centro de nossa galáxia. Sem aquecimento por explosões a partir deste buraco negro, as grandes quantidades de gás quente encontradas na galáxia central devem arrefecer, permitindo formar um alto clip de estrelas. Pensa-se que o buraco negro central age como um termostato, prevenindo o resfriamento rápido em torno do gás quente e impedindo a formação de estrelas.

Novos dados forneceram mais detalhes sobre como o aglomerado de galáxias SPT-CLJ2344-4243, apelidado de Cluster Phoenix, para a constelação em que ele foi encontrado, desafia essa tendência. O cluster aniquilou vários registros do passado: em 2012, cientistas anunciaram que o Cluster Phoenix contava com a maior taxa de arrefecimento de gás quente e formação de estrelas jamais vista no centro de um aglomerado de galáxias, e seria o mais poderoso produtor de raios-X de todos os grupos conhecidos. A taxa a que o gás quente é arrefecido no centro do aglomerado também era a maior já observada.

Novas observações deste aglomerado de galáxias em raios-X, ultravioleta e comprimentos de ondas ópticas pelo Observatório de raios-X Chandra da NASA, do telescópio espacial Hubble e do telescópio Clay-Magalhães localizado no Chile, estão ajudando os astrônomos a entender melhor esse objeto notável. Dados ópticos do Clay-Magalhães revelam filamentos estreitos do centro no aglomerado onde as estrelas estão se formando. Estes massivos filamentos cósmicos de gás e poeira, a maioria dos quais nunca tinham sido detectados antes, estendem-se por 160 mil a 330 mil anos-luz.

Isso é mais do que toda a largura da galáxia que conhecemos como Via Láctea (parte do seu esplendor pode ser visto a olho nu da Terra), o que os torna os filamentos mais extensos jamais vistos num aglomerado de galáxias. Para se ter uma ideia de tamanho, em astronomia 1 ano-luz tem o valor aproximado de 10 trilhões de quilômetros, perto de 6 trilhões de milhas.

Imagem de raios-X Chandra da Hydra A, um aglomerado de galáxias a 840 milhões de anos-luz da Terra, mostra filamentos de gás Celsius 35-40000000 grau incorporado em uma grande nuvem de gás quente que igualmente possui vários milhões de anos-luz de diâmetro. Também uma parte branca brilhante de gás com altas temperaturas de muitos milhões de graus Celsius é vista, sendo empurrada para o centro do cluster. Como os maiores objetos gravitacionalmente ligados no universo, aglomerados de galáxias fornecem pistas importantes para a compreensão da origem e o destino do universo. Imagem: NASA / CXC / SAO

Imagem de raios-X Chandra da Hydra A, um aglomerado de galáxias a 840 milhões de anos-luz da Terra, mostra filamentos de gás Celsius 35-40000000 grau incorporado em uma grande nuvem de gás quente que igualmente possui vários milhões de anos-luz de diâmetro. Também uma parte branca brilhante de gás com altas temperaturas de muitos milhões de graus Celsius é vista, sendo empurrada para o centro do cluster. Como os maiores objetos gravitacionalmente ligados no universo, aglomerados de galáxias fornecem pistas importantes para a compreensão da origem e o destino do universo. Imagem: NASA / CXC / SAO

Leia mais sobre
ASTRONOMIA

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*