Veículos apreendidos serão compactados


Publicado em 18 de fevereiro de 2014

Alckmin inicia compactação de veículos apreendidos na capital. Liberação dos pátios permitirá a melhora da logística da apreensão e, consequentemente, a fiscalização de veículos.

A medida é o primeiro passo para resolver um passivo de mais de 25 anos de veículos apreendidos criminalmente. Foto: Diogo Moreira

A medida é o primeiro passo para resolver um passivo de mais de 25 anos de veículos apreendidos criminalmente. Foto: Diogo Moreira

“Fizemos um leilão para a empresa que fará a compactação de 13.500 veículos, dos quais 62% já estão liberados. E temos uma licitação aberta para mais 32 mil. Chegaremos a 45 mil veículos”, afirmou Alckmin. O governador destacou que essa medida se soma à Lei dos Desmanches, que combate o roubo de veículos, pois quebra a cadeia econômica em torno do crime ao endurecer as exigências para a venda de peças usadas. Na Argentina, lei semelhante reduziu em 50% os roubos de carros e motos.

Alckmin no Pátio Santo Amaro da Secretaria da Segurança Pública, na zona sul da capital. Foto: Diogo Moreira

Alckmin no Pátio Santo Amaro da Secretaria da Segurança Pública, na zona sul da capital. Foto: Diogo Moreira

“Isso tem dupla importância para a segurança pública, pois inibe o roubo de carros para tirar peças e o latrocínio. Por outro lado, libera os pátios para a polícia poder fazer uma ação vigorosa e recolher carros e motos que estejam irregulares. E também é bom para o meio ambiente porque nos permite separar óleos, fluidos, catalisadores, baterias, pneus e dar a tudo isso o encaminhamento correto”, disse o governador. O roubo de veículos tem forte vínculo com os latrocínios: 50% dos casos ocorrem numa tentativa do ladrão de roubar um carro ou uma moto.

No total, serão descontaminadas e destruídas 13.500 carcaças que estão apreendidas no local. Foto: Diogo Moreira

No total, serão descontaminadas e destruídas 13.500 carcaças que estão apreendidas no local. Foto: Diogo Moreira

A medida é o primeiro passo para resolver um passivo de mais de 25 anos de veículos apreendidos criminalmente, que foi causado por entraves judiciais que impediam a liberação desses veículos dos pátios. Em maio do ano passado, a Justiça autorizou que fossem realizados leilões dos 45 mil veículos apreendidos em pátios na cidade de São Paulo, atendendo a um pedido da Secretaria da Segurança Pública (SSP).

O leilão dos veículos apreendidos no Pátio Santo Amaro aconteceu no dia 16 de janeiro. Os veículos foram arrematados por R$ 808.839,35, em lote único, pela empresa Trufer Comércio de Sucatas Ltda., responsável pela descontaminação, compactação e trituração das carcaças. A empresa vencedora tem autorização para vender o material para reciclagem. Não há custo para a SSP para a realização do processo.

Após a autorização para a realização do leilão, também é necessária a autorização de cada juiz responsável pelos processos a que os veículos estão vinculados para que seja feita a compactação. A permissão é necessária pois esses veículos são provenientes de apreensões criminais, ou seja, resultam de ocorrências de roubo, furto, estelionato etc. O processo total está previsto para acontecer em 180 dias.

Para preservar o meio ambiente, o processo segue exigências de órgãos reguladores e fiscalizadores do setor, inclusive descontaminando as áreas onde os veículos estão apreendidos.

A iniciativa é a primeira etapa do projeto para desocupar os atuais 45 pátios e contratar novos espaços para abrigar os carros apreendidos pelas polícias em ocorrências criminais.

Além dos veículos desse pátio, outros leilões serão realizados para que sejam vendidas as carcaças guardadas nos demais pátios da cidade, o que vai beneficiar todas as delegacias e todos os departamentos de Polícia Judiciária da capital.

Início do processo de compactação dos veículos depositados no Pátio Santo Amaro, na zona sul da capital. Foto: Diogo Moreira

Início do processo de compactação dos veículos depositados no Pátio Santo Amaro, na zona sul da capital. Foto: Diogo Moreira

O processo
A compactação é realizada por meio de um processo moderno, que recolhe todos os detritos e resíduos das carcaças. Cada veículo a ser compactado é vistoriado por um policial e recebe uma etiqueta com sistema de rastreabilidade. Baterias, pneus e catalisadores são retirados antes do procedimento e recebem uma destinação conforme as normas ambientais.

O equipamento, semelhante a uma prensa, conta com câmeras que registram a data e a hora da compactação. Um tanque separa os fluídos do veículo, como água e combustível, que são extraídos durante o processo. Após isso, a sucata será removida à empresa para ser comercializada para reciclagem.

Novos pátios
Outra concorrência da Polícia Civil, em andamento no Decap, contratará áreas privadas que substituirão os pátios atuais. O projeto é de que haja quatro lotes de pátios, cada um correspondente a duas das oito delegacias seccionais da capital.

Fonte: Portal do Governo / Secretaria de Segurança Pública
alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

2 Comentários

  1. kkk piada isso ,olha os carros nas fotos sem roda ,sera que eles estavam circulando sem rodas ,tem uns sem porta e faltando muitas peças ,o roubo começa no momento em que o carro é apreendido ,muitos carros sao apreendidos por motivo futil ,para arrecadar o dinheiro do guincho e estadia

    Envie uma Resposta
    • alotatuape

      Edson, seja bem-vindo.

      Envie uma Resposta

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*