Vereadores se vingam de Haddad com CPI no Teatro Municipal: corrupção


Segunda-feira, 13 de junho de 2016, às 16h57


A Câmara instalou CPI para investigar contratos do Teatro Municipal de São Paulo e apurar denúncias de corrupção em contrato feitas pelo Estadão.

Gerson Soares

Em sua coluna Opinião, no dia 15 de maio último, o jornal O Estado de São Paulo comentou sobre “O Fisiologismo de Haddad”. O editorial verificou as demissões pelo Prefeito de ocupantes de cargos comissionados indicados por vereadores que integravam sua base de apoio na Câmara Municipal de São Paulo (CMSP). Segundo o exposto, esse expurgo deve chegar a 140 demitidos. O motivo é que muitos desses vereadores estarão “do outro lado” nas próximas eleições e a ideia do Prefeito seria mudar a sua base aliada e aumentar o apoio à sua reeleição.

Conforme destacou o Estadão, os principais vereadores e seus apadrinhados na mira de Haddad são aqueles com candidatos próprios, como o PMDB (com Marta Suplicy), PSD (Andréa Matarazzo) e também o PSB, PTB, DEM e PP. Os atingidos negam ter apadrinhado quem quer que seja, mas por outro lado teve início uma vingança que envolve suspeita de corrupção no Teatro Municipal de São Paulo, mas a vingança pode ter mais desdobramentos.

 

Teatro Municipal de São Paulo: espetáculos comprometidos por suspeita de corrupção. Imagem divulgada pelo site da Prefeitura ilustra bem a situação, onde a divisão das verbas por agentes públicos corroem o patrimônio do município e prejudicam a arte.

Teatro Municipal de São Paulo: espetáculos comprometidos por suspeita de corrupção. Imagem divulgada pelo site da Prefeitura ilustra bem a situação, onde a divisão das verbas por agentes públicos corroem o patrimônio do município e prejudicam a arte.

 

Na última quarta-feira (8), a CMSP instalou uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar os contratos e convênios firmados pela Fundação Theatro Municipal de São Paulo, órgão ligado à Prefeitura da cidade. O pedido para averiguar o espaço cultural foi feito pelo vereador Quito Formiga (PSDB), eleito para presidir os trabalhos do colegiado. “Precisamos investigar as denúncias que ocorreram sobre o desvio de dinheiro público do Teatro Municipal divulgado pela imprensa”, disse.

A vice-presidente da CPI será a vereadora Sandra Tadeu (DEM), a relatoria ficará a cargo do vereador Alfredinho (PT) e o colegiado será integrado ainda pelos vereadores Aurélio Nomura (PSDB), José Police Neto (PSD), Ricardo Nunes (PMDB) e Paulo Frange (PTB).

Em sua fala, como presidente da CPI, Formiga faz referência à reportagem do Estadão, que no dia 17 de março revelou que o ex-diretor-geral José Luiz Herencia, confessou crimes de corrupção e fez acordo de delação premiada com o Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP). A operação foi deflagrada no dia 16 de dezembro de 2015, pelo Grupo Especial de Delitos Econômicos (GEDEC), em conjunto com a Controladoria-Geral do Município e com os apoios do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) – Núcleo Capital e da 4ª Delegacia Sobre Crimes de Lavagem de Dinheiro.

O MPSP cumpria quatro mandados de busca e apreensões em locais relacionados com o ex-diretor da Fundação Theatro Municipal. De acordo com o órgão, verificou-se durante a investigação criminal do GEDEC, que Herencia, por meio da Fundação, firmou contratos superfaturados para produção de espetáculos musicais e de teatro superfaturados, tendo recebido “propina” através da conta bancária de sua genitora, bem como de conta bancária administrada por ele. Estima-se um prejuízo à Prefeitura Municipal próximo a R$ 20 milhões.

Inundação de corrupção

Ficou apurado, ainda, que foram constituídas várias empresas utilizadas no plano de lavar os valores de procedência criminosa. Essas empresas movimentaram cerca de R$ 3 milhões no período de seis meses, em 2014. Foram encontrados documentos novos comprobatórios do esquema de corrupção, contratos administrativos da Prefeitura Municipal e documentos correspondentes ao patrimônio conquistado pelo investigado. A investigação criminal prosseguiu, inclusive para apurar a extensão da teia criminosa e os fatos ilícitos cometidos por José Luiz Herencia durante sua gestão como Secretário de Políticas Culturais no Ministério da Cultura, nos anos de 2009 e 2010; e como presidente da Associação Amigos do Museu de Arte Moderna.

“A Câmara não pode ficar sem fazer nada diante desses fatos que entristecem a todos. Vamos convocar todas as pessoas envolvidas, sendo que o primeiro deverá ser o Herencia que se posiciona como réu confesso e diz que recebeu R$ 6 milhões e repassou essa verba. Vamos convidar o maestro e diretor artístico do Teatro, John Neschling, e o secretário de comunicação da prefeitura, Nunzio Briguglio Filho, citados pelo ex-diretor na delação premiada”, argumentou Quito Formiga. “Vamos rever todos os contratos dos artistas e tirar a limpo essa história”, divulgou a CMSP.

Este é mais um órgão público sob investigação. Seja em quaisquer das esferas de Poder (municipal, estadual ou federal), a corrupção pode ser encontrada com facilidade, basta investigar. Como disse o procurador do Ministério Público Federal (MPF) e coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, no início do mês de maio em Curitiba, é preciso refletir e repensar a República. “Vivemos uma inundação de corrupção. Estamos tirando essa água com baldes e precisamos que sejam construídas barragens, muros que nos protejam dessa inundação de corrupção”. Em entrevista ao Estadão, nesta segunda-feira (13), Dallagnol disse que a Lava Jato está ameaçada por ter atingido “poderosos da República”. Segundo disse, o único escudo é a população e suas manifestações em apoio à operação e ao combate à corrupção.

Poluição sonora: Pesquisador do IPT ressalta necessidade de diálogo entre poderes municipal, estadual e federal em evento sobre ruído. Ilustração: aloart

Poluição sonora: Pesquisador do IPT ressalta necessidade de diálogo entre poderes municipal, estadual e federal em evento sobre ruído. Ilustração: aloart

Leia mais sobre
ALÔ SÃO PAULO

 

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*