Viaduto do Chá e Teatro São José

mem_anhang_v_cha 001

Parque do Anhangabaú, por volta de 1925, com destaque para o Viaduto do Chá, tendo na cabeceira, à direita, o Teatro São José e à esquerda, o prédio do Grande Hotel da rotisserie Sportsman

 

Antes de se tornar famoso pela sua beleza, o Vale do Anhangabaú passou por uma fase agrícola com hortas, pomares, plantações de verduras e flores. As mudanças pelas quais passaria foram registradas ao longo do tempo por vários indivíduos, mas até o século XIX era um local ermo. Nos registros históricos afirma-se que os índios ali praticavam rituais sagrados.

Em Nasce uma Metrópole, o autor Paulo Florençano descreve que “durante as horas do dia, escravos carregadores de água, tropeiros que procediam de Pinheiros ou de Santo Amaro, fiscais que na ponte do Lorena arrecadavam os impostos de entrada e a gente do povo que perambulava de um largo para outro animavam aquelas paragens. À noite, porém, tudo ali era sinistro, mal afamado, pessoas que tinham amor à vida evitavam passar por aquele setor”.

O livro Anhangabaú História e Urbanismo de José Geraldo Simões Júnior, também traz um estudo interessante sobre as melhorias na cidade a partir do início do século XX, definindo o velho centro e a Cidade Nova. “O vale do ribeirão Anhangabaú tinha aspecto semi-rural no começo do século XX e separava a velha São Paulo da nova. Velha era a que ficava próximo à encosta leste, por onde passava o rio Tamanduateí. A comunicação com Santos, o porto marítimo, e com o Rio de Janeiro, a capital do país, começava ali, e ‘portas da frente’ ou conexão com as estradas, caminho de tropeiros, eram as ladeiras do Carmo e da Glória. Saía-se e chegava-se à cidade por aí, sendo ‘quintal dos fundos’ da colina central o Anhangabaú, menos valorizado”.

Mas essa situação começa a mudar com a construção do primeiro Viaduto do Chá, do Teatro Municipal, com sua beleza européia, e a transformação do vale em um grande jardim, onde ergueram-se palácios e palacetes, como os da Prefeitura e do Automóvel Club do Brasil, construídos pelo Conde Prates.

O Viaduto do Chá construído em estrutura metálica, com 240 metros de extensão, ligava a Rua Direita à Rua Barão de Itapetininga, foi inaugurado em 1892 com festa e havia uma curiosidade. “Em cada um dos extremos do viaduto ficava um guarda com um relógio registrador, marcando o número de pessoas que passavam pela roda giratória e que tinham que pagar, cada uma, três vinténs”, escreveu Raimundo de Menezes em sua obra São Paulo dos nossos avós.

Apesar da agradável e inspiradora aparência, o vale cedeu às praticidades da modernidade e em lugar dos jardins foi criado um vasto estacionamento e uma avenida para em seguida ser reurbanizado novamente, com a premissa de que voltasse aos velhos tempos dos palacetes.

Parque do Anhangabaú, por volta de 1925, com destaque para o Viaduto do Chá, tendo na cabeceira, à direita, o Teatro São José e à esquerda, o prédio do Grande Hotel da rotisserie Sportsman

Da obra Memórias do Tatuapé | IX Edição Histórica | Dezembro/2012 | Editor: Alô São Paulo | Foto: Lembranças de São Paulo, João Emílio Gerodetti e Carlos Cornejo | Título original: Vale do Anhangabaú e Viaduto do Chá: Cartões postais e sala de visitas da cidade
alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*