Voltar aos cavalos e carroças causaria menos problemas, mas é preciso evoluir


Sexta-feira, 26 de junho de 2015, às 13h05 - atualizado às 16h39


Se voltássemos ao uso de cavalos e carroças, ou se ainda nem tivéssemos acabado com eles, não teríamos tantos transtornos quanto à poluição do planeta, sem contar a quantidade dos adubos naturais. No entanto, é preciso evoluir, apesar de o Brasil se apresentar ainda como terra de expiação em minha modesta opinião, dados os fatos que observamos diariamente na sociedade brasileira como um todo e esse olhar não é exclusivamente meu. A decadência da governança, que deveria dar o exemplo, parece seguir um caminho contrário em todos os sentidos da evolução, deixando para depois detalhes importantes. Mesmo assim, temos áreas que se destacam e é por essa via que o país um dia poderá alcançar degraus mais elevados na convivência humana, onde também se encontra a honestidade.

Gerson Soares

No dia 17 de junho, às 20h30, vimos agentes de trânsito escondidos nas sombras da noite para multar motoristas na esquina das ruas Cantagalo e Antonio de Barros, próximo à Praça Nicola Camardo e Rua Henrique Dumont, no Tatuapé. Ficamos imaginando qual seria a intenção da autoridade de trânsito com esse tipo de obscuridade. Certamente não é o de educar, já que o motorista não percebe o agente que está escondido, inclusive fazendo um papel que o expõe ao ridículo.

 

Detran Aricanduva: Um dos locais designados para que os motoristas e candidatos podem obter diversos serviços, entre eles o pagamento das taxas no Banco do Brasil: 3 caixas para atender milhares de pessoas = filas enormes e espera de horas para pagar uma taxas. Foto: aloimage

Detran Aricanduva: Um dos locais designados para que os motoristas e candidatos possam obter diversos serviços, entre eles o pagamento das taxas no Banco do Brasil: três caixas para atender milhares de pessoas = filas enormes e espera de horas para pagar uma taxa. Foto: aloimage

 

Fica claro que permitir a um agente de trânsito que se esconda para multar tem uma segunda intenção mais baixa, vil, que seria a de faturar às custas dos incautos e imprudentes, dos indisciplinados, a fim de educá-los pela punição. Dados mostram que as multas em São Paulo só aumentam o que leva a deduzir que apenas punir não está resolvendo o problema da indisciplina. Outro sintoma que remete a tal atitude é o da revolta. Mas esse já seria esperado, ninguém quer ser multado afinal, porém comete erros passíveis de punição, como avançar naquele exato momento em que o semáforo passa do verde para o amarelo ou deste para o vermelho, por exemplo. Parar sobre a faixa de pedestre, mesmo que apenas alguns centímetros.

Temos o caso de uma multa na cidade de Ubatuba: velocidade do motorista 58 Km/h, quando o máximo é de 50 Km/h. A cidade de São Paulo, pretende baixar mais 10 Km/h nas marginais, onde se chega a 90 Km/h e 70 Km/h, conforme a via, há outros pontos em que a máxima é de 50 Km/h. Nas estradas o máximo permitido é 120 Km/h, com variações as mais diversas que podem chegar aos 40 Km/h. A indústria automobilística se esforça em vender carros que chegam a 150 ou 180 Km/h, fácil e confortavelmente, mesmo sem serem estas as máximas dos automóveis médios vendidos no país que podem atingir velocidades ainda mais altas. As cidades vivem congestionadas e quando se alcança uma média de 40 Km/h na Radial Leste (onde o máximo permitido é 60 Km/h), via que liga a zona Leste ao centro da cidade de São Paulo, já é possível comemorar.

Por outro lado, existe uma indústria que se alimenta das multas e mais recentemente dos pontos na carteira, abrangendo um sem número de empresas que orbitam nesse universo, como autoescolas, CFCs (Cursos de Formação de Condutores), centros médicos e oftalmológicos e órgãos expedidores de documentos, como o próprio Detran-SP. Ao invés de fiscalizar a expedição de novas CNHs (Carteira Nacional de Habilitação), o Detran multa os infratores, ou seja, entrega a permissão para dirigir mesmo ao inábeis – sem condições psicológicas, motoras ou visuais – e depois coloca todos os motoristas no mesmo balaio, reduzindo a velocidade em nome dos acidentes provocados pelos embriagados, imprudentes e inconsequentes.

As punições variam, as multas são polpudas e as dificuldades para ter em mãos a CNH são criadas. Porém, dribladas nos CFCs, nos despachantes e autoescolas, que burlam o sistema através de subterfúgios conhecidos pelas autoridades, mas que são permitidos ou pior ainda conhecidos e tolerados. Essa permissividade lhes garantirá no futuro novos candidatos a multas e a indústria se renova a cada dia com os milhares de candidatos a motoristas, com ou sem habilidades para tanto.

Melhor seria voltarmos aos bons e fiéis cavalos, às lentas carroças, que além de não poluírem o meio ambiente eliminariam toda essa faceta obscura que envolve os órgãos de trânsito e as leis nocivas criadas por eles, salvo aquelas que realmente sejam educativas, mas que tenham como fundo a honestidade.

No Tatuapé, há histórias reais de que os animais de carga reconduziam aos seus devidos endereços os condutores da Prefeitura que vinham ao bairro recolher dejetos das chácaras – além do lixo também parte das hortaliças inutilizadas. Depois do trabalho se embriagavam e cabia aos burros sozinhos assumirem as rédeas e reconduzirem os carroções aos currais e depósitos, enquanto os funcionários curtiam a bebedeira na boleia. Hoje, em dia o transporte é por viaturas e motos modernas e os condutores se escondem nas sombras da noite para trabalhar.

Pelo jeito pouca coisa mudou em 100 anos. O povo ainda assiste às mais estapafúrdias ações de quem deveria lhes dar o exemplo. Só resta fazer o que faziam os antigos moradores do bairro, rir. Às futuras gerações de motoristas cabe avaliar aquilo que não devem fazer e como agir para atingir seus objetivos, sendo honestos consigo mesmos. Aos atuais condutores é preciso entender que os velhos tempos se foram. Hoje, o trânsito é lento, os semáforos são computadorizados e dificilmente se cruza dois quarteirões na luz verde do próximo semáforo. Portanto, não adianta querer voar num veículo que só é capaz de rodar no asfalto.

A honestidade deve prevalecer, custe o que custar. Ver agentes fardados escondendo-se atrás dos muros, das árvores e das bancas de jornais, a fim de faturar para o sistema, é a prova de que à evolução ainda é preciso dar um tempo. Cada indivíduo deve conciliar-se com sua própria consciência, não esperando que os órgãos públicos lhe imponham punições para discipliná-lo e ainda faturem um bom dinheiro com isso.

Leia as últimas publicações

Recent Videos

Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo
Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo
Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo
Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes
Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo
Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo
Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo
Telescópio Gigante Magalhães, vídeo
  • Programa PIPE para inovação em São Paulo, vídeo

  • Deputados querem votar mudanças no sistema eleitoral e fundo público de campanhas, vídeo

  • Continue acompanhando do espaço os movimentos do furacão Irma, vídeo

  • Liderada pelo deputado André Fufuca, Câmara vota pautas importantes

  • Sessão conjunta do Congresso Nacional, ao vivo

  • Plenário da Câmara dos Deputados, ao vivo

  • Acompanhe a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer, ao vivo

  • Telescópio Gigante Magalhães, vídeo

Categorias

alotatuape

Autor: alotatuape

Share This Post On

Enviar um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*